1. Spirit Fanfics >
  2. A caçada >
  3. Em busca de resposta

História A caçada - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Bom para relaxar! Um extra para vocês.
Boa leitura 😘

Capítulo 8 - Em busca de resposta


Assim que o ônibus parou na parada obrigatória, Rin desceu rápidamente, seguiu para o banheiro, lavou suas mãos com água e sabão, levanta a blusa, desce o sutiã deixando livre seus inchados seios.

Segurando o vasinho que estava na mochila, focou em se aliviar do inchaço.

Deixou seus pensamentos focar na pequena Rimary, enquanto envolvia a auréola em formato como se escrevesse um C, focou em repetir os movimentos.

Encarando o vasinho cheio, Rin despejou na pia do banheiro vendi o líquido desaparecer.

Seu coração sangrava em ver uma cena dessa, ela acabou deixando seus olhos se imundaram, por saber que existe crianças necessitando e o momento ela não podia doar.

Mais calma, saiu do banheiro ainda atordida, veio lembrar de ligar para Kagome quando o ônibus se pôs em movimento.

Acordou quando um passageiro chamou avisando que chegaram a Tóquio.

Agradecendo, pegou sua mochila e saiu do ônibus, assim que seu pés pisaram, Rin sentiu algo estranho em seu peito, caminha aproximando de uma barraquinha, tenta saber sobre alguma pausada para hospedar.

Não foi difícil, agradecendo o ambulante, caminhou seguindo as instruções até parar em frente a uma pausada.

Puxa o fôlego e entra.

- Boa tarde! Gostaria de uma quarto.

- A senhora tem cadastro em nosso sistema?

Rin nega.

- Não! Pega seu documento e entrega.

O atendente volta a entregar o documento a ela.

- A senhorita tem!

Rin arqueiou a sobrancelha.

- Como?

- Quando veio com grupo de excursão para cá!

Rin sentiu nervosa!

- Por favor! Fale mais!

O atendente ficou desconfortável, Rin tentou ajudar.

- É que sofrir um acidente e perdir a memória, então eu vim até aqui por que foi o último lugar que me informaram que meu Médico está.

- Há! Então a senhora foi a jovem que o caminhão quase matou? Sinto muito, eles não deixou nosso chefe divulgar o nome, por isso que não sabia que era a senhora.

- O senhor tem alguma informação a mais sobre minha ficha?

- Sim! Vou imprimir para Senhora.

Rin olhou para a identificação.

- Obrigado Shippo!

- A senhora não lembra de mim, mais fui eu que lhe guiei até o quarto, por sorte, o mesmo está vago, deseja ficar?

Rin concordou.

- Muita gentileza da sua parte.

- Precisando! Estou a disposição!

Rin cora com a intensidade do olhar, sorri.

Não demora segue mais Shippo até o quarto, aproveita e olha a ficha.

- Então eu dei aqui duas pessoas para contato, Tio Miroku e tia Sango!

Shippo abre a porta dando total acesso para Rin passar.

- Fiquei a vontade! Se quiser, pode ir a praia, lá rola muita música boa é muito divertido.

Rin suaviliza a tensão, concorda com a cabeça.

- Muito obrigada Shippo, não sabe a importância que tem em minha vida de poder descobrir algo sobre meu passado.

- Tenha calma, tudo a seu tempo.

O olhar do jovem atendente e brilhante, fazendo Rin ficar mais corada ainda, acaba levando uma mecha de cabelos por trás da orelha.

Meio constragindo, Shippo pigarea pedindo licença.

- Tenho que ir!

- Obrigada mais uma vez.

Rin fecha a porta e corre para cama sentando e olhando as informações.

Seus olhos castanhos percorreram as informações ali escrita sobre endereço, pra onde ia, curso de Direito na universidade Sekoma.

Rin acabou deixando uma lágrima molhar seu rosto ao encarar a ficha, seu coração apertou.

- Hó meu pai! Acaba falando surpresa pela dedicatória que a mesma escreveu logo abaixo anexada a inscrição da excursão.

" Sou livre, faça suas escolhas deixando apenas um resquício de arrependimento pra depois"

Limpa o rosto com as costas da mão, trêmula, pega o telefone para discar para o contato de seus tios, mas logo Rin parou um pouco.

- Eles deve pensar que estou na universidade Sekoma.

Enquanto Rin olhava as poucas informações contida na ficha da excursão. Em Sekoma, Kikio discutia mais uma vez com Mukutsu.

- Tenha calma Kikio! A polícia está no caso!

- Calma! Sabe como sofremos pra ter a Rimary! Sabe quanto sofrir para te fazer aceitar termos um filho, eu não aceito isso Mukutsu, por favor! Traga minha menina.

Vamos nós reunir hoje com o delegado, vamos ter fé.

Inuyasha acabava de chegar em seu carro, desceu caminhando apresado para dentro da delegacia, não quis avisar o delegado, abriu a porta da sala do delegado e entrou avistando Kikio e Mukutsu junto com seu advogado.

- Estou atrasado? Acaba questionando.

O delegado nega.

- Sente-se! Vamos iniciar agora.

Inuyasha cruza as pernas pegando o envelope da pasta e depositando em cima da mesa do delegado.

- Se for sobre as câmeras de segurança devo avisá-los que não tem nada.

Kikio olhou assustada, aperta a mão de Mukutsu.

- Calma meu amor!

O delegado suspira.

- Pelo visto é rápido, Senhor Taisho!

InuYasha sorri em forma de convencido.

- Não é atoa que ganho todo ano o prêmio de melhor!

- Enquanto sua cliente? Questiona o delegado.

- Está fazendo o que pediram!

- Há algo que não saiba? Questiona o delegado.

Inuyasha ajeita sua postura olhando para o casal de pais.

- Diga-me Senhora Kikio, onde a senhora teve a Rimary?

Kikio fica surpresa.

Mukutsu olha para InuYasha!

- No hospital de Nara! A informações está na certidão de nascimento!

Kikio concorda!

Inuyasha acaba negando com a cabeça como se a informação não bastasse!

- Gostaria de nós revelar alguma coisa Senhora Kikio?

Kikio explode levantando com tudo.

- Que perguntas são essas? Invés de ficar questionando o que já disse para o delegado, deveria era pensar algo para fazer aquela vadia drogada dizer onde está minha menina.

- Acalme-se senhora! Fala o delegado.

Inuyasha sorriu mais ainda mostrando seus impecável dentes.

- Bom! Se não há nada para dizer, tenho que ir, vejo vocês no dia da acariação.

Olhou para Kikio que baixou a cabeça enquanto limpava as lágrimas.

- Não esqueça que sou Inuyasha Taisho! Sua filha vai ser encontrada, desvendarei tudo.

Rin se encontrava na pausada a dois dias decidiu então sair, assim que tomou um delicioso banho,prendeu os cabelos no rabo de cavalo, vestiu uma camiseta branca, shots jeans preto, calçou uma havaianas.

Pegou o documento e decidiu dá uma volta para ver se lembra de algo.

Não deu sorte, angustiada e nervosa, decidiu então voltar a pousada, dia seguinte encontraria com o Doutor Riukutsu, a depender das informações vai seguir para o endereço de seus tios.


Notas Finais


Rin não conseguiu muita coisa, mas só em ter o endereço dos tios, é uma boa caminhada.
Até amanhã 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...