História A Confused Love - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 7
Palavras 1.185
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi fodinhas :)
Desculpem qualquer erro e boa leitura!

Capítulo 2 - Ni - 2


Levanto já indo pro banheiro, tiro minhas roupas, tomo um banho rápido, escovo meus dentes e cabelos e vou pro quarto vestir meu uniforme. Vou pra cozinha e faço meu café da manhã - meu favorito, pão com queijo bem derretido e Nescau, por quê gosto de Nescau, e gelado! -. Não tinha nem percebido a existência do Emery, mas que se foda. Após terminar, coloco o prato e o copo na pia e volto pro banheiro pra escovar os dentes, pego minha mochila na sala e saio junto com Emery.

Meu dia estava ótimo, até ouvir a voz do meu irmão... Sério, me mata, me dê uma fantasia de um dos bananas de pijama, só não fala comigo até 7:30 - que é a hora que chego na escola... -, por favor!

 

 

- Mítine?

- Já disse pra não me chamar assim até as onze. ­– Digo sério.­

- Nossa, desculpa! Eu só queria saber se você vai se declarar pro Eddy na festa da Min.

- Curioso você hein... Claro que não, Eddy anda muito ignorante e mais afastado de mim, se eu fizer isso agora ele provavelmente se afastará mais. – Em poucos minutos chegamos na escola, de longe já vejo a maluca da Summer. – Oi Sum.

- Oi Míris! Pronto para mais um dia de aula? An, an, an? ­– Nego. – É, eu também não, mas sou OBRIGADA a ficar aqui, então né... Tô afim de... – A interrompo.

- Aprontar hoje, já sei. Que merda você planejou agora?

- Bom, eu... – É interrompida pelo Eddy me abraçando. Ela poderia continuar, mas né... – Eddy! Eu estou conversando com seu namoradinho! Esquece ele pelo menos hoje!

- Desculpa, mas... O MÍTINE É MEU! ­– Me puxou pelo braço até nossa sala – que ainda estava vazia. Quando entramos, do nada, tipo, DO NADA o guri me puxou e começou a me beijar... Tá, eu gostei, mas fiquei confuso agora, pensei que ele não tinha os mesmos sentimentos por mim. – Desculpa, eu queria tanto fazer isso... – O puxei pra um abraço.

- Pare de se desculpar. – Digo rindo e ele sorri.

- Eu te amo!

- Eu também te amo!

 

 

Dia seguinte

Já tá perto das 20 horas, estou terminando de me arrumar pra festa, a Karyn saiu com outras véias e Emery está me esperando na sala. Envio uma mensagem pro Eddy e pra Alycia dizendo que vou busca-los em suas casas.

Termino de me arrumar, pego meu celular, as chaves do carro e da casa, chamo o Emery e saímos. Ligo o carro e sigo o caminho da casa da Alycia – que é mais perto. Chegando lá, a encontro na frente da casa fitando o chão, ao nos ver, sorriu.

 

 

- E então, Alycia? Vamos? – Emery abre a porta de trás.

- Sim! – Ela entra no carro e eu parto pra casa do Eddy, que estava enchendo meu celular de mensagens – provavelmente bravo por eu ainda não cheguei lá.. – Wow... Ele tá lindo... – Disse quando avistou o Eddy de longe.

- Lindo é pouco... – Emery corrigiu. Parei o carro e olhei pros dois, Emery tava quase babando enquanto encarava MEU HOMEM entrar no carro. Eu mato!

- Dá licença, o homem é meu. – Puxei o queixo do menor e lhe dei um selinho.

- Nossa, tá namorando e não me fala, beleza! Deixa você. – Disse o ciumento do Emery, Alycia ficou rindo da cara dele. Os ignoro e vou a caminho da festa.

 

 

Um pequeno tempo em silêncio se passou, chegando na festa, Emery saiu do carro às pressas pra encontrar os amigos. Alycia foi procurar o Kwan e eu com Eddy fomos procurar a dona da festa, no caso, senhorita Min Jung. Em todo lugar que a gente passava, umas pessoas nos olhavam com nojo e outras pareciam que iam explodir de alegria, como se torcessem pra gente ficar junto.

Finalmente encontramos a Min, ela tava lá no terceiro andar do salão... sozinha. Espera, a festa que ela planejou não foi pra conseguir novos amigos? Wtf?

 

 

- Min! ­– A chamo um pouco longe.

- O que vocês querem?

- Você não vai ficar aqui sozinha! Planejou toda essa festa, convidou quase 80% da escola, pra depois ficar aqui parada sem fazer nada? – Eddy parecia estar muito bravo com ela, mais bravo do que quando eu pego o lanche dele às escondidas e como metade... – Desce agora! Ou eu sou obrigado a te levar até lá.

- Ed, fica na sua, me deixa aqui. – Como dito, Eddy pegou no braço da Min e a puxou pra onde tinha mais gente.

 

 

Ao ver toda aquela galera dançando, cantando, bebendo, comendo, cantando ou sem fazer merda nenhuma, Min ficou mais animada que a Summer – o que acho difícil. Ela ficou olhando pra todos os cantos e acabou indo numa galera que tava em volta da pista de dança.

Eddy saiu andando, perguntei onde ele ia e ele disse que ia pegar alguma coisa pra gente beber. Fiquei ali em pé esperando – a festa não tava tão boa assim... -, em pouco tempo vejo um cara se aproximar de mim, desvio o olhar, ele parecia durão – não que eu tenha medo, é só pra não ser espancado por causa de uma encarada. Ele se aproxima mais e mais, segurou meu queixo e me beijou, eu tentava me soltar, mas ele era forte demais. Até que finalmente um santo – que de santo não tem nada – apareceu e o separou de mim, colocou a garrafa de uma cachaça um pouco fraca em cima da mesa que estava ao meu lado e começou a bater no cara. Um monte de gente parou em volta deles e começaram a torcer pra se espancarem mais.

Eu não fiz nada, aliás, o Eddy me pediu pra nunca separar ele de uma briga, como ele é distraído para UMA CACETA, pode acabar me batendo e isso não é legal. Não mesmo. Não confio nesse guri.

 

 

- ISSO É PRA VOCÊ APRENDER A NUNCA CHEGAR PERTO DO MEU HOMEM!

- C-calma... AI!! PARA! – Comecei a me irritar com aquilo, quando Eddy parou de bater nele, o puxei pra fora do salão e o fiz entrar no carro.

- Já se acalmou? – Não me respondeu, mas vi uma lágrima solitária rolar em sua bochecha. A limpo e beijo sua testa. – Não fique triste, você não me machucou, nem emocionalmente e nem literalmente...  O que foi bom, não queria sair da festa todo machucado. – Ele riu. – Para de ser ciumento e bipolar. – Rimos juntos.

- Tá bom... Vou tentar. – Disse e me beijou.

- Eu e Emery podemos ficar na sua casa? A Karyn não quer que a gente apareça por lá até sábado de manhã.

- Podem sim, vocês serão uma boa companhia pra mim, é tão chato morar sozinho. – Sorriu.

- Okay, vou chamar ele. – Saí do carro e entrei novamente na festa, Emery estava junto com algumas garotas. O puxei pelo braço e o levei pra fora, mas antes de sair, o cara que antes me beijou, me parou e sussurrou um “Vamos nos encontrar novamente!”. Apenas o ignorei e voltei pro carro.


Notas Finais


Tchau fodinhas :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...