História A Contagious Love - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Gotham
Visualizações 15
Palavras 3.275
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo
Desse eu estou muito orgulhosa

Capítulo 7 - Meu primeiro erro.


  __Depois disso meu tio fez muitas coisas por mim, pois se sentia culpado por não ter me dado tanta atenção durante esses anos.__ Disse Amanda dando o último gole na sua terceira taça de vinho.__ E então eu consegui que ele comprasse esse prédio pra mim, não há nada mais fácil de manipular que o coração de um homem culpado. Está no nome dele, disse que logo ajeitaria a papelada para torna-lo totalmente meu, mas recusei. Isso poderia ser ruim para meus negócios, entende?__ Falou esticando a taça vazia até uma mesa de canto que estava ao lado do sofá.  

  __Uau...__ Falei desinteressada, mas impressionada com essa "amizade". 

  Jerome estava na frente de uma das janelas ao lado do bar segurando um copo de whisky com gelo. Percebi que ele já não parecia estar aqui, somente seu corpo. 

  __Bom__ Falei depois de observar a quietude de Jerome.__ Muito encantadora essa história da amizade de você, mas preciso ir. Está tarde, não?__ tentei ignorar o fato de que eu deveria ficar já que Jerome havia me entregado pra trabalhar para Amanda.__ Uma garota como eu... 

  __Não!__ Gritou Jerome se virando rapidamente pra mim fazendo sua bebida derramar. Pela primeira vez vi Jerome com medo.  

  __É, Ruby, você trabalha pra mim.__ Disse Amanda um pouco desconfortável com a atitude do garoto ruivo.__ Vocês vão ficar aqui por hoje à noite, amanhã penso no que posso fazer para seu... conforto.__ Amanda se levanta e vai para seu quarto no corredor a lado da porta obviamente furiosa, já que ouvimos o barulho da porta batendo. 

  __Então, tá...__ Patrick falou sentindo o clima pesado na sala.__ Eu vou procurar algum quarto por aqui.  

  Patrick saiu em passos rápidos e longos entrando no corredor ao lado das janelas na procura de algum lugar para passar a noite ou, em outras palavras, se esconder, deixando somente eu, Jerome e uma agoniante sensação incomoda na sala. Jerome já se recompunha e guardou o copo e se virou para mim totalmente mudado, como se nada tivesse acontecido. Eu mantive meu olhar fixo nele esperando respostas por ter se comportado daquela forma estranha. 

  __O que foi? Sei que sou incrível, mas muitos olhares me cansam.__ Jerome, com seu sorriso arrogante, começa a andar para longe, mas ele precisava me dar uma resposta. 

  __Por que? Por que eu sou importante?__ Falei sem demonstrar nenhuma reação. 

  Jerome para no meio do caminho e responde se mantendo de costas para mim 

  __Você é meu pagamento para Amanda, já disse. Eu precisava fugir e você foi fácil de manipular.__ Ele falou atravessando a sala e caminhando para o corredor ao lado das janelas. 

  __Não, você não pode simplesmente me tirar de lá por que eu sou a forma de você pagar o seu favor para sua "amiguinha", ela tiraria você de lá sem precisar de mim.__ Era obvio no meu tom de voz que eu começara a perder o controle.__ Você não pode simplesmente me usar, dar uma desculpa esfarrapada dessa e entrar na minha cabeça desse jeito... o tempo todo dizendo merdas na minha cabeça e só dar as costas... 

  __O que?__ Jerome disse se virando para mim tornando sua expressão séria em uma ardilosa. 

   "Não. Eu não disse." 

  A sala ficou em silêncio, fui incapaz de responder Jerome com a verdade. 

  __É melhor você ir mesmo.__ Falei me aproximando do bar e me servindo, no copo que Jerome acabara de dispor em cima do balcão, da primeira bebida que encontrei.  

  Eu senti mãos frias no meu braço, me virando bruscamente. 

  __Eu estou aqui, não é?__ Disse Jerome apertando meu braço com sua mão direita apontando para minha cabeça com seu dedo da mão esquerda. Seus olhos verdes me mantiveram em um transe Momentâneo que correspondiam ao tempo de silencio do garoto. Suas mãos saiam da minha cabeça e desciam até meu pescoço e eu sentia que meu corpo queria se entregar a essas mãos vis, mas eu não poderia. Não deveria. 
  Com um rápido ápice de sanidade e a liberdade da minha mão que segurava o copo, acerto com força sua cabeça quebrando o objeto que se tornou cacos, atingindo também um pouco da minha mão, e fazendo ele me soltar e tropeçar para o lado. Quando ele se recupera começa a rir, como da primeira vez que tentou me matar, e olha sua mão suja do sangue escorrendo do seu corte na cabeça. 

  __Qual é, Ruby. Não dá mesmo pra brincar com você.__ Ele ria como se escutasse a piada mais engraçada do mundo.__ Sem problemas, eu perdoo você.__ Ele dizia em meio as gargalhadas. 

  __Qual o seu problema?__ Falei sem nenhuma surpresa da sua tamanha estupides e limpando o sangue insignificante da minha mão na minha roupa deixando ela ainda mais suja.__ Você ainda acha que pode brin... 

  __Você só...__ Ele deu uma pausa para limpar seu machucado com a manga dos trapos que ainda usava.__ Não tem mesmo nenhum controle. Vamos, já é tarde. Deixo você me acompanhar até meu quarto. 

  __Eu não vou a lugar nenhum com você.__ Falei indo até o bar pegar outra bebida. 

  __Não, mas eu vou estar com você em todos os lugares__ Ele se aproxima novamente e aponta para minha cabeça.__ Eu estou sempre aqui, sempre... com você.__ Ele dá uma forte e alta gargalhada enquanto começava a acariciar meu rosto com a ponta de seus dedos sujos. 

   "Se entregue" 

  Dizia a voz de Jerome na minha cabeça se perdendo em meio a minha voz que dizia o mesmo, ecoando, enquanto sentia o corpo do ruivo corpo se aproximando. 

  __É melhor você ir.__ saíam essas palavras da minha boca, mas meu corpo já sentia o arrependimento e o peso na garganta. 

  __Ah, sim, querida.__ Ele Diz segurando meu pescoço levando meu rosto mais próximo a ele e começa a sussurrar no meu ouvido. __Mas não se preocupe, nunca estará sozinha. 

  Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa ele anda até o mesmo corredor que Amanda foi, olha para mim, manda um beijo e continua indo até algum dos quartos. 
  Eu me vi sozinha naquela sala enorme, com o chão sujo de bebida e sangue, era uma sensação nostálgica. Sozinha, em casa com minha mãe caída com uma garrafa na mão e com o sangue escorrendo da sua testa que batia na quina da mesa de centro.  

   "O que foi aquilo?" 

  Jerome agora sabia que poderia me controlar e isso me assusta. 

   "Me temer é o segredo para sobreviver. Ou não." 

  A voz dele novamente ecoando repetidamente na minha cabeça fraca e eu já não aguentava mais. 
  Eu não conseguia aceitar a ideia de trabalhar para alguém, muito menos para Amanda ou Jerome, então tive uma ideia que poderia me tirar daqui antes que eu não sentisse mais o controle sobre mim e, após desenvolver rapidamente meu plano resolvi beber para comemorar então troquei o copo pela garrafa de Whisky e então apaguei no confortável sofá. 

_________________________________________________________________________________ 

  __Acorda, bela adormecida.__ Patrick disse depois de jogar um copo com água e gelo na minha cabeça.__ É a última a acordar.__ E me entregou uma toalha, de um jeito desprezível. 

  __Qual é a merda que você tem na cabeça?__ Falei secando meu rosto.__ Sua mãe não te deu educação? Ah, não. Você não tinha uma, né? 

  __Sempre com um grande senso de humor.__ Patrick disse sentando em uma das poltronas.__ Bom, vou aproveitar que nenhum dos dois está por perto e cair fora, talvez de pra levar alguma coisa de valor e vender. 

  __Não.__ Falei para ele jogando a toalha molhada no seu rosto. 

  __Não? 

  __Preciso de ajuda.__ Sentada no sofá me inclino para perto da poltrona em que ele estava sentado e começo a cochichar.__ Eu tenho um plano e não posso fazer sozinha. Amanda não é tão inteligente assim e Jerome é fácil de distrair e só o que precisamos fazer é ganhar uma leve confiança, descobrir onde ela guarda a grana e então fugir daqui com muito mais dinheiro do que você conseguiria vendendo essas porcarias.__ Eu contava o plano e ele ia me encarando com um olhar maldoso mas um sorriso vivo e percebi que ele adorou a ideia.__ Se tudo der certo eu até consigo sair de Gotham. 

  __Veja só, até que é um ótimo plano. Mas me explique o por que você estar pedindo ajuda pra algum trabalho?__ Ele cruzou as pernas e olhou para mim com interesse no plano.__ Por que minha ajuda? 

  __Preciso ter certeza de que Amanda não desconfie sobre isso e além disso eu sei que quer e precisa dessa grana, não vai recusar a oportunidade. 

  __Jerome me prometeu um bom dinheiro... Aliás, por que não chamou ele pra isso? Depois de ontem a noite eu pensei...__ Ele falou apontando para o chão com os cacos de vidro e a bebida derramada. 

  __Não é da sua conta o que aconteceu ontem à noite. E outra, Jerome parece ser fiel a Amanda... 

  __Ok, senhorita. 

  __Espera. Jerome te prometeu dinheiro? 

  Minha dúvida não foi respondida pois Amanda e Jerome abrem a porta de entrada e aparecem bem animados. Jerome entrava já com vestes novas, o que mais chama atenção era seu belo suéter vermelho. 

  __Bom dia, espero que tenham um péssimo dia!__ Falou ele, entravam juntos de uma empregada que trazia o café da manhã. 

  __Eu e você nunca tivemos essa conversa.__ Patrick diz isso sussurrando enquanto Jerome gritava seu "carinhoso" bom dia. 

  __Bem, desfrutem do delicioso café da manhã.__ Amanda disse muito sorridente, como se não se sentisse desanimada com a noite anterior. 

  A empregada deixa a bandeja em cima da mesa de centro e começa a limpar o chão. 

  __E então, o que vou precisar fazer pra me livrar de vocês?__ Disse com um sorriso no meu rosto, mas aparentemente a criadagem de Amanda levava tudo muito a sério pois no mesmo momento em que eu começo a me levantar a empregada aponta uma arma nas minhas costas.__ Mas que merda é essa?! 

  __Tudo bem.__ Amanda fez um sinal com a mão para a empregada que aparentemente também era sua segurança.__ Ela só tem um senso de humor... peculiar. 

  Jerome começa a rir o que contagia Patrick a rir também. Risadas inocentes. 

  __Desculpe, Ruby, mas todos aqui são pagos e orientados para me proteger. 

  Viro-me de costas para ver a empregada: 

  __Aponte isso pra mim de novo que vai ser a última coisa que vai fazer. 

  __Tanto fala e nada faz.__ Amanda disse mudando rapidamente de assunto.__ Hoje à noite teremos um baile. 

  Minha atenção voltava para Amanda e, rapidamente, olho para Jerome que tinha estampado em seu rosto um leve sorriso, mas um olhar dissimulado o que me fez pensar na noite passada e em como ele parecia planejar algo. Senti um terrível peso no meu peito o que me fez dar uma forte e pesada suspirada. 

   "Gostaria de ter passado essa noite comigo, não é? Se sentiu... sozinha" 

  Me esforcei pra não demonstrar nenhuma emoção sobre essas malditas vozes de Jerome na minha cabeça mesmo percebendo que ele saberia só de olhar nos meus olhos, o que ele começará a fazer muito durante essa manhã. 

  __Um baile?__ Patrick disse ignorando totalmente os acontecimentos dos últimos segundos. 

  __Isso mesmo, garoto que eu esqueci o nome.__ Amanda responde com um sorriso "encantador"' 

  Patrick fez uma cara de desconsiderado e resolveu ficar calado. 

  __Muito interessante, mas eu não vou.__ Falei decidida. 

  __Você vai comigo.__ Finalmente Jerome disse alguma palavra que o fez mudar sua expressão que já começara a me dar arrepios.__ E Patrick vai também. 

  __Preciso de você três fazendo presença no baile de hoje pois são novos aqui, novos para o submundo da nossa cidade. 

  __Nossa, você é mesmo um gênio.__ Patrick disse irritado e obviamente sarcástico. 

  Amanda ficou um pouco confusa, mas logo Patrick continua sua frase depois de bufar irritado. 

  __Acabamos de fugir e você vai dar uma festa? E nós somos os convidados de honra?! Convite perfeito para DPGC. 

  Amanda ficou séria e nos encara por alguns segundo. 

  __Jerome, vá pegar as caixas no corredor.__ Ela disse colocando o cabelo para trás das orelhas um lado de cada vez e cruzando os braços em seguida, sem olhar para Jerome, mas ele obedece seu pedido não tão educado.__ Primeiro, meu convidado de honra é Oswald Cobblepot, novo líder do submundo em Gotham, vocês vão ser apresentados a ele e a todos que, de agora em diante, trabalham com vocês.__ Amanda descruza os braços e vai se aproximando de Patrick mudando sua expressão para algo assustador.__ Segundo que isso não é uma "festa" e sim um baile que eu dei duro para conseguir que acontecesse sem me preocupar com a polícia.__ De repente seu dedo indicador da mão direita estava prestes a esmagar o nariz de Patrick contra seu próprio rosto.__ E eu espero que vocês, boçais, não estrag... 

  Sua mão estava prestes a virar para meu rosto e ninguém iria apontar o dedo na minha cara. Segurei seu punho com força, apertei e virei o máximo que eu pude. Seu semblante de perigo mudou imediatamente para dor. 

  __Nunca mais pense em apontar seu maldito dedo imundo pra mim. 

  __Cheguei!__ Jerome disse jogando todas as caixas no chão me fazendo virar e soltar o punho da Amanda.__ Podem continuar, isso parece bem divertido. 

  __Perfeito!__ Gritou a imbecil me empurrando e correndo até as caixas caídas aos pés de Jerome.__ Vestimenta adequadas a todos para a importante e tão esperada noite.__ Ela carregava as belas e decoradas caixas até nós e nos pede para abrir. Quando abro minha caixa encontro um belo vestido preto com detalhes em vermelho. Levanto esse vestido retirando ele totalmente da caixa deixando que eu visse que ele era um pouco abaixo dos meus joelhos, bufante e pesado. A roupa de Patrick era um smoking azul escuro, quase preto, e sua gravata vermelha, mas ele não fazia questão de tirar da caixa e só a fechou novamente, sem nenhuma pergunta. 

  __Ok...__ Falei guardando sem cuidado o vestido de volta na caixa.__ Obrigada pelo vestido duas vezes maior que o meu tamanho. 

  __Não seja boba!__ Amanda responde como se não guardasse nenhum ressentimento dos segundo anteriores. Tudo acontecia tão freneticamente naquele lugar que eu estranhava, mas depois de um tempo tudo parecia fazer muito sentido.__ Vamos receber minha costureira pra fazer os ajustes. Jerome irá com Patrick e você virá comigo. Uma tarde das garotas.__ Ela falou dando uma risada fraca e animada.__ Vamos, vou te levar até um quarto e você poderá tomar um banho e comer seu café da manhã com mais calma. 

_________________________________________________________________________________ 

  Amanda já havia me acomodado em um quarto, não era muito grande, tinha uma decoração renascentista em cores vermelha, marfim e preta, janelas com grandes cortinas e nenhuma grade. Uma cama macia como algodão, era confortável como nunca tinha sentido antes. 
  Como ainda faltavam horas para o baile eu só tomei meu banho, coloquei um roupão e fiquei na espera de Amanda e sua costureira para ajustar o bonito vestido. Achei tudo aquilo tão estranho, esse baile logo após fugirmos, Amanda desesperada e com mudanças de humor constates e sua história com Jerome... Juntos a tanto tempo... 
  Como Amanda ainda iria demorar comecei a conhecer mais o quarto e vasculhar todas as gavetas de cada armário que eu encontrasse. Enquanto que vasculhava ainda a segunda pequena gaveta da mesinha no fundo do quarto, escuto a porta se abrir e imagino ser Amanda que chegou adiantada, mas não era. 
   A porta se abre. Era ele. 

  __Ah, que pena.__ Jerome disse ainda segurando a maçaneta da porta mas já preparando-se para fecha-la.__ Está vestindo algo, não tenho mesmo sorte.__ Então fecha a porta, ainda olhando pra mim, trancando ela com suas mãos atrás das costas.__ Há algo em baixo desse roupão?__ E abre seu malicioso, belo e perverso sorriso. 

  __Eu não me lembro de convidar o palhaço de circo pra cá.__ Falei me virando novamente para a mesinha e me preparando para ir ao banheiro na esperança de conseguir me esconder dele. Eu sentia medo, como se não fosse capaz o suficiente de me controlar perto dele e incapaz de machucar ele. O medo que eu sentia dele era maior que o medo que eu sentia de Arkham. 

  __Não fique de costas pra sua visita, vim de peito aberto te fazer companhia.__ Ele caminhava devagar mas eu ouvia seus passos, um por um, e sua voz se aproximando.__ Não que precise, já que me escuta o tempo todo na sua cabeça. 

  __Sinceramente__ Falo e me viro imediatamente para ele e vejo que ele estava muito próximo, mas não parou de vir até mim.__ não faço ideia do que você está falando. E se me der licença, vou esperar Amanda e terminar logo essa palhaçada. 

  __Você poderia fugir agora mesmo. O que está planejando?__ Jerome disse forçando meu corpo contra a mesinha, aproximando seu rosto ao meu enquanto segurava minhas mãos com força. 

  __Como se eu fosse te contar se eu realmente estivesse planejando algo.__ Falei virando meu rosto impedindo que ele chegasse mais perto. 

  __Sua respiração está muito forte e rápida pra alguém que não diz não temer nada. Eu sei que não quer ir embora, quer entender o que tem te incomodado tanto desde que me conheceu.__ Ele vai subindo as mãos pelos braços, diminuindo a força com que me segurava.__ Talvez se você simplesmente aceitasse isso as respostas poderiam aparecer.__ Falou sussurrando no meu ouvido me fazendo virar o rosto que agora estava frente a frente com ele. 

  Foram segundos terríveis, ele nem me segurava mais com tanta força e eu simplesmente não conseguia sair nem me defender, ele finalmente conseguiu o que queria. Ele finalmente tinha controle sobre mim. Sua mão estava em meu pescoço e ele apertou meu rosto com força: 

  __Quero que saiba que não é a única presa nisso. 

  E meus olhos se fecham, sentindo apenas os lábios de Jerome nos meus como se ele estivesse sedento e com medo de que o mundo se acabasse assim que ele saísse de perto de mim, como se fosse acordar de um sonho. Bem, imagino que tenha se sentido assim, pois foi assim que me senti. Aqueles segundos pareciam eternidade, uma eternidade que se tornaria milésimos de segundos assim que tudo terminasse.  

  "MALDITO" 

  Gritaram as vozes que se calaram em seguida. Nada mais importava. Deixei seus braços se envolverem em minha cintura e joguei meus braços em cima de seus ombros tornando aquele momento memorável. Não era nosso primeiro momento, mas nosso primeiro beijo. Meu primeiro erro. 
  Eu precisava sair daquela situação antes que eu não pudesse fazer mais nada, então no primeiro segundo em que ele parou para recuperar o folego eu mordo o lábio dele, fazendo-o se afastar o suficiente pra que eu retomasse o mínimo de controle. 

  __Qual o seu problema?__ Falei jogando toda culpa da situação nele.__ Saia agora, antes que eu estrangule você, maldito! 

  __Primeiro, você tem um sério problema em querer me machucar o tempo todo.__ Jerome disso desdenhando dos acontecimentos.__ E segundo__ Mudando seu semblante para psicótico, ele continua falando.__ Você teve chances de realmente fazer algo e simplesmente as ignorou? Por que simplesmente não aceitar que eu tenho controle sobre você? 

  __Por que eu? Amanda está praticamente implorando pela sua atenção.__ Falei com tom de voz baixo para que estivesse fora do quarto, mas alto o suficiente para me expressar para Jerome. 

  __Você é realmente uma vadia estúpida. 

  Não tive tempo para responder ou pensar em algo para tirar Jerome do meu quarto, pois ouvi o som de alguém tentando abrir a porta e, em seguida, chamando pelo meu nome. 

  __Ruby?__ Era Amanda.__ Já está pronta? Não temos a tarde toda!


Notas Finais


Obrigada por ler até o final
Espero que tenha gostado :3
Ainda tem mais (só não sei quando)
E sim, também odeio a Amanda.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...