1. Spirit Fanfics >
  2. A cigana e o príncipe dos ladrões >
  3. As memórias do príncipe dos ladrões.

História A cigana e o príncipe dos ladrões - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Muito obrigada pelos 10 favoritos . E gostaria muito de pedir para que comentem a história
Para que eu sabia que estou fazendo um bom trabalho.
E se quiserem que essa história continue a se postada .
Por favor, deixem aquele coração lindo na história.
Um bom comentário . Que isso me deixa muito feliz .

Uma boa leitura.

Capítulo 3 - As memórias do príncipe dos ladrões.


Chat Noir gostava de sentir um pouco de paz ao caminhar sozinho, embora tenha muitos amgos, o que o ajudavam com os assaltos , gostaria de ter alguém com quem dividir as coisas, as suas alegrias , suas tristezas, tudo em sua vida.

 

 

Não queria ser casado com uma garota interesseira, somente queria aumentar o seu poder de influência no reino dele, ou por um mero desejo do seu pai, que nem dava atenção que queria, desde de pequeno.

 

 

Olhando para o lago, durante a sua caminhada solitária , o príncipe se lembrou do dia , que tinha ficado noivo da pior pessoa do mundo , Lila Rossi, então, sentou-se sobre grama, pegou uma pedra e começou a brincar com ela.

 

 

**

 

Flashback

 

 

 

 

'' Era uma manhã calma de primavera, os pássaros cantavam alegremente , pousando em galhos , ou alimentando os seus filhotes , que abriam os seus bicos, famintos por uma boa refeição dos pais.

 

 

No castelo dos Noir, a história era parecida , todos os empregados cuidavam das suas tarefas costumeiras , enquanto a família real, tomava o café da manhã, cercado de empregados os servindo .

 

 

Em uma das várias salas , o jovem príncipe , Chat Noir , estava praticando a sua esgrima , com o seu remonado professor de esgrima , Lâmina Negra, que era muito rigoroso com o treinamento.

 

 

 

**

 

 

_ Avançe para cima de mim , Chat Noir. Um verdadeiro rei tem que defender o seu povo, em tempos de guerra. Não seja um covarde, me mostre que tem coragem para duelar comigo. Prove o seu valor perante mim. - Lâmina Negra disse.

 

 

Está bem, lembre-se que foi o senhor quem me pediu . - Chat Noir avançou para o professor.

 

 

 

_ Ah, isso mesmo. Continue avançando. - Lâmina sentiu a virtude do jovem príncipe.

 

 

**

 

 

 

E assim, o jovem príncipe avançou para cima, com tudo , empunhando a sua espada , que cintilava contra a luz , rápido que nem um raio negro, para cima do seu professor.

 

 

O duelo recomeçou com mais intensidade do que antes, depois de algum tempo de treinamento , o professor pediu por uma pausa na aula .

 

 

**

 

 

 

_ Muito bem, Alteza. Está progedindo muito mesmo. Em breve, não vai precisar ter aulas comigo. E assim, vou poder me aposentar . - Lâmina olhou o aluno com orgulho.

 

 

 

_ É uma pena que vai se aposentar. Já sinto saudades. Sei que é antes do tempo. - Chat Noir aguardou a espada.

 

 

 

_ Já ensinei vários príncipes ao longo da minha vida. Será uma honra em ter como o meu último aluno. E também, tenho muito dinheiro para me aposentar com conforto. - Lâmina disse.

 

 

_ É casado , professor ? - Chat Noir curioso .

 

 

 

_ Não, não. O amor não é para mim. Não dou bem com nenhuma mulher. Nem se apaixonei por uma . Minha única paixão é em dar aulas. Agora, que vou me aposentar . Vou ter que procurar um novo hobby . - Lâmina responde.

 

 

_ Bem, quero me apaixonar por alguém d e verdade. Passei uma boa parte da minha vida. Aqui, neste castelo. Quero conhecer o mundo lá fora. Sem precisar da permissão do meu pai. - Chat Noir disse sonhador.

 

 

 

Bem, de costume , o rei escolhe a noiva do seu filho. Digamos que é uma tradição. Possivelmente, o seu pai já escolheu uma noiva para você.- Lâmina disse com honestidade.

 

 

 

 

_ Não quero uma noiva arranjada. A maioria das princesas de hoje em dia, são mimadas, maus educadas. A minha mãe, por exemplo, era uma simples camponesa, sem muitas riquezas. Foi que então, ela conheceu o meu pai. E o casamento deles é bom. Apesar de algumas brigas. - Chat Noir disse ao professor.

 

 

 

_ Acho justo o senhor ser contrario a regra de casamento arranjado. … - Lâmina disse .

 

 

 

_ Com licença, senhores. - Norooo disse ao chegar perto dos dois.

 

 

 

Bom dia, conselheiro real. - Lâmina fez uma reverência ao Norooo.

 

 

 

_ Bom dia, Noroo. - Chat disse formalmente.

 

 

 

_ Bem, sem querer incomodar ninguém no meio da aula. Mas, o seu pai me pediu para te levar até ele. Tem um importante comunicado ao senhor, Alteza. - Norroo disse ao príncipe.

 

 

 

_ Ah, bem , vou terminar a aula por aqui. Nos vemos na semana que vem ? - O professor decidiu se retirar.

 

 

_ Sim, na mesma hora. - Chat Noir assentiu.

 

 

 

_ Bem, vou indo. Até breve. - Lâmina Negra disse ao sair da sala.

 

 

_ Bem, imagino que é melhor da gente ir , onde os meus pais estão . Sei que o meu pai não gosta de ficar esperando. - Chat Noir disse ao Noroo.

 

 

 

_ Sim, Alteza. Venha comigo. - Norooo disse ao principe.

 

 

**

 

 

 

Os dois homens deixaram a sala de esgrima do castelo, começando a sua jornada , até a sala de jantar , onde os reis estavam tomando o seu café da manhã.

 

 

 

**

 

 

De volta a sala do café da manhã, havia uma grande discussão sobre o casamento do herdeiro deles , ambos trocavam olhares de acusação e defesa, quase em sintonia.

 

 

**

 

 

_ Querido, sou contra a este casamento. O nosso filho não merece ter uma esposa, como a princesa Lila Rossi. A família dela tem influência o bastante. Por que quer , que o nosso único filho , se case com aquela garota. - Le Paon disse ao marido.

 

 

 

_ Fiz um acordo com a mãe dela. Desde o nascimento deles. Por isso, queremos que o nosso filho se case com ela. - Hawmoth disse.

 

 

 

_ Não é para o futuro deles. E sim, para o futuro daquela rainha esnobe. Nunca a convidei para os meus chás de rainha. Por causa de algumas amigas minhas , que consideram a presença da mãe de Lila, muito desconfortável. - Le Paon olhou acusadora.

 

 

 

Chega de tanto drama , querida. Nem conhece elas. - Hawmoth disse.

 

 

 

Conheço a péssima reputação delas. Nem preciso ficar sabendo por ninguém . As pessoas me contam sobre elas. Temos alguns empregados nossos , que já trabalham para a família Rossi. Em resumo, a convivência com elas ,chega a ser um absudo. - Le Paon disse.

 

 

 

_ Mesmo não gostando. O nosso filho vai se casar com a Lila. Não quero quebrar um acordo com os Rossi. Não quer eles como inimigos. Eles pegam muito pesado. - Hawmoth disse.

 

 

 

_ Desfaça o acordo, Hawmoth. Ou não me veja nunca mais em sua vida. Não me casei com um homem ambicioso. Me casei com o homem que amo, mesmo sendo uma simples camponesa. - Le Paon deu um ultimato.

 

 

O seu caso é diferente. - Hawmoth disse.

 

 

 

Mesmo assim. Vou ser contra . Não vou deixar que o meu filho se case com uma interesseira. Vou continuar lutando , para libertar o nosso filho do acordo. - Le Paon erguendo -se da cadeira.

 

 

 

-= Querida , vamos com calma. Norooo está trazendo o nosso filho. - Hawmoth disse amulher.

 

 

 

_ Muito bem... - Le Paon sentou-se na cadeira.

 

 

 

Mas, vou ser contra até o final. Não quero ver o nosso filho infeliz. - Le Paon argumentou contra o casamento arranjado do seu único filho .


 


 

_  Está exagerado como sempre, querida. Nem conhece os Rossi direito. Isso pode ser mentiras de pessoas invejosas. - falou Hawmoth ao pegar a sua xícara de chá. 


 

_ Dúvida que eu esteja falando mentiras sobre o caráter da família Rossi, sem provas algumas? - falou Lê Paon ao olhar sabiamente o marido. 



 

_ Sim, empregado. - falou Hawmoth cínico ao chamar pelo empregado doméstico que veio correndo para servir o chá real. 


 

_ Aqui está, Majestade. - falou o empregado doméstico ao servir o chá ao rei. 



 

_ Está vendo, querida. Um verdadeiro rei deve impor a todos do reino, façam as suas vontades. E é o por isso, que o nosso filho tem que reinar aqui. - falou Hawmoth ao ver o empregado doméstico servindo o seu chá. 



 

_ Tem algumas coisas que deixou de falar sobre como governar um reino. - falou Lê Paon ao observar o empregado doméstico terminar de servir o chá verde ao rei. 



 

_ Que coisas, querida?  - falou o rei ao dispensar o empregado doméstico com um gesto de mão, olhando fazer uma reverência antes de partir. 


 

_ Posso enumerar as qualidades de um rei verdadeiro. Se tiver disposto a me ouvir. Terei o prazer em contar tudo. - falou Le Paon ao ver o empregado doméstico ir embora da mesa. 




 

_ Sim, mas interrompa a sua explicação, quando Noroo trazer o nosso filho. Preciso de concentração para conversar a respeito do casamento com Lila. - falou Hawmoth ao mexer com o seu chá verde novo para que se misture com o antigo. 


 

_ Devido ao seu pedido, vou aceitar. Contudo, já sei que como vai ser a reação do nosso filho,com a sua notícia inesquecível. - falou Lê Paon ao marido mexendo na xícara de chá verde. 


 

_ Garanto que a reação do nosso filho vai ser oposta do que imagina . Vou fazer com que… -  falou Hawmoth ao ser interrompido por sua esposa. 



 

_ Por favor, querido. Não force o nosso filho a gostar da noiva dele.  Isso pode deixar ele infeliz, ou Chat Noir pode se voltar contra você. - falou Le Paon ao olhar apreensiva ao marido. 


 

_ Está bem. Vou deixar essa parte com a Lila. - falou Hawmoth ao repor a xícara de volta no pires. 


 

_ Bem, pode falar sobre as qualidades de um verdadeiro rei. Mas, lembre- se da sua promessa comigo. -  falou Hawmoth ao dar atenção a esposa. 


 

_ Primeiro, um verdadeiro rei não deve governar por meros interesses, ou fazer um acordo com pessoas interesseiras ou duvidosas. - falou Le Paon ao começar a enumerar as qualidades de um verdadeiro rei. 



 

( ···)



 

A conversa sobre as infinitas qualidades de um verdadeiro rei foi muito prolongada. 



 

A rainha queria atribuir ao marido sobre as qualidades reais de um verdadeiro rei , falando com riquíssimos detalhes, observando atentamente o rei , para perceber se o marido estava interessado na conversa sobre o assunto . 



 

Hawmoth começava a ficar frustrado com o contínuo discurso de sua esposa dizia sobre as qualidades reais de um rei, que revirou os seus olhos disfarçadamente , torcendo para aquilo termine logo. 


 

Alguns momentos depois, parecendo séculos de tédio na mente do rei, que foi quando um dos guardas reais chegou de surpresa, parando perto da mesa, fazendo um barulho com a sua lança para atrair a atenção dos monarcas, fazendo que a rainha pare de falar sobre o assunto dela. 


**


 


 

_ Majestades, com licença, Tenho um anúncio a fazer. - proclamou o guarda real aos dois monarcas ao parar de bater com a ponta da sua lança.


 


 

Diga, meu caro. - falou Hawmoth ao saber do que se tratava o anúncio do guarda.


 


 

Senh0ras , senhores, damas da corte, Majestade. Devo apresentar o conselheiro real Noroooo com a sua Alteza Real, o príncipe Chat Noir . - proclamou o guarda real na entrada dos dois .


 


 

_ Pronto, mestre. Trouxe o seu filho para o senhor. Precisa de algo mais de mim ? - falou Noroooo respeitoso com o rei .


 


 

Por enquanto não, Norooo. Agora, saia . - falou o rei ao comandar a retirada do conselheiro real.


 


 

_ Sim, mestre. - falou Norooo o revenciado antes de sair.


 


 

_ Seria mais educado dizer '' obrigada , Norooo ''. Antes de mandar ele embora. - falou a Le Paon ao encarar azedo para o marido.


 


 

_ Cuide de Dusuuu da maneira que quiser. Noroooo é meu conselheiro real. Posso fazer o que quiser com ele.- falou o rei zangado com a esposa dele.


 


 

_ Pai, trate melhor a minha mãe. - falou Chat Noir ao defender a mãe dele.


 

_ Fica quieto, Chat Noir. A nossa conversa ainda não começou . Primeiro, fique quieto. Já me aborreci demais com a sua mãe. - falou Hawmoth hostil para o filho.


 

Mãe, é verdade ? - falou Chat Noir ao olhar para a mãe.


 


 

_ Sim, meu filho. Isso é um assunto entre mim e o seu pai. - falou a rainha assumindo tudo.


 


 

_ Bem, vou indo. - falou Norooo à família , saindo da sala de jantar no meio do café da manhã.


 


 

_ Agora, que Norooo saiu. Filho, trate de se sentar. - falou Hawmoth ao convidar o filho para se sentar .


 


 


 

_ Muito bem,pai. - falou Chat Noir indo para a sua cadeira ao lado direito da mãe.


 


 

_ Pai, sobre o que quer falar comigo ? - falou o príncipe ao se sentar na cadeira dele.


 


 

_ Bem, meu filho. Em breve, irei me aposentar . E você vai assumir o meu lugar. Então, já escolhi uma boa noiva para você. - falou o rei ao olhar para o filho ao lado da mãe.


 


 

_ Pai, não quero um casamento arranjado com uma princesa interesseira, tenho o direito de me apaixonar por qualquer outra garota, mesmo ela sendo que nem a minha mãe. - falou Chat Noir cético com a novidade do pai.


 


 

_ Não me venha com isso. Vai se casar com a Lila Rossi e ponto final. - falou o rei severo ao filho.


 


 

_Nem pensar. Não vou me casar com ela . Ela é muito metida, mentirosa e tem uma péssima reputação. - falou Chat Noir ao se levantar da cadeira.


 


 

Le Paon... - falou o rei pedindo o auxílio da esposa .


 


 


 

_ Já te disse , que essa seria a reação dele. Contudo, como sempre a ignorou pelos seus motivos. Agora, vai ter que encarar as consequências dos seus atos. - falou a rainha gélida ao marido.


 


 

_ Ah, que seja . Chat Noir, você vai se casar com a Lila Rossi. Porque tenho um acordo com a mãe dela, desde o nascimento de vocês dois. Goste , ou não. Vou fazer que goste de Lila. - falou Hawmoth orgulhoso ao filho.


 


 

_ Jamais vou me casar com ela. E também, não preciso ficar aqui. Me cansei de fazer tudo por você. Nunca fez nada para mim. Era sempre, você, você... - falou Chat Noir com um ar de decisão.


 


 

_ Você. E até já perdi a conta de todas as vezes. Não sou obrigado a me casar com quem não amo. Nem ligo para um acordo idiota que fez com a mãe da minha noiva. E agora, vou indo... - falou Chat Noir ao se retirar da sala bruscamente.


 


 

_ Chat Noir, ainda não terminamos de conversar... - falou Hawmoth ao ver a partida do filho.


 


 

_ Isso tudo é culpa sua. Andou falando um monte de mentiras ao nosso filho a respeito da nova dele.- falou Hawmoth ao jogar a culpa na esposa.


 


 

Não é culpa minha. Nem adianta ficar fazendo com eu tenha culpa de tudo. Já avisei sobre a reação dele. E você preferiu ignorar por causa da sua arrogância. - falou Le Paon ao se defender do marido.


 


 


 

Que seja, Vou fazer de tudo para que o acordo entre mim e rainha Rossi não seja violado. O nosso filho vai amar a Lila. Nem para isso, tenha que comprar uma poção do amor. - falou o rei determinado em concluir o acordo.


 


 


 

_ Está delirando como sempre, querido. A família Rossi nunca foi de confiança mesmo. E com licença, tenho alguns preparativos a fazer mesmo. Tenha um bom dia , querido. - falou a rainha digna ao se levantar da cadeira.


 


 

_ Precisamos terminar a nossa conversa. Isso não acabou. - falou o rei raivoso com a esposa.


 


 

_ Sim, mas em outra ocasião. Tenho coisas importantes a fazer. Se fosse você, ia mandar uma carta para os Rossi, desfazendo o seu acordo fajuto . Tenha um bom dia , querido. - falou Le Paon ao marido , depois saiu de cena.


 


 

_ Ah... - falou o rei histérico , se explodindo de tanta raiva com a recusa do seu filho com a noiva que escolheu para ele.


 


Notas Finais


Chegamos ao final do capítulo de hoje
Não se esqueçam de ler as notas do começo . E espero que tenham gostado
E até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...