História A Chave De Meu Coração - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Acnologia, Lucy Heartfilia
Tags Acnolu
Visualizações 176
Palavras 5.828
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yooo minna espero que estejam bem!!
Boa leitura meus amores <3
SIm gente essas horas eu postando rss, confesso que eu estava com preguiça de postar e escrever cap novo! Mas está ai um cumprido para vocês!
Plágio é crime! <3

Capítulo 11 - Fim De Treino


Fanfic / Fanfiction A Chave De Meu Coração - Capítulo 11 - Fim De Treino

-ACNOLOGIA! SEU SAFADO – Kyôka gritou furiosa acordando os outros.

-Kyôka eu já disse que não foi eu! Que mulher chata – disse embirrando.

-Quem pegou minhas calcinhas? Mard Geer ficou o tempo todo ao lado de Sehila.

-Ora, ora e por isso eu sou o culpado? – a olhou feio – Você usa calcinhas que são do tamanho de uma sacola!

-V-você ficou olhando minhas calcinhas? – corou, deu-lhe um soco.

-Você as pendura por aí – deu de ombros – Não tenho culpa de nada!

-Kyôka-san, me desculpe, mas é verdade – Sehila disse corando de vergonha.

Kyôka levou-se aos nervos, mas por fim acalmou-se.

-Enfim vamos voltar ao assunto – disse passando a mão em seus cabelos.

-Você obteve alguma informação?

-Não tive nada concreto, apenas alguns vestígios – cortou o assunto.

-Sinto que ela está por perto e logo iremos achá-la – Mard disse pondo a mão em seu queixo.

-Não precisa procurar por mim. Estou aqui.

~~

Estavam sentados na varanda observando o sol nascer, não havia passado-se um dia que chegou ali, sentia-se em paz pelo local ser quieto e tranquilo. James ensinava-lhe algumas coisas em seu livro, ele traduziu algumas coisas, fez isso à noite toda. Ele demonstrava ser bem cuidadoso e carinhoso diante a loura.

-Lucy estás tão pensativa – a encarou – Algo incomoda você?

Ele é sempre antecioso?

-Não James-san – sorriu – Apenas pensando em algumas coisas em que planejo fazer.

-Hm – cerrou o olhar – Adoraria saber o que planejas Lucy.

-Oh – surpreendeu-se – Bom... Desde que encontrei Jaya-san vi vários motivos para não desistir de resgatar meus amigos.

-Você deve amá-los muito – sorriu tranquilamente.

-Sim! – confirmou – Veja.

Apontou para o sol, estavam radiantes, os raios cobriram-lhe os corpos, um calor reconfortante. Encostou sua cabeça no ombro do homem ao seu lado, lembrou-se de Natsu. Vivia fazendo isso com ele, tanto no por do sol como ele nascendo, oh céus que saudades aquele rosado dava-lhe! Uma lágrima de canto cobriu-lhe os olhos, isso não passou despercebido pelo homem.

-Lucy não chore – disse abraçando-a – Eu entendo como é perder alguém.

-Sabe James-san – disse secando suas lágrimas – É sim difícil aceitar que eles não estão aqui comigo, mas... – mordeu os lábios.

-Eu sei – abraçou-a ainda mais – Algumas coisas ou gestos nos faz lembrar, te entendo plenamente. Não fiques triste, você é uma mulher forte Lucy.

O encarou profundamente, seus olhos eram verdes como safiras, tinha belos cabelos na tonalidade castanha eles eram caídos até o pescoço, quase iguais aos de Natsu, só eram apenas alguns centímetros maior. Tinha um rosto estruturado sem nenhuma falha, tinha lábios grossos, corou. Que tipos de pensamentos eram aqueles? Deu-se conta que estavam próximos demais, haviam se aproximado muito rápido. Afastou-se ainda rubra, inventou um assunto qualquer para quebrar o clima.

-Quando iremos treinar? – perguntou e instantaneamente o jovem a encarou arqueando as sobrancelhas – Digo... Não posso ficar parada não é mesmo? Aliás, temos doze meses.

-Sim Lucy – concordou – Estás bem?

-Me sinto renovada! Agradeço pelo chá de ervas – sorriu.

-Bom – pôs a mão em seu queixo – Corra da colina até o mar cinco vezes.

-Pois não? – o encarou espantada – É muito longe!

-Sim, vi que és boa em agilidade. Primeiro iremos aprimorar seu físico depois magia.

-Mas...

-Não! – fora a primeira vez que demonstrava estar se irritando – Se quiseres fazer algo irá começar assim.

Decidiu não irritá-lo, não sabia em que território estava. Levantou-se e caminhou até perto da escada para descer da varanda, esticou-se levantando atraindo o olhar de James junto a si.

-O que vai fazer?

-Irei treinar oras! – disse – Me acompanha?

~~

-Então foi isso o que aconteceu?

-Sim – afirmou – Achei melhor vir para cá, não queria por a vida de minha amiga em perigo.

-Jaya não entendo, onde você deixou-a?

-Deixei com um amigo – disse suspirando – Posso confiar nele para isso, já que não posso mais usar meus poderes.

-O que houve? – Kyôka perguntou olhando o visor em sua frente.

-Zeref me atacou enquanto eu voltava de um vilarejo e depois disso quase não me lembro de nada.

-Talvez Acnologia possa te ajudar, ele conectou-se duas vezes com Zeref.

-Não o force tanto, conectar-se aquele ser... É cansativo e talvez Acnologia pudesse até sofrer algum tipo de dano irreversível.

Todos concordaram, deixariam o dragão em paz afinal se o forçasse demais ele poderia mandá-los aos ares.

~~

O jovem castanho acompanhou a loura em uma corrida longa. Correram por um campo aberto cheio de girassóis e caminhos de terras, o homem apontou para uma curva e viraram, ele olhava Lucy canto de olho às vezes a observando como ela se comportava com a corrida, e até que estava ótima, acelerou o passo a deixando para trás. Arqueou a sobrancelha, o que ele estava querendo fazer? Correu ao seu alcance e novamente fora deixada para trás.

-Lucy persista! – ordenou olhando para trás.

A mesma obedeceu abaixando a cabeça correu até chegar ao lado do rapaz, o mesmo soltou um riso atraindo a atenção, isso a fez correr em sua frente, não o deixaria passar! Olhou um caminho entre os girassóis e correu se escondendo e com certeza fora seguida por ele.

-Me pegue se conseguir – riu correndo bem rápido.

O mesmo riu de volta, a alcançou sem esforço algum tocando seu ombro, ela fez bico tentou correr mais, porém seu corpo estava no limite da corrida. Invadiu os girassóis o que surpreendeu, entrou também a seguindo, sentia os girassóis batendo contra seu corpo, suas narinas foram tampadas pelo cheiro d’água, era uma água corrente bem forte. Estavam no topo da colina e pior... Indo em direção à cachoeira. Distraiu-se e a perdendo de vista, porém felizmente seu olfato entregava-lhe o cheiro adocicado de rosas e morango em seu nariz, algo o fez sentir-se desgostoso, na medida em que corriam o cheiro d’água salgada se alastrava ainda mais. Viu as pegadas de Lucy, caminhou seguindo o rastro e finalmente pode vê-la. Ela correu ainda mais achando que ele estava brincando.

Virou-se novamente para frente vendo o céu e logo em seguida um precipício, seu sapato havia escorregado por conta da umidade ia preparar-se para queda, porém uma mão delicadamente pegou-a a puxando para trás, um corpo macio e levemente quente amorteceu sua caída encontrando o chão. Olhou vendo os olhos safiras encarando-a, suspirou agradecendo por ele estar perto.

-Obrigada James-san – disse constrangida – Sempre me salvando...

-Fique tranquila – sorriu se levantando ajudando-a a levantar-se também – Farei tudo para salvar-te ou ajudá-la, em meu alcance.

-O-obrigada – disse rubra – Mas apenas me treine, não quero depender... Não me sinto confiante.

-Entendo – disse a olhando fixamente – Vamos retornar, ainda teremos de subir ainda mais e logo após descer.

-Sim!

E que assim comece o treinamento de doze meses.

Primeiro Mês: Treinaram a resistência de Lucy, ela escalava e descia a colina várias vezes. Quando empolgada descia e subia mais de oito vezes, durante a noite ela lia e decifrava algumas coisas em seu livro, dia após dia ela se dedicava cada vez mais.

Segundo Mês: Mantinha o mesmo cotidiano, subia e descia as colinas até o mar, permanecia em cinco vezes não iria além, já que agora estudava o dobro de antes, James lhe trazia livros todos os dias para ela estudar táticas e golpes sem ter que usar magia, era cansativo, mas era essencial para ela.

-Lucy! Trouxe mais livros para você – disse entrando em uma sala cheia de livros empilhados.

-Obrigada James-san – disse sorrindo – Mas estou cansada.

-Oh... Vamos comer – apontou para fora da sala – Você não comeu ontem, deixe os estudos de lado. Depois irei lhe ajudar.

O seguiu indo até a cozinha, ele era um desastre na cozinha, sempre que fazia algo a casa quase pegava fogo, então sempre sobrava para ela ter que cozinhar. Mas por obra do destino dessa vez ele não havia feito tanta bagunça, suspirou de felicidade, assim não sobraria uma pilha de louça suja para ter que lavar.

-Estás de parabéns James-san! Mas espere... Você não cozinha!

-Lucy eu também estudo sabia? Os livros de culinária de vocês humanos são ótimos guias.

-Sim, sim – disse abanando as mãos estava faminta – Vamos comer!

Terceiro mês: Mantinha sua rotina todos os dias firme. Acordava às quatro da manhã tomava seu café, corria, treinava corpo a corpo e estudava nas horas vagas, porém o rapaz mudou incluindo um treinamento que envolvia magia, ela teria de desviar das magias que ele lançava em sua direção e quando não desviava machucava-se, raramente se machucava gravemente.

-Me rendo!

-Lucy não amole agora – disse formando uma esfera em sua mão – Seu inimigo não descansa, ele não pede arrego. Se continuar assim seus inimigos matarão você!

Lançou acertando às pernas da jovem ela caiu no chão grunhindo, o sol que lhe cobria fora tampado por uma sombra, era James a encarando, ele sempre era sereno na maioria das vezes, mas ficando sobre o sol lhe dava um ar de perigoso, ele era perigoso, mas não com ela.

-Levante – ordenou seriamente – Seus inimigos aproveitarão de sua fraqueza momentânea e por fim irão tirar-lhe a vida. Levante agora!

Seu tom era de ordem, ela virou suas pernas dando-lhe uma rasteira ligeira o fazendo cair, levantou-se rapidamente correndo para o lado esperando com que ele se erguesse em pé, piscou seus olhos amendoados e quando os abriu foi atingida sendo mandada para longe.

-Você tem a resistência ótima – afirmou – Mas seus reflexos são péssimos. Isso lhe trará problemas futuros.

-Me ajude a treinar meus reflexos! – proclamou erguendo o olhar.

-Uma coisa de cada vez.

Quarto Mês: Depois de Lucy tanto pedir James treinou seus reflexos, claro depois de treinarem e fazê-la correr a vários quilômetros. Estavam em um campo aberto, a grama por sorte era curta então não lhe atrapalharia com peniqueiras.

-Lucy para começarmos a treinar-te terás que se concentrar em mim.

Ela fixou seus olhos achocolatados nos olhos safiras.

-Não dessa maneira Lucy – riu abanando as mãos a fazendo se envergonhar.

-Idiota – jogou-lhe uma pedra – De que jeito falaste?

-Você nunca sentiu alguma magia vinda de mim Lucy?

-Sim... Agora perguntando, qual sua magia James-san? Nunca perguntei.

-Lucy eu sou um Deus – disse calmo enquanto a loura estava surpresa – Sou o Deus Suti. Deus protetor e destruidor do maligno.

-A... Um Deus? – ainda estava surpresa – Perdoe-me, mas o que um Deus faz em terra? Pensei que vocês estivessem escondidos.

-Vários Deuses ficam na terra Lucy – sorriu carinhoso.

-Perdoe-me por tudo! – disse fazendo uma reverencia.

-Oh... Fique tranquila! – sorriu novamente – Não precisa de formalidades.

-Obrigada – retribuiu o sorriso – Mas por que um Deus ajuda uma humana fraca igual a mim?

-Eu não acho humanos ou até você fraca, vocês são interessantes para mim – disse olhando para a paisagem – E voltando ao assunto, por que achas que és tão fraca?

-Bom... – respirou fundo – Pelo simples fato de não poder ajudar meus amigos... Sempre sou eu quem é salva.

-Não penses assim – arqueou a sobrancelha dando um sorriso de canto – Sabe Lucy, desde que apareceu aqui você nunca deixou nada que te abalasse. És mais forte do que pensas.

Lucy sorriu corando, era difícil sim conviver sem seus amigos. Mas não deixaria que nada lhe fizesse desistir.

Quinto Mês: Lucy havia melhorado em questão de físico e agilidade, mas algo preocupava James pelo fato de que ela ainda parecia estar cansada por ter utilizado muita magia. Ambos estavam sentados em uma mesa estudando, iria dar uma “folga” para ela. Estava concentrada lendo cada palavra do livro, ela era bem anteciosa, o bom era que aprendia bem rápido, ela era uma boa companhia, já que ele sempre ficava só vagando pelo mundo sem rumo.

-James-san você pode me ajudar nesse parágrafo?

-Claro.

Aproximou-se colocando sua cadeira ao lado da dela.

-Me diga o que não entendeste.

-Hmm – pensou olhando pequeno parágrafo – Tudo – riu sem graça.

Ele riu também pelo olhar apreensivo da loura.

-Aí diz coisas bem interessantes – respondeu atraindo o olhar da loura.

-Tipo?

-Magia espiritual: Destruindo uma chave de ouro, o rei espiritual aparecerá, liberando a magia da unificação, na qual você usa os poderes do espírito celestial escolhido.

 

-Espera! – disse o interrompendo – Me lembro disso, eu destrui a chave de Aquarius foi quando o rei apareceu me ajudando! – dizia mostrando a chave.

-Oh – disse encarando a chave – Deve ter sido isso o motivo de ter usando tanta magia.

-Não, me lembro de minhas chaves fazerem uma roda em volta de meu corpo.

-Magia de proteção – disse pondo sua mão esquerda em seu queixo – Você tem uma ligação estranha e peculiar com o mundo celestial.

-Estou com fome – disse interrompendo-o.

Ele riu das palavras inesperadas vindas dela, levantou-se a puxando-a junto, caminhou até a cozinha sendo seguido, pegou algumas coisas para comere, eram cinco da tarde. Suspirou fundo, ele não sabia cozinhar certamente ainda. Ouviu uma risadinha escapar dos lábios de Lucy.

-Quer que eu faça algo para nós?

-Lucy não venha querer se exibir – disse a olhando feio.

Virou-se de costas para a loura que ainda ria, ouviu o barulho da cadeira ser empurrada, passos curtos e pesados em sua direção, sentiu pequenas mãos abraçar-lhe por trás, logo mais sentiu algo molhar sua toga branca, ela estava chorando? Apertou as mãos da jovem com delicadeza, virou-se a abraçando apertando contra seu peitoral.

Lembrou-se do motivo rapidamente, passou sua mão direita pelas madeixas louras enquanto a outra passava as mãos nas costas da jovem. Não precisava ser um gênio para saber que ela chorava pelos seus amigos, por tudo, por estar confusa. Algumas vezes durante a noite ela também tinha pesadelos e sempre gritava, era possível ouvir do outro quarto.

-Não chore Lucy – acariciou seus cabelos – Vai ficar tudo bem.

Ela apertou sua toga afundando seu rosto ainda mais em meio as vestes do rapaz.

Se vocês não tivessem ido embora... Eu sinto tanta falta de vocês. Me pego pensando em desistir e esperar... Mas não posso! Não posso desistir de vocês! Eu amo a FAIRY TAIL!

-Obrigada por estar aqui comigo – disse soluçando – Sem você e Jaya-san eu não conseguiria fazer nada... Obrigada mesmo!

-Não precisas agradecer jovem – ainda acariciava os cabelos dela.

Ficou alguns minutos tentando acalmá-la, pediu com que ela sentasse na cadeira enquanto pegava um copo d’água para a mesma, ela agradeceu com um sorriso timido, ela é muito fofa!

Sexto Mês: Pegaram pesado no sexto mês, Lucy treinava sem parar. Ela descia e subia as colinas nove vezes por dia até as dez da manha, treinava corpo a corpo com James até ao meio dia em ponto, comiam e partiam para fazer algo novo, treinavam agilidade e reflexo de Lucy até as cinco, corriam mais cinco vezes até o topo da colina, lutavam corpo a corpo até às oito e depois passavam o resto da noite estudando e dormiam, tudo se repetia todos os dias.

Sétimo Mês: James decidiu treinar Lucy em uma forma totalmente concentrada. Depois de correr para às colinas ele a fez meditar para exalar seu poder, ele rodopiava a mesma tentando atrapalha-la para perder seu foco, o que não era nada dificil para ele.

Jogava alguns feixes de luz perto da mesma atrapalhando-a de se concentrar. Algumas vezes ela resmungava tentando achá-lo com seus olhos exuberantes. Voltou a fechar seus olhos exalando sua magia formando um circulo em volta de si, seus cabelos flutuavam por conta da movimentação da magia, sentiu ser acertada pelo feixe de James, ela se desconcentrou e logo o circulo foi desmanchado fazendo-a a levar-se em nervos. Encarou o jovem castanho sentado em um galho de uma arvore grande a encarando fixamente nos olhos, sentiu seu rosto ficar rubro, ele direto lhe encarava de um jeito diferente. Franziu o cenho tacando-lhe uma pedrinha, ele desviou sem esforço algum rindo dela.

Ela virou-se de costas cruzando os braços fazendo um bico enorme, o que fez o rapaz rir ainda mais dela. Suspirou fundo soltando os braços os colocando em cima de seus joelhos, concentrou-se fazendo o circulo formar novamente, ele era dourado quase branco. E novamente ele tacou-lhe feixes de luz na intenção de atrapalha-la, nada de machucar a loura, novamente ela perdeu sua concentração. Bufou jogando-se na grama voltando seu olhar para ele... Seria longos meses.

Oitavo Mês: Bufava cansada, havia feito algo diferente nos últimos dias. Enquanto corra indo em direção a colina desviava de alguns feitiços que James lhe lançava, seu reflexo estava um pouco melhor nos últimos dois meses. Estava com as mãos em seus joelhos procurando ar, esticou-se respirando fundo. Ouviu os pés de James tocar o chão ele estava próximo de si, suspirou relaxada. Ele a encarou como se dissesse algo que logo foi entendido, seria dificil, mas tentaria.

-Isso vai me esgotar – murmurou soltando ar pelos lábios.

Pegou três chaves de sua cintura as erguendo para cima. Invocou três espiritos de uma vez, isso a cansou rapidamente, sentiu suas pernas fraquejarem, seu corpo inteiro tremia, iria aguentar, fez um sinal chamando James para treinar, o mesmo sorriu contente pela persistência da jovem. Avançou diante a mesma, os espiritos a protegiam (eles sabiam do treino), o jovem criou alguns soldados para ocupar os espiritos, focou em Lucy indo em sua direção, ela defendeu-se cruzando os braços sendo arrastada para trás por conta da força e rapidez do homem. Virou-se para o lado desferindo-lhe um chute em seu braço direito o fazendo recuar, ela estava cansada, mas saberia que se algo acontecesse ele iria parar. Respirou fundo, havia aprendido muito bem sobre a concentração, fechou seus olhos por alguns segundos, algo que se arrependeu em seguida, sentiu ser jogada para longe com tamanha brutalidade, grunhiu um pouco por ter sido acertada na barriga.

-Lucy quero que me enxergue como seu inimigo, se não reagir. Matarei você.

Sentiu ele falar com firmeza, e era verdade ele a mataria se continuasse apenas em defender-se, levantou-se do chão por fim o encarando, algo que o surpreendeu, ele saltou indo ao seu lado, sabia que estava em desvantagem, já que ao passar do meses havia descobrido que ele poderia usar a natureza ao seu favor, trincou o maxilar, forçou-se e invocou mais um espírito para ocupá-lo enquanto pensava em algo para ficar por cima, olhou o rio que havia ali perto, suspirou, ela não tinha mais Aquarius para defende-la, seus olhos marejaram em lembrar disso. Estava quase em seu limite, aquilo a fazia lembrar-se daquele dia... Aquele maldito dia!

Concentrou-se novamente, viu o circulo formar-se. Iria fazer algo que nunca ousou-se em fazer, iria girar os braços como havia visto Wendy e Natsu fazer uma vez, mesmo que não pudesse acontecer nada, não custaria tentar.

Abriu um pouco de suas pernas, abriu os braços levantando um pouco para cima. Respirou fundo pela décima vez, sentiu o circulo ficar um pouco mais dourado, iria girar os braços, mas foi interrompida por uma jorrada de água jogando-a no chão fazendo com que batesse a bunda no chão, iria descontar mais tarde nele. A água novamente veio em sua direção acertando-a em cheio cortando sua coxa esquerda, resmungou de dor, então ele usaria água? Sentiu-se derrotada, não tinha Aquarius... E novamente aquele sentimento invadiu-lhe, dessa vez foi como se tivesse sido colocada em um tanque cheio d’água, não conseguia respirar, sentia-se presa. E provavelmente queria sair.

Lágrimas caíram em seu rosto, algo que não passou despercebido por ele.

-Lucy estás bem?

Ela não respondeu, apenas concordou com a cabeça.

-Vamos parar por hoje, venha vamos cuidar desse corte – apontou para a coxa da loura.

No mesmo instante viu-a cair de joelhos no chão, ela estava consciente, porém suas lágrimas era incessantes, ele agachou em sua frente buscando por respostas, a abraçou confortando-a em seus braços, e novamente estavam daquele jeito, ela chorava e não tinha hora para parar, vê-la chorar daquele jeito era de partir o coração.

-Eu quero a Aquarius e meus amigos de volta James-san! – disse chorando em voz alta.

Nono Mês: Lucy havia adoecido ficando de cama, então estava impossibilitada de treinar de quaisquer maneira. Ela relutava dizendo que estava bem e que precisava treinar, mas nada de acordo com James.

Ela estava tendo febres altas, cansaços extremos, dores musculares e várias outras coisas. Neste mês ela não treinou.

Décimo Mês: Estava recém recuperada. Estava ótima após os cuidados, porém estava por vir seu pesadelo, seu treinos com o rapaz estavam intensos, apesar dela ter concordado no mês anterior que aceitaria em fazer aquele tipo de treino, mas ela não sabia que iria ser tão pesado.

Enquanto corria treinava corpo a corpo e usava suas magias, descendo e subindo cinco vezes sem parar, era cansativo, porém teria de se acostumar. Por dia abria quatro portões do zodíaco, não desistia ou tentava fraquejar, era preciso treinar. Estava descendo a plantação de girassóis enquanto James a seguia lançando-lhe alguns feixes, escondeu-se entre a plantação esperando o rapaz passar, e assim que passou atacou-o o fazendo cair no chão, Lucy subiu por cima tentando desferir-lhe alguns socos, mas ele desviada de todos, pegou os pulsos finos da loura a encarando e logo riu, ela era uma gata bem agressiva, assim que reparou na posição de ambos ficou vermelho igual um pimentão atraindo o olhar confuso da maga que logo entendou saindo rapidamente de cima dele, estava totalmente vermelha.

-Lucy viemos para treinar, não me provocar – disse sarcástico arrancando uma risada sem graça da mesma – Deve ter ouvido errado.

Uma veia saltou da testa da jovem que o encarou em fúria.

-Ah claro! Queria mesmo sentar em cima de você.

Ele a encarou surpreso pelas palavras, assim que ela se deu conta do que havia dito saiu em disparada com vergonha enquanto saia fumacinhas de seus ouvidos por estar constrangida demais.

~*~

Haviam acabado de comer, estavam sentados embaixo de uma arvore apreciando o por do sol que por sinal estava lindo. James como sempre acariciava os cabelos de Lucy, eles tinham uma consideração muito forte um pelo outro, ele era um irmão mais velho que ela nunca havia tido, enquanto para ele era a mesma coisa, e a protegeria com todas as suas forças. Um laço de irmandade.

-Ne Lucy – a chamou.

-Hm?

-O que você irá fazer quando nosso treino acabar? – perguntou sem desviar o olhar do céu.

-Bom... É complicado – disse enquanto se aconchegava – O jeito é eu correr de Zeref e encontrar um jeito de libertar meus amigos.

-Você sabe o que ele quer com você?

-Não – comentou aflita – O que ele quer de mim?

-Ele quer ter posse do mundo celeste, assim ele governará tudo. E também irá poder matar dragões e deuses.

-Dragões? – o olhou confusa – Não existe mais dragões, ecxeto um!

-Isso é o que vocês humanos acreditam – arqueou a sobrancelha – Dragões são iguals a nós Deuses, eles se infiam no meio dos humanos para não serem descobertos.

-Entendo.

-Voltando ao assunto, ele procura alguns pingentes perdidos pelo mundo. E a você para poder abrir o portal do zodiaco para enfim reinar entre os dois mundos, ele está louco após perder sua amada.

-Quem é a amada dele?

-Mavis Vermellion – disse sem se importar, mas para Lucy era importante.

-Ela é a primeira mestra da Fairy Tail! – disse com um semblante um pouco triste e surpreso – Eles tem um caso amoroso?

-Digamos que sim, ela não tinha medo dele e vice-versa, apesar de tudo que ele toca apodrece ou morre, parece que ela era imune – gesticulou – Mas... Após um beijo que eles deram, o poder dela todo foi drenado, o que a deixou em um estado semi-morto.

-Então ela não morreu?

-Não, e como você disse ela é a antiga mestra sim. Ouvi boatos de que o corpo dela nunca esteve em Tenroujima, sim em algum lugar mantendo-a. Enfim, não vem ao caso, ele quer se vingar de todos.

-Você disse que ele queria ir atrás de pingentes né?

-Sim.

Lucy remexeu-se um pouco tirando um colar dourado de seu bolso, ele era delicado, ele tinha formato de uma chave bem pequena.

-Você fala esses? – apontou, James arregalou os olhos piscando várias vezes.

-Onde você achou isso? – perguntou ainda surpreso.

-Antes de conhecer Jaya-san eu havia encontrado um em um lago.

-Mais um motivo para Zeref vir atrás de você, teremos que tomar cuidado.

Décimo Primeiro Mês: James havia feito uma proposta a Lucy, se ela queria ao menos poder se defender sozinha sem alguém, precisaria ao menos fazer algo com sua magia.

-Lucy estás preparada?

-Sim... Eu acho, e se eu não conseguir?

-Você vai conseguir loira! – sorriu confortando-a – Você quase conseguiu semana passada.

Ela fechou os olhos e se concentrou, estava de pé com uma das chaves em sua mão esquerda, o circulo dourado novamente apareceu, ela ergueu a mão invocando um dos espíritos. Ela sorriu, e logo a chave do mesmo brilhou e uma luz cobriu o corpo de Lucy, quando a luz cessou viu a loura com um vestido preto aberto na perna com babados dourados, um decote que mostrava seus seios, tinha umas mangas suspensas que iam até em seu pulso, uma fita dourada enlaçava a cintura fina da mulher, seus cabelos estavam presos em um coque deixando algumas mexas soltas, ela tinha um laço preto nas madeixas louras. Isso acabou surpreendendo James que estava maravilhado.

-Deu certo! – disse abraçando o rapaz – Obrigada! Obrigada Loki!

-É uma honra sempre ajudá-la Lucy-san – Loki fez uma reverencia.

Ela estava muito linda! Bom, o que estava de linda, teria de treinar seus poderes com a nova forma.

-Vamos Lucy?

-Aye!

Final do Treino: Estava deitada na grama, em sua face tinha um sorriso fraco e triste, hoje enfim iria despedir-se de James, infelizmente seu treino havia acabado. Soltou um longo suspiro, estava com umas vestes bem bonitas até. Usava uma blusa branca de gola com um laço vermelho em volta da mesma, por cima tinha um colete azul bem escuro com as bordas douradas, ambas blusas não tinham mangas. Aquele colete lhe lembrava Natsu, perto da barra do colete havia um laço fermelho caído até a altura da saia, usava também um cinto tombado um pouco abaixo de seus seios, estava com uma saia um pouco curta laranja com bordas brancas, calçava botas que iam até seu joelho, eram marrons. Usava umas pulseiras douradas que havia ganhado de presente do rapaz. Ela estava diferente, tanto fisicamente como mentalmente, seu corpo estava mais esbelto e torneado, seus cabelos antes curtos agora estavam na altura do bumbum, eles estavam presos em um rabo de cavalo de lado, para prender usava uma fita também vermelha.

Olhou para o lado vendo James sentar-se ao seu lado, ele também havia um semblante triste, ela de fato lhe faria falta, e como faria.

-Ne Lucy – ele roubou-lhe atenção – Me promete uma coisa?

-O que eu poderia prometer a um Deus?

-Não precisa lembrar desse detalhe – riu baixo – Quando você partir... – hesitou em falar – Me promete nunca esquecer-me?

-Oh – disse surpresa levantando-se – Jamais! Nunca, nem mesmo se eu quisesse lhe esqueceria! Você me ajudou e é muito importante pra mim – sorriu relaxando o rapaz – É minha promessa de estrela com você.

Ela apontou um dedinho fazendo o rapaz franzir o cenho, ela riu.

-Quando alguém lhe aponta o dedo mindinho é tipo uma promessa, para nós humanos sempre fazemos isso. Fiz isso com meu melhor amigo de nunca deixá-lo ou desistir dele caso acontecesse alguma coisa.

-É o Natsu Dragneel né? – perguntou.

-Sim – bufou meio triste – Sinto tanta falta dele, mas tenho que seguir em frente, não é mesmo? Tenho que achar uma solução para tirar eles de Tenroujima.

-É nisso que eu acho especial e diferente em você, tenho meus palpites que os outros humanos desestiriam de resgatá-los.

-Nem sempre – disse despreocupada o surpreendendo – Sabe, meu mestre vivia dizendo que o poder da amizade sempre fala mais alto, e eu concordo com isso. Por todos os meus amigos eu faria qualquer coisa, com suor e sangue!

James pareceu raciocinar por alguns minutos, de repente ele levantou-se puxando Lucy junto, que sem entender nada não reclamou. Continuou a ser puxada, ele segurava sua mão com firmeza sem machucá-la, caminharam passando pelo campo de girassóis indo além, ela nunca havia ido além da colina! Quase chegando na praia ele mudou o percurso, ela estava radiante, a lua fazia reflexo na água iluminando a praia, aquela paisagem prendeu-lhe, quase tropeçou e acabou tirando sua visão daquele lugar maravilhoso.

Voltou-se para frente olhando o rapaz, ele parou quase que instantaneo a fazendo bater a cabeça em suas costas, ela resmungou tirando um sorriso vindo dele.

-Lucy quero que feche os olhos, irei fazer uma surpresa de despedida à você.

Ela resistiu por alguns segundos, mas logo fechou os olhos. Ele ficou atrás da mesma guiando-a pelos ombros. Caminharam por longos minutos até pararem completamente, permaneceu de olhos fechados.

Lentamente abriu seus olhos amendoados, estava maravilhada com aquela cena! Era um lago rodeado de rochas e uma cachoeira, tinha vários arcos de pedra decorados com flores e vinhas o rodeando quase caindo ao chão, a cachoeira fazia o reflexo da lua, parecia que a lua despejava sob a lagoa, o ambiente era iluminado por alguns postes que tinham lacrimas, eles também tinham flores e vinhas. Viu o castanho chamando-a para aproximar-se, ao chegar ficou mais encantada ainda, via os vagalumes quase em uma salsa ao lado de arbustos cheios de rosas, que exalava um ótimo cheiro por sinal! Aproximou-se cautelosamente do rapaz.

-Ne Lucy – roubou-lhe atenção como sempre fazia – Eu queria me despedir, não sabia como... Mas sempre pude perceber o quanto ama flores! Achei esse lugar ideal para isso, e ao luar que está lindo... Você vai fazer muita falta quando for embora.

-James-san não precisava disso tudo! – sorriu contente – Eu também vou sentir muita falta sua e desse lugar maravilhoso – o abraçou – Só não se esqueça que eu jamais vou quebrar minha promessa.

-Eu sei – sorriu carinhoso – Queria lhe entregar uma coisa antes de ir!

Tirou uma caixinha de seu bolso, a caixa era de madeira com um desenho em ouro e veludo vermelho desenhando uma chave com uma bela safira verde, era uma graça, e por coincidencia a safira tinha a mesma tonalidade dos olhos do homem em sua frente. Sorriu com o presente.

-Obrigada – disse doce – Mas o que é?

-Sua magia é voltada em chaves, certo? – ela concordou – Sempre que precisar ou correr perigo, não exite em me chamar. Dei-lhe uma chave minha para sempre proteger você, quando alguém ameaça-la em atacar-te com poderes essa chave parará qualquer magia.

-Obrigada novamente! Mas estou confusa... Por que me destes?

-Lucy é igual eu disse, eu quero sempre protege-la! Eu posso estar longe ou perto, quando invocar-me igual invocaste teus espiritos eu aparecerei. Venha, é hora de ir.

Uma parte no peito da loura apertou, não queria ir. Não queria deixar aquele lugar maravilhoso e aquela pessoa maravilhosa que havia conhecido, de certa forma ele lhe lembrava bastante a Natsu... Ah rosado, que falta você faz. Suspirou, abraçou o homem com força como se fosse um adeus, sentiu uma luz rodar ambos, droga! Já era hora? Não, não queria ir embora!

-James-san... Eu não quero ir embora! – gritou, mas nada adiantou.

Ao abrir seus olhos não via mais ninguém, nem nada além de arvores. De volta ao mundo real.

 

~*~

Sentiu uma presença, não estava tão longe dali. Abriu seus olhos azuis sem vida algum (às vezes a coloração muda para verde), estava mais perigoso do que nunca. Estava com desejo, desejo de matar, de bater, sentir o sangue jorrar eu sua face neutra e perigosa, suas veias clamavam por matança, balançou a cabeça negativamente.

-Mal acordo e já quero matar – sua voz saiu sem expressão ou sentimento algum.

Olhou para o lado, lá estava a mini-fortaleza de Kyôka, ele estava encostado à uma arvore observando tudo ao seu redor, estava mais tranquilo, pois Mard Geer havia finalmente se cansado e ido dormir, algum dia ele teria prazer em matá-lo,mas não seria agora. Ergueu-se ficando de pé, iria de fato ir atrás daquela presença e quem sabe poderia se dirvertir matando alguém. Caminhou em meio a mata com calma, respirava o doce cheiro das frutas, até que um em incomum invadiu-lhe por inteiro, aquele cheiro havia sentido, mas de onde? Ah... Jamais esquecerá daquele cheiro, aquele maldito e delicioso odor, seguiu-o saindo da floresta indo até em direção a grandes rochas, era um morro um pouco alto. Poderia estar de noite, mas sua visão era bem aguçada. Caminhou até a ponta do morro olhando para baixo, viu uma mulher sentada em uma rocha, ela estava apoiando seus braços e cabeça em suas pernas, o que ela fazia ali? E por incrivel que pareça, o cheiro era dela, oh céus como uma mulher tinha aquele aroma tão gostoso? Ele percebeu que ela notou que ele estava ali, lentamente ela virou-se para ele um tanto surpresa, já que ele tampava-lhe a luz do luar que aos poucos subia, e quando atingiu uma altura maior ficou encantado, a pela alva da mulher ficava radiante, os cabelos dourados eram radiantes naquela noite fria, ficaram ambos encarando um ao outro até o silêncio ser interrompido.

-Quem é você? E por que estás na floresta a essa hora? – disse em um modo autoritário, viu os pelos dela se eriçarem, o medo dela era visivel.

-Sou Lucy e você? – por fim sorriu como de costume.

“Que belo sorriso tens essa jovem”

O que diabos seu dragão estava dizendo? Franziu o cenho, ela não havia dito-lhe o por que de estar ali e certamente odiava que ignorassem alguma pergunta vinda dele.

-Não interessa à insetos como você – disse rispído, dessa vez foi ela quem franziu o cenho.

-Perdoe-me, mas não vejo nenhum inseto aqui! – rebateu.

Aquela garota havia respondido-lhe? Iria morrer! Iria pagar por tal ousadia. Ele pulou de cima do morro ficando de frente com a tal Lucy, de primeira havia percebido a diferença de tamanho... E obviamente o cheiro inebriante que ela exalava por fim tomou conta de seu nariz.

-Como ousas falar assim comigo humana?! – a encarou furioso – Deveria pensar em correr – seu tom era perigoso, mas ela não parecia entender o risco que corria.

-Correr? E quem pensas que és para falar assim comigo?

“Acnologia, mate-a ou use esse belo corpo”

Novamente aquele dragão o atazarando, fique calado!

-Eu sou aquele que você deve temer – aproximou-se de forma ameaçadora – Ou irá morrer aqui.

Sentiu o gosto de vitoria, mas ao olhar a face da loura teve um baque. Só agora havia notado o quão linda é aquela mulher, tinha belos olhos castanhos, boca pequena e bem rosada, seus cabelos ajudavam a moldar aquele belo rosto, ela lhe lembrava alguém, só não vinha em mente quem. Deixou de lado quando percebeu que ela também aproximou-se ainda franzindo o cenho, aquela mulher era louca? Iria matá-la e diracelara de todas as maneiras.

-Lucy! Seu pateta saia de perto dela agora! – ouviu uma voz quase ordenando vinda de cima do morro.

-Jaya-san! Quanto tempo!

Espera... Aquela mulher era quem Zeref tanto queria ver morta? Talvez não fosse só ele...

O perigo lhe afronta, o desejo e luxuria lhe dominam. Mas jamais cairá na tentação de matança, aprenda a controlar-se Acnologia!


Notas Finais


Yoo meus amores!!
Já peço desculpas pela demora, mas ai está um cap bem longuinho rss.
Desde já agradeço os 27 favoritos pela história! Já me motiva um pouco <3
~~~~~~~~
Eu estava pensando, cheguei a comentar. O que vocês acham de uma fic na era medieval? Vocês escolhem o casal
Acnolu x Nalu. Assim que eu arrumar um outro computador eu já faço ela! Mas lembrando que essa sempre será minha prioridade!
~~~~~~~~
O que vocês gostariam de ler no próximo cap? Me deixem dicas!
E pessoal vocês viram como Lucy já chega afrontosa? Menineee eu fiquei boba! Mas confesso que gostei, pelo simples fato de ela continuar sendo ela, e gente o James não é um amorzinho?? Mai godi!
~~~~~~~
Até a próxima, kissus de morango <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...