História A cama é fria sem você - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V)
Tags Bts, Drama, Gay, Jungkook, Kim, Lemon, Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 76
Palavras 1.129
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


aleatoria kkkkkkkk aqui onde eu moro está muito frio, espero que gostem!
se gostarem comentem e favoritem

Capítulo 1 - Manhã de primaveira


O travesseiro é frio sem você.
Tão frio quanto meu primeiro dia de aula, se lembra? Estava congelando, e a única coisa que eu conseguia focar era o quanto seus lábios ficavam vermelhos no inverno, e que seu nariz com a pontinha rosa te deixava extremamente fofo.
O lençol é frio sem você.
Tão frio quanto a geleira que senti em meu estômago quando falei com você a primeira vez, eu me lembro de ter gaguejado todas as palavras e ter feito você rir à beça, mas pelo menos isso me rendeu um encontro.
O edredom é frio sem você.
Tão frio quanto o dia em que peguei em suas mãos pela primeira vez, com a desculpa que iria aquecê-las para você não ficar doente, o que te fez rir e falar que eu não precisava de desculpas para tocar em suas mãos.
O colchão é frio sem você.
Tão frio quanto o sentimento que me abateu quando percebi que estava apaixonado por você e não havia volta, eu estava condenado, era uma questão de tempo.
A cama é fria sem você.
Tão fria quanto o arrepio que percorreu minha coluna quando você sorriu verdadeiramente para mim e me beijou naquela praça no dia 5 de março, enquanto os patos faziam sons estranhos e meu coração batia tão forte que parecia querer sair do peito.
Minhas mãos são frias sem você.
Tão frias quanto eu as senti quando vi seu torço nu pela primeira vez, e com seus olhos você me disse para tocá-lo, para amá-lo, e eu o fiz.
Meus pés são frios sem você.
Tão frios que eu os sinto presos, assim como os senti quando Dong e meus outros amigos fizeram piadas sobre sua sexualidade e eu ri junto, como se não tivesse passado a noite anterior em sua casa.
Meus Joelhos são frios sem você.
Tão frios que tremem assim como quando eu percebi que você via eu e meus amigos rindo e sabia que era de você, e eu senti medo, medo de te perder, mas continuei fazendo meu papel de idiota até te procurar de madrugada e você com lágrimas nos olhos falar que tinha entendido que era só um passatempo qualquer, e que era melhor nos afastarmos.
Minha cabeça é fria sem você.
Tão fria que congela tudo ao meu redor, só me permitindo pensar em você, assim como quando me deixou, não atendendo minhas ligações, mensagens e até mesmo correndo de mim na faculdade, até que eu não suportei e fiquei na porta da sua casa naquela noite fria, berrando que te amava até que me atendesse, mas você não atendeu.
Minha garganta é gelada sem você.
Tão gelada que congela as minhas palavras, assim como congelaram no dia que Dong te empurrou no corredor e te chamou de viadinho cotista, fazendo todos ao redor rirem e você olhou pra mim humilhado, e eu não falei nada, só te olhei de volta vendo você fazer uma falsa expressão de forte e sair.
Meus pulmões são frios sem você.
Tão frios que não permitem a entrada de ar, como naquela noite em que eu fui a sua porta te pedir perdão e você riu de uma forma que cortou meu coração, “eu não quero um companheiro de foda, Jeon, eu não quero alguém que me implore pra ir mais fundo com a mesma intensidade que diz pro amigo me humilhar na frente da universidade”, e eu vi que você era forte, muito mais forte que eu, eu vi o quanto me amava e o quanto se amava mais ainda, e eu te amei mais por isso.
Meu estômago é frio sem você.
Tão frio quanto aquela Sexta feira eu que eu cheguei no meio do pátio e encarei Dong olhando diretamente em seus olhos e lhe dei um soco com toda a força que eu tinha, fazendo ele cair no meio do pátio e gritei em plenos pulmões “Se você fizer algo contra ele, eu vou matar você” e o garoto riu “Que merda é essa Jungkook, por que ta defendendo esse viado?” e eu percebi que era o momento, o momento em que eu decidiria tudo, se seria feliz com você ou acabaria com as chances do nós, então te vi afastado e seus olhos mostravam que você não tinha esperanças em mim, não acreditava que eu iria responder e isso doeu, doeu mais que tudo.“Porque é o namorados fazem”.
Meu coração é frio sem você.
Tão frio quanto aquele dia, em que cheguei em casa e vi que todos sabiam, eu olhei para o meu pai na mesa de jantar em sua pose imponente na cabeceira, eu vi minha mãe a sua direita, submissa e com a cabeça baixa, eu vi meu primo indiferente, focando sua atenção na comida como se eu não estivesse ali, eu vi minha tia atenta, eu vi minha avó piedosa; só não queria ver o olhar de nojo do meu progenitor, a repulsa, a angústia, o desgosto e o ódio “pegue o que tiver, e saia dessa casa, eu não quero bambis embaixo do meu teto, eu não vou sustentar bichinhas” eu vi este voltar a comer e todos ignorarem a minha presença, todos ignorarem o garoto que viveu por 19 anos embaixo do mesmo teto que eles, eu vi meu mundo ruir, eu vi tudo o que eu tinha ir embora, ou será que eu nunca os tive?
Eu sou frio sem você.
Tão frio quanto aquela noite em que bati em sua porta com lágrimas descendo pelo rosto e não precisei falar mais nada, droga você sabia, quem não saberia? Minha família era conhecida por metade da cidade e todos sabiam que meu pai era um homem sistemático, eu vi lágrimas descendo pelo seu rosto e você murmurar desculpas seguidas enquanto me abraçava e me arrastava para dentro “Droga Jeon eu não tinha ideia que eles teriam coragem de te expulsar, me perdoa” mas não havia volta, eu não era um Jeon, agora eu era só Jungkook.

 

Sinto o abraço por trás aquecendo meu corpo, aquecendo minha alma, aquecendo minha vida, o mesmo abraço que venho sentindo desde o dia 15 de Novembro quando eu cheguei em sua porta, o mesmo abraço que me fez sentir em casa quando eu não conseguia parar de chorar, o mesmo abraço que eu procurava quando sentia que tudo iria ruir, o mesmo abraço que eu não me arrependia de ter escolhido e ter deixado todo o resto para trás.
- não consegue dormir, Gukkie?- eu me viro e encaro seus olhos calorosos, sentindo meu sorriso descongelar
- a cama fica fria sem você aqui, amor.
Kim Taehyung era como o calor de uma manhã de primavera, descongelando tudo que a noite de inverno deixou para trás.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...