História A Casa Ao Lado (Lee Felix- Stray Kids) - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Olá

Gente me desculpem mesmo, eu não vou falar muito da minha injuria e raiva que eu possuía ontem, porque foi muito chato, estou me redimindo com vocês, por isso o capítulo está gigante, espero que não cansem e leiam todo.
Então sem mais delongas

Boa Leitura.

Kamui

Capítulo 10 - Capítulo -X: As Três Irmãs


Fanfic / Fanfiction A Casa Ao Lado (Lee Felix- Stray Kids) - Capítulo 10 - Capítulo -X: As Três Irmãs

Capítulo X


Nós Três


Melissa × Dan


Idade - 5 anos


-Ingrid joga a peteca- Melissa falou super animada.


Naquele ciclo de amigos estavam lá, Ingrid, Melissa, Inês, Dan, YeonJun e ele Otávio. Todos brincavam de peteca, em pleno sol das 09:00 da manhã, não se sabe de onde surgiu a ideia idiota de enfrentar aquele sol, mesmo que fosse de manhã estava quente, e põe quente nisso.


-Melissa, podemos sair juntos hoje a noite?-Dan falou aquele típico sorriso Banguela.


Todos ali presente naquela roda possuíam 4 a 6 anos, os meninos eram mais velhos que as garotas, porém eles sabiam que elas eram muito mais maduras, até porque elas já cuidavam da casa dos Senhores delas.

-Pode ser- Melissa dera aquele belo sorriso, porém Banguela para seu amigo.

Mesmo que eles fossem crianças o tempo em que viviam não era tão perigoso, as crianças que mandavam na rua, em cada esquina tinha pelo menos uma brincando.

-Certo-Dan acenou para ela.

-Já temos que ir, está ficando tarde. -YeonJun colocou as mãos na boca em desespero.

Inês  sorriu para o garoto e ele logo tratou de sorrir de volta para a menina dos cabelos louros.

-Bom, vamos logo, Mamãe vai brigar comigo -Otávio era o mais rabugento de todos ali, mas nada impedia de Ingrid se aproximar mais e mais daquele garoto, mas para Otávio era diferente, ele era mais receptivo a receber carinhos e a conversar com a Ingrid, criando uma bela amizade, no final de contas.

-Certo, certo -Dan falou tentando espalhar aquele clima chato que o Otávio plantou ali.

Os meninos acenaram para o trio de irmãs que logo entraram em casa. Logo se dirigiram a cozinha e lavaram as mãos, ficando perto e observando sua senhora cozinhar.

-Já voltaram? -A Senhora falou sorrindo para as meninas.

-Lux, eu adoro a senhora- Inês falara, ela sempre foi a mais receptiva em relação a Senhora Luz.

-Eu também adoro você pequena, quer dizer, eu amo vocês três- S/n falava com um belo sorriso.

As garotas logo trataram de abraçar a sua Senhora a derrubando no chão, tornando a cena a mais bonita que já se vira, o Senhor Felix chegou na cozinha e logo viu aquela bela cena, o garoto se juntou aqueles belos sorrisos e gargalhadas se jogando em cima das garotas e de S/n, aproveitando o carinho da amada.

-Eu amo vocês- Felix disse beijando a cabeça das três irmãs e logo dando o selo na boca de sua amante.


-Vai Sair? -S/n falava com Melissa.

-Sim, mas Mãe a senhora pode me ajudar? -Melissa falou pondo seu mais belo sorriso no rosto.

Até porque Melissa era a única das meninas que chamava a Senhora S/n de mãe.

-Claro meu Bem. -S/n falou.

Depois de ajudar Melissa a se arrumar, a mesma estava terminando de amarrar o cabelo da sua "filha".

-Meu bem, sei que você só tem 5 anos, mas você gosta do Dan? -S/n perguntava inocente.

-Yá Mãe, da onde a senhora tirou isso, ele é só meu querido amigo, não faça estas perguntas sem sentido, eu nem sei o que é essas coisas que a senhora sente pelo Senhor Felix- Melissa falou emburrada e S/n acabou rindo.

-Entendo, me desculpe se minha pergunta foi idiota. -S/n terminou o cabelo de Mel e virou a mesma de frente para si apertando seu nariz carinhosamente.

A mesma sorriu para sua "mãe".

-Tudo bem mãe -Mel sorriu para sua mãe mostrando seu lindo sorriso, que faltavam 2 dentinhos da frente.


Escutou-se passos nas escadas e na porta estava Inês, a mesma estava de Maria- Chiquinha no cabelo e um vestido branco com rosas bem rodado, e de meias brancas, estava uma gracinha.


-Mel, o Dan está lá em baixo te esperando, Lux -A mesma direcionou seu olhar a S/n- Leva a Mel lá para baixo. -A mesma falou afoita.

-Calma Inês, nem parece a mais velha das irmãs, e porque a senhora está tão fofa? -S/n se aproximou de Inês e a ergueu no alto fazendo cócegas na menor.

-Para dona Lux -A mesma sorria para a mulher, que parou com a demonstração de amor e pequena tortura.

-Vamos. -S/n falou colocando Inês no chão que saiu correndo na velocidade da luz e pegou Melissa no colo, mesmo que a garotinha negando dizendo que sabia andar sozinha, logo cedeu ao pedido da suposta mãe.


-Vão com cuidado. -S/n falou

-Proteja minha filha Dan - Felix falou

-Isso vai dar um lindo casamento.-Ingrid ressaltou 

-Cala a boca Ingrid.-Melissa gritou para a irmã 


E a porta se fechou          

 .

.

.

Inês × YeonJun.


Idade -14 anos.


-Você é um chato -Inês falou.

-Não sou, era uma roda de verdade ou desafio, eu tinha que beijar a Belinda, e para de drama, você é minha melhor amiga, nada mais, nada menos. -YeonJun falou com raiva da amiga.

-Pois vá a merda, eu vou para casa, não quero olhar para esse sua cara, vá lá e faça amor logo com a Idiota da Belinda. -Inês falou.

-Vou mesmo, e vê se reflete no tanto de besteira que você falou hoje -YeonJun falou e se virou saindo de perto da amiga loura.

Inês estava destruída, se aquele beijo fosse um pequeno selo, ela não havia dito nada, mas fora mais que isso, eles haviam se beijado de língua e quem tomou essa atitude foi seu amigo, aquele que ela sempre amara desde seus 6 anos de idade, e que agora jogou na sua cara, que eles eram simples amigos.

Inês se virou e rumou para sua casa, mas logo foi impedida por uma pergunta de YeonJun, sendo proferida em um grito, ele estava longe dela, a noite fria e a solidão que já tomava parte de seus corpos.

 -Você quer mesmo que eu ame a Belinda?-YeonJun falou.

Inês respirou fundo e deixou seu orgulho de lado

-Não quero, mas parece que você gosta dela. -Inês falou -Mas você que escolhe o que faz da sua vida, não é? -Ela falou.

A mesma voltou a andar, porém, foi surpreendida por YeonJun que abraçava a mesma por trás.

-Se for para eu amar alguém, que seja você- YeonJun falou no ouvido da mesma, logo virando a mesma de frente para ele e olhando em seus olhos, logo tomando a boca da mesma em um beijo calmo e cheio de amor, que logo fora correspondido por Inês.

-Vamos para a minha casa -YeonJun falou para a mesma, que não negou o pedido e logo confirmou puxando o mesmo para o caminho da sua casa.

E lá, ele fez Inês sua a noite toda…

.

.

.

Ingrid × Otávio.


Idade- 15 anos


-Interessante, sabe essa sua capacidade de perder 4 vezes consecutivas no baralho. -Ingrid deu um grito e jogou as cartas na mesa mostrando o jogo feito.

-Você tá roubando sua doida. -Otávio falou.

-Que nada. -Ingrid deu um sorriso um tanto suspeito pela parte de Otávio.


O mesmo levantou e procurava algumas notas do resto de seu dinheiro no bolso, claro que era um jogo apostando, e o que a Ingrid queria, DINHEIRO, nada mais, nada menos, ela adorava ver Otávio perder nos jogos de aposta, e ainda se declarava o melhor apostador, uma mentira.


-Ai meu Deus -Otávio falava desesperado procurando notas por seu bolso -Não tenho mais dinheiro. -Ele a olhava triste.

Ingrid suspirou e ergueu a mão para ele.

-Arranje -Falou a mesma para Otávio.

-Ingrid eu não posso pagar de outra forma? -Otávio falou para a amiga.

A verdade era que os dois estavam nervosos, era estranho, mas quando eles todos se encontravam em grupo algo se acendia no corpo deles, era aqueles tipos de desejo por parte de ambos, mesmo que todos agora saíssem como se fossem namorados, Inês e YeonJun namorava e se beijava na frente de todos, já Mel e Dan eram mais reservados e só faziam o errado entre 4 paredes, só eles dois. Ingrid e Otávio? Não sabiam como dar um passo à frente na "amizade deles", que já teve trocas de beijos e carícias desde os seus 13 anos, como evoluir aquilo para um namoro e fazer "amor?", os dois cultivavam pela ideia de esfregar seus corpos um no outro, ouvir gemidos de ambas as partes, ver o rosto mergulhado em desejo, beijos exagerados e o suor presente na testa dos dois, com fios de cabelo grudados naquela região, realmente um sonho.  

-Como vai pagar? -Ingrid falava com a ideia mais impura presente na sua cabeça, seu corpo estava quente e a ideia de Otávio tentar tomar um passo à frente era ótima.

-Que tal, com comida? -Otávio falou.


Mas é idiota, o que a Ingrid queria nesse momento era ser beijada por ele e sentir sua boca nas partes mais impróprias para um beijo. A mesma levantou e seguiu Otávio até a cozinha, ele andava e a mesma prensou o indivíduo na parede a sua frente.

-Vamos fazer diferente, sem comida hoje, eu e você, quero experimentar algo novo, que tal? -Ingrid falou.

Era a mais nova, mas era a mais errada das irmãs, sempre pensando no errado em relação a Otávio e depois que Inês contava sobre as noites quentes e eróticas dela com YeonJun para as irmãs só fez com que os desejos ocultos de Ingrid aflorasse.  

O garoto olhava para Ingrid estranhando seu comportamento, quem tinha o costume de tomar as rédeas era homens e não mulheres. "Machismo presente por praticamente todos os homens".

Ingrid beijou o pescoço do seu parceiro e logo ele atendeu os desejos de sua parceira e se amaram praticamente a tarde toda.

.

.

.


O grupo.


-Desiste dessa ideia. -Melissa falava.

-Mas eu quero fugir com você, Melissa você acabou de ver que a única pessoa da sua família que aceitou nosso relacionamento foi sua Mãe, tirando suas irmãs elas são as únicas que apoiam, e o Seu pai, ele saiu da mesa e falou em alto e bom som para a gente acabar. -Dan falava com lágrimas em seus olhos.

Melissa passou a mão no rosto do amado e beijou sua boca em súplica, pedindo para o namorado desistir da ideia de fugir.

-Vamos casar, montar uma família longe daqui, eu e você, quero te amar todas as noites e não ter que dar satisfação para seu pai, eu quero você e nada mais. -Dan falou apertando a mão da amada.

Melissa deixou algumas lágrimas caírem, mesmo que seu pedido fosse praticamente impossível ela não se via longe de Dan, terminar com ele era um ideia fora de cogitação.

-Eu vou, vamos hoje. -Melissa falou sorrindo.

Dan combinou de meia noite encontrar a Amada em frente a casa dela e os dois iriam partir, sem voltar. Melissa logo confirmou e se despediu do namorado, o beijando, mesmo que os dois fugissem e vivessem a vida um ao lado do outro, algo os impedia dizendo para aproveitar mais, eles se beijaram como nunca, e se tocaram em uma casinha pequena no quintal da casa, era aquilo um mero tchau ou uma despedida? Ninguém sabia, só se sabia o quão era difícil deixar cada um ir para casa, doía, mas mesmo assim, os dois se negavam a dizer o que sentiam.

-Então até mais tarde- Dan falou para a namorada.

Que logo confirmou e beijou o garoto, Mel nunca foi assim, mas ela precisava, ela queria ter uma parte de Dan ali com ela para lhe dar coragem e arrumar sua mala, e aquele "tchau" foi o mais difícil de dar.

.

.

.


-E você vai para onde? -Ingrid perguntava para a irmã, que com ajuda de Inês arrumava a mala.

-Não sei, só quero viver com Dan pro resto da minha vida. -Melissa sorria e logo suas irmãs sorriram para ela, e a ajudaram a arrumar suas coisas.

Só que a única coisa que elas não esperavam era a sua Senhora entrar lá e ajudar Melissa dizendo que a apoiava naquela situação, e a mesma ajudava as garotas a arrumar a bolsa de Melissa. Esperar as horas passarem era a mais torturante, já eram nove, o toque de recolher na casa, a sua Mãe disse que ia enrolar seu senhor, e suas irmãs lhe desejou uma ótima viagem e logo se deitaram, Mel estava sobre sua cama sentada e olhava para a janela, quando viu Dan lá, a esperando, a mesma pegou a bolsa e deu um beijo na testa de suas irmãs, indo até o quarto de seus pais e acenando a sua mãe, a sua senhora, que nunca desistiu de dar felicidade a sua filhas, ela saiu da casa e viu Dan lá, ela correu e abraçou o menino logo o beijando, ele puxou a mão dela e os dois saíram correndo de lá, indo para o portão principal da cidade, e lá quando eles iam saindo, se escutou a voz de seu senhor, ela se virou e viu que sua mãe chorava para impedir Felix que não ligava para o que S/n falava, suas irmãs que choravam e estavam banhadas de sangue, e gritavam para o Felix não tirar minha felicidade, eu amava Dan, eu não deixaria nada acontecer a ele, mas só foi escutado um tiro, e ao meu lado, o aperto de mão do Dan se tornava fraco e naquele momento eu notei que eu perdi o amor da minha vida, que morreu depois de proferir "eu te amo" em alto bom som, e logo partiu com um sorriso no rosto, aquele dia para mim foi o pior, Inês, eu e Ingrid nunca mais tocamos no nome dos três garotos que se desfez com as únicas 3 balas que a arma continha.

.

.

.

INÊS

Inês olhava para seu Senhor, ele mordia o lábio, a mesma depois daquele dia culpava a sua mãe, que não fez o mínimo para impedir a morte dos três garotos, o YeonJun, havia esquecido Inês, não se sabe como, mas já haviam dias que eles não se falavam, e naquele dia de manhã ela descobriu estar grávida. Felix havia matado YeonJun no dia que Dan morreu, mesmo que o garoto não lembrasse de Inês ele morreu, e a mesma para aliviar a dor, culpou a Senhora, que total se responsabilizava pela dor das garotas. Não era mais "Mãe" e nem "Lux", era Senhora S/n, ou Luz, mesmo que aos cantos encontrava uma de suas garotas zombando com sua cara, desejando que ela morresse. Felix não era mais o culpado e sim Luz, que até no final se sentia responsável pelas meninas terem perdido os seus amigos, namorados e futuros maridos.


-Senhor Felix, eu estou grávida. -Inês falou.


Felix não reagiu bem, mas aceitou, só que Inês não estava bem, toda noite ela havia pesadelos e transtornos, ela não ia conversar com S/n, mesmo que ela fosse a melhor ouvinte, não conseguia perdoar a mãe e começou a achar que Felix estava ficando mal, pela incapacidade da mãe de não conseguir dar amor ao suficiente para o seu Senhor, e ele fazia o possível e o impossível para ela, só que ela não tinha que tratar ele mal, foi ela que estragou a vida de nós 4, ela era a maldade em pessoa. Mas naquela noite eu fui para um quarto abandonado da casa, e lá tinha outro cômodo, com uma porta vermelha, entrei lá e tinha alguns livros, que pertenciam a minha senhora, li e vi uma tu de transferência de corpos, só tinha que arranjar outro corpo e foi o que eu fiz, arranjei uma mulher, ela tinha cabelos pretos e pele branca, a boca dela era vermelha e seus olhos eram da cor Ônix, amarrei o corpo dela naquele pequeno quarto e proferi as palavras em latim que tinham no livro, eu era loira, tinha olhos azuis e uma pele morena, minhas irmãs e eu todas tínhamos cabelos claros, mas eu não aguentava me olhar no espelho e lembrar que o YeonJun sempre me elogiou por causa de minha fisionomia, me sentia presa, então peguei a tesoura e como dizia o livro, a alma dela ia para meu corpo e a minha ia para o seu, arranquei meus olhos com aquela tesoura, no canto do quarto, não senti a dor, só sei que acordei no outro dia no corpo daquela mulher, ela gritava de dor no chão e dizia não enxergar nada, toda noite ia lá e cuidava de meu corpo, e da alma dela, pois o bebê estava naquele corpo, ele resistiu e nasceu, só mas quando ele completou 4 anos ele sumiu da casa, e a única coisa que eu sei é que eu só consigo escutar suas risadas pela casa junto com a minha, do corpo passado, que morreu no século XVIII.


Já no séc XIX, minhas senhora morreu confiando o amor dela a mim, aquele dia foi desesperador, todas nós tentamos ajudar a nossa senhora, só que foi falho, ela morreu e quem sofreu mais foi Melissa que afirmou em uma noite para nós duas que se apaixonou pela S/n, achei ridículo, mas era verdade, eu notava nos olhares que ela dava para a mesma e para sua barriga, e por este tempo perdoei a S/n, pelo menos Melissa sorria, já que ela sofria muito desde a partida de Dan. Mesmo a S/n confiando seu amor ao Felix por mim, me fez ficar louca, eu acreditei amar meu senhor com todas as minhas forças, e ele acreditava que a S/n iria reencarnar, mesmo que ela tinha dito para nós três que era uma mentira. Nó séc XX eu estava me rastejando aos seus pés, e ele me fazia sua a noite, mesmo que eu lembrasse só de YeonJun, e também usava Ingrid que perdeu Otávio, ela na noite em que Otávio morreu, culpou a dona S/n de todas as formas possíveis. Em 2002 do séc XXI, eu conheci um carinha que afirmava me conhecer, e acabei entrando na dele, e nasceu um garoto com as mesmas fisionomias minha, cabelo preto, pele branca e boca vermelha, na verdade com as mesmas características do corpo de Moli, mas eu não queria a criança, então o pai do garoto ficou com ele e nunca mais nos vimos, e neste tempo o Senhor observava a casa ao lado, e então descobri que S/n reencarnou, e foi o dia mais triste da minha vida.


Aquela merda das 3 balas mataram os amores da nossa vida, e a promessa dela reencarnar mesmo sendo vazia aconteceu.


Mas então eu descobri, que o amor da minha vida também reencarnou, e eu não sabia o que pensar, eu só queria ter ele de volta.                       

 


  

    


  



 

     



Notas Finais


Chupada Dimensional Reversa

Bom Foi isso, me desculpem qualquer coisa.
Perguntas ou dúvidas eu responderei nos comentários.
Desculpem qualquer erro aí, eu revisei mas as vezes algumas coisas não são observadas por nossos olhos.
Lux--> Luz em Latim, reforçando para quem não lembra.
Bom não fiquem com raiva de nem uma das irmãs.
Na foto ali da esquerda para direita a ordem é:
Ingrid-> A mais nova
Melissa-> A irmã do meio
Inês- > A mais velha.
Tchau e Fui

Kamui


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...