História A Barraca do Beijo - Capítulo 97


Escrita por:

Postado
Categorias Minha Vida Fora de Série
Tags A Barraca Do Beijo, Elle Evans, Lee Flynn, Noah Flynn, Romance
Visualizações 134
Palavras 1.254
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom dia amiguinhos <3 Vou dar um sustinho de leve em vcs muahahahaha kkkkkkkk Mas lembrem-se : as coisas mudam! Nada é definitivo.

Capítulo 97 - Eu tenho um bom olho


DUAS SEMANAS DEPOIS

-Era disso que eu precisava . - Luce diz ao meu lado. - Uma saidinha pra gastar. - ela comemora.

Estamos no shopping central há algum tempo, e Luce não parece nem um pouco pronta para ir pra casa. Já rodamos várias lojas, já compramos várias coisas, e eu várias vezes já quis ir pra casa, mas ela não aceitou. Reclamou que eu estava muito reclusa e que eu merecia pegar um pouco sol de vez em quando. O que não faz muito sentido, já que estou dentro do shopping, então como vou pegar sol?

-Você realmente levou sua missão a sério. - digo, meus olhos fixos nas sei lá quantas sacolas dela.

-Eu sempre levo. - ela abre um sorriso gigante. - Me avise se ficar apertado. - ela diz, e eu sei exatamente do que ela está falando.

Luce me deu um vestido como presente de aniversário atrasado, já que  duas semanas atrás ela não estava aqui, estava viajando com Peter para a casa dos pais dele.

Estamos no início das férias de verão, então é normal e aceitável que ela esteja tão empolgada assim para sair de casa. Passar meses enfurnada em casa, com sei lá quantos casacos para se proteger do frio não é pra qualquer um, e tenho certeza que mexe um pouco com o psicológico da pessoa. Eu sinto como se minha sanidade estivesse voltando com o sol. Quanto mais o sol aparece, mais me sinto eu mesma.

-Claro, mas acho que vai servir. Você sabe o número que visto.

-Eu sei! Eu tenho um bom olho.- ela se gaba, mas enruga a testa. - se bem que você está mais gordinha.

-Você acha? - paro no meio do corredor movimentado, e analiso minha barriga.

Não vejo nada de diferente nela. Mas meus olhos já estão acostumados demais com meu corpo. Luce passou duas semanas sem me ver, então ela pode com certeza ver algo de diferente em mim.

-Acho. Você está até mais bochechuda. - ela aperta minhas bochechas  e eu afasto suas mãos com um tapa.

-Para com isso!

-Alguém aqui andou comendo muita besteira. - ela me olha de soslaio,e então abre um sorriso zombeteiro.

Comi? Quer dizer, devo ter comido, claro. Sou apaixonada por porcaria. Mas tenho me alimentado bem desde que fui morar com o Noah. Por ele ser atleta, ele precisa seguir certas restrições, e por morar com ele acabou me fazendo entrar nessa onda junto. Então tenho comido mais frutas e meus almoços estão sempre acompanhados de verduras e vegetais. Comparando toda a minha vida, essa deve ser a fase que eu melhor tenho comido.

Sem ofensa, pai!

-Na verdade não. Noah está fazendo uma nova dieta por conta dos treinos, e não comemos nada não saudável há algum tempo.

Luce mexe a cabeça confusa, e então dá de ombros.

-Então me enganei. - ele decide. - Isso, ou vou ser titia e não estou sabendo. - ela ri da própria piada, e eu sinto um frio no pé da barriga.

Ai meu Deus! Que dia é hoje?!

-Era brincadeira, Elle. Respire! Você está mais branca que essa parede. - Luce me abana com a mão, mas não consigo respirar.

Ai meu Deus, ai meu Deus, ai meu Deus!

-Elle? - ela chama, seu tom agora mais sério e preocupado.

-Minha menstruação está atrasada há mais de um mês. -respondo de forma robótica.

Luce para de me abanar, e fica tão séria quanto eu.

-Tem certeza?

-Tenho. Achei que fosse meu corpo se normalizando ao meu anticoncepcional, mas agora não tenho tanta certeza.

Ficamos ambas paradas no corredor cheio, sem ter ao certo o que dizer. Estou tão perdida em meus próprios pensamentos, que não consigo formular nenhuma frase coerente.

-Vem cá. - Luce me puxa para um banco,e eu me jogo nele como um saco velho de batatas . - Me explica isso direito.

-Eu...ai meu Deus! - não consigo nem pensar direito, quanto mais falar. Os pensamentos surgem na minha cabeça e imagens de um bebê se destaca. Um bebê! Meu Deus!

-Respire, Elle. - Luce tenta me acalmar, mas meu estômago parece que deu um nó, e meus ouvidos parecem pegar fogo com o zumbido das conversas ao nosso redor. Meus olhos estão fixos no chão, enquanto mais e mais imagens dominam minha mente assustada.

-Eu fui ao ginecologista há um tempinho, e ele me receitou um anticoncepcional. Ele disse que era para experimento, para ver se meu corpo ia aceitar ele. Então quando minha menstruação não veio, achei que fosse só uma reação.

-Mas e se não for?

Se não for eu provavelmente vou ser mãe, e nesse exato momento tem um bebê se formando dentro de mim.

-Você tem sentido mais alguma coisa? Quer dizer, não é só porque sua menstruação atrasou que você está grávida. Tem outros sintomas além desse. - ela diz - Você tem sentido cansaço, enjoo, percebeu alguma mudança na sua alimentação?

-Cansaço eu tenho desde sempre, então não percebi nenhuma mudança agora. Não senti enjoos, pelo menos não que eu lembre. E sobre a comida, eu não percebi nada. Quer dizer, teve coisas na nova dieta do Noah que eu não consegui comer, mas foi só porque não gostei do gosto.

-Precisamos comprar um teste. Um não, vários. - Luce levantada do banco decidida, mas não consigo me mexer. Só de ouvir o nome “teste” me dá vontade de vomitar ou sair correndo. Acho que de preferência as duas coisas.

-Não consigo.

Luce me encara por um tempo, então coloca as sacolas ao meu lado.

-Tudo bem. Eu volto logo.

Não tiro meus olhos do chão enquanto ela se afasta. Tenho medo de olhar pra alguém e ver a censura nos olhos deles. Estou sentada tão ereta, que minhas costas doem em protesto a minha postura, mas não me movo.

Mais uma vez estou passando por isso. Mais um teste de gravidez que vou fazer. E se der positivo? O que eu vou fazer? Quer dizer, claro que eu quero um bebê, mas não agora. Só tenho 19 anos, não estou pronta para ter um filho ainda. Ainda estou aprendendo a me cuidar, como posso cuidar de outro ser humano?

Sinto meu celular vibrar na bolsa, mas não consigo sair do meu transe para atender. Quem quer que seja pode esperar , estou aflita demais para fingir estar bem para alguém.

O celular para, e então volta a tocar. Solto um suspiro e mexo na minha bolsa até encontrar meu celular. A imagem de Noah com um ponte de Vegemite surge na minha tela, e sinto meu coração quebrar e bater mais ao rápido ao mesmo tempo.

O que ele ia dizer se estivesse aqui? Eu sei que ele quer um bebê, eu lembro claramente das suas palavras quando tive o mesmo susto na primeira vez. Mas diferente da primeira, meu corpo não estava diferente. Mas, será que o corpo muda assim tão rápido?

-Vamos . -Luce diz, e eu pulo no banco com o susto.

-Pra onde? - finalmente olho pra ela, e vejo sua expressão angustiada.

-Pra onde você quer ir?

Acho que não vou me sentir confortável em nenhum outro lugar que não seja minha casa. Preciso do conforto da minha cama para poder relaxar um pouco.

-Pra casa.

-Noah está lá ?

-Não, está no treino.

-Ótimo. - ela pega as sacolas no banco, e então enlaça sua mão livre no meu antebraço. - Só lembre de respirar, Elle. Vai ficar tudo bem.

Será mesmo?


Notas Finais


Bom final de semana <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...