História A Bela e o Fera - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger
Visualizações 96
Palavras 1.066
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 13 - Capitulo Treze - Uma decisão


Poin't Of View - Hermione Granger

É certo que me entregar ao desespero e simplesmente abraçar a dor não vai melhorar as coisas para mim. É claro que não vai e eu não vou me deixar abater por esse pequeno problema. Eu sou a Hermione Granger, heroína de guerra, inominável. Não sou um rato assustado, e também não vou agir assim. Não posso e não vou deixar toda a minha dignidade e honra escorrer pelo ralo como se não fosse nada. 

Toda vez que parece que esse lugar vai me engolir eu repito incessantemente essas palavras. Eu sou um espírito livre, não nasci para ficar presa em uma jaula como quem fez algo errado ou como um animal enjaulado. Não é a toa que o leão é o simbolo da minha casa, eu nasci para comandar, para estar no controle das coisas, meu simbolo é um leão porque eu não nasci para me submeter a alguém. 

Me levanto da cama e caminho pelo lugar com a varinha nas mãos. Eu sou capaz de aguentar tudo, mas nada que mexa com meu psicológico ou que me faça duvidar de mim mesma. E eu não sou capaz ficar aqui mais um dia que seja.

É isso, eu vou sair, e se Draco Malfoy não me quiser mais aqui, ele que se entenda com o Ministro. Isso está além das minhas atividades como inominável.

Com esses pensamentos reverberando sobre minha cabeça, me viro decidida até a grade, levanto a varinha e quando estou prestes a realizar o feitiço, olho em volta da cela. Tenho que ajuntar as minhas coisas, porque se o Malfoy cumprir com o que ele disse, eu nunca mais pisarei nessa casa, e não posso deixar todas as minhas coisas para trás.

Me abaixo e pego minhas coisas, todos os relatórios, ajunto minhas roupas e quando nada mais resta, eu me levanto, varinha em punho e a decisão de que vou sair daqui não importa as consequências, mas quando olho para a grade, porém, me deparo com o homem loiro de grande barba a me encarar, sua face sem nenhuma expressão me diz sem palavras que ele não chegou agora e que sabe exatamente o que eu vou fazer.

- Tá pensando em ir embora? - Draco Malfoy me pergunta.

  Encaro ele com toda a coragem de uma grifinória, não vou me dobrar, não vou mesmo. Não mais.

 - Eu não estou pensando, eu vou ir embora. - falo, encarando ele. 

- Vai mesmo. - ele me diz, resoluto. - Se se atrever a usar essa varinha, você vai sair daqui diretamente para a sua casa. 

Olho diretamente para suas orbes azuis, são lindos olhos, mas que trazem algo de ruim que me faz estremecer. Como alguém chega tão fundo na tristeza que nem mesmo sentir pena do próximo consegue?

 - Você não pode fazer isso, eu não estou aqui para prejudicar você Malfoy. - respondo. - Ao contrário, tudo o que eu fiz foi tentar te ajudar porque estava me sentindo culpada por algo que nem minha culpa foi.

 - Não foi sua culpa? - ele me olha, suas íris parecem se escurecer e internamente eu tremo de medo. - Você me julgou culpado no primeiro momento, sem se importar com o que eu dizia.

 - O que eu fiz foi errado, eu sei admitir isso. - grunho em resposta. -  Mas ainda sim a culpa é sua, é só reflexo de quem você foi no passado, a maneira com que você me tratava, ou como tratava os Weasley ou como tratava Harry Potter, ou qualquer um que você julgasse inferior. O que eu fiz, foi sim errado, eu não tinha o direito de ser intransigente e te julgar sem querer ouvir o que você tinha a me dizer, mas isso só aconteceu porque você fez o que fez no passado. Isso é apenas reflexo das suas escolhas.

 - Eu não tinha escolha! - ele grita, o rosto adquiri um leve tom avermelhado.

 - Todo mundo tem escolhas! - rebato.

 - Não um garotinho de quatro anos que vê seu melhor amigo sendo torturado apenas pelo fato dele ser nascido trouxa, não a criança que é agredida apenas por existir, não o menino que via sua mãe apanhar porque ele errava e o pai não gostava disso. - olho para ele estupeficada, a raiva morrendo aos poucos e o grande coração idiota se compadecendo do menino que sofreu tanto. 

 - Você pode ser diferente, eu sei que no fundo você é. - começo a dizer. - Tem sentimento aí dentro Draco Malfoy, você não é como o seu pai... Mas você precisa entender, que quando faz isso, quando me tranca aqui embaixo e me faz reviver os piores momentos da minha vida, você está sendo igualzinho a ele. 

 - Eu não sou como ele. - Malfoy grita em minha direção fazendo com que meu coração dispare em sobressalto. - Eu não sou como aquele homem que destruiu a minha família e que acabou com minha vida. 

 - Então prove isso me tirando daqui. - murmuro, fazendo com que o loiro olhe em minha direção. Assisto quando suas emoções começam a vir a tona e vejo em seus olhos a compaixão dando lugar a raiva, mas então, assim como chegou, a compaixão vai embora e a raiva se torna tão latente que quase posso a tocar.

 - É isso que você quer, não é? - ele ri em puro escárnio. - Quer que eu te tire daqui para que continue me espionando não é? Pois fique sabendo que eu não vou me comover com essas suas doces palavras, Granger. - ele gruda a testa na grade, e prendendo seus olhos no meu ele diz: - Se você quiser sair, use essa varinha que está nas suas mãos, de outra forma, você vai continuar aqui. 

 Fico encarando aquelas orbes azuis por não sei quanto tempo, até que ele me sorri e com a raiva destilando de seus lábios, ele fala:

 - O que aconteceu com a grifinória que fazia tudo o que queria? Pelo que eu percebo, não fui o único a mudar com o Fim da Grande Guerra.

 E então ele simplesmente me da as costas e sai. 

 Fico ali parada encarando as grades pelo que me parece uma infinidade de tempo, até que finalmente ergo a varinha e apontando para a grade, digo:

 - Alohomora. 


Notas Finais


OIII POVINHO LINJO!!

Como cês tão? Eu tô bem melhor do que estava antes, não ainda 100%, mas tô melhor. Eu ainda não respondi a todos os comentários, mas eu li cada um deles e agradeço a compreensão de vocês. Obrigada pelo carinho também!
Bom, agora vamos ao assunto sério, lembra que eu disse que as postagens iam ser no domingo e nas quartas (quando desse), então, eu vou precisar mudar isso aí, porque eu não tô conseguindo ter domingos livres e pelos próximos dois meses eu vou ter que ir trabalhar na quarta feira a tarde, ou seja, se for pra postar de quarta e de domingo, vocês vão ficar sem capítulo. Dito isso, eu quero dizer pra vocês que as postagens passam a ser toda a terça feira (a menos que haja um imprevisto) e quando der, aos sábados. Agradeço desde já a compreensão de vocês, vocês são lindas (os).

XOXO MelanieMalfoy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...