História A casa de n° 61 - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Baekyeol, Chanbaek, Exo, Kaisoo, Xiuchen
Visualizações 195
Palavras 4.469
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ESTOU VIVAAAAAAAAA!!!!!!
Gente, me desculpem pela demora, mas já era de se esperar né kkkkkkk
Infelizmente isso vai continuar acontecendo porque ultimamente eu ando tendo muitos bloqueios, mas a fic ainda acaba esse ano, aliás, faltam dois ou três capítulos (se não me engano) para acabar 😭😭😭😭

Ignorem os erros e boa leitura!!

Capítulo 20 - A descoberta


Cheguei em casa muito puto da vida e ao mesmo tempo devastado. Quem Jiwon pensa que é para chegar na casa dos outros daquele jeito? Tá que eles já foram casados, mas foi no passado. Foi. Passado. E quem Chanyeol pensa que é? Amigos? Que tipo de amizade é essa que transa na biblioteca da escola e faz juras de amor?

Eu estava quase soltando fogo pelos olhos e bufava a cada dois segundos, teria pena de quem aparecesse na minha frente pois eu não teria dó de matar. Fechei a porta de casa com força rezando para que mamãe não estivesse em casa porque caso contrário eu levaria uma surra.

Como não ouvi nenhuma reclamação ou uma mulher correndo com o cabo de vassoura em minha direção, continuei a andar irritado, porém, como obra do destino, o telefone começou a tocar e por um momento achei que estivesse recebendo uma ligação de Chanyeol, mas não seria possível, ele ligaria para o meu celular e não seria tão rápido assim, afinal ele tinha assuntos inacabados com a ex. Fui até o telefone que estava em cima da mesinha e atendi de má vontade.

— O que é? Não quero comprar nada não. — Falei ignorante.

— Baekhyun?

— Em carne e osso. — E muito puto. — Quem é hein?

— Não reconhece a voz do seu próprio pai?

Puta merda.

— Faz tanto tempo desde que você foi embora que eu não lembro nem da sua cara, quem dirá da sua voz. — Nem pensei antes de soltar, estava irritado até demais para aturar piadinha principalmente vindo dele.

— Não precisa disso.

— O que você quer? Eu estou ocupado. — Preciso quebrar algumas coisas no meu quarto.

— Por que você não atendeu minhas ligações?

— Ah, meu telefone caiu na privada.

— E como chamou?

Bufei. Incoveniente!

— Enfim... Diga logo o que você quer.

— Tenho um assunto sério a falar com você e precisa ser pessoalmente.

— Eu não quero.

— Você não quer nem ao menos saber o que é?

— Tudo bem. — Suspirei. — Conte logo. — Estava um pouco curioso para saber onde ele queria chegar.

— Quero que venha morar comigo.

Soltei um gargalhada alta e estranha. Eu estava rindo de nervoso, de raiva e porque seu pedido de fato tinha sido engraçado.

— Você não pode estar falando sério.

— Estou e muito.

— Pois eu não quero. — E desliguei.

Fui para a cozinha e peguei todo tipo de doce que tinha e caminhei para o meu quarto despreocupadamente com o pedido de papai. Escutei o telefone voltar a tocar, mas nem me dei ao trabalho de olhar para trás.

Me joguei na cama e comecei a abrir os doces, colocando praticamente todos na boca, já sentindo a vontade de chorar, porém me controlei. Não iria perder meu tempo chorando por causa de Jiwon. Fiquei tentado em olhar pela janela, mas não adiantaria de nada, eles estavam na sala, afinal.

Então o que me restou foi comer até não aguentar mais e dormir.

— Baekhyun! Mas que porra de bagunça é essa? — Acordei assustado com o grito de mamãe.

Ainda atordoado, prestei atenção no quarto percebendo que ele realmente estava bagunçado, mas voltei a deitar a cabeça no travesseiro. Meu sono era mais importante que o meu quarto, é claro.

— Você não vai dormir até arrumar esse quarto imundo. Anda, levanta!

Bufei e resolvi fazer o que ela mandou antes de acabar apanhando. Me perguntei mentalmente como consegui deixar meu quarto daquele jeito e logo me senti arrependido.

— Eu acabei de voltar do mercadinho e você não vai acreditar quem eu encontrei por lá. — Ela sentou na cama assim que eu consegui, com muito sufoco, arruma-la.

— Hm. — Respondi sem me importar com isso já que provavelmente ela ia começar a fofocar sobre alguma vizinha que não gostava.

— Já que está tão animado vou dizer logo de uma vez: eu encontrei Kyungsoo. — Congelei e levantei lentamente com a roupa suja que estava no chão. — E ele perguntou se você iria para a casa dele esse final de semana, só que eu achei que você já estava com ele porque eu lembro bem de ter escutado você dizendo que iria pra lá. — Virei para ela sem saber qual desculpa inventar e sorri amarelo. — Então quando é que você vai começar a me explicar?

Soltei um suspiro. Eu não tinha como escapar dessa.

— Mãe... eu preciso te contar uma coisa. — Falei sério me sentando ao seu lado.

Por somente um segundo eu pensei seriamente em contar toda a verdade para ela. Já estava na hora e eu não queria tardar mais. Quando abri novamente a boca, minha garganta se fechou. Nos olhamos por alguns segundos em silêncio enquanto eu travava uma briga interna com meu próprio corpo.

— Já pode dizer, Baekhyun... — Mamãe falou talvez parecendo cansada com tanta demora.

Respirei fundo e resolvi ser direto.

— Eu sou gay.

O silêncio que se instalou no meu quarto foi completamente desconfortável. Mamãe arregalou os olhos e eu fiz o mesmo. Todo tipo de pensamento ruim entrou na minha cabeça e antes de ela falar algo, eu comecei a me explicar.

— Olha, eu sei que essa não é a notícia que você queria receber e que você provavelmente deve estar sentindo vergonha por ter um filho "assim", — Fiz aspas com os dedos e sorri sem graça. — mas eu queria que você soubesse que eu...

Antes que eu pudesse completar, mamãe me puxou para um abraço forte e eu não consegui controlar minhas lágrimas.

— Ah Baekhyun, eu te conheço mais do qualquer um, era óbvio que eu já sabia disso. — Ela riu limpando o rosto quando nos separamos e acariciou minha bochecha. — Até parece que eu sentiria vergonha de você pelo o que você é, meu bebê. Acho que como toda mãe o meu único medo é o do mundo homofóbico, mas podemos vencer isso juntos. E eu não seria nem louca em abandonar um dos meus bens mais preciosos. Quero que saiba que o meu amor e orgulho por você continua intacto.

Eu parecia mais leve. Era como se um peso enorme tivesse saído das minhas costas. Acho que tudo o que eu precisava no momento era o abraço e aceitação de mamãe e, como isso aconteceu, nada mais me abalava.

Apesar do medo, eu sabia que mamãe não seria tão dura comigo, o problema era que ainda faltava o resto da história que faria com que eu recebesse um sermão daqueles.

— Você não sabe o quão feliz e aliviado eu fico ao escutar isso. Eu não queria demorar tanto para te contar, mas só de pensar nisso eu ficava nervoso, com medo. Eu te amo tanto. — A abracei novamente.

Eu estava tão feliz. Sem dúvidas eu agradecia por ter mamãe e Baekbeom na minha vida.

— Eu também te amo apesar de você não querer usar minhas máscaras faciais, ser um chato preguiçoso.

— Obrigada pela parte que me toca.

Rimos e nos abraçamos novamente voltando a chorar. Acho que nunca choramos tanto como agora.

— Não é porque tivemos um momento fofo agora que eu vou esquecer que você tem que arrumar seu quarto. — Ficou séria de repente e eu fiz uma careta, porém ainda tinha mais.

— Espera aí, eu preciso te contar mais uma coisa.

— Ai meu Deus! — E voltou a sentar na cama agora com uma mão no peito.

Contei tudo, desde a aposta até mesmo sobre Joon-hyun. Porém não mencionei o breve desentendimento que havia acontecido a pouco tempo comigo e Chanyeol, até porque não quero que seja um problema. Esperava mesmo que ele me pedisse desculpas pelo modo que me tratou na frente da sua ex.

Quando acabei a narração, mamãe estava me olhando atônita.

— Meu Deus, isso tudo aconteceu debaixo do meu nariz e eu não percebi absolutamente nada? — Perguntou indignada.

— É tão ruim assim?

— Péssimo, principalmente pelo fato de você não ter me contado porque o que eu mais queria era juntar vocês dois assim que percebi você com ciúmes do Baekbeom quando eu tentei empurra-lo para o Sr. Park.

— Aliás, por que você estava fazendo isso mesmo?

— Porque ele parece ser um bom genro e eu estava desesperada porque nem você e nem Baekbeom arrumavam alguém.

— Eu entendo você ficar desesperada com o Baekbeom porque nem emprego ele arranjava quem dirá alguém, mas eu? — Gargalhamos mas no fundo sabíamos que era errado.

— Brincadeiras a parte, você quer que eu reclame lá no colégio sobre Joon-hyun ou quer que eu seja presa por dar uma lição nele?

— Não precisa. Joon-hyun é passado, não vale a pena perder tempo com ele e sem contar que ele já pediu desculpas por isso e eu aceitei.

— Não sei quem você puxou porque esse coração mole não foi herdado de mim. — Revirou os olhos.

— Você não se importa com a diferença de idade entre mim e Chanyeol? — Perguntei ignorando o que ela tinha dito.

Apesar de não ter pensado nisso antes, a nossa diferença de idade é relativamente grande e muitos poderiam considerar pedofilia mesmo que eu completasse dezoito no começo do próximo ano. E sinceramente achei que mamãe ficaria irritada com isso.

Pensando bem, eu até agora só tirei conclusões precipitadas sobre o que mamãe acharia certo ou errado.

— Não. Idade é só um número, é assim que eu penso. — Deu de ombros.

— Nem com o fato de ele ser meu professor? — Indaguei novamente para que as minhas dúvidas fossem embora o mais rápido possível.

— Você já fez a merda e agora ambos estão apaixonados um pelo outro, eu ser contra qualquer coisa vai ser inválido, sem contar que além de eu querer juntar vocês dois antes, faltam poucos dias pra você acabar o colégio. Então...

— Okay, eu não sabia que você era tão mente aberta assim. — Falei surpreso e ela riu.

— Mas eu estou surpresa com tudo isso que aconteceu. Nunca se passou pela minha cabeça que meu filho pegava o próprio professor.

Antes que eu pudesse rir alto, fui obrigado novamente a arrumar meu quarto já que ela alegou que nós dois tínhamos muitas coisas para fazer. E ainda disse que adorou colocar os papos em dia e que eu e Baekbeom precisávamos usar sua máscara facial nova e conversar como uma família normal novamente.

                         •••

A segunda chegou e com ela o meu mau humor também, mas ele tinha motivos. Além de ser de fato segunda, Chanyeol sequer tinha me ligado para pedir desculpas sobre o modo que tanto ele quanto a ex dele haviam me tratado e isso somente me deixava mais irritado.

Dessa vez, acordei atrasado e tive que ir correndo feito um louco pela calçada, porém, para piorar minha situação, começou a chover. Não acredito que o universo estava contra mim justamente às sete horas  da matina.

Cheguei no colégio atrasado, encharcado e completamente irritado. Abri a porta da sala rezando para que o professor liberasse a minha entrada. Portanto, ao tirar o cabelo da minha cara, vi que o professor que estava dando aula era Chanyeol. Bufei, mas foi inevitável.

— Agora foi que deu. — Resmunguei. — Desculpa, professor. — Falei num tom audível e logo dei as costas indo para a minha carteira – que infelizmente era na frente, ou seja, era impossível não prestar atenção nele – sem espera-lo responder.

Tentei ao máximo não olha-lo, porque eu tinha certeza de que ficaria perdido e com cara de bobo o resto da aula e eu não queria demonstrar fraqueza. Não mesmo. Mas só para deixar claro, ele estava perfeito, como sempre.

Como ele tinha passado um trabalho semana passada, o qual eu tinha feito e estudado pois estava me sentindo inspirado para passar em sua matéria, eu sabia que Chanyeol iria falar sobre ele. Então eu me sentia um tanto interessado no assunto.

— Como eu estava dizendo, vamos fazer um debate sobre o trabalho passado como se fosse uma prova oral. Tudo bem?

Pude escutar a turma reclamando provando que não haviam estudado o assunto e não demorou muito para que Chanyeol mandasse todos calarem a boca. Não com esse linguajar, é claro.

— Um amor instantâneo igual ao de 'Romeu e Julieta' faz muito sucesso hoje em dia. — Começou após a sala ter ficado em silêncio. — Isso nos faz pensar sobre o que é melhor? Amar instantaneamente e perder o amor ou amar em doses moderadas e durar para sempre? — Ele perguntou andando entre as fileiras.

— Isso faz diferença? A pessoa vai ser trocada no final. — Resmunguei em voz alta antes que Chanyeol pudesse completar e comecei a bater a caneta na carteira fazendo um barulho irritante e proposital.

— Kyungsoo, o que você acha sobre o amor de Romeu e Julieta? — Indagou parecendo ignorar a minha resposta.

— Todo mundo sabe que o Romeu só escolheu a Julieta porque foi chutado. Não deu nem dois minutos e eles já estavam trocando juras de amor. — Como estava com a língua afiada também não poderia deixar essa passar.

Virei-me para onde Chanyeol estava e vi que Kyungsoo me olhava reprovador enquanto me pedia para calar a boca.

— Então você não acredita em amor a primeira vista, senhor Byun?

Após ele ter feito essa pergunta de modo debochado enquanto me olhava sério, eu não iria medir palavras para respondê-lo.

— Não. Não quando há uma ex super inconveniente atrás dele e ele não faz nada a respeito.

Vi que os outros alunos pareciam confusos, mas continuavam nos olhando com atenção. Chanyeol veio em minha direção descruzando os braços e com o rosto vermelho. Ele tinha entendido onde eu queria chegar com isso e não fez nada para me parar, pelo contrário.

— A situação de Romeu com Rosalina era muito delicada para Julieta entender.

— Se a situação era tão delicada assim e o Romeu estava tão machucado então ele não devia ter ido buscar conforto em Julieta. Só estava a iludindo. — Rebati mais alto do que gostaria.

Chanyeol expirou com força. Senti meu rosto esquentar de raiva, não estava muito diferente de Chanyeol.

— Iludindo? — Gritou chocado. — É claro que não! Ele nutria um amor tão verdadeiro por ela que nem o tempo ou outra pessoa foi um empecilho para os atrapalhar.

— É muito difícil de acreditar nisso sendo que ele coloca a ex antes de quem ele diz amar. — Cruzei os braços e respirei fundo algumas vezes tentando em vão controlar minhas emoções.

— Baekhyun, já chega! — Dessa vez, a voz de Kyungsoo foi mais alta que a de nós dois.

— O pior é que ela tem mais direito na vida dele que Julieta que não faz a mínima ideia do que está acontecendo. — Falei com a voz calma.

Isso já era o ápice da minha raiva.

— Mas isso não tem nada a ver com o assunto! — Alguém exclamou e outros murmúrios surgiram concordando com essa pessoa.

— Baekhyun, vá para a sala dos professores agora! — Disse com raiva demonstrando toda a sua autoridade.

Saí completamente irritado e fui para onde havia sido mandado, ignorando Chanyeol que vinha logo atrás.

— O que foi aquilo? — Perguntou surpreso assim que fechou a porta da sala vazia. — Pode me explicar o que aconteceu?

— Você ainda pergunta? Não lembra do aconteceu na sua casa? — Retruquei cruzando os braços, o fuzilando.

Esperava que ele percebesse minha irritação desde ontem.

— Como assim? Do que realmente você está falando? — Ele estava tão calmo agora que eu ficava ainda mais puto da vida.

Puxei todo ar que podia para não dar um berro. Não é possível que ele seja tão tapado assim! Certo que eu não falei o motivo de estar assim, mas era a obrigação dele como namorado saber, principalmente depois da nossa briga na sala.

— Da sua visita super mal educada. — Revirei os olhos e Chanyeol soltou um "ah" longo, finalmente lembrando de ontem.

— Baekhyun, nós estamos ainda em processo de divórcio e isso demora.

Fiz uma careta ao ouvir o modo que ele se referiu a outra. "Nós" como se ele e a ex ainda tivessem algo. 

— Não tem como saber disso se você não me conta sobre. E você disse que nós éramos amigos. Por acaso você tem vergonha do nosso relacionamento? — Indaguei triste com medo de sua resposta. — Você tem vergonha de mim?

— Não! — Exclamou desesperado e veio rapidamente em minha direção colocando suas mãos em meus ombros enquanto me olhava sério. — Não. Baekhyun, nós não podemos sequer dar a entender que estamos em um relacionamento. Porque você é menor de idade e somos aluno e professor. Se Jiwon descobrir, eu posso ser preso e o divórcio pode ser pior do que já está.

Fiz cara de choro percebendo que à medida em que eu o condenava, Chanyeol tentava nos proteger a todo custo.

— Mas me doeu o jeito que você tratou ela como se ainda estivessem juntos.

— Eu entendo. Por favor, me des... — Ele foi interrompido por algum celular tocando. Infelizmente era o dele.

Olhei de espreita quem era devido a feição endurecida de Chanyeol e era Jiwon. Falando no demônio...

— Você não vai atender, não é? Estamos no meio de uma conversa.

— Mas é importante.

— Eu também sou importante!

— Eu realmente preciso atender, Baekhyun, mas a gente pode se encontrar na minha casa e conversar sobre isso mais tarde.

— Não precisa, Chanyeol. Atenda sua ligação importantíssima. — Saí da sala batendo os pés fortemente no chão.

Maldita hora em que essa mulher foi aparecer. Estávamos tão bem e agora eu somente sentia vontade de matar tanto ela quanto Chanyeol. E apesar de saber que Chanyeol estava enfrentando o processo do divórcio e não queria me colocar no meio disso, ficava um pé atrás com Jiwon, pois sabe-se lá o que poderia acontecer.

Não que eu não confiasse em Chanyeol, longe disso. Apenas sentia que ela não era uma pessoa boa e só chegou para atrapalhar tudo. Era como se ela soubesse ou pelo menos desconfiasse do nosso relacionamento. Ou pior, quisesse dar fim nesse divórcio e voltar com Chanyeol.

Eu não fazia ideia de como havia sido a união de Chanyeol e Jiwon e sentia que ele não iria me contar nem tão cedo. Era fato como ele ficava incomodado quando o assunto voltava para a sua ex mulher, mas a única noção que eu tinha era que o relacionamento deles tinha sido conturbado e querendo ou não mexia com Chanyeol porque ele ainda tinha de encarar o divórcio.

E obviamente era incômodo tudo isso.

Mas eu não poderia mentir, no fundo, eu tinha medo de ter sido somente uma experiência para Chanyeol até porque o relacionamento dele com Jiwon, provavelmente, foi de anos e era a primeira vez que Chanyeol se relacionava com uma pessoa do mesmo sexo.

Eu não estava com paciência para assistir o resto das aulas e fui para a quadra, não ia ter ninguém lá mesmo. E eu queria um lugar vazio para poder chorar.

Estava tão distraído que nem vi uma pessoa caminhando e acabei trombando nela. Coincidentemente ou não era Joon-hyun.

— Oh, Joon-hyun, me desculpe. — E passei direto antes que ele me perguntasse algo.

Ao chegar na quadra e me sentar na arquibancada de sempre, comecei a chorar feito criança. Sorte a minha que todos estavam em aula. Coloquei as mãos no rosto tentando abafar o choro alto e infantil. Porém não demorou muito para alguém aparecer e interromper o meu momento.

— Baekhyun, o que houve? — Escutei a voz calma de Kyungsoo e consequentemente meu choro aumentou.

Kyungsoo respirou fundo e sentou do meu lado colocando minha cabeça em seu ombro enquanto dava tapinhas no meu braço, me consolando. Demorou, mas eu finalmente me acalmei.

— Poderia me contar o que aconteceu? — Ele perguntou novamente e suspirei antes de começar a contar tudo o que aconteceu desde a chegada de Jiwon até a minha conversa com Chanyeol na sala dos professores.

— Você quer que eu acabe com ela? — Indagou e eu soltei uma risada. — Consigo fazer isso sem deixar rastros, ninguém vai saber além de nós dois.

— Apesar de ser tentador, é melhor não.

— Então pelo menos em Chanyeol? Vai ser só um sustinho, eu juro.

— Kyungsoo...

— Tudo bem, tudo bem.

— Você não vai fazer nada não, né?

— Não.

— Prometa, Kyungsoo.

— Eu não prometo nada.

— O que você veio fazer aqui? Aliás, como sabia que eu estava aqui? — Mudei de assunto, afinal eu sabia que Kyungsoo não iria me escutar.

— Joon-hyun me contou. — Deu de ombros.

Arquejei surpreso.

— Como assim você acreditou tão facilmente nele? Quer dizer, é o Joon-hyun. Você não queria papo com ele nem morto.

— De início, eu não acreditei, mas depois lembrei da briga de você e Chanyeol na sala e eu sabia que uma hora ou outra você acabaria aqui e desse jeito. Eu nunca vi você chorar tanto assim como chorava quando descia de elo no LoL.

— Pra você ver como eu decaí. Antes eu chorava por causa de jogo, agora eu choro por causa de homem. — Suspirei.

— A única coisa que eu vou pedir é pra você ficar quieto em relação a essa crise de vocês.

— Como assim? Que tipo de conselho é esse? — Perguntei confuso.

— Só me aguarde com notícias.

— Espero que sejam notícias boas então. — Resmunguei.

                            •••

Suspirei aliviado quando o último sinal do dia tocou, finalmente estava livre para poder ir para a minha casa e continuar a desabafar em lágrimas toda a minha frustração.

Kyungsoo saiu praticamente correndo da sala me deixando sem entender nada e no vácuo. Segui o resto do pessoal parecendo um morto com cara de choro e bufando a todo momento.

Ainda não conseguia acreditar no que havia acontecido hoje mais cedo e lembrar disso me deixava ainda mais irritado e triste. Muito triste, diga-se de passagem.

Estava pensando em vários tipos de planos para matar Chanyeol e Jiwon enquanto tentava sair daquele amontoado de gente quando um assunto me chamou a atenção. Não que eu seja do tipo de pessoa que presta atenção em conversa alheia, mas essa eu não poderia simplesmente deixar de lado.

— Você soube o que estão comentando sobre o professor Chanyeol? Eu não queria acreditar nisso, mas parece que é realmente verdade. 

Quando estava pronto para escutar o resto, vi os meus amigos perto da saída e o grupo de garotas que estavam comentando viraram o corredor e eu fui obrigado a ficar sem saber o que diabos aconteceu com Chanyeol.

Deixei isso de lado, afinal o que um grupo de garotas iriam falar sobre ele além de besteiras? Virei-me e fui na direção dos garotos reunidos em formato de circulo. De longe, vi Kyungsoo bater em Jongdae.

E isso só me fez confirmar o fato de que quando essas pocs estão juntas é porque alguma merda vai acontecer.

— O que vocês estão fazendo? — Indaguei ao chegar perto deles e logo percebi que até Sehun e o professor Minseok estavam lá.

Vários gritos assustados soaram ao mesmo tempo me fazendo gritar também e olhar para trás achando que tinha alguém pronto para me matar.

— Nada. Não estamos fazendo nada. — Jongin respondeu rapidamente.

— Por que iríamos fazer algo? — Yixing perguntou de modo estranho.

Percebi os outros o olhando feio e eu franzi o cenho. Tinha algo de errado com esses garotos, só pode.

— Estávamos marcando de assistir um filme na casa do Sehun, era só isso. — Kyungsoo falou.

— E por que estão marcando de assistir filme sem mim? Estão me trocando por acaso? Será que eu sou tão substituível assim? — Coloquei as mãos na cintura, irritado.

Kyungsoo revirou os olhos.

— Deixa de ser idiota, Baekhyun. É claro que não iríamos fazer isso. — Disse Jongdae e eu bati o pé esperando uma resposta digna.

— Isso tudo tá deixando você mais dramático do que já é. — Taehyung disse rindo e negou com a cabeça.

— Só não te chamamos porque sabíamos que você ia negar. — Kyungsoo deu de ombros e até que essa resposta era plausível até porque eu tinha mais o que fazer. Isso mesmo, chorar.

— Mas deveriam ter perguntado. — Falei.

— Então, você quer ir? — Ele perguntou.

— Não.

                            •••

A noite chegou e não é surpresa que as únicas coisas que eu fiz quando cheguei do colégio foram comer, chorar e dormir. Isso já era de se esperar, não é mesmo?

Estava pensando no rumo que o meu relacionamento com o Chanyeol iria tomar se essa mulher não fosse embora quando percebi meu celular vibrar. Era uma mensagem e felizmente de Chanyeol.

Perguntava se eu queria ir para casa dele para conversarmos novamente e eu aceitei, afinal ainda tínhamos coisas para acertar e eu queria acabar com todas as minhas dúvidas e inseguranças. Argh, tudo o que eu queria era que essa fase não passasse de um pesadelo.

Quando acabei de me arrumar, desci as escadas correndo, estava ansioso para uma outra conversa. Gritei para mamãe que voltaria rápido e fui rapidamente para a casa de Chanyeol.

Ele abriu a porta e quando nos encaramos percebi como o ar ficou pesado. Cruzei os braços e entrei em silêncio, fui para sala porém continuei em pé.

— Agora você está livre? — Perguntei sério vendo que Chanyeol não sabia como começar a falar.

— Eu fui um idiota e eu sei que você não vai me desculpar nem tão cedo por causa disso, mas eu realmente espero que...

A campainha tocou. Era só o que faltava.

— Só um momento. — Não falei nada, porém, quando ele caminhou até a porta, bufei.

Sério mesmo que não vamos ter um tempinho para conversar e toda vez ele vai ser interrompido quando pedir desculpas?

— Você vai querer ir para a ultrassom do nosso filho, Channie? Oh, você está com visita.

Meus braços caíram feito gelatina e a minha boca se abriu. Meu cérebro entrou em pane. Eu implorava para que Jiwon dissesse que estava brincando à medida que me controlava para não avançar nela e tirar o sorriso debochado que ela tinha no rosto.

Ao olhar para Chanyeol, me dei conta que a megera estava falando a verdade. Chanyeol estava pálido e a olhava assustado, assim entregando que ele já sabia, porém não queria que eu descobrisse. Acho que não desse jeito. Por isso ele queria conversar comigo, uma hora ou outra eu iria saber e o baque da notícia seria o mesmo.

Se o clima já estava ruim, agora pirou drasticamente. Resolvi ir embora, não queria escutar a resposta de Chanyeol e muito menos continuar no mesmo cômodo que aquela mulher, então passei no meio dos dois como um furacão sentindo a minha vista ficar embaçada.

— Baekhyun, espera! — Ele gritou.

Parei na saída e nesse mesmo segundo vi os garotos chegando na minha casa. Olhei para Kyungsoo ainda com esperanças de que ele me dissesse que tudo não passava de uma armação de Jiwon para me separar de Chanyeol, mas ele, infelizmente, apenas assentiu empático. Corri até eles sentindo as minhas lágrimas caindo.

Estava enganado quando pensei que a minha vida não poderia piorar.


Notas Finais


QUE BAQUE HEIN......

Até a próxima atualização, amores, por favor não desistam de mim! 😭❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...