História A descendente de Merlin - Capítulo 109


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas dos Kane, Doutor Estranho, Harry Potter, Liga da Justiça, Merlin, O Aprendiz de Feiticeiro, Os Vingadores (The Avengers), Percy Jackson & os Olimpianos, Power Rangers Força Mística
Personagens Alastor Moody, Arthur Weasley, Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), Molly Weasley, Personagens Originais, Remo Lupin, Stephen Vincent Strange / Doutor Estranho, Udonna, Zatanna
Tags Alastor Moody, Arthur Weasley, Baltazar Blake, Celeste, Drestranho, Feiticeira Escarlate, Feiticeiro Supremo, Magnus, Mariana, Merlin, Merliniano, Molly Weasley, Morganiano, Olho Tonto, Remo Lupin, Stephen Strange, Udonna, Vitoria, Zattana
Visualizações 4
Palavras 2.015
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Crossover, Fantasia, Ficção, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi queridos
Prontos para hoje?

Capítulo 109 - Gabriel, Viviane e Merlin


Depois do banquete, que ocorreu já a noite, Celeste e aqueles que estavam no três vassouras foram dormir.

  Quando Celeste finalmente conseguiu pegar no sono, uma imagem começou a se formar em sua mente. Era fumaça roxa. Uma densa fumaça, que a envolveu.

  Depois de um tempo, a fumaça passou a se dissipar. Uma cena começou a se formar em sua frente.

  Quando a fumaça se dissipou, Celeste caiu no chão. Aterrissou de pé, no que reparou ser um suntuoso saguão, repleto de pinturas. O tapete, que ligava as duas portas do saguão, era vermelho-claro, com uma moldura dourada.

  Enquanto assimilava o lugar onde estava, um porta se abriu. 

  - Você chegou- uma voz disse.

  Celeste olhou para o lado. Era a senhora do lago, a governante da majestosa ilha de Avalon, e esposa do Grande Merlin, Lady Viviane.

  - Viviane- disse Celeste. A abraçou. 

  - Oi querida- disse bondosamente a fada- espero não ter atrapalhado sua noite de sono. É que Merlin e Gabriel querem falar com você. 

  Celeste se perguntou o motivo. Quando disse isso para Viviane, ela disse:

  - Merlin te disse que seu pai e ele iriam te ensinar a controlar os poderes merlinianos. 

  Ah sim, Celeste se lembrou. Ela e Viviane então saíram pela porta que Viviane tinha aberto.

  Depois de atravessar um corredor que tinha uma estátua da dama do lago ( no qual Viviane explicou que o motivo das aulas terem demorado para acontecer é que Merlin e Gabriel estavam atrás de Drake Stone, aquele mágico de Las Vegas (- Quando ele morreu, ele fugiu de todo contato com os morganianos. Imagino que a morte dele fez ele pereceber o que tinha feito, mas, pelo menos para Morgana Le Fay e Horvath, nenhum merliniano tem o direito de se demitir) elas saíram em um jardim. Ele estava repleto de flores, dos mais variados tipos. Orquídeas, rosas, tulipas, margaridas, lótus e muitas outras.

  Nesse jardim havia uma fonte, e perto dela estava um banco. Nele, estavam Gabriel Remys, conversando com Merlin em sua habitual roupa roxa.

  - Olá filha- disse Gabriel, antes de receber um abraço de sua filha.

  Merlin também a cumprimentou, e Celeste o abraçou. 

  - Pronta para as aulas?- perguntou Merlin.

  - Sim- disse a garota.

  Celeste olhou seu pai. Ao ver ele, a garota lembrou-se de uma coisa. Lembrou de Morgause, e de que ela ficara transformada em sua mãe. Pensou que seu pai precisaria saber disso. Só não sabia como seria a reação dele...

  - Pai, eu preciso te contar uma coisa.

  - O que?- perguntou Gabriel.

  Celeste contou. Gabriel, a cada palavra proferida por sua filha, sentia a sensibilidade nas pernas cair. Por fim, caiu sentado no banco.

  - Meu Deus- disse o homem- Kat...

  A surpresa também invadira o casal de quem Celeste e Gabriel. No caso de Viviane, a surpresa se manifestará em raiva.

  - Eu deveria ter adivinhado!- disse ela, brava- eu deveria ter adivinhado!

  - Pelas minhas barbas- disse Merlin- eu imagino como você se sentiu quando soube.

  - Aquela degenerada da minha sobrinha- disse Viviane- eu não acredito.

  Espere um instante. Como assim sobrinha?

  - Eu explico- disse Merlin, como que lendo seus pensamentos- Viviane é irmã de Igraine, que é a mãe de Arthur e Morgana. E Morgause é irmã de Morgana. 

  - Essa última parte é a parte degenerada da família- disse Viviane.

  - Eu acho- disse Merlin- que vou andar pelo mundo espiritual e ver se acho alguma coisa sobre Katherine. Não há nada que se passe no mundo material que o espiritual não saiba. 

  - E eu vou com você- disse Gabriel.

  Merlin assentiu. Gabriel se virou para Celeste e disse:

  - Filha, sua mãe foi a mulher mais...incrível e maravilhosa que já conheci. 

  Viviane deu um sorriso mediante a fala. Celeste mencionou que conheceu sua tia Gethsemane.

  - Ah- disse Gabriel- ela era a minha cunhada preferida. Bem, ela é minha única cunhada, mas eu gostava dela.

  Celeste riu. Merlin disse:

  - Bem, então vamos a aula?

  Celeste assentiu. Merlin começou:

  - Celeste, debatendo com Gabriel, com Viviane, com Victória e com mais algumas pessoas, decidi que a primeira habilidade que vamos trabalhar vai ser o scanner mágico, ou análise mágica. 

  - O scanner mágico- continuou Gabriel- consiste em utilizar a magia dentro de você para analisar algo e descobrir informações úteis ao seu atual propósito.

  - Por exemplo- disse o grande mago- no mundo dos sonhos eu queria saber se haviam lacaios do pesadelo na cidade. Por isso eu a scaneei, em busca dessa informação. E a encontrei. Conseguiu entender essa parte?

  Ela assentiu. Merlin continuou:

  - Para ativar o scanner, primeiramente pense na informação que você quer descobrir. Depois se concentre. Canalize seus poderes mágicos para seus olhos e cérebro. Quando fizer isso, seus olhos vão se encher de poder. E a informação vai aflorar no seu cérebro. 

  Celeste fez que havia entendido. Gabriel apontou sua varinha e conjurou uma árvore que a garota não conhecia.

  - Vamos praticar devagar- disse Gabriel- e é mais fácil fazer isso sentada. Depois voce

  Celeste se sentou no banco. Seu pai disse:

  - Passo um: a informação qur você quer descobrir. No caso, será o nome dessa árvore. Concentre-ce nela.

  Celeste se concentrou, e tomou isso para si. Precisava saber o nome daquela árvore...

  - Agora concentre-se- continuou o mago- a magia flue dentro de nós. Ela é como um rio, que flue através de cada célula de nosso corpo. Como magos e bruxas que somos, nossa tarefa é funcionar como um desvio, que canaliza essa água para algum lugar.

  Celeste então tentou. Fez aparecer em sua mente as palavras de Merlin. Sentiu cada grama de poder mágico que tinha em si sendo elevado para sua cabeça. 

  Ela abriu os olhos. Sentiu que eles estavam cheios de poder. Em sua mente, a única coisa que vira foi um fundo branco. Apareceu uma imagem. A imagem da árvore.

  Imaginou que a informação iria surgir em sua mente. Mas, na verdade, surgiram outras informações. Em um ritmo rápido. Num ritmo que ela não conseguira acompanhar. Não conseguia distinguir nenhuma palavra. Parecia que alguém estava enfiando pedras brita na sua cabeça. 

  Uma dor de cabeça arrebatadora a trouxe de volta para seu pai, Merlin e Viviane. Ela se dobrou sobre o colo.

  - Viviane- disse Merlin.

  A fada apontou a varinha para a garota e disse um feitiço em gaélico. A dor passou na hora.

  - Obrigada- disse Celeste.

  - Aqui, coma uma fatia- disse Merlin, estendendo para a menina uma bandeja cheia de fatias de maçã- colhi essas maçãs na árvore perto da porta do castelo.

  Baltazar tinha razão. A maçã de Avalon era muito saborosa, além de revitalizadora. Celeste contou para os três o que tinha conhecido. 

  - Ah, foi uma falha de concentração- disse Merlin- as energias mágicas tem que estar bem focadas em seus cérebros e olhos.

  Merlin deu um tempo para ela se recuperar. Depois disse:

  - Pronta para outra?

  Celeste assentiu. Tentou novamente. Não deu certo.

  A garota tentou várias vezes. E produziu vários efeitos. Até que uma hora:

  - Árvore encantada.

  As palavras surgiram em sua mente quando a imagem da árvore. Conseguira. Um vupt a trouxe devolta a realidade.

  - Essa é uma árvore encantada- disse Celeste- esse é o nome dela.

  Viviane e Gabriel deram sorrisos. Merlin assentiu:

  - Correto. Essa é uma das árvores mais poderosas do multiverso.

  Celeste perguntou mais sobre a árvore. Gabriel explicou:

  - Eu imagino que seu amigo Magnus tenha uma dessas.

  - Essa árvore tem uma carga de magia considerável- disse Merlin- um recipiente feito com madeira dessa árvore consegue proteger seu conteúdo de qualquer magia negra. 

  - Inclusive, isso me faz lembrar- disse Viviane- hoje de manhã recebi uma mensagem da Emma. Ela é o Killian nos convidaram para jantar.

  - Emma?- disse Celeste.

  - É. Você lembra daquela memória que Magnus Bane te mostrou?

  - Você conhece Magnus Bane?

  - Conheço. 

  - Todos conhecemos Magnus Bane- disse Viviane.

  - Filha- disse Gabriel- feiticeiros como Magnus Bane são imortais. 

  - Se quiser ter uma idéia ele é mais velho que eu- disse Merlin- e eu soube que após minha morte Baltazar se mudou para a Itália. Acho que estava no auge da renascença, e ele conheceu Michelangelo e Magnus Bane. Mas continuando: a Emma referida é a Emma da visão. A filha de Branca de Neve e o Príncipe James.

  - Celeste, eu tenho uma prima na terra dos contos de fada- disse Viviane- que também é uma fada. Quando ela soube dos planos de Regina de lançar a maldição, ela pediu a um carpinteiro chamado Gepeto...

  - O pai do Pinóquio?- perguntou Celeste.

  - Ele mesmo. Minha prima, a fada azul, pediu a Gepeto que construísse um armário que pudesse salvar Branca de Neve, o Príncipe e Emma da maldição. Gepeto construiu, e depois de toda uma confusão que envolve Pinóquio também se salvando, o armário ficou pronto. Só que, na mesma hora, a maldição das trevas chegou no castelo. E nesse meio-tempo, Branca acabou dando a luz mais cedo. Inclusive, Merlin e eu estavamos programados para ser padrinhos de Emma, mas na época não pudemos oficializar. 

  - O pobre do James correu para por a filha no armário- disse Merlin- e acabou que conseguiu.

  - E o que a maldição fez especificamente?- perguntou Celeste.

  - Aquela maldição, chamada de a maldição das trevas ou a maldição para acabar com todas as outras, é obra daquele verme degenerado do Rumpelstiltskin. 

  - Tem uma região nos Estados Unidos chamada Maine- disse Gabriel- que inclusive fomos visita-la quando você tinha quatro anos. A maldição criou uma cidade lá chamada Storybrooke e transportou todos para lá. E além de apagar as memórias de todos, inseriu memórias falsas. Quem era animal, em Storybrooke virou humano. Em resumo, finais felizes destruídos.

  - Que.. cruel- disse Celeste, chocada, lembrando-se do que Baltazar havia contado.

  - Eu sei- disse Merlin- Regina nunca foi dada a sutilezas.

  - Sabe Celeste- disse Viviane- uns dez dias depois que a maldição foi lançada, eu tentei entrar em contato com minha prima. Ela não respondeu minha mensagem. Achei estranho. Quando falei isso a Merlin tentou contatar seus amigos na terra dos contos de fadas. Gepeto, o grilo falante, a vovó, zangado e alguns outros. Ninguém respondia.

  - Aí soubemos que havia algo errado- falou Merlin- e resolvemos investigar. E, durante um jantar aqui em Avalon, Viviane recebeu a informação. E me contou.

  Celeste tentou imaginar como o casal teria se sentido ao ouvir essa informação.

  - Então eu resolvi ir para a cidade. Eu fui duas vezes- disse Merlin- na primeira, como você viu, eu me disfarcei como um professor de faculdade. E quando fui lá, eu scaneei tudo. E encontrei todos que haviam desaparecido. Por exemplo, meu amigo grilo falante virou um psicólogo chamado Archie Hopper. Branca de Neve virou Mary Margaret Blanchard, uma professora primária. Vovó virou a dona de uma lanchonete e um hotel, e sua neta Chapeuzinho virou Ruby. E a prima de Viviane virou uma freira, a madre superiora do convento de Storybrooke. 

  - E o tal do Rumpelstiltskin?- disse Celeste- você tinha dito na sua memória que ele não estava desmemoriado.

  - E ele não estava- disse Viviane- ele usou os poderes de um artefato que contém um poder maligno. E, através de um acordo com Regina, ele virou o rico, poderoso e extremamente maldoso Sr.Gold, um advogado e especialista em antiguidades.

  - E a Emma?

  - Emma chegou na cidade 28 anos depois- disse Gabriel- e foi por um detalhe curioso. O filho adotivo de Regina era o filho biológico de Emma. Ele tinha um livro, que a Srta.Blanchard deu a ele sem saber- que continha toda a história de tudo. Sobre a verdade. Foi ele que trouxe Emma para Storybrooke. Inicialmente Regina tentou dificultar as coisas para Emma, mas...

   Enquanto ouvia isso, algo começou a surgir em Celeste. Parecia uma força, que lhe causara um estalo no cérebro. Sentiu-se deixando Avalon, e logo acordando em seu quarto no três vassouras.


Notas Finais


Oi mores
No capítulo de hoje Celeste teve um encontro com Viviane, Merlin e seu pai Gabriel. O motivo do encontro era uma aula, na qual Merlin e Gabriel ensinaram para Celeste como controlar seu scanner mágico. Nesse capítulo também conhecemos a árvore encantada.
Celeste também conheceu os fatos que antecederam e sucederam a maldição das trevas, e como Merlin e Viviane souberam. Descobrimos também que Viviane é prima da fada azul, e que Merlin é amigo de várias pessoas da terra dos contos de fada. E vimos também que os habitantes da terra dos contos de fada se tornaram pessoas normais em Storybrooke.
E vimos que algo acordou Celeste. Algo que lhe gerou um estalo no cérebro. O que será? Vejamos nos próximos capítulos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...