1. Spirit Fanfics >
  2. A cigana e o príncipe dos ladrões >
  3. Os criminosos na floresta.

História A cigana e o príncipe dos ladrões - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Muito obrigada pelos quase 20 favoritos na história.
Fiquei muito feliz com isso .
Espero que gostem do capítulo de hoje
Uma boa leitura.

Capítulo 8 - Os criminosos na floresta.


- Este é o Chat Noir. Ele é um príncipe . Que fugiu das suas responsabilidades reais , por causa de um casamento arranjado , pelo pai dele. Para ser sincero, fazia o mesmo. - diz Plagg apresentando o loiro para o grupo de ladrões .

 

 

_ É um prazer , meu amigo. O meu nome é Carapace. Me perdoe por Plagg. Ele é o único de nós, que tem um parceiro. Imagino, que ele se sente solitário . - diz Carapace ao se aproximar do loiro.

 

 

_ Ah, sim. Me desculpe por não ter sido educado com você. O meu nome é Wyazz. - diz Wyazz prestando uma reverência ao loiro.

 

 

_ Sou Viperion. E este é o meu parceiro Sass. - diz Viperion ao apresentar a s i mesmo e o parceiro ao loiro.

 

 

 

_ Ah, é um prazer em conhecer todos. Bem, estava me oferecendo para ser o parceiro de Plagg , nos assaltos. E quero ainda tirar uma dúvida com você, Carapace. - diz Chat Noir mirando o seu olhar no moreno.

 

 

_ Sim, pode ser. Afinal de contas, o nosso recente alvo acabou de passar. O que é uma pena. Queríamos dar uma longa lição nas passageiras da carruagem. - diz Carapace lamentando a perda das vítimas do roubo.

 

 

 

_ Afinal de contas. Quem, vocês queriam assaltar ? - diz Chat Noir intrigado com o que estava acontecendo.

 

 

 

_ Ah, a família Rossi. Elas estavam a caminho do vilarejo do reino. E elas estavam planejado algo . - diz Carapace ao olhar fixo para o loiro, suspirando fundo com pesar.

 

 

 

_ Ah, era com a Lila, tinha que me casar . Por isso, fugi do meu reino. Não aguentava mais em fazer tudo para o meu pai. Não queria reconhecimento. Mas, um pouco de liberdade . - diz Chat Noir ao Carapace.

 

 

 

_ Oh, minha nossa. O seu pai é muito exigente mesmo. E também, a Lila está entre as piores princesas de todos os reinos conhecidos. Sorte a sua , que decidiu fugir , sem conhecer a Lila. Porque ela não ia desgrudar de você, por nenhum momento. - diz Carapace ao loiro.

 

 

 

_ Sim, eu apoio isso. E para a minha honestidade. Precisamos de um líder urgente. Carapace fica muito perdido em liderar algo. - diz Wyazz confirmando o que Plagg tinha dito.

 

 

 

_ Ah, claro. Sou mesmo muito ruim. Sou bom em dar conselhos. Mas, de liderança. Não sou bom mesmo. Quer ser o líder ? - diz Carapace ao loiro com um olhar de esperança.

 

 

 

_ Sim, quero muito. Como sou um príncipe. Sei muito sobre liderança . - diz Chat Noir topando em ser o líder dos bandidos do bem.

 

 

 

_ Perfeito. Agora, vamos trazer os outros membros aqui. E como o seu acampamento está montado . Vamos passar a noite aqui. - diz Carapace ao ver o acampamento do líder montado.

 

 

 

- Podem usar . E tenho muita comida. E assim, que terminamos. Podemos prosseguir para um novo reino. Prefiro, em ser um pouco distante do meu . O meu pai ainda não descobriu , que eu fugir do palácio. - diz Chat Noir assumindo a liderança.

 

 

 

_ É uma boa ideia. - diz Carapace topando a sugestão do loiro, olhando para a floresta.

 

 

 

(**)

 

 

Assim sendo, o grupo de ladrões do bem , conseguiu encontrar em Chat Noir, um bom líder, e quando o loiro assumiu a liderança, passou a ser chamado de ‘’ príncipe dos ladrões ‘’ , continuando a roubar dos mais ricos para dar aos mais pobres, ao velho estilo Robin Hood.

 

 

(**)

 

 

 

De volta ao presente, Chat Noir estava atirando pedrinhas no lago, olhando para os saltos delas, vendo-as mergulhar de uma vez no lago, respirando fundo.

 

 

Carapace chegou perto do amigo, sem que o líder perceba , sentando-se ao lado dele , observando-o atirar pedras no lago.

 

 

 

(**)

 

 

_ Estou vendo que está pensativo , Chat . Desde do nosso último assalto. Você foi tão rápido. Que tivemos que correr ainda mais . E também, está preocupado , que o seu pai, ou a sua noiva te encontrem , mais cedo ou, mais tarde. Obrigando-o a voltar para se casar com a Lila. - diz Carapace pegando algumas pedras em torno dele.

 

 

 

_ Sim, Faz um ano , que sou o príncipe dos ladrões. Porém, não quero voltar para o meu reino tão cedo. Sei que completei a idade de assumir o trono real. Imagino, que o meu pai encontrou um sucessor para mim. Porque se sente ofendido , por ter fugido. E estou preocupado com a minha mãe. Será que ela está bem ? Ou meu pai fez algo pior. - diz Chat Noir atirando uma pedra no lago.

 

 

 

_ Já nos contou sobre isso. Uma porção de vezes. Que já perdi a conta de quantas vezes, já falamos sobre o mesmo assunto. - diz Carapace escolhendo uma pedra para atirar no lago.

 

 

 

_ Sim, sei que todos estão cansados. É que não encontrei a mulher da minha vida. E tenho medo, que a Lila faça algo contra ela. Por que o meu pai, teve que fazer este acordo, sem a minha permissão. Nem se quer, me perguntou para saber se queria me casar com aquela princesa mimada. Ah….. - diz Chat Noir atirando uma pedra com violência.

 

 

 

_ Tenha calma , meu amigo. Ficar bravo, não vale a pena . Por isso, precisa ter foco em outras coisas. E sobre a sua mulher ideal. Sempre viajamos muito. Desde que começou a nos liderar . - diz Carapace dando uma palmadinha no ombro do amigo.

 

 

 

_ Ah, estou começando a ficar muito frustrado. Tenho que me encontrar uma mulher ideal para mim. Nem me importo com … - diz Chat Noir ao sentir o apoio do do amigo.

 

 

_ Ah, com licença, senhores. Mas, parece que tem uma cigana correndo perigo. Parece , que uma dupla de ladrões de verdade. Está machucado -a muito. - diz Wyazz ao falar com os amigos.

 

 

**

 

 

Chat Noir odiava em ver alguém sendo maltratado, sem a sua permissão, ergueu-se de rapidamente, jogou as pedras que tinham restando no lago, começando a correr na outra direção.

 

 

**

 

 

_ Foi algo que falei de errado ? - diz Wyazz olhou pasmo para o Carapace.

 

 

_ Não, Wyazz . É que o Chat Noir é assim mesmo. Imagino, que seja o concesso de cavalheiro dele. - diz Carapace acalmando o parceiro.

 

 

 

- Ah, por que ele não se despediu de nós ? - diz Wyazz ao se sentar no lado do amigo.

 

 

 

_ Porque ele não gosta de ficar perdendo tempo . Por isso , ele saiu correndo daquele jeito. Quer jogar pedrinhas ao lago ? - diz Carapace acostumado com o gênio do príncipe, dando algumas pedrinhas ao parceiro.

 

 

 

_ Sim. Quero. - diz Wyazz pegando as pedras , começando a mirar na direção do lago.

 

 

 

**

 

 

Em uma outra parte da floresta, Marinette tinha se perdido da feira , onde fazia compras , quando estava voltando sozinha , se esquecendo de avisar o fazendeiro , que a tinha ajudado a ir na feira, a mestiça foi atacada por dois bandidos , contratados por Lila, para fazer, com que a mestiça se mude do seu reino.

 

 

**

 

 

_ Olá, belezinha. Está pronta para se divertir conosco ? - diz um bandido com um tapa -olho preto no olho esquerdo, empunhando uma faca .

 

 

 

_ Sim, sim. Podemos que isso não vai doer muito. Até vai gostar. - diz o bandido grande ao sorrir louco para o amigo.

 

 

 

_ Ah, não , obrigada. Me perdi no meio da feira. Me esqueci de avisar para o fazendeiro . - diz Marinette sendo educada com os dois , começando a a caminhar para voltar na trilha para o orfanato .

 

 

_ Ei , volte aqui. Vamos nos divertir . - diz o criminoso com o tapa olho , começando a perseguir a cigana.

 

 

 

_ É sim. Prometemos , que vai muito divertido. - diz o bandido grande começando a perseguir a mestiça também.

 

 

 

**

 

 

Marinette começou a apressar os passos, voltando para a trilha da floresta, decidida em voltar para o orfanato, mesmo não completando a sua lista de compras , tentando se afastar o mais breve possível, começando a sentir com uma falta de sorte.

 

 

Os dois criminosos estavam determinados a cumprir com o seu acordo com Lila Rossi, continuando a perseguir a mestiça pela trilha da floresta, á caminho do orfanato.

 

 

**

 

 

_ Precisamos fazer isso. E se conseguimos fazer com que aquela cigana , que se mude com aquelas crianças chatas para bem longe daqui. Com certeza, vamos ganhar muito dinheiro . Quem sabe, podemos nos aposentar da nossa vida de crimes , com um grande estilo. - diz o bandido com o tapa olho ao amigo.

 

 

 

_ Ah, é claro que sim. Podemos pedir mais dinheiro para ela. Para ‘’ aguardar ‘’ o nosso pequeno segredo. - diz o bandido enorme esfregando as mãos com prazer , imaginando com mais dinheiro do que nunca sonhado.

 

 

_ Ah, é claro. Ela mesmo disse que dinheiro não importa . Apenas quer que a gente faça um bom serviço. - diz o tapa -olho ambicioso com a fortuna que ia receber da morena .

 

 

 

_ Sim, sim. - diz o grandão para o amigo, sorrindo com satisfação.

Os dois criminosos ainda continuavam a seguir Marinette, pela trilha da floresta, sedentos em satisfazer o desejo sombrio de Lila , para que a mestiça se mude do seu reino, levando as crianças consigo , assim, ela teria influência total de todos , acreditando que todos os moradores iam agradecer , por terem se livrado de Marinette.

 

 

Marinette acreditava que tinha uma sina com a Lila , porque se sentia perseguida por ela, para proteger as crianças de um mal emitente , a mestiça decidiu alterar o seu caminho , indo para o outro lado, torcendo para que os criminosos continuarem a seguir.

 

 

No meio das árvores , Chat Noir saltava de galho em galho, seguindo o trio a distância , preparando-se para um combate emitente contra os dois bandidos , sabendo que poderia ser descoberto por Lila, a qualquer momento.

 

 

**

 

Passando algum tempo , Marinette não tinha onde correr para escapar dos bandidos, chegando ao mesmo lago, onde ficava o acampamento do grupo de ladrões, um pouco distante dela .

 

 

**

 

 

_ Ah, finalmente te encontramos , cigana . Confesso que você é bem rápida , quando querer. - diz o tapa -olho para a mestiça , chegando com o seu companheiro no mesmo ponto.

 

 

_ Sim, foi bem complicado em te acompanhar. Por que mudou o seu rumo ? - diz o grandão à mestiça.

 

 

 

_ Porque querem fazer mal as crianças do orfanato, que cuido. Nem ligo para a minha vida. Se querem dinheiro, tenho o bastante aqui comigo. Somente , me deixei em paz. - diz Marinette ao atirar a pequena sacola de ouro aos pés dos bandidos.

 

 

 

_ Ah, não queremos o seu dinheiro. Pode pegar , se quiser. Alguém já vai nos dar muito dinheiro mesmo. O bastante, para nos aposentar com luxo. - diz o tapa -olho ao ver a sacola de ouro da cigana .

 

 

 

_ Ah, até já sei quem é . - diz Marinette ao adivinhar a responsável.

 

 

 

 

_ Confesso que já acertou sobre quem nos pagou. E então, vamos falar sobre negócios. - diz o grandão pegando o saco de dinheiro perto do amigo, agachando-se para pegar a sacola.

 

 

 

_ Ah, até já sei sobre o que querem falar comigo. - diz Marinette ao ver o bandido pegando o seu dinheiro de volta.

 

 

 

 

_ Ah, sabemos que não vamos perder tempo em explicar para você. Para ser sincero, mudou a minha visão sobre os ciganos. - diz o tapa-olho à mestiça ao olhar à distância .

 

 

 

_ Sim, e aqui está o seu dinheiro . -diz o grandão ao jogar a sacola de ouro de volta para a mestiça.

 

 

 

 

_ Imagino, que a Lila . Quem pagou vocês . Quer me mude com as crianças do orfanato. Somente , para que ela tenha influência sobre as outras pessoas . - diz Marinette ao adivinhar as intenções dos bandidos.

 

 

 

 

_ Sim, sim. É isso mesmo. Como ela é muito bonzinha com você. Ela vai dar o prazo de três meses para a sua mudança. E então, avise as suas crianças , para que comecem a arrumar as suas coisas . - diz o tapa - olho passando o recado de Lila.

 

 

 

_ Lila somente faz bondades, quando a interessa muito. Por isso, eu digo não à isso. Lila já tem influência , o bastante . - diz Marinette ao recusar o pedido da rival.

 

 

_ Olha, você não tem escolha . Ou se mude para um novo reino. Ou vai pagar uma séria consequência. Já que não liga para o que vai acontecer com você. Talvez, mude de ideia . Se fomos atrás de cada criança , que cuida no seu lindo orfanato. - diz o grandão ao dar um sorriso maléfico á mestiça.

 

 

 

- Por favor, as crianças não. Elas são muito inocentes. Elas apenas querem famílias boas para amar . Por favor. - diz Marinette ao entrar em conflito ao imaginar as crianças sofrendo.

 

 

 

_ Parece que a mentira da Lila, em fazer mal as crianças , está dando certo. A cigana recuou um pouco. -diz o tapa -olho baixo no ouvido do amigo, sorrindo de deboche .

 

 

 

_ Sim, foi ideia da Lila. Parece que ela vai nos dar um bom dinheiro por isso. - diz o grandão ao falar baixo no ouvido do amigo.

 

 

 

**

 

 

Chat Noir tinha chegado bem a tempo , parando em um galho de árvore , perto do lago, observando a cena de longe, retirando a sua espada , disposto a defender a mestiça, mesmo sem ela pedir .

 

 

Com a lâmina brilhando contra a luz , o príncipe ladrão hesitou por um breve momento , aguardando a sua espada de volta , continuando a sua observação .

 

 

 

**

 

 

 

_ Bem, se não quiser que algum mal aconteça com as suas crianças . É somente se mudar para bem longe daqui. Pode ser um reino qualquer. Onde ninguém a conheça .- diz o grandão continuando com a enganação.

 

 

 

_ Apoio o que o meu colega disse . Acho melhor, que aceite a nossa oferta. - diz o tapa – olho á mestiça.

 

 

 

_ Eu, eu, eu… - diz Marinette ao começar a hesitar um pouco com a sua decisão.

 

 

 

_ Não precisa ter pressa, pense com carinho. -diz o grandão risonho ao continuar provocando a mestiça.

 

 

**

 

 

Marinette se sentia muito receosa com a sua decisão , olhando nervosa para os dois homens, que riam dela, porém, ela sempre me manteve firme em todas as suas situações.

 

 

 

Por um momento, a mestiça fechou os olhos , respirou fundo , procurando- se lembrar da sua promessa com a antiga dona do orfanato, antes de sua morte.

 

 

**

 

 

 

- Flashback de Marinette .

 

 

 

 

Era uma manhã normal de primavera, muito antes da influência de Lila dominar todos, Marinette cuidava do orfanato com uma senhora, chamada Maire , que tinha uma boa idade avançada , contudo, a mulher idosa tinha muita vitalidade para viver mais pouco.

 

 

Algumas crianças brincavam no jardim, e tinham alguns pais procurando uma para adotar , sendo atendidas pela senhora.

 

 

Depois de algumas horas, algumas crianças já tinham novas famílias, saindo do orfanato de mãos dadas com os seus novos pais , sorrindo alegremente ao encontrarem o seu lugar no mundo.

 

 

 

Assim que a última criança adotada foi embora , Marie chamou a mestiça para uma conversa .

 

 

Ao chegar no escritório, Marinette se encontrou com a senhora cuidando das plantas.

 

 

**

 

 

_ ‘’ Que bom que veio , Marinette. Queria falar muito importante para você. ‘’ - diz a senhora ao receber a mestiça no escritório.

 

 

 

_ Ah, sim. Sobre que o queria falar comigo ? - diz a mestiça ao aproximar da senhora , observando -a cuidando das plantas.

 

 

_ Bem, hoje , consultei o meu médico. E descobri, que tenho pouco tempo de vida. - diz a senhora dando uma grande notícia .

 

 

 

_ Minha nossa. Quanto tempo, você tem ? - diz a mestiça triste com a partida da amiga.

 

 

 

_ Ah, alguns anos. Não se preocupe comigo. Estou bem ainda. Antes da minha morte. Quero que fique com o orfanato. - diz a senhora ao querer que a mestiça herde o orfanato.

 

 

 

_ Por que eu ? A senhora não tem filhos ? - diz a mestiça assombrada com a herança .

 

 

 

_ Não tenho nenhum, criança . Por isso, te adotei , há um bom tempo. Por isso, você será a minha única herdeira . - diz a senhora molhando as plantas.

 

 

 

_ Ah, nem se importa , que seja uma cigana ? Nem se importa sobre o que os outros não vão dizer. - diz a mestiça intrigada com a sua herança .

 

 

 

_ Nem ligo para isso. Os outros podem dizer o que quiser. - diz a senhora terminando de cuidar das plantas.

 

 

 

_ Ah, mas, as pessoas vão acreditar que roubei o orfanato de você. Por causa das minhas origens. - diz Marinette ao chegar perto da senhora.

 

 

 

_ Ah, nem ligue para isso. Você é melhor do que essas pessoas . Eles somente não tem nada o que fazer . - diz a senhora ao dar um sábio conselho á mestiça, aguardando o seu regador de volta no lugar.

 

 

 

_ Ah, que bom. Bem, precisa de algo há mais ?! = diz Marinette a senhora , olhando para a senhora se virando.

 

 

 

_ Ah, pode dar a janta para as crianças . - diz a senhora com um sorriso no rosto, voltando-se para ver a mestiça.

 

 

 

_ Claro, vou fazer algo para você. - diz Marinette ao agradecer pela herança da senhora.

 

 

 

 

_ Sim, quero aproveitar o resto da minha vida. - diz a senhora ao aceitar a gratidão da mestiça, voltando para a sua mesa.

 

 

 

_ Bem, até breve. - diz a mestiça ao se retirar do gabinete da senhora , indo abrir a porta para voltar a cuidar das crianças  


Notas Finais


me desculpe por algum erro.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...