História A Chapeuzinho vermelho e o Caçador (Min Yoongi - BTS) - Capítulo 2


Escrita por:

Visualizações 2.790
Palavras 1.917
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como prometido, capitulo hoje :)
E já agradeço por todos os comentários, fico feliz que gostaram!
Fico eufórica quando me elogiam e agradeço muito, mas eu agradeço mais ainda, por lerem as minhas fics, espero não decepcionar vocês!
Todos nós podemos escrever, não tenha medo de postar suas ideias :)

agradeço pela betagem a _KimAngel_ <3
Boa leitura!

Capítulo 2 - Conflito


Fanfic / Fanfiction A Chapeuzinho vermelho e o Caçador (Min Yoongi - BTS) - Capítulo 2 - Conflito

Yoongi, em um breve instante, sentiu seu corpo paralisar — tendo a impressão repentina de estar sendo observado — o pálido distanciou-se minimamente da menina e, observou as árvores que estavam ao redor do lago. Ele se pôs em alerta, e com suas orbes, vasculhou o perímetro, a procura de algo a indicar a presença de uma terceira pessoa ali.

— Está tudo bem?

— Está sim — respondeu, sem fitar a garota que o observava. — Vamos sair, precisamos esperar um pouco para colocar nossos trajes.

O maior saiu do lago, sendo acompanhado pela Meredith, sentindo-se estúpido por ter parado naquele momento, poderia muito bem beijá-la, mas o incômodo de um olhar alheio e pesado o impediram de tal ato. Depois de alguns minutos, o caçador suspirou tranquilamente, após sentir a presença desaparecer.

— Agora está tudo bem. — sussurrou, para si mesmo.

O rapaz se virou e então, pôde vislumbrar a loira colocando suas vestes e, logo em seguida, seu capuz vermelho.

— Você vai molhar suas roupas assim.

— Tudo bem — a menor sorriu, sem jeito.

Ela tentava disfarçar, mas o nervosismo predominava em seu corpo, nunca imaginou que quase beijaria seu amigo de infância, e ainda no lago que frequentavam quando eram menores. Tentava, a todo custo, esconder seu rosto agora rubro, mas o pior eram as sensações estranhas que percorriam sua estrutura física. Estava nervosa, mas também havia um sentimento bom, o que fez Meredith pressionar os lábios para conter um sorriso. O pálido estranhou o comportamento da moça, mas ignorou, se pondo logo a se vestir, seguindo de volta à casa da mãe de Meredith.

[...]

— Espero que tenham gostado do passeio! — A mais velha logo se pôs a falar, após ver o casal entrar na casa.

— Foi um bom passeio, mãe. 

Respondeu a garota, no entanto, seu semblante não se mostrava nem um pouco contente, cruzando os braços, a observar seu amigo, pelo canto do olho. A volta para a casa fora mil vezes pior, já que Yoongi sequer a olhou, deixando-a enfurecida e até se sentindo de lado. Ela perguntou-se se o pálido estaria arrependido pelo acontecido no lago.

— Bem, vamos almoçar! — Exclamou.

Todos, agora sentados na mesa, degustavam a comida, que tivera seu preparo finalizado momentos antes.

— Está muito bom — elogiou o garoto, dando assim mais uma garfada.

— Devia nos visitar mais vezes, Yoongi. Meredith e eu sentimos sua falta.

— Acho difícil, mãe, você sabe que ele está ocupado agora, em seu trabalho — a loira verbalizou, revolvendo sua refeição.

— Assim sendo, virei visitá-las mais vezes — Com um sorriso no rosto, o pálido respondeu de bom grado para a mãe de Meredith, mas seus pensamentos estavam longe — necessariamente, no lago — sentindo-se ansioso e eufórico por ter a menina em seus braços, encantado ao ver o rosto dela próximo ao seu, mas aquela presença desagradável lhe tirava do sério, fazendo com que sua mente ficasse ocupada, durante a volta para a casa da loira. Enquanto saboreava mais um pedaço de carne, o casal viu a mais velha se levantar e tirar do forno, pequenos pães de mel. Yoongi fechou os olhos, aproveitando o cheiro agradável de chocolate, e sorriu. Era o seu doce predileto, quando era menor.

— Depois de comerem, podem pegar alguns — a senhora colocou alguns pães na bandeja, e logo em seguida, diante deles. — Depois, quero que leve para a sua vó, querida.

— Claro! — A garota concordou de imediato. Meredith sentia falta de sua avó, fazia algum tempo que não via a mesma.

[...]

— Você vai sozinha? — Yoongi perguntou, após levar seus dedos sujos de chocolate aos lábios.

— Vou sim.

— É melhor você não ir desacompanhada — alertou.

— Porque? — Meredith franziu o cenho enquanto ajustava a cesta cheia de doces que suas mãos seguravam.

Acanhado, o pálido engoliu em seco e coçou a nuca, ficando cada vez mais preocupado. Ele conhecia sua velha amiga, a mesma era literalmente desajeitada e extremamente ingênua, infelizmente podendo cair em qualquer papo de um desconhecido, e sendo levada para longe, o que fazia o caçador temer por esse acontecimento, que poderia ocorrer facilmente.

— Você... não sabe se virar direito, para ir sozinha — proferiu as palavras, olhando fixamente a menina.

— Eu sei me cuidar muito bem, Yoongi!

— Não sabe nada! — Suspirou — sei que o caminho até a casa da sua avó é longe, e você pode encontrar algum animal selvagem ou alguma pessoa...

— E o que tem de mais encontrar uma pessoa? — Retrucou a loira, agora impaciente.

— Nem todas as pessoas são boas, Meredith — constatou, agora nervoso. — Você é boba demais! Pode muito bem cair em algum truque tolo!

A menor olhou, indignada, para o garoto e fechou os punhos com força.  Infelizmente, para ela, todos eram bons, com um coração puro.

Coitada, mal sabia de todos os males que existiam ao seu redor. Exasperada, ela o olhou com fúria, e lembrou-se como o seu amigo de infância havia a deixado de lado, como se ela não existisse. Agora, ele vinha com lição de moral?

— Porque está dizendo essas coisas para mim? — Verbalizou a menina, rispidamente — você passou o maior tempo com os animais e caçando-os, como pode conhecer os humanos? Você nem deve conhecer o que é sentimentos... todas as pessoas precisam de ajuda, e eu estou disposta a ajudá-los! Não sou como você, que fica caçando os animais!

Meredith girou os calcanhares e deu as costas para o caçador, que respirava profundamente.

— Me solta! — Vociferou a moça, ao sentir a mão do garoto em seu pulso.

— Eu compreendo muito bem os sentimentos — Yoongi a puxou para mais perto de si, deixando seus rostos próximos. — Por conta disso, treinei para me tornar um caçador, estou protegendo as pessoas desses animais!

— Ótimo! — Com força, a loira se soltou e começou a caminhar, distanciando-se dele. — Você ajuda do seu jeito, e eu ajudo do meu jeito, Yoongi.

A menina não ouviu nenhuma resposta, e nem fez questão de olhar para trás, afinal, a loira era orgulhosa demais e nunca daria o braço a torcer.

[...]

Agora, na floresta, a garota da capa vermelha cantarolava enquanto caminhava no rumo da casa de sua querida avó. Se sentia bem com o cheiro de terra e o ar fresco do bosque a cada passo que dava, podia ouvir muito bem o cantarolar dos passarinhos, se encantando com as flores coloridas e perfumadas que enfeitavam o denso verde, era lindo. Mas, a garota não esperava que cada movimento seu era captado por um olhar maldoso, que se encontrava detrás de uma árvore.

Depois de alguns minutos de caminhada, a loira olhou para trás, vendo um homem cambalear para o lado e cair desajeitado, lamuriando-se, colocando sua mão destra em seu abdômen. Meredith, mais do que depressa, foi até ele, preocupada.

— O que aconteceu? — Perguntou a loira, agachando-se para ficar na mesma altura do sujeito.

— Roubaram minhas coisas! E fui jogado nessa floresta — o homem respondeu, com um semblante de tristeza.

— Meu deus — exclamou a loira. — Venha! Te levarei para a casa de minha avó e iremos achar alguma solução para o senhor. — Muito simpática, Meredith respondeu.

— Poderia me ajudar a levantar?

— Claro! — A menor, mais do que depressa, colocou o braço do sujeito em seu ombro e assim, o ajudando a se levantar.

Enquanto caminhavam, o sujeito a olhava de canto de olho. Realmente, a loira era encantadora, a viu pela primeira vez no lago, mas fugiu ao ver o companheiro dela incomodado. O homem, saindo dali, logo pensou que a menina seria seu próximo alvo, daria um ótimo dinheiro a ele, a vendendo. O mesmo se sustentava fazendo planos sujos e sequestrando crianças para vendê-las como escravos, um homem impuro e de coração sujo, que estava agora nos braços de Meredith.

— Falta muito para chegar na casa de sua avó?

— Um pouco... — respondeu, após estreitar um pouco os olhos para conseguir observar um pouco mais distante.

— Vamos parar um pouco — o sujeito se sentou em uma rocha que havia ali, não queria causar algum alvoroço perto da casa da progenitora, temia que a loira gritasse por ajuda.

Vendo que Meredith estava de costas para ele, distraída e se alongando após ajudá-lo na caminhada, o homem se pôs de pé, devagar, e ficou atrás da menina. Lentamente, levou suas mãos até o capuz da garota, e o abaixou para que tapasse o rosto dela por inteiro, fazendo com que ela não enxergasse. Bruscamente, a loira tentou retirar a manta vermelha, mas fora em vão. Rapidamente, ela tirou a capa e correu por algum caminho desconhecido, assustada. A loira corria, sempre olhando para trás, sua respiração estava falha, quase fora sufocada, mas felizmente conseguiu fugir. Estava em pânico e com medo que o homem a encontrasse.

— Eu vou te achar!

Ouviu a voz do diabo em pessoa, que ecoou pela floresta, fazendo com que o pobre coração da jovem acelerasse mais, mas não esperava que um pedregulho estivesse em seu caminho, a fazendo cair na estrada. A moça se sentou, sentindo sua perna doer um pouco, mas paralisou quando ouviu passos.

— Não! — Vociferou a jovem, após ver uma sombra se aproximar dela.

Com lágrimas nos olhos, pedia por ajuda, mas claramente pedia perdão para o seu amigo de infância. Se houvesse lhe dado ouvidos, nada disso teria acontecido.

— Se eu machucar alguma de suas pernas, você não poderá fugir de mim! — O sujeito exclamou, segurando uma faca que estava escondida em suas vestes.

A jovem fechou os olhos, temendo pelo pior, já esperava a lâmina prateada perfurar sua pele, mas não sentiu nada. Abrindo os olhos, olhou, surpresa, para o garoto em sua frente, que segurava firmemente os braços do homem cruel.

— Yoongi... — ela sussurrou, vendo o seu melhor amigo diante dela.

— Fuja! Saia daqui, Meredith! — Vociferou ele, desviando-se dos golpes que o homem tentava lhe acertar.

— Não vou sem você.

— Teimosa — reclamou, jogando o homem para longe.

— Você não vai atrapalhar os meus negócios, garoto! — o velho ditou, enquanto ia na direção do caçador, com a faca em mãos.

Yoongi logo se desviou e agarrou a mão do homem — que segurava a faca — e direcionou no abdômen do sujeito, o perfurando. O rapaz observava o indivíduo em sua frente, este ficando cada vez mais enfraquecido, vendo o líquido vermelho escorrer no canto da boca, padecendo de dor. Meredith olhava para aquela cena, espantada, nunca vira algo igual. Soluçava, com medo daquele ser, caindo de joelhos, e se deitando, gemendo de dor.  O caçador,preocupado, jogou a faca para longe, indo em direção a loira.

— Está tudo bem? — Perguntou, aflito.

Nenhuma palavra fora dita, mas Yoongi se surpreendeu ao sentir os braços delicadas de sua amada em seu pescoço, o abraçando. Ele piscou, retribuindo rapidamente, afagando os longos cabelos da mesma, sentindo o perfume adocicado da jovem.

— Está tudo bem agora... — ele sussurrou, rente ao ouvido da menina, a confortando.

— Me perdoa, você tinha razão, eu..

— Está tudo bem agora — o pálido a interrompeu.

— Depois de todas aquelas palavras, você veio — Meredith se distanciou um pouco para olhá-lo, fitando aqueles olhos negros que a hipnotizava.

— Não importa o que aconteça, sempre virei te salvar — confessou, envergonhado, sorrindo de canto. Ele pegou a capa vermelha que estava em sua bolsa de pano e entregou para a loira. O pálido se tranquilizou, quando viu sua menina sorrir docemente. Porém, sua expressão tornou-se surpresa, quando a garota colocou delicadamente seus lábios nos dele, dando um pequeno selinho demorado. Mesmo o gesto sendo simples, para Yoongi fora significativo, fazendo seu coração acelerar, e pode ter certeza de que suas orbes reluziram, mas o melhor era ver o mesmo brilho, nos olhos esmeraldas de sua amada.


Notas Finais


Comentem sobre o que acharam :3
O próximo (e último) pode ser que eu poste antes de sábado!
Me segue para mais fics: @MashiroD
segue também á @_KimAngel_ <3

Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...