1. Spirit Fanfics >
  2. A dinastia >
  3. A morte do rei

História A dinastia - Capítulo 1


Escrita por: Canidae_Project e ImKristy

Notas do Autor


Olá meus amores, quanto tempo hein?
Hoje venho aqui com muita empolgação estrear essa fanfic que dei minha alma escrevendo, espero que gostem meus anjos!
Sem delongas
Boa
Leitura
♡¿♡

Capítulo 1 - A morte do rei


O grande império da China era admirado por todos, com os anos tornou-se o império mais populoso de todo o mundo e chegou ao ápice econômico com o exercício, povos ou ouro, as conquistas territoriais, a identidade cultural da China era formada. O rei e imperador Xiaowen era aclamado por seus cidadãos, eram mais de 430 milhões de habitantes que o amavam, todas as guerras, conquistas, tudo era dedicado a seus seguidores.

Como todo homem se apaixona, Xiaowen se abaixou e casou-se com uma bela mulher, tornando-a rainha de todo aquele império. Anos se passaram e não havia um único herdeiro, o rei começava a preocupar -se com aquilo e quando uma vez algo começou a se formar no ventre da rainha, ela o perdeu — junto ao rumo de sua vida —, afundando na solidão e depressão. O rei começou a procurar carinho em outros lugares: festas clandestinas que dava e, em um desses momentos, ele encontrou uma bela mulher, de cabelos negros como o ébano, um corpo pequeno e bem esculpido, e a graciosa dança que a envolvia o hipnotizou. Não foi apenas uma noite foram várias, se amando secretamente e com o sabor do pecado.

Em uma das lutas enfrentadas, o rei encontrou um menino perdido. Seu nome era Yifan, ele aparentava ser determinado para um beta, parecia ser forte e quando o apresentou para a rainha, ela viu aquela criança de 10 anos como seu refúgio, seu filho.

O príncipe. 

O rei começou a amar sua mulher novamente e, como um milagre, algo começou a surgir no ventre da rainha. Xiaowen teve toda atenção voltada para o futuro herdeiro que nasceu saudável, era um alfa forte, que infelizmente levou sua mãe à morte devido ao esforço, — mas ela sorria enquanto se despedia daquele mundo.

Yifan foi deixado de lado, e o menino Sehun, foi aclamado. Finalmente um herdeiro havia chegado!

  

Anos depois…

Havia muitos cidadãos no pátio do Castelo enquanto em uma parte alta, estava um homem com armadura dourada e sua espada, um olhar sério e julgador, atento a tudo. Os rumores já haviam se espalhados, mas aquele homem estava ali para revelar toda a verdade, detalhadamente. 

Ele era o general, seu nome era Huang Zi Tao, um alfa genuíno — uns diziam que era mais que o próprio príncipe, Oh Sehun.

Respirando fundo ele caminhou à frente começando a dizer:

— O imperador Xiaowen foi assassinado. — Os burburinhos começaram — Ninguém irá entrar ou sair da dinastia. Assim como aqueles de fora são suspeitos, quem tem uma função dentro do Palácio, e quem têm um parentesco, também são suspeitos. Enquanto isso, até encontrarmos o culpado, ninguém terá paz e você que matou o nosso honroso imperador, eu lhe juro, acharei você e lhe matarei! — Todos aplaudiram o general ZiTao.

Para dentro daquelas paredes de pedra, no meio do corredor estava o príncipe beta Wu Yifan, que fitava o chão, ouvindo o discurso e pensando alto, falou:

— Até mesmo você pode ser o culpado, general Huang.

— Isto é um fato, mas todos são suspeitos. Você, Wu Yifan, poderia ter matado seu pai. — Luhan apareceu com um sorriso julgador, e parou do lado do príncipe — Um bastardo adotado, por que não iria matar o único impedimento para não subir ao trono? — O viúvo aumentou o sorriso — Afinal o imperador nunca subiria um beta vagabundo para responsável de tantos povos assim.

— Luhan... — E então o segundo príncipe apareceu, e olhou para o irmão mais velho — Como está Yifan?

— De fato Luhan, todos são suspeitos, — o beta ignorou seu irmão — acho que acima disso, todos sabem do romance que têm o príncipe e o noivo de seu próprio pai. — A face de Sehun tornou-se sombria — Se o amor é capaz de fazer tudo, por que algum de vocês não mataria Xiaowen para tirar o único peso do caminho para uma história com um final romântico e feliz? — Sorriu cínico — Se O casal me der licença...

Yifan se afastou dali.

O beta então viu o alfa general andar por aqueles corredores, ele tinha uma expressão séria que para a maioria dava medo, mas diferente de todos, Yifan achava Huang ZiTao intrigante.

— Algum problema, príncipe? — Yifan despertou de sua própria mente ao ver os olhos daquele alfa em si. — Seu olhar é curioso, mas há um tom julgador, será que tem medo ou remorso, por trás disto?

— O que deseja insinuar Huang? — O príncipe franziu o cenho.

— Meu caro eu sou um general, quero respeito. — Com aquilo, aqueles corredores silenciosos ganharam uma gargalhada alta do príncipe — Você é um beta... Não devia agir assim tcs…

— Meu caro. — Repetiu a mesma frase, porém com ironia e desdém — Eu sou um beta, e sou um príncipe, quem me deve respeito, é você. Tão certinho, querendo mais que tudo achar o assassino de meu pai, mas não teria um motivo para isso?

— Que motivo eu teria? Não tive um caso com o filho do rei, não sou um bastardo, não teria motivos para destruir um rei tão bom quanto Xiaowen, que recolheu dentro desses muros, uma sobra das vilas destruídas.

— Sua bondade é algo muito admirado por todos, mas para mim não passa de uma máscara. Você é um suspeito. — Afirmou Yifan.

— Você também. — O general passou pelo príncipe, parando ao seu lado — Se eu fosse um rei, não iria subir um bastardo no trono.

— Você não é um rei, jamais será um. — Sorriu o Wu, desdenhoso.

— Você também não. — Sussurrou rindo enquanto o príncipe apertava o próprio punho. 

Huang Zi Tao continuou o seu trajeto com um sorriso no rosto, Yifan era o primeiro suspeito, mas ele sabia que havia rumores de um caso com o príncipe herdeiro, junto do noivo de Xiaowen. Ele sabia que por dentro daqueles Castelo haviam várias pessoas, algumas com ódio, mas apenas alguém com um motivo em especial faria aquele tipo de coisa. E ele iria descobrir qual dos príncipes era o assassino.


A noite veio estrelada e Sehun estava apoiado em uma varanda, vendo-as mais brilhantes do que nunca, o vento batia em seus cabelos fazendo-os esvoaçar. Seus pensamentos voltavam sempre para seu amado. Sim ele tinha um caso com Luhan, e o amava de uma forma tão intensa, que não havia conseguido se envolver com mais ninguém, aquele ômega era tudo, principalmente o coração do alfa.

— Onde está seu amante? — Ele virou a cabeça rapidamente, vendo seu irmão apoiado no mármore. — Me disseram que este era o ponto onde se amavam. — Yifan riu sarcástico.

— É tão difícil acreditar no amor? — Sehun indagou.

— Você é apenas um garoto ainda. Como irá subir em um trono se nem consegue ver...

— Ver o que, irmão? — Interrompeu Sehun.

— Que está sendo atraído em uma armadilha, a pior delas! Aquela que a principal intenção é brincar e destruir seus sentimentos!

— Por que se importa tanto? Achei que o bastardo iria querer que seu irmão decaísse para poder ficar com a coroa. — Alfinetou e Yifan o agarrou pelo colarinho.

— Escute Sehun, este trono é seu por direito, nunca o invejei. — Aquilo faz o príncipe alfa gargalhar — A coroa está em suas mãos, o peso da dinastia nas suas costas, então não cometa o erro de jogar tudo para o ar. Eu tenho um suspeito que pode ter matado nosso pai, Luhan...

— Eu também tenho um suspeito, e é você! — Rogou o alfa.

— Deve ter sido o Luhan mesmo, ou vocês dois juntos. — Sehun desferiu um soco no irmão, que não ficou para trás e desferiu um soco e um chute na barriga do mais novo, que caiu para trás — Péssimas habilidades na luta, precisa parar de ocupar a mente com essas baboseiras e pensar no futuro em suas costas, não vou permitir que erre o seu trajeto.

Yifan limpou sua roupa com as mãos e começou a se afastar dali, perguntando uma última vez:

— Você ainda não me respondeu onde está Luhan.

— Descansando no quarto. — Respondeu simplista.

Yifan saiu dali, e horas depois, o ômega viúvo apareceu, abraçando seu alfa e colocando a cabeça sobre as costas do mesmo. Por mais que Sehun não acreditasse, aquelas palavras vindo de seu irmão mais velho lhe causavam dúvidas. O príncipe virou-se calmamente, olhando a face angelical daquele ômega, ele não conseguia imaginar maldade alguma, muito menos o assassinato de seu pai, nos olhos do viúvo Luhan. Ele beijou o seu amado intensamente, era mais apaixonante do que nunca, era um sentimento bom que unia ambos. Se afastaram sentindo a respiração acelerada e um calor vindo de ambos corpos, Sehun amava aquilo, amava a sensação, amava-o.

— Luhan, você me ama? — Indagou Sehun.

— Lhe amo mais que qualquer um, mais de qualquer coisa, meu alfa. — Respondeu o mais baixo com os olhos brilhando — Eu faria qualquer coisa para poder viver com você...

— Eu também te amo meu amor, e se me ama mesmo gostaria lhe perguntar algo. — O cenho de Luhan franziu-se — Quero me conectar com você para sempre, quero selar nossas Almas, eu—

 — Quer me marcar? — Luhan o interrompeu.

 — Sim. — Respondeu simples.

  O silêncio era repleto, apenas as correntezas do vento ao pé do ouvido era sentindo, os cabelos de Sehun bagunçando e Luhan parado estático. De todos os pedidos, aquele era o mais inusitado, o pedido que mais lhe deixou surpreso e o principal: O pedido que jamais seria concedido.


Era de madrugada e alguém mexia nas gavetas do quarto do falecido rei, revira ali de ponta a cabeça, mas não achava o que queria. Abaixou-se olhando debaixo do móvel e puxou a caixa revestida de ouro o mais rápido possível. 

Sentou-se e o abriu, vendo pergaminhos — ele queria apenas um. Aquele que comprova a morte de um imperador cujo óbito foi dado como acidente. A verdade era que por trás daquela paz tinha muito sangue derramado, por todas aquelas pessoas que dançavam feliz, abaixo delas havia covas de pessoas inocentes que foram assassinadas brutalmente. Seu olhar recaiu sobre um colar com uma pedra vermelha, parecia ser um rubi, uma joia rara, brilhante e atraente.

Ele guardou o colar em seu bolso e segurou a caixa pronto para se levantar e sair dali, mas seu corpo ficou parando no mesmo lugar quando ouviu uma risada baixa e sentiu a espada gelada na pele de seu pescoço, o coração palpitou mais rápido, mas não demonstrou medo algum, apenas sorriu de canto.

— Ora, ora... O que temos aqui? O assassino do rei? Levante-se príncipe Wu Yifan. — Disse o general sério, mas ainda com um sorriso vitorioso no rosto.



Notas Finais


E foi isso meus amores, eu espero que tenham gostado!
Obg a @blood-reino por essa capa perfeita e agradeço a @yehet_xiao pela betagem maravilhosa , muito obrigado minhas princesas!
Bom, foi isso!
Espero que tenham gostado
Bjs
Fuii
¿♡¿


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...