História A Cargo do Destino - Capítulo 4


Escrita por: e Abran

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Annie Leonhardt, Armin Arlert, Bertolt Hoover, Connie Springer, Eren Jaeger, Hange Zoë, Historia Reiss, Jean Kirschtein, Levi Ackerman "Rivaille", Marco Bott, Mikasa Ackerman, Personagens Originais, Petra Ral, Reiner Braun, Sasha Braus, Ymir
Tags A Cargo Do Destino, Acdd, Amaya, Aruani, Aruannie, Berurei, Connie X Sasha, Drama, Eremika, Haru, Leigh, Levihan, Passado, Reiberth, Samson, Springles, Yumikuri
Visualizações 30
Palavras 2.042
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, LGBT, Literatura Feminina, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Heyy pessoas :3

Eram dois capítulos que eu resolvi transformar em um :v

Boa leitura!

Capítulo 4 - 22 de Março


Fanfic / Fanfiction A Cargo do Destino - Capítulo 4 - 22 de Março


7 anos depois...


Por Annie Leonhardt

Hoje é mais um dia 22 de março, meu aniversário e o pior dia da minha vida.

Agora estou fazendo 26 anos. Todos os anos no meu aniversário eu fico praticamente presa no meu quarto, não saio e nem falo com ninguém.

Encarei o teto com a visão levemente turva por conta das poucas lágrimas que escorriam pelo meu rosto.

Já faz sete anos, sete longos anos que tudo aconteceu.

As vezes eu fico imaginando... Como o Armin está? Será que ele ainda tem raiva de mim? Deve ter, ele me odeia tando a ponto de se mudar para outro país!

Senti mais lágrimas virem e abracei o travesseiro.

Ouvi alguem bater na porta e enterrei a cabeça no travesseiro. Quem é o satanás que quer me perturbar justo nesse dia?

- Annie, sou eu, a Mikasa! Abre a porta!

- Não!

- Precisamos conversar.

Mesmo contra a minha vontade abri a porta. Mikasa entrou no quarto sem me dar tempo de reclamar.

- Já faz sete anos, Annie. SETE ANOS! - Mikasa exclamou sentando-se na cama - Eu me preocupo com você.

- Pois não precisa - respondi - Eu estou bem, só quero ficar sozinha. Simples.

- Eu sei que está assim por causa dele - Mikasa suspirou - Esse dia lhe trás lembranças.

- Claro que não! - minha voz ficou tremula - Não vivo no passado. Aliás, nem me lembro direito dele - Menti.

Mikasa revirou os olhos caminhando em direção a porta.

- Até quando pretende esconder a verdade da Amaya? Apesar de ser nova, ela é muito inteligente, igual ao pai.

- Não posso contar a verdade para ela, não quero que ela sofra.

- Enfim - suspirou - Vamos sair hoje a noite, e eu não aceito não como resposta. É seu aniversário e você vai se divertir. As 21:00h passo aqui para te buscar - antes que eu pudesse falar alguma coisa, ela saiu do quarto.

Me deito na cama, até que ouço alguém bater na porta novamente, só que dessa vez uma batida mais leve.

- Mamãe? Mamãe, posso entrar?

- Claro, meu amor - respondi sentando-me na cama.

Amaya entrou no quarto, toda encolhida segurando um envelope em mãos.

- Eu sei que você gosta de ficar sozinha no seu aniversário, mas é que eu fiz um presente pra você... - ela disse completamente sem jeito me entregando um envelope.

Eu me senti um monstro. Minha filha, minha princesinha, tinha medo de me incomodar no dia do meu aniversário.

Abri o envelope e sorri. Era um desenho de nós duas e vários corações.

- Obrigada, meu amor, eu adorei - Amaya sorriu.

Ela tem o sorriso do pai e está cada dia mais parecida com o ele. E eu não gosto disso, nem um pouco.

Quando ela virou-se para sair do quarto, senti um peso tão grande no coração. Não posso mais fazer isso, me isolar todos os anos...

- Ei, Maya, vamos ver um filme juntas? - ela me encarou com os olhinhos brilhando.

- Sim! 

- Você pode escolher o filme - ela assentiu ligando a Televisão e deitando na cama ao meu lado.

Ficamos a tarde toda vendo filmes e brincando, quando menos percebi já eram quase 21:00h.

***



Por Armin Arlert

Depois de horas de vôo, finalmente estava novamente em casa!

Saí da sala de desembarque e encontrei Eren, que veio em minha direção.

Fomos para a casa dele. Eu iria ficar um tempo lá até achar algum lugar para morar.

Estávamos assistindo a algum programa aleatório na televisão qaundo Eren disse.

- Ei, Armin, o que acha de sairmos mais tarde? Tipo sua "festa de boas vindas"?

Eu ri.

- Sabe que eu não gosto de festas - respondi.

- Vamos Armin, hoje é um dia especial!

"Pois é, hoje é o aniversário da Annie, e também o dia em que tudo de errado aconteceu" eu quis dizer, mas me contive.

Depois de Eren insistir diversas vezes, acabei aceitando a ideia de sair. Afinal, por que não?

Perto das 21:00h resolvemos que já estava na hora de nos arrumarmos.

***



Annie Leonhardt

- Vamos logo, Annie! Não temos a noite toda! - Mikasa berrava da sala.

- Acho que esse vestido está muito curto - respondi indo ao seu encontro.

- Claro que não, tá perfeito! - Sasha respondeu da cozinha.

Eu usava um vestido preto com a parte de cima brilhante - e com um decote, muito grande por sinal - e a saia lisa.

Sentei-me ao lado de Mikasa no sofá.

- Acho melhor eu não ir. Quer dizer, quem vai cuidar da Amaya? - olhei para a pequena que conversava com Sasha ma cozinha.

- Sobre isso - Sasha respondeu - Achei ótimas babás!

No mesmo instante Ymir e Historiya entraram na sala.

- Oi, gente! - disse Historiya

- Ai, porra, bati meu dedinho  - disse Ymir encarando o próprio pé

- Ymir! Olha a boca! Tem criança aqui!

Encarei Sasha e Mikasa com uma cara de "É sério isso?" e ambas deram de ombros. Suspirei.

- Não se preocupe, Annie, vamos cuidar muito bem da Maya - Historiya sorriu.

- Vamos logo gente! - Sasha disse abrindo a porta - Quero logo comer o Connie... Q-Quer dizer comer com o Connie...- corou - vocês entenderam!

Segurei o riso e Mikasa arqueou as sobrancelhas.

- Enfim... Vamos? - eu e Sasha assentimos.

Me despedi da minha filha com um beijo na testa, dei tchau para Ymir e Historiya e então finalmente saímos.

Assim que chegamos na tal "festa", me mantive sentada em um dos sofás que havia no lugar.

A festa era na casa de um dos amigos de Eren e Mikasa - Amigo rico obviamente, porque essa casa é quase do tamanho de um castelo.

- Annie! - Ouvi Mikasa chamar passando os braços por cima dos meus ombros - Por que não está aproveitando a festa?

- Eu nem queria estar aqui, você sabe que eu não gosto de festas - Falei encarando minhas mãos pousadas no colo.

- Não gosta de se divertir, isso sim! - Revirou os olhos - Mas, se é o que quer, ser a "Adulta Responsavel", então que bom pra você - continuou.

Sorri para ela, vendo-a encontrar-se com Eren quero, provavelmente, havia acabado de chegar.

- Annie! - Fechei os olhos. Aquela voz... - Annie! Que coincidência.

- Reiner! - Falei abrindo o melhor sorriso que consegui naquele momento.

Eu me levantei do sofá para cumprimenta-lo.

Meus olhos se arregalaram e minha boca se abriu em um perfeito "O" quando vi quem estava ao seu lado.

- Annie, queria te contar antes, mas nunca mais consegui falar com você, eu e o Bertholdt estamos namorando.

Fechei meus olhos contando mentalmente até dez para me acalmar e evitar cometer um ato de ódio contra o Bertholdt.

Ele desgraçou a minha vida por "amor" e agora virou gay?!

Tentei disfarçar ao máximo a minha surpresa misturada com raiva.

- Acho que a Sasha está me chamando. Com licença - Falei me afastando do casal.

Caminhei um pouco até chegar em um balcão onde estavam servindo as bebidas.

Fazia anos que eu não bebia nada alcoólico. Não que eu gostasse muito, mas em ocasiões especiais tinham as exceções. E hoje seria uma exceção.

Sentei-me em um dos banquinhos e pedi a primeira bebida que vi no "cardápio"; Bacardi.


Por Mikasa Ackerman

Depois de insistir mais uma vez para a Annie ao menos tentar aproveitar a festa, resolvi desistir.

Encontrei Eren e caminhei até ele, sendo recebida com um beijo.

- Achei que ficaria em casa hoje, já que o Armin está de volta - eu disse.

- Na verdade, consegui convence-lo a vir comigo.

- O QUÊ? - eu gritei e algumas pessoas olharam pra mim, corei e abaixei o tom - Vai dar merda, a Annie veio também, e se eles se encontrarem, e se...

- Como você mesma disse, já faz sete anos - Eren disse pegando uma bebida para nós -, vai ficar tudo bem, vamos aproveitar a festa.

Assenti, indo junto de Eren para o meio da multidão na pista de dança.


Armin Arlert

Assim que chegamos, Eren foi atrás de Mikasa, me deixando sozinho.

Eu estava decidido a, pelo menos, tentar me divertir. Conversei com algumas pessoas conhecidas, mas não durou muito tempo, a maioria estava meio "fora de si" por conta da bebida.

Resolvi procurar algo para beber -nada alcoólico, Eren provavelmente não sairia lúcido daqui, então achei melhor não arriscar -, cheguei no bar improvisado e senti meu coração acelerar.

Depois de tanto tempo, ela estava ali, bem na minha frente.

- Annie...? - falei involuntariamente.

Foi então que parei para analisar a situação; Annie dançava segurando uma garrafa de alguma bebida - que eu não consegui identificai na hora -, enquanto se esfregava em um cara qualquer que se aproveitava dela, tocando-a.

Aproximei-me quase não contendo a raiva e - por mais que eu não quisesse admitir. - ciúme que estava sentindo.

- Annie! - toquei seu ombro, ela me encarou assustada, mas logo abriu um sorriso malicioso.

- Ora, ora... Olha quem está aqui - as palavras saiam arrastadas de sua boca - O loiro idiota. - ela riu.

Arranquei a garrafa quase vazia de sua mão, e arregalei os olhos ao ver o que era.

- Annie, quanto você bebeu? - perguntei sério. Eu sabia que Annie era frágil ao álcool, e não era preciso muito para que ela ficasse nesse estado.

- Não interessa... - ela cambaleou para cima de mim tentando pegar a garrafa - Me... Devolve! Loiro idiota...!

Deixei a garrafa sobre o balcão e carreguei Annie para longe dali.

Não havia como leva-la para casa, eu estava de carona com Eren e não tinha dinheiro para pagar um Táxi ou Uber, a solução foi leva-la para longe de toda aquela multidão.

- Me larga! - Annie disse tentando me bater.

- Estou tentando te ajudar, você está bêbada!

Parei em um corredor cheio de portas e deixei Annie no chão. Abri a primeira porta do corredor e agradeci mentalmente por ser um quarto e estar vazio.

Puxei-a para dentro e ela cambaleou até a cama.

- Por que está fazendo isso?

Encarei-a por alguns segundos. Nem eu mesmo sabia. poderia tê-la deixado lá e aproveitado a festa, Annie não era minha responsabilidade. Não mais.

Afastei esses pensamentos e fui até o frigobar que havia no quarto, tirando uma garrafa de água e entregando a Annie.

- O que deu em você para fazer isso? Nem mesmo gosta de festas! Por que voc-- parei de falar quando percebi lágrimas escorrendo de seus olhos. - Mas o que...

"Maldito efeito da bebida" pensei.

Aproximei-me mais de Annie e ela começou a falar entre as lágrimas.

- Eu só queria esquecer tudo. Tudo o que deu errado desde que você - deu ênfase - me abandonou. Tudo dá errado pra mim. Se não fosse pela Mikasa e pela Amaya, eu não sei o que seria de mim. - Mais lagrimas derramaram de seus olhos.

- Amaya?

- Sim, a minha filha. 

Eu estremeci. A Annie tinha uma... Filha?

- F-Filha? O pai é o... Bertholdt? - Arrisquei perguntar, por mais que tivesse medo da resposta.

Annie soltou uma risada histérica virando-se para mim.

- O quê? O Bertholdt? - riu novamente - Aquele filho da Mãe era só um gay não assumido.

- Então quem...?

Quando ela ia falar, seus olhos se arregalaram e ela levou uma das mãos a boca antes de correr para o banheiro que havia no quarto.

A segui até o banheiro, mas a única coisa que fiz foi segurar seus cabelos enquanto ela colocava tudo o que podia para fora, abraçada ao vazo sanitário.

Dei água para ela e a coloquei na cama, enrolando-a com o lençol. Depois, sentei ao seu lado.

Então ela dormiu, e quando menos percebi, eu tambem já estava dormindo, deitado ao seu lado.

***

Annie Leonhardt

Acordei sentindo minha cabeça latejar. Abri os olhos lentamente e percebi que não estava em meu quarto, suspirei aliviada ao perceber que estava vestida e sentei-me na cama.

Só então percebi uma cabeleira loira deitada ao meu lado. Senti meu coração bater mais forte ao ver Armin dormindo tranquilamente.

Resisti a vontade de tocar seu rosto e levantei da cama. O que diabos havia acontecido? Por quê ele estava lá? Por que eu estava lá?

Saí do quarto encontrando uma Mikasa desesprada atrás de mim. Dei a ela uma desculpa qualquer e fomos para casa.

Eu só queria esquecer que aquela noite tinha acontecido. 


Continua...


Notas Finais


Não teve nada de tão diferente nesse capítulo, apenas algumas partes reescritas :v
Mas no próximo terão mais hihi

Críticas? Elogios? Sugestões? Comentem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...