História A caça ao monstro da floresta - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Fantasma, Gay, Histórias Originais, Mpreg, Terror, Yaoi
Visualizações 7
Palavras 638
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 16 - Quem eu realmente amo


Nigel aproximou-se a palma de sua mão agora afagava o lado esquerdo do rosto do garoto, seus olhos se fixaram nos olhos do rapaz, havia tanto sentimento ali uma mistura de carinho, orgulho, preocupação, admiração, compaixão e desejo carnal. Aproximaram novamente até tocar seus lábios um tanto forçado, invadindo a boca inexperiente, enquanto abraçava o pequeno corpo na cama, suas pernas se abrem apressadamente circundando a cintura e o trazendo mais perto. 

Durante o beijo ambos mostravam-se ansiosos e excitados. Mesmo inexperiente, Nigel quebra o beijo dando atenção a outro lugar, os mamilos do garoto foram abocanhados e violentamente foram beijados e chupados, enquanto usava sua mão para esfregar sua ereção entre as pernas do garoto estimulando, quando subiu a visão e encarrou o garoto, lhe ordenou que retirasse a roupas, ele obedeceu e Nigel fez o mesmo. 

Elis acariciou seu rosto antes de erguer os braços e entrelaçar os dedos nos fios do moreno, a troca de olhar já demostrava tudo o que sentia, e quando o beijo aconteceu, sentiu como se estivesse em um lugar seguro e longe de problemas, calmo e gentil. Nigel puxou para mais perto e aprofundou o beijo, ao parar o beijo Nigel descer os beijos pelo seu queixo, pescoço e clavícula, as mãos tocavam com devoção, tentando sentir o máximo que podia daquele corpo para que nunca se esquecesse dele. 

Deixou-se levar pelas caricias acompanhada pelos gemidos roucos disfarçados em suspiros, os dedos de Elis antes acariciavam seu pescoço agora arranham a pele machadando a rubro, e logo a besta reagiu, Nigel mandou o garoto chupar seus dedos, logo após os dedos estrem molhados pela saliva Nigel os colocou entre suas pernas. 

-Elis abre mais as pernas! 

O ar deixara seus pulmões estava ofegante, colocou seus lábios nos dele tentando mantê-lo calmo, quando teve certeza que o rapaz estava pronto ele se posicionou e o penetrou, sentindo os músculos se contraiam apertando ainda mais uma mistura de dor e prazer preencheu o quarto. Nigel não conseguia explicar tais sensação era estranho e ao mesmo tempo bom, ele só o desejava com todas as forças, continuava beijando enquanto sentia o pênis forçar sua entrada, o ar parecia está cada vez mais escasso, mas não conseguia parar. O ritmo das estocadas começou a acelerar. 

Ele queria mais daquela sensação precisava devora-lo, dilacera-lo já não conseguia se controlar, respirou fundo antes de o penetrar com violência, Elis tirou os braços do pescoço e soltou o suspiro de dor, percebeu o menor tremer,  gozando mas  parecia não estar satisfeito, mas Nigel não parou de se movimentar levando o garoto novamente a luxuria. Nigel se retirou-se e colocou novamente com mais força fazendo o garoto curvar, Nigel mordia a pele do pescoço, indo em direção ao ouvido. 

 

-Eu não acabei ainda! - sussurrou antes de morder o lóbulo da orelha. 

Elis sentiu a pele se arrepiarem quando unhas desceram arranhando seu dorso enquanto foi atingido em uma parte frágil dentro de seu corpo, Nigel levou a mão para o pênis do garoto, tocando-o no mesmo  ritmo das estocadas, estavam no limite, línguas roçaram e os membros pulsaram mais forte, gemeram quando chegaram no ápice, liberando o esperma, sentiram o membro amolecer e se retirou-se de dentro do Elis, deitando ao seu lado enquanto o garoto exausto deitou sobre seu peito, ambos deitados e alheios ao mundo, ambos adormeceram e se deixaram se levar pelo cansaço.  

Ao amanhecer Elis fora o primeiro acordar ele apenas colocou um calça para cobrir seu corpo nu, Nigel acordou em seguida ele encontrou o garoto observando a paisagem nesse momento o mais velho chegou perto dele, mas não antes de vestir apenas uma calça  de moletom, e envolveu Elis num abraço, o garoto virou-se e deu um beijo suave no rapaz. 

-Vamos tomar café da manhã, mamãe deve estar esperando! 

 

Continua. 

 

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...