1. Spirit Fanfics >
  2. A concubina do Faraó >
  3. Saga 2: capítulo 2.- lie.

História A concubina do Faraó - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


Eu voltei '-
Autora vc só sabe iludir a gente!

Olha meus caros leitores eu faço isso todos os dias 😂🌚

Toma um cap não betado por enquanto.

Vão dormir felizes um pouco tá bom bjs. E boa leitura nós encontramos lá embaixo!

Capítulo 18 - Saga 2: capítulo 2.- lie.


Fanfic / Fanfiction A concubina do Faraó - Capítulo 18 - Saga 2: capítulo 2.- lie.

Concubina do faraó. Capítulo 2. Temporada 2


 

Antigo egipto, lugar desconhecido,  Deserto do Saara, 1414 a.c. décima nona dinastia.



 

Uma luz escaldante batia em seu rosto. O formigueiro nas costas a fazia  soltar pequenas caretas de desconforto. Piscou várias vezes, levando a mão a cara para se cobrir inutilmente do sol.  O clima quente e seco do deserto a despertou a fazendo ganhar uma ligeira tontura devido a mudança de clima.

 

A jovem mulher olhou a sua volta e se notou no meio do nada. Apenas dunas de areia eram sua companhia.

 

Estreiou os olhos.

 

Será que ela tinha conseguido voltar?

 

" Hianta, espere!" A voz da irmã ecoo em sua mente.

 

— Hanabi?!— girou com olhos assustados o lugar mais uma vez . E por fim suspirou aliviada, ao seu lado estava sua mochila de viagem. 

 

Hanabi não foi arrastada.

 

Um grande alívio reinou em seus pensamentos. 

 

Não queria a arrastar para isso,  era um erro só dela e ela tinha que arcar com as consequências.

 

Como ela poderia descansar e  assistir as aulas normalmente, se ela não salvasse  aquele faraó arrogante?

 

 Ela  se sentia em dívida, reduziu metade de sua vida histórica mais do que o esperado. Aquilo só a deixava mais culpada.

 

Agachou para vasculhar na sua grande e pesada mochila. Quando tirou uma  peruca média de tom escura fugindo totalmente do seu tom habitual. Amarrou os longos cabelos negros azulados e os fez um coque improvisado.  Um espelho de mão retocou a peruca caso tivesse um fio de cabelo solto. 

 

Por último tirou um pequeno spray de bronzear e cobriu pelo corpo todo. E botou umas lentes pretas. Assim não chamaria tanta atenção.

 

Agora estava pronta.


 

" Eu tenho que voltar e salvar aquele príncipe convencido."


 

Seu objectivo era apenas um: ela tinha que fazer aquele homem encontrar e casar com a verdadeira Nefertari.


 

O latir de um cachorro a botou em alerta.

 

Era um Abutiu!

 

Era quase extintos naquela época. 

 

O cão de guarda real, Abutiu ou em seu nome egpcio, Abuwtiyuw


 

 era usado  como  cão de caça, tinha um  corpo esbelto semelhante a um galgo inglês, com orelhas eretas e uma cauda encaracolada, provavelmente um tesem, umas das mais antigas raças de cachorro.

 

Olhou para o chão e encontrou um pequeno pau longo de madeira e se meteu em posição de defesa.

 

— se afaste!—  falou de forma ameaçadora para o cão que só lhe mostrava os dentes raivoso. 


 

Os cão baixou as orelhas empinando o nariz parecia farejar algo mais interessante que sua presença. Por fim o notou a rodar sua mochila. 

 

Puxou rapidamente a pasta uns milímetros de distância do animal e por fim encontrou o cachorro quente que tinha guardado para sua viagem de sobrevivência. Olhou no animal que olhava atentamente.

 

Bem era melhor que nada. Atirou a comida na direção do carnívoro que mordeu numa dentada só.

 

O cão parecia bastante animado agora a cheirou mas Hinata não deixou de dar leves reações trêmulas.

 

Levou a mão a cabeça do animal que aceitou prontamente.

 

— opa! Parece que  akagli fez novas amizades.— o barulho o cavalo parar a assuntou. O animal não parecia soltar nenhuma reação novo contra o intruso.— ele dificilmente aceita comida de estranhos. Ele deve ter gostado da sua comida digo...

 

Hinata concluiu que era o dono.

 

Claro era um cachorro quente! Comparado com a comida daquela era até um bebê ficaria manso.




 

— ...Faride, me chamo Faride.— sorriu para ele se levantando. 

 

Parecia que a sua lista de nomes falsos  não paravam de aumentar.


 

— não devia ficar no deserto sozinho.— aconselhou o homem. Ele era jovem e tinha um bom físico. Usava uma saia branco com uma armadura  castanha de um tecido mais grosso.— se me permite tome cuidado, akagli vamos.— o cão foi logo a seguir até ao dono.


 

Aquele tom de pele...era egipcio!

 

— espere por favor!— o homem parou de caminhar até o cavalo já que a mesma segurou seu braço o impedindo de andar.— você sabe onde se encontra o Naruto? Ele já foi coroado? Ou ainda é um príncipe?— as sombrancelhas grossas e castanhas do jovem se elevaram confuso.


 

— quem raios é o Naruto?— questionou puxando seu braço furioso.


 

— certo! Me desculpe. Eu digo Ramsés! –  apressiva agarrou o  pano branco do homem que usava para se proteger do sol.— por favor, me diga Ramsés se tornou rei ou...ou ele está...morto?— a voz saiu baixa e trêmula. Ela não queria acreditar no que saia da sua própria boca.


 

— por hapi você é irritante, pare de falar besteiras!— gritou com ela. Os olhos Onix do homem eram felinos e assustadores.— você é que está "morto"! O faraó foi coroado faz um bom tempo! Idiota, de que raios de lugar você veio, que não sabe sobre isso!

 

Os lábios da mulher se alargaram.

 

Ela tinha chegado na era certa.


 

— obrigada...Sr...


 

— kil. Mais pode me chamar de kiba.— disse mais calmo.— você disse que seu nome é Faride. Nome diferente...De onde você é, seu país de origem?


 

— da Inglaterra.— explicou. A testa do egipcio enrugou.


 

" Onde raios era Inglaterra?!" 


 

— onde é essa inglaterra?


 

"Droga... Esqueci completamente que estou numa era diferente"


 

— é um país longe...

 

—ah é, o quão longe é?— insitiu teimoso. 



 

—  bem... depois eu te conto! eu tenho que ir agora! Então o quão longe fica thebas  daqui?— questionou  abanou o braço do jovem.

 

— uns 5 dias de viagem.


 

— poderia me ajudar a chegar lá?

 

— o que eu ganho com isso?— cruzou os braços desafiador.


 

— eu tenho comida para viagem toda.— levantou uma saco de guloseimas confiante olhou para ele e cão. O cão o olhou para o dono com cara de dar pena.


 

— droga!— soltou um resmungo e depois soltou uma gargalhada.— está bem você ganhou. Vamos.— subiu no cavalo e ajudou a Hyuuga a subir para ficar a sua trás.


 

Já com cavalo em andamento decidiu perguntar.


 

— Kiba... Ramsés tem uma concubina chamada Galaria?— a cara do rapaz virou um pouco para trás para falar.


 

— hum...para um forasteiro que não sabe nada sobre aqui, mas sabe incrivelmente  muito bem sobre a vida matricial do nosso rei.— riu da cara dela. A face da jovem se tornou vermelha de vergonha.— mais está certo. Sua majestade só teve duas esposas. Uma é princesa Galaria e sua futura esposa, sua irmã mais nova hermutemire...— coçou a nuca.— rumores dizem que ele casou e se comprometeu com elas apenas por motivos políticos. Ele fica com poucas mulheres mas ele nunca deu a nenhuma delas o título de Fanari ou Concubina real.

 

— como assim? Não entendi? E-ele tem uma fama abundante com outras mulheres?!— perguntou sua voz saiu bem mais  irritada do que esperava.


 

— n-não diga asneiras se alguém te ouve vai acabar morto assim. — a alertou levando a mão na testa.— comparado com seu irmão mais novo, Ramsés é praticamente um santo... Aquele jovem príncipe tem uma reputação horrível com as mulheres.— agora foi a vez dele de corar.— voltando a nosso rei, ele apenas tem essas duas mulheres em posição e pelo que dizem ele nunca dormiu com nenhuma delas, bem eu acho que  a senhorita Nefertari era uma excessão, mas ela morreu faz muito tempo.— a face feminina mais uma vez se tornou vermelha sua bochechas estavam quentes.

 

Aquilo era mentira. Ela...nunca tinha se deitado com Naruto...



 

Era a muito tempo...



 

— e-espera quanto tempo se passou?


 

— muito tempo...bem uns quatro ou cinco anos atrás, acho não me recordo...— acariciou o queixo liso pensativo.


 

" Não pode ser...

 

 já se passaram cinco anos?"







 

(....)


 

As pessoas a olhavam de forma estranha e outras com medo no rosto.

 

A  dor nas costas era horrível. Por fim levantou da barraca ou que restou dela. O pano que protegia sobre o sol estava rasgada. E as frutas estavam algumas esmagada e já caídas ao chão.

 

O homem carrancudo a olhava feio e gritava com ela com palavras que ela pensou que  ouviria na sua vida.

 

Aquilo era língua antiga?


 

Um pequeno povoado  já circulava  por lá a olhando. O carrancudo que hanabi achou ser o dono da tal barraca. Os guardas passavam por lá e ele tratou de reclamar.


 

— prendem ela, eu não quero saber. Façam seu trabalho!


 

os olhos da Hyuuga quando ouviu aquilo  sair da boca do dono, se desesperou  tratou de mover seus pés rapidamente. As guardas já a circulavam para ela não fugir. Recuou dois passos para trás.

 

— o que está fazendo! Vai acabar por ser pega!.


 

a voz grossa a ralhou num movimento rápido o homem misterioso pegou um saco castanho no chão e atirou contra os guardas, era farinha! A visão ficou turva e confusa naquela névoa improvisada.

 

A mão grande e quente entrelaçou com as suas guiando para longe dali.

 

Ao correr para o lugar hanabi se separou com cenário completamente diferente que estava acostumada. As mulheres a andarem com baldes de madeira na cabeça no corpo usavam roupas vulgares e expostas.

 

Arregalou os olhos quando viu um grupo de  camelos andando calmamente pela cidade, passaram depois de curvar por um beco estreito que o desconhecido a levava.


 

O jovem parou a fazendo seguir o mesmo ritmo ele estavam encurralados. Uma grande parede de barro os travava. E as vozes dos soldados estavam próximas.


 

Aquilo não era real. Não tinha como ser real. Ela estava no meio do deserto. Aquele clima desgastante e sufocante.

 

Aquilo era um pesadelo.

 

Pesadelo.

 

— sim é isso,um pesadelo só pode… isso não é real, quando fechar os olhos tudo vai voltar ao…normal.— fechou os olhos com força. Contou de forma calma até dez e abriu os olhos de forma lenta. Se separou com o sujeito a sua frente que de misterioso ele tinha tudo, já que usava um pano preto que tapava todo seu rosto só conseguia ver ser os belos olhos onix. 

 

A Hyuuga se perguntava , se ele não sabia que panos  preto ou roupas pretas só deixavam as pessoas com mais calor ainda!

 

— ali esta ela!

 

— ótimo Hércules! o que  fazemos  agora eles vão nos apanhar!— perguntou rabugenta para o homem à sua frente que só ouviu soltar um leve suspiro.

 

O barulho dos passos a se aproximar de lá o fizeram agir.


 

— me desculpe senhorita...— o homem tirou rapidamente com seu pano e os envolveu com ele, a  jogou no chão e banhou seus lábios nos dela. 

 

Os olhos perolados palpitaram em surpresa.

 

com bastante pressão em seus pulsos finos para ela não se soltar  ou fugir dele. Mordeu seus lábios inferiores. A mão grande deslizou para as pernas leitosas, apertando em sua coxa firmes de forma ousada.

 

O quê…?!

 

 " Eu nem conheço esse homem…

 

Seu beijo não é nem um pouco como beijo calmo e gentil de konohamaru...droga!

 

Tentou o empurrar.


 

— ei você! Aqui não passou uma garota estranha? Se sim, em que direção ela foi.— perguntou um dos soldados sujos de farinha já que não tinham visto quem tinha atirado a farinha para eles já que foi tudo tão rápido.


 

— hum...uma garota?— se fez de desentendido da real situação.


 

— eu não devo te-la notado.— tirou o pano de sua cabeça assustando os dois guardas.— quando estou com uma mulher nenhuma outra pode roubar minha atenção.— deu um sorriso de canto.



 

O que ele estava fazendo?!

 

Hanabi quis reclamar pela pouca vergonha dele ou mesmo o dar um tapa mais o homem a tapou com o mão.

 

— sua alteza! Nós desculpe.— hanabi ficou surpresa ele era da realiza?— mas é que vimos uma garota passar por essa direção ela tinha roupas estranhas  e….

 

— chega! Eu já disse que não vi mulher alguma com tais descrições. Eu finalmente  cheguei "num nível alto"  com uma mulher cujo o coração conquistei hoje, então não atrapalhem! Sumam da minha frente agora!— ordenou furioso.


 

— s-sim senhor!...


 

— e mais uma coisa...— os impediu de ir.— se aquela mulher procurar por mim digam que estou no templo a estudar.


 

Depois da ordem trataram de sair.


 

— está salva agora.— o homem falou mais seu rosto foi virado para o lado pelo breve tapa que levou. Ela tinha uma mão pesada isso ele tinha a certeza.  

 

—  eu salvei sua vida. Você tem coragem de bater seu soberano?

 

— você mereceu se aproveitou de mim...espera soberano… príncipe Ramsés?



 

 


 

 a face esquentou ela não acreditou que fez aquela borrada toda. Como falaria para sua irmã agora?


 

O rapaz soltou uma gargalhada.


 

— você não é daqui não é? Acredito deve ser umas mulheres loucas por Ramsés, lamento decepciona-la mas eu não sou Ramsés… eu nome é chenar.

 

A homem sorriu para ela. E que sorriso lindo. Ele tirou o pano que os tapava revelando ser bem mais alto que ela algo  ela não tinha notado. E por quê  ele estava sem camisa!

 

—  em primeiro eu não sou louca!— se defendeu olhando  fixamente para os olhos dele. Ele a olhou também seu rosto demostrou surpresa. 


 

— seus olhos…

 

— o que tem meus olhos?— questionou confusa levando a mão a cintura.


 

A rapaz a analisou por fim. Dos pés a cabeça ela não gostou nem um pouco daquilo. Quem era aquele garoto afinal.



 

—  esquece tem alguém que quero que conheças. Venha comigo.— estendeu a mão para ela.


 

— eu não o conheço, eu não vou a lado nenhum com você!— ameaçou pronta.


 

— a gente já foi bem mais íntimo a pouco tempo.— a face da Hyuuga esquentou como ele pode dizer uma coisa dessas! Sem a dar tempo a botou em seu ombro.

 

— me solta! Ouviu bem! Você vai se arrepender!

 

.— claro flor.— revirou os olhos a carregando com muito custo ao palácio.



 

(....)

 

A mulher  esbelta   com corpo a mostra belo e esguio levantou os braços fazendo o vestido fino e transparente descer pelo seu corpo nu. Os longos cabelos louros estavam bagunçados.

 

— o que aconteceu aqui..

 

— foi um erro.— o homem arrumou suas coisas e ajeitou rapidamente ao corpo, bem  prático. 

 

— isso mesmo um erro. Eu estava bêbada e…


 

—... triste por que mais uma vez Ramsés não quis nada com você.


 

— Ramsés não se atreveu a me tocar uma nunca vez se quer em todos esses anos, só fica naquele quarto lamentando a morte  daquela maldita mulher.


 

— quem a vê  falar assim, nem parece que eram amigas.— o mesmo tratou de pegar sua espada. Ele estava tão bêbado que acabou encontrando com aquele problema na cama.— Você é bem lamentável hermutemire...


 

Ela se virou para ele e o olhou com seus belos olhos azuis felinos e astutos.

 

— eu não preciso que um soldadozinho  medíocre me diga isso.

 

— você tem uma péssima personalidade sabia? Por isso que tem tantos inimigos.


 

A mulher gargalhou desfilando até a mesa e servir uma tava de vinho para si e bebendo lentamente.

 

— pois é... muitos tentaram me matar. Mas a única coisa que conseguiram   foi sua garganta cortada por meus incontáveis soldados.— se aproximou dele o analisando.— é melhor esquecer tudo que aconteceu aqui. Porque um homem como você nunca poderá  realizar o meu sonho… ser rainha...


 

O homem a analisou por breves segundos  e baixou até seu ouvido sussurrando.

 

— e mesmo se eu fosse um rei acredite, nem em mil anos  eu  faria você  rainha de uma nação...Você é podre por dentro Ino. Você não merece ser rainha.


 

A porta se fechou a mulher apertou seus lábios em raiva. Aquele homem a irritava. 

 

Gaara aquele maldito!

 

Respirou fundo.

 

Ela tinha que ir no quarto de Ramsés ver como ele estava. Ela seria a rainha daqui a poucos dias.

 

Tudo correria bem com ela tinha esperado e ansiado e nada e nem ninguém a iria impedir agora.


 

(.....)

 

Hanabi se debatia no colo aquele rapaz que fingia não ligar para seu escândalo. 

 

Ele a tinha levado uma lugar estranho. O sítio era repleto de guardas. Que hanabi não soube indentificar.


 

Quando chegaram botou a jovem no chão que já o deu um tapa outra vez.

 

— por Rá, francamente mulher quer parar! Muitos já estariam mortos na tua posição.— reclamou massageando seu rosto.


 

— devo me sentir grata por isso?


 

— acredite devia. Já volto... só fique quieta. Não tente fugir tem guardas na porta então quietinha.— pediu enquanto recuava de trás atento a ela. 

 

Onde ela foi se meter!

 

Ela só se lembrava que estava a discutindo com sua irmã quando uma luz estranha as envolveu.

 

Ela beliscou seu braço por precaução.

 

Eh. Não adianta. Ela estava mesmo no antigo egipto.

 

Se ela estava aqui. Então onde estava sua irmã?! Será que apenas ela veio e sua irmã ficou. Como ela voltaria para casa?!


 

Tinha que dar um jeito de sair dali.


 

Deitou na cama grande no quarto. Estava exausta demais para pensar. Sentiu um volume por debaixo do travesseiro. Enterrou a mão por baixo e encontrou um caderno.

 

Sentiu reparando melhor no caderno.

 

Aquele caderno.

 

— não pode ser...— enfiou a mão ao seu bolso de trás da calça jeans e tirou de lá o mesmo de bolso e caderno fino e pequeno.— é igualzinho...com o diário de Ramsés.


 

Abriu o caderno desconhecido por ela e leu.


 

« faz cinco anos que ela se foi...talvez ela esteja morta como em meus sonhos…

Nefertari talvez os deuses estejam certo? Que não fomos destinados a ficar juntos…"


 

Estava tão absorvida na leitura que não notou quando alguém entrou no quarto.

 

O homem se aproximou em passos lentos e calmos e tirou a espada e elevou de forma recta para o pescoço da jovem que se assustou quando o notou perto.

 

— ai meu deus!— gritou a garota levando a mão a boca. Hanabi elevou os orbes e o notou aquele homem era muito bonito. Tinha belos cabelos louros longos. Seu peitoral a mostra era uma tentação e seus olhos claros denominado ao perigo. Barba feita o dava um ar músculo e maduro. 

 

Jesus!

 

Quem era aquele homem!


 

— quem é você e o quem te deu  autorização de mexer no meu caderno pessoal? 


 

— eu…


 

— talvez devo mata-la…— sentiu a lâmina fria encostar mais ao seu pescoço, os olhos perolados o olharavam com receio.  A mão do homem travou quando notou seus olhos. Estreou os olhos. A puxou seu pulso frágil de forma bruta a sacudindo. A  fazendo se assustar pelo modo agressivo daquele homem — você… quem é você?! E por que que se parece tanto com aquela mulher!

 

Cerrou os dentes irritado. 

Por quê?

 

Por quê agora? 

 

ele já tinha perdido as esperanças que aquela mulher voltaria para si. E agora de forma misteriosa aquela garota aparece com os meus olhos que sua amada Nefertari.



 

— Ramsés…quem é essa mulher?


 

Furioso olhou para trás sem soltar o braço da menor. 

 

— hermutemire… agora não  posso falar com você.— a dispensou de forma rápida. Aquilo deixou sua irmã nem um pouco contente.


 

Hanabi tentou  assimilou bem no que tinha saído da boca do tal Ramsés.

 

"Ela chamou Ramsés mesmo? Puta merda…. E Ele disse hermutemire? Eu estou ferrada."

 

— você nunca tem tempo para mim não é…— se aproximou e por fim notou a jovem que roubava toda atenção de seu irmão para si. 

 

Seu corpo reagiu. Tremeu em aviso.

 

Ela não quis acreditar no que viu. Reparou nos olhos.cabelo. rosto. Corpo…

 

E suspirou aliviada. 

 

— Ramsés, meu amor... Decidiu arranjar uma imitação barata daquela mulher foi? Você sabe que ela não vai voltar não é?— o abraçou por trás forte.— ela te deixou sem pensar duas vezes...— sussurrou em seu ouvido. Hanabi cerrou os olhos desconfiada.— você prometeu que ia superar… então devia se livrar dela…Ela não é Nefertari. E você sabe.


 

— tem razão...eu estava para  me livrar dela agora.— a espada que estava a pouco longe de seu pescoço voltou para o mesmo lugar. Deixando hanabi em Pânico.


 

Aquela bruxa!

 

A tal Ino era pior do que ela tinha imaginado.

 

Onde estava aquele chenar idiota!

 

O que ela faria agora?



 

"Pensa hanabi você é inteligente."



 

Pensa! 

 

— espere!— gritou a hyuuga.


 

Sentiu a lâmina passar de leve  seu pescoço fazendo a mesma soltar um resmungo de dor.

 

— não me diga...últimas palavras?— o  tom  voz saiu  meio sarcástica, Ino abraçou o braço do irmão irritada.

 

Como sua irmã hinata a aturou mesmo?

 

Ela não podia dispersar tempo ela tinha que falar.



 

— sim...sua majestade não quer saber o que aconteceu com sua Concubina...Nefertari?— os olhos azuis do faraó palpitaram, o que aquela garota estava a dizer, Ela realmente queria morrer por tentar persuadi-lo.




 

— o que essa garota está dizendo?! Ramsés não acredite nela.


 

— cale a boca Ino!— pediu cansado a privando de falar.— você...fale, se você tiver mentindo eu mato você.— ordenou para a garota. 


 

— a v-verdade é que Nefertari está... morta.



 

— o-o quê?



 


Notas Finais


Tô com sono! Nossa sério.
Essa cap não tava em andamento! Eu escrevi tudo no mesmo dia ou seja hj! Escrevi hj e terminei hj 🧐
Eu quis acrescentar mais coisa mas... É melhor deixar para próximo cap.

Seria muita informação para um cap só.
Tenho que parar de botar cap grandes. Vou tentar ser mais calma com eles. Aproveitem esse 3k bem 🤣

A hanabi é uma comédia .

Ramsés apareceu e Ino também.

Bem sobre Ino eu acho ela uma das personagem mais complexa da fic. Eu gosto muito de escrever os momentos dela. Sério. Tem pessoa que amam e odeiam ela. Mas vcs sabem que sem ela a fic não seria mesma coisa.

Não esperem que Ino seja derrubada tão facilmente.
Ela é manipuladora e sabe usar a cabeça para fugir de situações ao extremo.

O foco da hinata é aprender a desviar deles 🤣🤣 hanabi vai ajudar não se preocupe.
O encontro que todo mundo quis hanabi e Ino 🤣🤣🤣😂🤭
Vai dar merda. Sério.


Sobre meu foco nos estudos bem eu só começo as aulas no dia 13 então tô a aproveitar passar um pouco de tempo com vcs antes de ser levada para o inferno 😭😭😭

Hahaha Hinata tu tá morta e nem sabia. Enfim até o próximo cap bjs.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...