1. Spirit Fanfics >
  2. A barraquinha do beijo (alelps) >
  3. Capítulo único.

História A barraquinha do beijo (alelps) - Capítulo 1


Escrita por: e howI


Notas do Autor


@mavestars

Oh, essa alelps foi um pedido da @bluesorrowful e eu adorei escrever ela com o howI (cês viram a capa que coisa mais linda?! O menino manda dms ♡)

@howI

foi muito bom escrever essa fic em parceria com a maves, espero que vocês gostem de ler ela tanto quanto eu gostei de escrever 💜
enfim, boa leitura

Capítulo 1 - Capítulo único.


Fanfic / Fanfiction A barraquinha do beijo (alelps) - Capítulo 1 - Capítulo único.

Alan ajeitou o chapéu de palha sobre os cabelos castanhos e desgrenhados, querendo achar o primeiro pote de paçoca da noite. Não era tão fã de festividades, assim como de bebidas, então quando ia para festas de amigos procurava por comida, era um ritual sagrado e não seria diferente agora. A casa de Gabi estava parcialmente cheia, decorações no estilo festa junina espalhadas pelo quintal, era adorável até mesmo alguns espantalhos decorando as portas dos fundos da casa.


Sentou-se na mesa redonda e de toalha azul quadriculadinha, observando como seus amigos pareciam entretidos demais com aquele quentão. Não sabia o que eles viam em coisas alcoólicas, mas não seria ele que iria acabar com a diversão alheia.


— E aí, Alan, ‘vamo dançar quadrilha? — Gabi parou na frente dele, ela segurava com cuidado na barra do vestidinho fofo e vermelho que usava, suas bochechas estavam vermelhas com excesso de blush e pintinhas. — Tenho uma amiga que tá na barraca do beijo sem par. — mandou-lhe uma piscadela.


— Não vou chegar em ninguém, não, Gabi. — Alan riu baixinho, apanhando uma paçoca do potinho em cima da mesa.


— Larga de ser covarde, Alan! — ouviu a voz Calango ecoar pelo lugar. — Não aguenta quentão e agora nem vai ir falar com a amiga da Gabi?! Ah, para, né!


Era possível ouvir a risada de seus grupos de amigos. Gabi sorriu pequeno, como se tentasse amenizar as palavras do garoto de cabelos oxigenados. Ela tirou seu chapéu e o colocou de volta, como uma referência boba, saindo logo em seguida.


Alan revirou os olhos, querendo evitar a vontade de socar o amigo. Colocou a paçoca na boca e se levantou, indo em direção a mesa em que os rapazes estavam em volta, virando quentão igual vira água. Sinceramente, sentia-se muito feliz por não agir como um adolescente, até mesmo porque era extremamente fraco com bebidas.

No entanto, há certas tentações...


— Vai beber? — Rafael lhe olhou com um sorrisinho arteiro. Ele parecia levemente bêbado, as bochechas estavam em tom rosado, só era menos chamativo que o bigode rabiscado. — Esqueci que você não aguenta beber nada. Ops.


Os rapazes se entreolharam e riram. Guaxinim deu um empurrão de leve em Rafael, mandando-lhe um olhar feio. Sabia que não era totalmente culpa dele.


— 'Cê tá achando que tá falando com quem? Aposto que consigo tomar muito mais que você.


— Quer apostar? Seis copos!


— Vamos!


— Puta que pariu. — Guaxinim resmungou, sabendo o que estaria por vir.


Calango e Pk se empurraram, rindo, achando graça de toda aquela situação. Argumentar com gente idiota era perca de tempo, Rafael Montes sabia bem, por isso preferiu só se sentar e observar a confusão, se precisasse se intrometer o faria.


Gabi, que estava ao longe, preferiu ignorar por hora os dois idiotas que viravam copos em um ritmo alucinante. Se desse em alguma coisa, a culpa seria deles mesmo, eram de maior. Virou-se, observando como seu quintal estava bonito. Havia várias mesas espalhadas cobertas por toalhas quadriculadas de várias cores, de diferente só a maior e quadrada, onde estava o grupo de idiotas, cheia de comidas típicas. Havia também uma enorme fogueira de decoração no fundo do quintal, também tinha varalzinhos cheios de bandeirinhas, completando a decoração junto com o restante de coisinhas temáticas, algumas barraquinhas temáticas estavam espalhadas, incluindo a barraca do beijo. Com certeza era a mais divertida da noite até agora.


— Chupa, meu querido! Eu ganhei! — Alan respondeu o rapaz a sua frente com a voz levemente embargada, rindo da situação abertamente.


— Você só ganhou porque eu deixei. — Rafael disse praticamente no mesmo estado do amigo, aparentando já estar bem afetado pela bebida.


Mas por mais que Cellbit já se encontrasse bêbado, o plano que tinha em mente não saía de sua cabeça — a primeira parte havia dado certo, agora era torcer para que a segunda também desse.


— Chora mais. — Alan deixou os copos vazios de lado enquanto continuava comemorando, como se ter ganhado aquela disputa realmente fosse algo muito importante.


— Eu jurava que o Alan era fraquinho 'pra bebida, mas na real o Cellbit é que é. — Calango comentou, caçoando do amigo. Pk, que estava ao seu lado, apenas ria de tudo que acontecia.


— Fraquinho o meu cu! — o loiro disse em alto e bom som, demonstrando toda a sua indignação.


Guaxinim observava toda aquela situação com uma expressão entediada, como se já estivesse acostumado — mas ainda sim preferia não ter que presenciar aquilo, pois agora com dois de seus amigos completamente bêbados coisa boa é que não ia vir.


Aproveitando toda bagunça que acontecia na mesa dos arteiros, Catuzzo caminhou em passos calmos até a barraca do beijo. Ao chegar perto do local sorriu mais uma vez no dia, ainda achando graça da mesma situação — por mais que já tivesse visto Felipe de vestido antes, aquela com certeza era a vez mais engraçada de todas.


Além do vestido completamente colorido e bem decorado, Felps estava com o cabelo no estilo maria-chiquinha. Acompanhando o traje, o rapaz usava botas da cor marrom e suas bochechas estavam pintadas de forma intencionalmente exagerada, com um blush pêssego e várias pintinhas ao redor — basicamente a típica roupa de uma festa junina.


— Será que a mocinha aceita beijos de outras moças? — Gabi disse com um sorriso cafajeste estampado no rosto, apoiando o cotovelo na bancada da barraca de forma galanteadora.


— Depende, a moça é você? — Felps aproximou seu rosto, decidindo entrar na brincadeira; observou a amiga concordar com um aceno de cabeça rápido, então se afastou novamente — Então não.


— Nossa! Assim você machuca meu coraçãozinho, sabia? — Gabi se afastou e colocou a mão no peito, fazendo um leve drama.


Não demorou muito para ambos acabarem rindo, com Felps achando graça do jeito bobinho que a amiga tinha e Gabi por achar graça da sinceridade agressiva do mais velho.


— Enfim, beijando muitas boquinhas? — Gabriela perguntou de forma animada.


— Todas, menos a que eu queria. — o moreno disse com um ar decepcionado, fazendo a amiga o olhar com uma sobrancelha arqueada.


— Eu não desistiria se fosse você, desde que o Alan chegou tá todo mundo em cima dele 'pra tentar fazer vocês dois ficarem. — Gabi sorriu, dando de ombros assim que viu o outro lhe lançar um olhar surpreso.


— Vocês não perdem uma, né?


— Fazer o quê? A gente é incrível. — Catuzzo deu uma piscadinha, virando o seu olhar e parecendo ficar mais animada assim que fez isso — Agora deixa eu ir lá que tá chegando mais gente!


— Até depois então. — Felipe sorriu e acenou, vendo a amiga sair dali em passos apressados. O fato da anfitriã da festa estar mais do que feliz também deixava Felipe feliz, por mais que ele ainda não tivesse conseguido o que queria de verdade.


Perto dali, ainda na mesa dos bagunceiros, Alan e Cellbit pareciam "discutir" de um jeito estabanado. Por mais que eles tentassem levar a briga a sério, o fato de estarem falando de forma arrastada e nem ao menos conseguirem ficar parados sem perder o equilíbrio, deixava tudo bem engraçado para quem quer que estivesse assistindo.


— Você é um covarde, Alan! Não tem coragem nem de chegar na amiga da Gabi e ainda quer que eu te dê moral?! — Rafael falou em alto e bom som, recebendo um olhar de indignação por parte do mais velho.


— Eu tenho coragem sim, caralho! — Alan respondeu de forma irritada, já se levantando do banco em que estava sentado.


— Ah, é? Então prova. — Cellbit sorriu de modo provocativo, fazendo Ferreira ficar com uma expressão completamente emburrada.


— Pode deixar que eu vou! Se eu quiser eu pego qualquer pessoa dessa festa. — Alan resmungou enquanto ajeitava seu chapéu de palha, saindo da mesa e seguindo em direção a barraca do beijo.


— Puta merda, eu não acredito que ele realmente vai fazer isso… — Guaxinim disse baixinho, já pegando seu celular para possivelmente tentar gravar o que estaria por vir.


— Viram? O meu plano funcionou. — Cellbit falou e soluçou logo em seguida. O loiro até tentou pegar outro copo de bebida que havia em cima da mesa, mas foi impedido por Pk, que parecia entender que ele já estava em seu limite.


— Aí sim, viado! — Calango comemorou com gestos de vitória, se levantando rapidamente — Eu vou lá chamar a Gabi 'pra ver isso. — e então saiu correndo, procurando a amiga entre as diversas pessoas da festa.


Já distante dos amigos, Alan aproveitou que não viu ninguém na fila da barraca para se aproximar de verdade. Antes de chegar no local, observou a moça da barraquinha que parecia um tanto distraída, olhando cada um de seus detalhes. Ela era até que bem bonita, estava toda arrumadinha e felizmente sozinha — a deixa perfeita para o rapaz se aproximar.


— Engraçado não ter ninguém aqui, uma moça tão bonita dessas e sozinha. — Alan falou assim que chegou em frente ao local, fazendo Felipe se assustar e olhá-lo com atenção — Deveriam ter no mínimo uns 15 caras na fila só 'pra te beijar.


Assim que ouviu aquilo o moreno sentiu suas bochechas esquentarem levemente, não pelo elogio, mas sim por ser Alan Ferreira quem estava lhe elogiando. Contudo, assim que a ficha caiu e Felipe se tocou no tom de voz que Alan tinha falado, ele apenas o olhou com uma sobrancelha arqueada.


— 'Cê bebeu, né Alan? — Felps perguntou e viu o menor rir baixinho, se apoiando na bancada com uma das mãos assim que sentiu que estava prestes a perder o equilíbrio novamente.


Ver Alan naquele estado era até surpreendente, já que ele raramente bebia até aquele ponto — na verdade ele quase nunca bebia nada, então qualquer um que o visse tinha motivos para estranhar. Mas Felipe tinha que admitir: mesmo bêbado, Alan estava uma gracinha com a roupinha de festa julina, o bigodinho pintado a lápis preto e o chapéuzinho de palha.


— Então já te falaram sobre mim? Isso é bom. — o mais velho sorriu e Felipe revirou os olhos, acabando por deixar um risinho escapar — Vem cá, quanto custa o ingresso 'pra ganhar uns beijinhos de uma moça tão bonita?


— Nessa festa não precisa pagar, a Gabi fez questão de não deixar a gente comprar nada. — enquanto falava, Felps pode observar que perto dali alguns de seus amigos os olhavam "discretamente". Na realidade eles até tentavam disfarçar, mas era visível que a atenção deles estava voltada para os dois na barraca do beijo — Ela só queria que a gente aproveitasse bem a festa, achei fofo.


— Então se eu quiser posso só te beijar, huh? — o acastanhado falou com um sorriso safado no rosto, tirando a mão da bancada e ajeitando sua postura.


Felipe poderia simplesmente ceder e beijá-lo — até porque era algo que almejava muito —, mas sua dignidade estava falando mais alto naquele momento.


— Eu disse que não precisava pagar, mas não disse que beijaria qualquer um. — o moreno sorriu e ajeitou seu vestido, fazendo o rapaz a sua frente o lançar um olhar entediado — Por que você não me convence?


— Você é bem difícil, moça. — Alan cruzou os braços e suspirou, pensando por alguns segundos — A propósito, qual seu nome?


"Puta merda, o que a bebida não faz com o ser humano", Felipe pensou e riu discretamente.


— Felícia. — o maior disse com um sorriso sacana no rosto, tratando de deixar sua voz em um tom mais afeminado.


No exato momento em que terminou de falar, Felps pôde ouvir várias risadas escandalosas vindo de seus amigos que ainda os observavam perto da barraca — principalmente por parte de Guaxinim.


— Já sei, espera só um minutinho aí. — Alan falou e se afastou correndo, fazendo o moreno o olhar de forma curiosa.


Em poucos segundos o mais velho voltou, mas caminhando de um jeito engraçado e galanteador. Alan parou novamente em frente a barraca do beijo e tirou seu chapéu, ajeitando seu cabelo enquanto falava:


— 'Roi, Felícia né? Primeira barraca, festa julina da Gabi… Tudo bem?


Assim que Alan terminou de falar, Felps não aguentou e acabou caindo na risada. O moreno negou com a cabeça e respirou fundo, constatando o quão surreal Alan Ferreira ficava quando bebia.


Puta que pariu. — Felipe sussurrou e se recompôs, observando o menor fitando-o com um olhar esperançoso enquanto colocava seu chapéu novamente — Me convenceu.


Alan comemorou, dando pulinhos de alegria e levantando os braços. Em seguida passou a rodear a barraca, saindo da frente dela e indo para a parte de trás, onde Felícia se encontrava.


— O que você tá fazendo? — o mais novo perguntou, totalmente confuso.


Felipe virou de costas — para observar melhor Alan, que estava entrando ali — e acabou por bater o corpo na bancada da barraca, ficando entre ela e Ferreira. A barraca não era lá muito grande, então dentro dela cabia literalmente só os dois.


— Licença, mas a bancada da barraca atrapalha demais. — o mais velho deu de ombros.


— Mas é assim que funciona, você não precis… — Felipe até ia terminar de falar, mas parou assim que foi interrompido com um beijo do menor.


Alan depositou suas mãos na cintura de Felipe, apertando o local com cuidado para aproveitar melhor o contato. O moreno apoiou suas mãos ao redor do pescoço de Alan, retribuindo o beijo de bom grado. As línguas se misturavam em um ósculo gostoso, cada um aproveitando tudo que conseguiam um do outro. Mesmo sentindo o gosto da bebida, Felipe se sentia feliz por finalmente estar beijando quem tanto queria — já Alan se sentia feliz por saber que depois poderia jogar na cara de Rafael Lange que não era um covarde qualquer.


Quando se separaram, Felps suspirou e desviou o olhar, segurando um dos lados do cabelo preso na frente de seu rosto para tentar esconder sua vergonha. Alan, por outro lado, não estava nem um pouco envergonhado por conta da bebida — havia até achado fofo o jeito da garota a sua frente.


Ambos estavam distraídos demais para ouvir os gritos eufóricos de seus amigos, que comemoravam interna e externamente por finalmente verem seu casal ter tido um momento digno. Aquele dia com certeza ficaria para a história do grupo.


— Você é uma fofura sabia? — Alan comentou ainda sorrindo, fazendo o rapaz a sua frente o olhar indignado no mesmo instante.


Felipe Zaghetti era extremamente paciente e tolerava de tudo, mas se tinha uma coisa que o tirava do sério era seu chamado de "fofo" ou qualquer coisa nesse mesmo sentido.


— E você já me beijou, agora pode ir saindo. — o maior segurou o corpo de Ferreira e o empurrou para fora da barraca rapidamente.


— Ah, mas você não vai me passar nem seu número? — Alan perguntou com uma expressão tristinha no rosto, o que particularmente Felipe achou bonitinho.


— A Gabi te passa, é só pedir 'pra ela.


(...)


No outro dia — agora sóbrio —, Alan estava com a cabeça enfiada na mesa, apoiado em seus próprios braços enquanto era obrigado a ouvir as provocações e brincadeiras dos amigos a sua volta. A festa junina na casa da amiga seria de três dias, então era normal que todos estivessem reunidos outra vez — Alan só não entendia como ainda teve coragem de aparecer na festa depois do "incidente" do dia anterior.


— Olha que bonitinho o vídeo, Alan! — Guaxinim colocou o celular perto do mais velho mais uma vez naquele dia, fazendo-o levantar o rosto e suspirar.


— Por que essa cara de cu? Vocês finalmente ficaram, cara! — Cellbit disse e deu outra mordida no pastel que estava comendo.


— 'Nananinanão, o Alan não ficou com o Felps, ele ficou com a Felícia. — Calango disse em um tom brincalhão, arrancando risadas de todos na grande mesa enfeitada.


— Eu odeio vocês. — Alan choramingou, passando as mãos no rosto.


Pelos próximos minutos todos continuaram tirando com a cara de Alan, mas assim que os garotos avistaram uma figura conhecida se aproximando todos pararam de falar.


— Felps? — Alan o encarou com atenção, fazendo-o desviar o olhar assim que seus olhos se encontraram.


Diferente do outro dia Felipe parecia completamente desanimado, tanto que nem mesmo estava de vestido. Dessa vez ele usava um traje masculino, até mesmo com o chapéu de palha. Sua expressão um tanto tristinha incomodava todos ao redor, já que geralmente ele era um dos mais animados entre eles.


— Eu vou ir comprimentar a Gabi, licença. — o maior até tentou se afastar, mas Alan foi mais rápido e se levantou da mesa.


— Felps, espera! — o mais velho exclamou e se aproximou, chamando a atenção de Felipe novamente — Você… 'Tá chateado comigo?


— Eu… Só achei que você não quisesse falar sobre isso. — o moreno parecia bem desconfortável com a situação — Na real eu achava que você não ia nem querer olhar 'pra minha cara depois de ontem.


Todos em volta apenas se calaram, prestando muita atenção na conversa dos dois.


— Eu sinto muito por ter achado que você era uma mulher. — Alan riu sem jeito, coçando a nuca de maneira envergonhada — Mas por que você achou isso?


— Porque eu queria aquilo... Porque gosto 'pra caralho de você. — Felps sussurrou a última parte, se perdendo um pouco nas palavras; mas mesmo que tivesse sussurrado a última frase, foi alto o suficiente para o menor conseguir ouvir — Mas ontem você não sabia que era eu, então acredito que não se sinta da mesma forma.


— Eu nunca disse isso. — Alan sabia que seu rosto estava levemente vermelho, mas mesmo com vergonha não desistiria de reconquistar Felipe novamente — Que tal se a gente fizer do jeito certo dessa vez? Sem essa história de Felícia ou sei lá que caralho.


— Como assim?


— Então, Felps... Aceita dançar quadrilha comigo? — Alan estendeu sua mão, sorrindo assim que terminou de falar.


Felps o olhou surpreso por alguns instantes, mas mesmo assim não deixou de retribuir o sorriso logo em seguida.


— Aceito! — o mais novo segurou a mão de Alan com carinho, e assim os dois saíram andando juntinhos por dentro festa.


Os garotos e garotas que estavam vendo toda a cena apenas sorriram e começaram a conversar entre si, achando extremamente fofa a forma como Alan e Felipe conseguiram deixar tudo de lado para finalmente ouvirem seus corações.


Notas Finais


E foi isto! :)
Esperamos que tenham gostado ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...