1. Spirit Fanfics >
  2. A Bruxa e a Polícial >
  3. Seus pensamentos

História A Bruxa e a Polícial - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Seus pensamentos


Fanfic / Fanfiction A Bruxa e a Polícial - Capítulo 1 - Seus pensamentos

Pov Márcia 


O3:23 AM 


Eu acredito que as lendas do folclore existem ! Entendo que meu melhor amigo,Erick,é filho de um boto ! Estou tentando compreender ainda todos os poderes das entedidas...mas não consigo entender ela ! 


Não consigo decifrar o olhar dela,nem imaginar oque ela pensa,ou tentar premeditar seus atos. Ela é alguém cativante,mas tenho medo do perigo.

Principalmente quando já sonhei com ela inúmeras vezes. 


O nome me causa arrepios,não tenho medo da Cuca...Só não entendo a Inês  !Como entender alguém tão misterioso e sombrio? Enquanto ela sabe todos meus segredos,eu desejo saber oque ela pensa de mim ou se apenas sente algo pela minha pessoa. 


Não importa qual sentimento seja,quero que saber oque ela sente ! Tentei negar e esconder todos meus sentimentos pela mulher,mas de alguma forma não consigo. 


Quando nossos olhos se encontraram pela primeira vez na delegacia,senti borboletas no meu estômago,é clichê e estranho...mas sei que sinto algo muito maior por Inês ! 


Termino meu último copo de vodka,revirando os olhos pela queimação na garganta. Prometi a mim mesma que não faria bobagem,e ficaria longe dela. 

Só que não posso mais evitar. 


Acabo de sair de um bar,fui a última cliente e sinto minha cabeça rodar. 

Não posso pegar meu carro nessas condições,e meus pés só me levam ao único lugar que me recordo. 


Quando vejo já estou lá,as luzes vermelhas e várias pessoas me fazem reconhecer o ambiente rapidamente. De repente uma voz invade meus ouvidos,baixa e rouca cantando uma música que não conheço. 


Me sinto tentada a seguir o som,vendo as pessoas paradas a ouvindo cantar. 

Dizem que Camila é a melhor cantora daqui,ela az todos ficarem encantados. 


Acho que todas essas pessoas nunca viram Inês cantar,a voz dela parece relaxar todos os átomos do meu corpo. Inês está de olhos fechados e balança levemente no ritmo da música enquanto canta. 


Como sempre está com roupas pretas e longas,só me deixa mais fantasiosa imaginando o corpo da morena por baixo daquele ar de superioridade todo.

A enigmática dona do cafofo bar abre os olhos,me fazendo contemplar os mortalmente lindos olhos castanhos,quase negros. 


Não á toa que ela sabe dos sonhos,ou mais precisamente dos pesadelos,das pessoas. Apenas um olhar e sinto que ela viu toda a minha mente e decorou cada coisa nela. 


Me arrepio vendo ela terminar a música e ouço algumas pessoas batendo palmas.

Sorrio e faço o mesmo,ela canta divinamente bem e isso não posso negar ! 


Inês véio para perto de mim lentamente e acabando com meu espaço pessoal,me fazendo tremer as mãos e paralisar no lugar. 


- Policial,Oque faz aqui tão tarde da noite  ? - A voz aveludada,me faz despertar. 


- Inês,eu...Desculpa !  - Não consigo formular uma frase completa por culpa do álcool. Não sei oque estou fazendo aqui,eu apenas vim...como se algo ou alguém,me chamasse. 


- Você está bêbada ?  - Ela iria segurar na minha mão quando dou um passo para trás. 


- Não...Eu sou vim saber uma coisa,oque você sente por mim ? - Perguntei e vi a morena levantar as sombrancelhas confusa,enquanto sorri de canto. 


- Como? Garota,você está muito mal ! - Ela tenta sair de perto de mim,oque não acontece pela minha mão segurando a mão dela com delicadeza. 


- Você entrou na minha cabeça ! Depois disso eu não consigo dormir direito,estou tendo pesadelos e sonhos...com você ! 


Falei firme para a bruxa,quase gritei de raiva. Estou a dias sem dormir,tomando café e remédios demais,os pesadelos são sempre as mesmas coisas que aconteceram na minha infância. 


Os sonhos são bagunçados,tão confusos que me deixam assustada,me fazendo perder o sono. É como se meu corpo pegasse fogo,não de uma maneira ruim...são sensações únicas e completamente diferentes. 


Nunca muda,mas ela tá sempre lá. 

A Cuca,Inês ou qualquer que seja o nome dela. Ela acaba com meus pensamentos,e sabe disso. 


- Márcia... - Inês abaixa o olhar,sem saber oque dizer,o rosto dela parece culpado e de repente sei oque aconteceu. 


- Você entrou mais vezes na mente ? -solto a mão dela rapidamente. - Você é maluca ! Sabe o quanto eu não consigo dormir ? Sabe oque me causa? 


- Só tentei ajudar você,mas não consigo entrar na sua cabeça e ler seus pensamentos completos,acabo sempre perdida ! - Ela tenta me parar,segurando meu ombro. 


Depositei minha confiança nela,ela disse que éramos iguais e que eu não era uma aberração...não é isso que eu sinto ! 


- Fica longe de mim ! - me soltei dela e sumi daquele lugar. Nunca deveria ter ido atrás dela,não nesse estado. 


Caminhei por duas quadras,a noite está muito fria oque não é muito comum no Rio de Janeiro. Minhas roupas do trabalho deixam o frio entrar como se fosse um amigo,me fazendo arrepiar da cabeça aos pés. 


Paro em uma esquina,meio confusa com as ruas e me pergunto como vou voltar para a casa. As letras estão embaralhadas na minha mente,e me vejo sozinha em uma madrugada. 


- Ei garota,tá perdida? - me viro assustada,vendo um homem alto e claramente muito embriagado. 


- Não,estou ótima ! - Não consigo dar dois passos,sinto uma mão agarrar meu braço e me puxar com força ao seu encontro. 


- Vou te ajudar,onde é sua casa ? - A voz dele me deixa desconcertada,sinto raiva pela mão que ainda machuca meu pulso. 


Não tenho minha arma comigo e nada para usar,poderia tentar alguma técnica de luta que aprendi na polícia,mas infelizmente não estou muito sóbria,oque não me ajuda em nada. 


- Eu estou bem,me larga agora ! - Minha ordem não foi obedecida,e só sinto mais ainda os braços deles contra mim. 


- Só quero um beijo gracinha,depois te largo ! - Ele se inclinou para me beijar,enquanto eu consegui soltar um dos meus braços e acertar um soco na cara dele,o fazendo dar passos para trás. 


Mas meu corpo vai de encontro a parede e acabo batendo a cabeça,estou completamente exausta. Olho para o homem que cospe sangue,e coloca a mão na boca irritado. 


- SUA VADIA ! Vou querer muito mais que um beijo agora ! - Ele vem para cima de mim com força,agarrando meu pescoço e forçando seu corpo contra o meu. 



Pov  Inês


03:34 AM


Eu não esperava ver Márcia aqui,principalmente essa hora da noite ! 

A alguns dias eu apareço no apartamento dela e a vejo dormir,tem algo nela que me chama. Como se nossos pensamentos estivessem interligados. 


Quando entrei na cabeça dela pela primeira vez,foi algo normal como todos as outras lembranças que já vi. Mas parece que os pensamentos dela me despertaram algo,quando meu olhar caiu sobre o dela...uma coisa mudou dentro de mim. 


Já me disseram que eu não mudo,nem fisicamente,nem por dentro...é uma das coisas horríveis de ser a Cuca. 

Mas algo mudou...Mudou assim que me vi sonhando acordada pensando na policial. 


Ela saiu daqui tão chateada e nervosa,normalmente não me importo,porém Márcia é diferente ! 

Suspirei e revirei meus olhos,saindo do bar as pressas e me transformando em borboleta logo depois. 


Não foi difícil achá-la,a policial não chegaria tão longe do jeito que estava. 


A cena que eu vi foi como tomar um sucosuco,e assim que chego perto de Márcia volto a minha forma humana. 


Seguro com força o homem pelos cabelos e jogo ele do outro lado da rua. Usando magia para quase estrangular aquele imbecil,mas o deixo cair no chão desacordado. 


Estou furiosa,mas preocupada o bastante para deixar aquele energúmeno sobreviver. 

Me viro para Márcia que está sentada no chão e com as mãos no pescoço,ela respira ofegante e tem o olhar surpreso. 


- Vem,preciso te tirar daqui ! - Ela segura minha mão e com um estalar de dedos estamos dentro do meu quarto. 


O cafofo bar fecha em alguns minutos provavelmente,espero que ninguém venha pertubar aqui. Olho preocupada para Márcia,que está olhando em volta e seus braços abraçam o corpo. 


Minha visão vai de encontro ao dela,que esta paralisado olhando em um lugar no chão. Me lembro que foi ali,onde eu vi sua mente pela primeira vez e onde senti que aquela mulher era diferente. 


Inês - Me desculpa por entrar na sua mente...nunca mais vai acontecer ! - ela me olhou e sorriu,percebo as enormes olheiras que formaram embaixo dos olhos dela. 


Márcia parece estar prestes à desmaiar,seguro a mão dela,a sentando na cama e retiro os sapatos da policial. 


Como a Cuca eu deveria proteger as lendas,mas acho que posso abrir uma excessão. A mulher parece estar em outro mundo,oque me faz sorrir levemente. 


Coloco as mãos no rosto dela e começo a cantar,ela precisa dormir. 


Márcia - Inês...não...vou ter mais pesadelos ! Eu não quero dormir  !  - Ela me pede em desespero,quase uma súplica. 


Inês - Não vou deixar ninguém te machucar,estarei aqui,no mesmo lugar quando acordar ! - aos poucos minha música começou a fazer efeito nela,e a policial caiu em sono profundo. 


A coloquei confortavelmente na cama,arrumando os travesseiros e usando magia para colocar uma roupa mais adeguada nela. 


Suspiro vendo a polícial dormir,o jeito ingênuo e ao mesmo tempo feroz de Márcia,me faz ter sentimentos por ela. 

Não entendo eles completamente,mas já senti antes e sei que preciso parar. 


Quem amaria alguém como eu ? É estúpido pensar,mas sempre fui realista quanto a oque sou. A Cuca,uma tremenda história horrível...morrer me fez bem em alguns aspectos,mas nunca vou me ver como antigamente. 


Me sentei na frente da minha mesa,arrumando alguns livros e apagando algumas velas. Passei o fim da madrugada e início da manhã lendo feitiços para cura e pensando alto. 

Preciso conversar com Márcia e entender meus próprios sentimentos ! 


Procuro por um pano limpo,assim que o acho vou até a cama. Colocando uma mistura de plantas e ervas nele,tentando limpar os machucados da mulher. 


O pulso dela tem um hematoma roxo,alguns cortes na bochecha e um corte mais grave na cabeça. 

Sinto meus olhos quentes e toco minhas próprias bochechas vendo lágrimas,não choro a um bom tempo. 


A mulher em minha cama começa a despertar,olho para o corpo dela e a vejo acordar lentamente. Arrumei o cabelo de Márcia,e esperei os olhos dela abrirem. 


Quando nossos olhares se encontram uma faísca passa por mim,consigo sentir na ponta dos dedos e sei que tem algo mais forte unindo nós duas. 


Algumas lágrimas estão quase caindo dos meus olhos,sinto as mãos quentes dela limparem meu rosto e seu sorriso ingênuo me faz sorrir também. 


Pov

Narrador (a) 


- Inês...por que está chorando? - A policial pergunta com a voz rouca de sono. 


- Eu não deveria ter brigado com você,e sim te protegido ! - A entediada fecha os olhos,recebendo o carinho agradável da mão da policial. 


- Se você não tivesse aparecido lá...eu nem sei oque teria acontecido. - Inês abre os olhos,e percebe oque está acontecendo. 


A bruxa levanta da cama e respira fundo,ela quer contar sobre seu passado,mas nunca conseguiu falar essa história completa e não quer que as pessoas sintam pena dela. 


- Inês,eu jamais sentiria pena de você  ! 


A entidade se vira,encarando os olhos caramelo da agente. 


- Você consegue ler minha mente? -Márcia parece assustada,nem ela sabe como fez àquilo. O pensamento simplesmente véio e ela falou. 


- Eu não sei como fiz isso ! - A mais nova rebate,ela está muito confusa para pensar no porque àquilo aconteceu. 


Inês se sentou na cama novamente,segurando as mãos de Márcia que tremem. 


- Por algum motivo maluco,eu confio em você ! Só consigo pensar em te proteger,mas para você me entender Márcia...não precisa só saber quem é a Cuca,tem que saber como me tornei ela... 


Márcia não se afastou,mas só o pensamento de ter Inês de volta a sua mente já a arrepiava. 


- Não vou entrar na sua mente...você que vai entrar na minha  ! - Inês sorri,aquele sorriso quase caótico,mas que desmorona todas as muralhas que Márcia construiu. 





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...