1. Spirit Fanfics >
  2. A Bela e a Fera >
  3. Capitulo 3

História A Bela e a Fera - Capítulo 3


Escrita por: GivanSena

Capítulo 3 - Capitulo 3


Os irmãos de Bela pegaram suas espadas, cavalos e saíram correndo atrás de vestígios de Bela e seu pai. Eles acharam o caminho para a floresta de gelo e seguiram a toda velocidade. Por outra estrada o Sr. José voltou correndo para sua casa e não encontrou seus filhos então desesperado foi atrás dos mesmos pela cidade. Ele encontrou com os governadores e contou para o mesmo que um monstro o havia raptado e que mantinha agora sua filha refém. Os governantes então reuniram um batalhão que iriam de imediato ao socorro de Bela.

Bela caminhava pelo castelo com o livro surrado embaixo do braço. Ela estava agora atrás da criatura e gostaria de entender mais sobre a história do mesmo. Ela foi até uma das várias suítes que haviam no castelo e se deparou com uma imensa pintura de uma belo homem tomando toda a parede. Ela admirou aquele príncipe e olhou para o livro em sua mão e viu então a criatura ao lado na penumbra. 

- Você não tem nada melhor pra fazer? Questionou a criatura. 

- Esse na pintura... é você? Perguntou Bela tentando não ser indelicada. 

A criatura fitou Bela por longos minutos sem nada dizer então se voltou para sua pintura. 

- Eu era o príncipe deste reino. Meu pai e minha mãe mantinham um ótimo reinado. Eram realmente admirados por todos do Reino mas por culpa minha hoje estão todos mortos.

- Mortos? Sussurrou Bela espantada. 

- Em uma das muitas festas que dávamos  foi me dada a tarefa de arrumar uma esposa. Meus pais diziam que eu precisava me casar... O baile aconteceu normalmente e havia diversas garotas, as mais belas, uma mais linda que a outra mas tinha uma mulher que me chamou a atenção. Não por sua beleza mas por sua feiura. Era horrenda, não tinha como ela achar que um dia eu iria me casa com ela. Achei aquilo uma ofensa a mim. A expulsei do baile, coloquei para fora na frente de todos.

- Isso é horrível! Exclamou Bela. 

- E oque acha que devia ter feito? Eu nunca me casaria com alguém como ela.

- Ignorante desse jeito, talvez mereça essa maldição. 

- Não fale oque não sabe! Bradou o monstro. - A mulher se transformou nesta maldita Feiticeira que vem me atormentando desde então. Disse que eu pagaria e aprenderia com o meu erro. Onde eu errei? Eu me recusar a aceitar alguém como ela?

- Você é nojento!

- Era o baile para escolher a minha futura rainha. Você não entende. Nem da realeza deve ser.

- Não sou da realeza e muito menos sou Ignorante e mal educada. 

- Cala a boca. Você não é ninguém para me chamar de Ignorante. 

- Ignorante, grosso, arrogante e sem educação. Faz jus a fera que você é. 

Bela aumentou o tom de voz contra a criatura e fez com que o mesmo ficasse calado. Ele nada disse, apenas fitou ela sem reação, impressionado com a coragem com que ela o enfrentou.

- Oque foi? Questionou ela o fitando nervosa. 

- Ninguém nunca me afrontou assim... Na real, todos tem medo de mim. Porque você não?

Bela não soube responder, apenas ficou calada. A criatura caminhou até Bela e pegou o livro da mão da mesma.

- Você gosta de lê? Perguntou ele a ela.

Bela ainda não respondeu e fitou ele séria.

- Esse livro é interessante não é? Perguntou ele...

- Você conhece? Perguntou ela espantada. 

- Claro que conheço. É minha a história!

Bela ficou espantada com oque acabou de ouvir. 

- Como assim é sua a história?

- Faz parte da maldição. Cada página vai preenchendo assim que as pétalas da rosa caem. 

E no mesmo momento o castelo estremeceu. Mais uma pétala havia caído. 

- Assim que a última pétala cair, o livro estará completo. E eu... estarei morto!

Bela estava espantada. Não compreendia como aquilo era possível. 

- Não acredita em mim? Abri ele...

Ela o abriu, folheou e lá estavam, novas páginas e para seu pavor, teu nome também se encontrava nas páginas do livro.

- Mas... Gaguejou Bela assustada. 

- Não precisa entrar em pânico. A história só vale pra quem está no castelo. Se você for embora teu nome vai sair dai.

- Mas... porque tinha outro desse na Vila? 

- Só existe esse livro. Não há mais...

- Não! Tem um desse em casa! Eu comecei a ler...

- Bom então... a Feiticeira já planejava te trazer aqui... Por isso fez seu pai se perder no caminho para cá.

- Então você quer dizer que essa Feiticeira planejou tudo isso?

- É oque parece...

Bela parecia estar surtando com oque estava acontecendo. Oque ela tinha haver com tudo aquilo?

- Oque aconteceu depois da maldição? Perguntou Bela agora interessada em saber oque estava acontecendo. 

A criatura a fitava interessado. Porque ela insistia em conversar com um monstro como ele? Que sentimento estranho era aquele que estava sentindo?

- Porque seus pais morreram?

- A maldição me proíbe de sair deste castelo e por conta da minha aparência eu espanto qualquer que tente se aproximar. Eu não era sozinho no castelo haviam mais como eu porém a maldição foi fazendo com que aos poucos eles morressem, um a um. Empregados e familiares. Restando somente a mim. Esperando aflito pela última pétala a se soltar. Todo isso porque ela não foi boa o suficiente para estar no baile, aquela maldita Feiticeira. 

- Talvez a forma com que você a tratou tenha feito isso a você. Se você ao menos se desculpar-se. 

- Me desculpar? Rosnou a criatura. - Veja oque ela fez a mim. Ela é quem tem que se desculpar. Gritou ele nervoso. - Não devo desculpas a ninguém. 

E se foi novamente deixando Bela sozinha. 

Bela não compreendia sua estadia naquele lugar e passou a tentar sair dali. Foi até o portão do lado de fora e tentou subir no mesmo mas estava muito escorregadio por conta do gelo e então depois de muitas tentativas falhas ela viu novamente a Feiticeira. 

- Ei! Você... porque me trouxe aqui? Oque eu fiz para merecer estar aqui?

- Eu não te trouxe aqui Bela. Você veio por vontade própria. 

- Vontade própria? Berrou Bela. - Você trouxe meu pai aqui.

- Seu pai queria uma rosa, porque você pediu a ele. Eu apenas o levei até a rosa. Oque aconteceu depois foi ação de vocês mesmos.

- Me deixe ir embora! Bufou Bela. 

- Não posso! Ele a prendeu aqui. Somente ele pode liberta-la.

- Oque? Então eu só tenho que pedir para ir?

- Ele deve liberta-la Bela. Mas tem que ser de coração. 

Bela sorriu para a Feiticeira e correu para o castelo. Ela subiu as escadas e foi atrás da criatura mas não a encontrava em lugar algum até que se deparou com a mesma chorando em uma das muitas Torres.

- Ei... você está bem?

- Vá embora! Me deixe em paz.

- Você... está... chorando? Perguntou Bela pausadamente. 

- Não é da sua conta.

- Sente falta do seu passado! Afirmou Bela. 

- Experimente viver como um monstro todos os dias. Onde todos temem você. 

- Eu não tenho medo de você! Afirmou Bela. 

A criatura fitou Bela atentamente. 

- Sabe... você até que não é tão grosso assim. E sorriu para o mesmo.

- Porque você não tem medo de alguém como eu?

- Eu não vejo o monstro que você tentar passar. Consigo enxergar alguém que está sofrendo muito com tudo isso. E gostaria muito de por ajuda-lo.

- Não tem como me ajudar garota. Eu estou condenado para sempre. 

- Tem de ter algum jeito de fazer tudo voltar ao normal. Nós vamos dar um jeito...

- Você faria isso por mim? Perguntou a criatura. 

- Por nós! Afirmou Bela. 

E então alguém gritou o nome de Bela. A criatura correu para a janela da torre e viu três homens a cavalos nos jardins do Reino. Eram os irmãos de Bela. 

- Oque estão fazendo aqui? Rosnou a criatura e correu escadaria a baixo. 

- Miguel!? Exclamou Bela ao vê o irmão. - Miguel! Gritou ela num largo sorriso à janela da torre.

- Lá está ela. Irmãos, vamos... Chamou Miguel os irmãos. 

Eles saltaram do cavalo e sacaram suas espadas. Foram em direção ao castelo quando a criatura pulou diante os três rosnando para os mesmo. Os irmãos passaram a duelar com a criatura bravamente com o intuito de salvar sua irmã. 

- Ataquem rapazes! Bradou Miguel.

- Vamos juntos irmãos! Rosnou Gabriel. 

- Sem medo meus companheiros! Falou Rafael. 

Bela viu seus irmãos duelando com a fera e correu escadaria a baixo para impedi-los. Precisava mostra-los que a fera não era o monstro cujo qual parecia. 

A fera Rosnou e num solavanco acertou Gabriel o arremessando ao chão. Miguel avançou contra a criatura enquanto Rafael ajudou o irmão a se levantar. Os dois logo seguiram duelando junto ao irmão mais velho. A fera avançava sem medo golpeando os irmãos que se defendiam com suas espadas. Até que Bela chegou até a porta do grande salão e gritou por seus irmãos. Rafael avistou a irmã e baixo a guarda quanto a fera que avanço contra o mesmo mas Miguel o defendeu e cravou sua espada no peito da criatura causando um agonizante urro de dor e sofrimento do mesmo. Bela viu a espada de seu irmão atravessar o peito da fera e o mesmo tombar no chão. Ela entrou em desespero e correu de encontro ao mesmo.

- Bela? Chamou o irmão e viu a mesma se abaixar diante a fera. - Oque está fazendo?

- Ei, ei! Chamou Bela pela fera. Tá tudo bem! Tá tudo bem... você vai ficar bem.

- Bela... sussurrou a fera. - O rubi! Afirmou ele.

- Rubi? Questionou bela.

- O rubi! Sussurrou ele se esvaindo. Sentindo o sangue quente em seu peito. 

Bela se lembrou do rubi na capa do livro e se voltou para seus irmãos. 

- Vocês precisam me ajudar.

- Ajudar? Questionou Gabriel. 

- Ele não é oque parece. Por favor me ajudem...

Bela implorava para os irmãos ajuda-la e eles se encaravam intrigados mas por fim resolveram ajuda-la. 

- Levem ele lá para dentro. Eu preciso buscar o rubi que ficou lá na torre. Tirem ele daqui! Disse Bela e saiu correndo atrás do rubi deixando seus irmãos com o corpo da fera.





Notas Finais


Então... será que vai dar tempo da Bela pegar o rubi? Oque mais está para acontecer!? Veja no próximo capítulo...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...