História A Cura para os meus problemas - Capítulo 15


Escrita por: e ParkNaty

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Amor, Bangtan Boys, Bts, Depressão, Drama, Jeon Jungkook, Jikook, Kookmin, Lalisa Blackpink, Lemon, Linguagem Imprópria, Nanjim, Nanjoom, Park Jimin, Romance, Seokjin, Violencia, Yaoi, Yaoi Lemon
Visualizações 61
Palavras 2.560
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Slash, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Coloquem os coletes!

Esse capítulo foi escrito por mim, ParkNaty. ❤👑

BOA LEITURA! 😍😘❤

Capítulo 15 - Going Away


Fanfic / Fanfiction A Cura para os meus problemas - Capítulo 15 - Going Away

             Jeon Jungkook


Nunca tive uma noite tão boa e tranquila. Depois do banho acabei dormindo no quarto de Park Jimin, me esquecendo totalmente do fato de que Lisa poderia chegar a qualquer momento. E foi o que aconteceu. Mas para a minha sorte, aquela luz acessa impregnando o quarto não foi o suficiente para fazer Jimin acordar. Ela apenas me encarou com um olhar furioso, fez um sinal de que conversariamos mais tarde e sumiu dali. Decidi não ir atrás dela. Não queria começar uma discussão durante a madrugada. O descanso do meu amado era o mais importante naquele momento. 


                            [...]


Acordei mais cedo do que eu imaginava. Confesso que mal conseguir pregar os olhos depois que a minha esposa apareceu naquele quarto. Eu já estava prestes a tomar o meu café da manhã e ir para o trabalho, mas é claro que ela apareceu. 

Droga. 

Fez questão de ir para o trabalho um pouco mais tarde só para me atormentar. Tudo bem, eu sei que ela merecia explicações. Mas eu não estava nem um pouco afim de conta-las. 

-Bom dia, esposa.-estendi minha xícara de chá.-Aceita? 

-Esposa? Agora que você decidiu se lembrar disso? 

Merda. 

Lá vem. 

Respirei fundo. 

-Bem, eu nunca me esqueci do papel que você ocupa na minha vida.-expliquei.-E você também não pode me julgar. 

-A não?-ela riu e arqueou as sobrancelhas, atônita.-E o que eu fiz agora, meu querido marido? 

-Você nunca para em casa.-larguei a xícara sobre a cama e levantei-me, ficando à sua frente.-E às vezes nem dorme aqui. Ou você acha mesmo que eu não percebi? Me acha assim tão estúpido? 

-Acho.-deu de ombros.-Até parece que você já me enxergou algum dia, Jungkook! 

-Quer mesmo discutir isso aqui e agora?

A observei me olhar com um olhar confuso, pensando no que faria. Que ela estava irritada isso já estava óbvio. E eu não vou ser hipócrito! É verdade que eu nunca fui perdidamente apaixonado por ela, mas não significa que eu não gostava. Se não gostasse dela não teria me casado. Mas colocando as coisas sobre a mesa, se eu colocasse Park Jimin ao lado dela e tivesse que escolher...seria ele. É claro que seria! Disso eu não tinha a menor dúvida! 

O que eu sentia por ele, jamais se compararia com o que eu sentia pela a minha esposa. 

-E por que diabos eu adiaria isso ainda mais?-suas mãos alcançaram minha gravata, a qual ela usou para me puxar para mais perto de si.

 Tive coragem para encara-la. Sua expressão estava mais triste do que irritada.

-Eu não sou a burra que você pensa, Jeon! 

-Eu nunca pensei isso de você!-nossos olhares permaneceram fixos um no outro.-O que você viu ontem a noite foi uma... 

-Traição, eu sei.-interrompeu-me.-O que me deixa mais angustiada é o fato de você fazer isso dentro da nossa própria casa e o pior, ainda com o nosso próprio filho!-achou graça e soltou minha gravata. 

Ela começou a andar de um lado para o outro pela a cozinha, me deixando inquieto. Como ela sabe sobre Park Jimin? O jeito que estávamos dormindo ontem não era nada vulgar, pelo o contrário. Só estávamos abraçados e nada demais. Não havia como ela descobrir.

 Anão ser que... 

-Você me espionou?

-Não, eu não me daria a esse trabalho. Você sequer mereceria esse esforço. Eu já disse que eu não sou burra, Jeon!

Lisa ficou de costas para mim e pegou um vaso. Dei alguns passos para trás.

-Você é um péssimo ator! Nem conseguiu esconder que fode com o próprio filho! 

Agradeci por ter um ótimo reflexo e consegui desviar do vaso, que fora arremessado bem na minha direção. 

-Sua louca! 

-Vai, seu desgraçado! Admite! Admite! Admite logo!-esbravejou ela, jogando na minha direção tudo o que encontrava pela a frente. 

Comida, copos, pratos, e etc. 

-Para! Para! Sua louca!

-Admite!-gritou diversas vezes.-Admite como se divertiu com a cara da corna aqui! 

Consegui desviar de alguns, mas fui acertado por outros. Meu paletó estava todo sujo de molho de carne e minha testa agora estava com um pequeno corte, por conta de um caco de vidro que voou contra o meu rosto. 

Porra. 

Porra. 

Porra. 

Essa mulher está maluca!

Vai acabar destruindo a casa inteira! 

-Lisa, pare! Pare!-agarrei seus pulsos com força o suficiente, para prensá-la contra a parede.-Não vamos chegar a lugar nenhum assim! 

-E muito menos com mentiras! 

-Mentiras? Ok, entendi.-soltei seus braços.-Você quer ter uma conversa civilizada e sem mentiras, tudo bem, eu não me importo.-procurei seu olhar.-Mas já vou lhe avisando que não irá gostar do que vai ouvir. 

-Estou esperando.-cruzou os braços logo abaixo dos seios.-Não vai me dizer nada que eu já não saiba. 

-Eu me apaixonei por ele, de verdade!-confesso que foi difícil dizer isso em voz alta. Queria ter dito isso para ele primeiro, não ela.-Isso também e confuso demais para mim, Lisa! Você acha mesmo que eu queria isso? Acha mesmo que um homem casado e bem sucedido como eu, queria se apaixonar por um homem órfão?-exclamei, sentindo a angústia me consumir.-Não, eu não queria! Mas quando eu me dava conta, lá estava eu atrás dele! Lá estava eu tentando curá-lo!-fechei os olhos.-E lá estava eu querendo amá-lo! 

-Tem noção do quão patético soou?-riu ela.-Está mesmo me dizendo que se apaixonou por aquele doente? Ual!-começou a me aplaudir.-Devo parabenizá-lo por tamanha filha da putagem! Não basta ter sido corna, ainda perdi para um órfão que considerei amar como um filho! 

-Jimin não é um doente! Não admito que você fale assim dele!-a sacuci pelos os ombros, agressivamente.-É melhor você controlar essa sua língua ou eu... 

-Ou você o que?-provocou ela.-Vai me bater? Então vai, me bata Jeon! Prove que ainda é homem pelo menos nisso, seu bichinha! 

-Cale a boca!

Não me contive. Acertei um tapa em sua face esquerda logo abaixo dos olhos, fazendo com que ela tombasse para trás. Me arrependi de imediato.

Mas isso não adiantava mais. O estrago já foi feito. 

-Seu...-seus olhos lacrimejaram. Não demorou muito para que ela estivesse chorando.-Seu cretino! Covarde! 

-Você provocou isso, Lisa! A culpa é toda sua! 

-Desgraçado! Desgraçado!-ela começou a dar vários socos em meus peitorais, mesmo sem ter muita força para isso. 

Seu rosto estava vermelho. A marca das minhas mãos estavam marcadas em seu belo rosto. Apertei os olhos e deixei que ela me socasse até cansar. Fui empurrado pelos os ombros e cambaleei para trás. Eu teria caído senão me apoiasse na pia. 

-Você...é um homem horrível horrível!-gritou ela, escandalosamente.-Eu te odeio! Odeio muito! 

-Eu sei, eu sei.-soltei um longo suspiro.-E eu não a culpo por isso. Lisa, me desculpa eu não devia ter... 

-Eu não quero te ouvir!-tapou os ouvidos.-Não quero ouvir mais nada de você! Nada! 

-Então agora fale você, porra! Você também deve ter aprontado comigo Lisa, não negue isso!-agarrei seu pulso e a forcei me olhar.-Você também tem um amante, não é? 

-Não diria um amante. E sim uma amante. 

Arregalei os olhos, completamente em choque. 

O quê? 

Isso é sério? 

Não não não! 

Ela deve estar blefando, isso sim! 

-Não seja ridícula! 

-Eu também me apaixonei por alguém, Jeon. Mas ao contrário de você, eu não fui suja e muito menos uma mulher baixa! Eu não transei com ela por respeito a você!

-Você é uma vadia! 

Lisa está apaixonada por uma mulher? Ela que é patética! 

-Por favor...parem... 

Park Jimin estava parado na entrada da cozinha. Com os olhos cheios de lágrimas, os punhos cerrados e completamente pálido! Ainda estava de pijama. É claro que os gritos daquela discussão o acordaria. 

Porra!

A quanto tempo ele está ali? 

Será que viu eu agredindo a vadia da minha esposa? Bem, no momento isso era o de menos. Ele estava muito assustado. Não queria que as coisas tivessem chegado a esse ponto! 

-Olha só, o doente causador da desgraça acabou de chegar!-Lisa fez questão de aplaudi-lo.-O que é um circo sem o palhaço? 

-Palhaço...-ele fitou seus próprios pés, tenso e assustado. 

Quis muito ir abraça-lo, mas me contive.

-Sim, meu querido. É o que você é para o Jeon, ou você acha mesmo que ele ama você?-gargalhou ela.-Vocês dois são ridículos! 

-Cale a boca! Você não sabe de porra nenhuma, sua vadia imunda!-esbravejei para ela e procurei o olhar do homem que eu amava.-Chimchim, não dê ouvidos para ela eu... 

Jimin sequer me deixou terminar. Apenas saiu correndo chorando de volta para o quarto. Lisa tentou impedir que eu fosse atrás, sem nenhum sucesso. Subi aquelas escadas o mais rápido possível! Foi um alívio quando finalmente cheguei ao seu quarto, que por sinal, estava aberto. 

Encontrei Jimin olhando para o próprio reflexo em frente ao espelho do banheiro. Nem precisei ir ao seu encontro. Ele mesmo veio até mim. 

-O que você está fazendo aqui? Vá embora! 

-Jimin, nós precisamos conversar, ok? Não ligue para o que aquela maluca disse! Ela não sabe de nada! Sequer conhece você! 

-Nem você me conhece, Jeon! Então pare de me defender! Pare de tentar me salvar!-gritou entre lágrimas. 

-Não consigo! 

-E por que não? 

-Porque eu te amo, porra! 

-Então pare de me amar! Pare de se importar! 

-Não consigo, Jimin!-segurei seu queixo, carinhosamente.-Não ver que é impossível fugir disso? Eu sei que você também gosta de mim, não negue! 

-E eu não neguei... 


                 Park Jimin


Enterrei o rosto em seu peitoral, completamente desesperado! Eu não conseguia parar de chorar. Não conseguia parar de me culpar! Acabei de destruir a vida de um casal que se gostava. Agi com egoísmo e só me importei com meus próprios sentimentos. Sequer pensei na mulher que cogitaria chamar de Omma. Mas isso não me surpreendia. 

Sempre fui bom em destruir relações. Eu sabia que não merecia o amor que Jeon Jungkook me oferecera. Eu sabia que isso acabaria mal, mas mesmo assim deixei aquilo acontecer. Deixei ele me tocar, me beijar e ainda transar comigo! 

Eu só causo desgraça! 

-Eu não sou bom, Jeon. Você vai acabar se machucando. 

-Park Jimin, eu não me importo se você é um doente.-acariciou meu rosto e secou minhas lágrimas.-Eu te amo assim. Confie em mim, Jiminnie... 

Fechei os olhos, sentindo o seu toque. Jeon Jungkook me amava? Eu não conseguia acreditar nisso. Ninguém se apaixona por doentes. 

Aquilo era ridículo! Ele só estava confundindo as coisas! 

-Mas eu temo que você me machuque.-senti um arrepio da cabeça aos pés quando seus lábios se aproximaram.

-Isso não vai acontecer. Deixe-me mostrar o quanto eu te amo. 

Sua boca procurou a minha e eu cedi sem pensar duas vezes! Enterrei minhas mãos em seus cabelos e enfiei a língua na sua boca. Nosso beijo era quente e desesperado. Intenso e ofegante. Cheio de paixão e desejo. As mãos de Jeon entrelaçam minha cintura. Ele mordiscou meu lábio inferior, o que me fez arfar. Gemi em sua boca quando ele começou a beijar meu pescoço. 

Droga. 

Eu sabia como isso acabaria se fosse adiante. Então com muito custo, tomei coragem para afastar nossos lábios. 

-Jeon, não...a Lisa.-respirei fundo, trazendo ar para os meus pulmões.-Está lá embaixo. 

-Não estou nem aí para ela. Vou pedir o divórcio ainda hoje!-disse determinado.-Quero ser livre. Livre para ficar com você, meu amor. 

-Não, eu não quero destruir o seu casamento. Você não pode fazer isso com ela! 

-Esse casamento já acabou a muito tempo, Jimin!-passou as mãos nos cabelos, tenso.-Eu não a quero mais. 

-Você sempre estará comigo?-o segurei pelos os ombros, fixando nossos olhos.-Você gosta de mim?-engoli em seco para a próxima pergunta.-Você irá me abandonar? 

-Não. 

-Então por que eu não consigo acreditar nisso? 

Minha confição fez com que ele se afastasse na mesma hora. 

-Você não confia em mim? 

-Eu queria poder confiar. Mas talvez, a Lisa esteja certa. O que nós dois fizemos é ridículo! 

-Sei o que está tentando fazer.-me puxou para os seus braços, me beijando mais uma vez.-Está tentando se afastar, mas eu não vou deixar. 

-Eu só causo dor e caos, Jeon. Por que não entende isso? 

-Porque não é verdade, não para mim.-segurou meu rosto entre as mãos.-Não custa nada confiar em mim. Fique comigo, por favor. 

Ele me beijou mais uma vez e eu aproveitei ao máximo! Já havia tomado uma decisão e não estava a fim de voltar atrás. Eu iria embora dali hoje mesmo! Meu coração doía só de pensar em deixá-lo, mas eu não via outra escolha. Não havia outra saída. Jeon não me amava. Só estava confuso com os seus próprios sentimentos, e talvez ele e a Lisa se acertem depois que eu sumir daqui!

 Pensar nessa hipótese me deixava completamente quebrado por dentro. Eu queria ficar, acreditar nas suas palavras e também queria amá-lo. Mas aquilo era um sonho impossível. Ninguém me amava. Eu me sentia um fardo e ninguém era obrigado a carregá-lo. Ninguém era obrigado a aceitar um doente como eu. Talvez Jeon só estivesse com pena de mim. Um órfão sempre provoca sentimentos de pena nas pessoas. 

Toquei cada parte de seu rosto e beijei cada uma delas bem devagar. Com os braços envolta do seu pescoço, eu o abracei o mais forte que pude! Seu perfume era tão bom e inebriante, que me deixava calmo e relaxado. Eu o amo. Pronto, finalmente admiti pelo menos para mim mesmo! 

Ah, Jungkook... 

Seria tudo tão fácil se eu não lhe amasse tanto assim... 

Estou indo embora, mas depois você irá me agradecer por isso. 

-Me deixe um pouco sozinho.-pedi, afastando nossos lábios.-Preciso de um tempo para assimilar tudo o que houve. 

-Tudo bem, eu entendo. 

-Obrigado.

-Vou terminar de resolver as coisas com a Lisa, não se preocupe.-não quero que ele termine nada, pois sei que irão reatar quando eu sumir daqui! -Estou lá embaixo se precisar. 

-Tá, obrigado.-forcei um sorriso.-Eu te chamo se precisar. 

Jungkook abriu um sorriso e me deixou ali, sozinho naquele quarto. No quarto que deixaria de ser meu ainda hoje. Não quis perder tempo, então peguei minha mochila e joguei algumas peças de roupas lá dentro. Não esqueci das minhas inseparáveis lâminas e nem do arquinho que ganhei do Hoseok. Ele ficaria preocupado com o meu sumiço, mas eu daria um jeito nisso depois. Depois de terminar abri as janelas. Consegui descer com um pouco de dificuldade. 

Reprimi um gemido de dor ao cair com tudo no gramado do jardim. Mesmo morando aqui a pouco tempo, eu conhecia cada canto daquela casa. Por isso sabia exatamente a onde encontrar uma saída, que não fosse a principal. Em menos de cinco minutos eu já andava nas ruas, com as mãos no bolso e coberto por um capuz. Os acontecimentos de alguns minutos atrás tomaram conta da minha mente, o que me fez chorar novamente. 

Enxuguei as lágrimas com as costas das mãos e me senti um lixo. 

As pessoas sempre vão embora da minha vida. Mas dessa vez, era eu quem estava saindo. 

Jeon Jungkook...espero que você me perdoe por isso. Atravessando a rua sem sequer olhar para os lados, olhei para o lado. O farol de um carro vindo na minha direção quase me deixou cego. Eu poderia me afastar fácil fácil, mas eu não quis. Não me importava mais continuar respirando quando eu já estava morto por dentro. 

Então, fiz a primeira coisa que veio na minha mente. Deixei que me atropelassem. Não desmaiei de imediato. Meu corpo todo doeu. Fui mandado direto para o chão e ainda pude ouvir os gritos de algumas pessoas.

 Fechei os olhos e não vi mais nada depois disso. 


Notas Finais


Oq acharam do capítulo? Eu sofri escrevendo isso socorro e não me matem kskskksks
Obrigada pelos os comentários, isso motiva muito
Não tenham medo de comentar adoro saber oq vcse estão achando, oq estão sentindo, e etc.
Então é isso
Amo vcs 😍❤
Bjs da tia naty 😘😻😻❤❤❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...