História A-do-le-ta - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Karin, Konan, Mei, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno
Tags Drama, Naruto, Romance, Yuri
Visualizações 34
Palavras 3.146
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 18 - Dor, arrependimento e uma pitada de foda-se


Karin leva a boca um copo transparente de bebida e sem dar uma pausa para respirar engole todo o líquido, ela estava sozinha perto da mesa com as bebidas revirando os olhos sempre que podia para o casal nojo Sasuke e Sakura, ela retirou a garrafa de bebida do gelo e transbordou o copo com o líquido. Sakura estava feliz agora dançando e se exibindo para Sasuke, mas isso não ia durar muito por que Karin é a garota mais linda da escola, a mais desejada e ela conseguiria Sasuke de volta.

— Dondoquinha. – ah Deus do céu! Karin revirou os olhos para o garoto, ela não sabia o que o fazia achar que ele poderia falar com ela na frente de todos.

— O que você quer garoto?

Suigetsu trocou o peso de uma perna para outra, desde que ele chegou ao bosque já havia andado, dançado, beijado umas meninas e Karin ainda estava plantada no mesmo lugar, fala sério todos naquele lugar já perceberam que Karin estava morrendo de ciúmes. Ele deu um pequeno gole na sua bebida e olhou para o casal assim como Karin estava fazendo. 

— Talvez seja melhor você ficar nua e se pendurar em uma dessas árvores porque encarar o Sasuke não está funcionando.

Karin bufou, como se o limpador de piscina soubesse alguma coisa, Karin não estava apenas observando os dois ela estava ali esperando o momento certo para atacar.

— O Sasuke é meu, sempre foi e sempre vai ser Sakura é apenas um divertimento.

— O seu dinheiro não pode comprar tudo, dondoquinha.

— Engano seu limpador de piscina. – ela depositou o copo de bebida na mesa, limpou um resquício do líquido da sua boca, jogou o cabelo para trás e deu um sorrisinho para Suigetsu. — Mas, eu não preciso de dinheiro para ter o Sasuke de volta.

Karin caminhou a passos largos atrás de Sasuke, agora que ele estava livre da pegajosa Sakura Karin teria a sua grande chance e ela era esperta demais para perdê-la. Seu salto alto afundava no chão repleto de gravetos e folhas, mas nada a faria desistir de ter Sasuke em suas mãos.

 

Sasuke abriu o zíper e soltou um suspiro de alívio quando o líquido amarelado inundou a raiz da árvore. Ele não queria ter deixado a Sakura porque caramba a sensação de tê-la rebolando em seu membro era boa demais, Sakura era boa demais e ele só queria voltar para a pista e beijar a boca dela, o seu pescoço. Deus do céu ele só queria ter Sakura em seus braços suando e gemendo seu nome.

Sasuke se vestiu e saiu de trás da árvore, precisava aliviar bem mais do que apenas a bexiga.

— Karin?

A garota sorriu e umedeceu os lábios, Sasuke é tão lindo e gostoso. Ela se aproximou dele como uma felina, Sasuke pode está andando por aí com Sakura como sua namorada, mas é com ela que ele vai ficar.

— Oi Sasuke. – ela disse seu nome lentamente e sorriu do jeito mais safado que conseguiu.

— Eu tenho que ir Sakura está me esperando.

Ele tentou ir embora, mas Karin não o deixaria escapar tão facilmente ela o empurrou contra o tronco da árvore e manteve suas mãos espalmadas no peito largo de Sasuke.

— Para que a pressa eu só quero conversar. – ela mordeu os lábios e sorriu para Sasuke.

— Karin já faz muito tempo que nós não temos nada para conversar.

Karin fez um biquinho, mas não se importou com o que ele disse ela sabia que não seria fácil, mas ela também sabia como desarmá-lo. Ela lambeu do pescoço de Sasuke até a orelha onde deu leves mordidas e sorriu ao ouvir Sasuke arfar.

— Karin. – Sasuke fechou os olhos ao sentir a mão de Karin passeando perigosamente pelo seu abdômen, desde que começou a namorar a Sakura não conseguiu nada além de beijos e isso o estava enlouquecendo.

— Basta você dizer que não está gostando que eu paro. – ela enfiou a mão dentro da sua cueca e o sentiu duro nos seus dedos, Sasuke é tão gostoso que ela ficava molhada apenas de imaginá-lo entrando e saindo dela.

Ah deus! Sasuke suspirou e gemeu ele sabia que era errado, sabia que deveria se afastar e ir embora voltar para Sakura a sua namorada, a garota que ele gostava, mas Karin é tão boa no que faz tão boa com as mãos e principalmente com a boca.

Ele arfou mais uma vez, abaixou as calças e fez Karin se ajoelhar, era só um boquete e nada mais, Karin iria fazer o que queria fazer e depois ir embora e ele voltaria para a sua Sakura.

Karin segurou o membro de Sasuke pela base e sorriu maliciosamente para ele antes de enfiá-lo na boca. Sasuke gemeu e agarrou o cabelo da Karin para controlar o ritmo que ele entrava e saia de sua boca. Ah como é boa à sensação de ter alguém te chupando! Sasuke só conseguia pensar em Sakura o engolindo e pensando nisso ele gemeu mais uma vez e gozou na boca de Karin.

— Acho bom você não contar isso para ninguém.

Ele ergueu as calças, arrumou o cabelo e a roupa e caminhou a passos largos queria muito ter a Sakura em seus braços.

 

 

Ino disparou em direção da Sakura assim que viu Sasuke desaparecer no bosque, essa era a oportunidade perfeita para conversar com a Sakura.

— Quero falar com você.  – a loira segurou o braço da Sakura e sussurrou em seu ouvido. Sakura se arrepiou assim que sentiu a voz de Ino na sua orelha meu deus Ino deveria ser proibida de se aproximar assim das pessoas.

Sakura procurou Sasuke no meio daquelas pessoas, essa era a mijada mais longa da história do universo, se ele aparecesse Sakura não precisaria encarar os olhos felinos da amiga. Quando não viu nenhuma saída Sakura suspirou e seguiu Ino em direção ao bosque não havia nada demais em duas amigas conversarem.

Elas seguiram em silêncio até um lugar onde acharam seguro para conversarem porque Ino tinha muita coisa a dizer e não seria nada legal se alguém ouvisse ou as interrompesse.

Sakura olhou para as árvores imensas ao seu redor e depois para seus pés, mas não para Ino porque era difícil demais encarar a amiga por mais de três segundos. Ela mordeu os lábios e abraçou o próprio corpo essa parte do bosque, quer dizer a parte que não foi modificada para servir como pista de dança, é fria e mal iluminada e o silêncio de Ino estava deixando Sakura nervosa e desconfortável, mas ela não fazia ideia de como acabar com ele.

— Sakura.

Ino caminhou até Sakura e tocou o seu ombro, durante o caminho todo ela ficou imaginando maneiras de como dizer o que estava sentindo e agora que as duas estavam sozinhas e ela estava tão perto de Sakura Ino mal conseguia respirar.

Ela só queria tocá-la, sentir seus lábios, a sua pele, o seu cheiro.

 O coração de Sakura acelerou quando ela sentiu a mão de Ino no seu ombro e depois no seu rosto em uma caricia. Ela estava bastante ciente da presença da Ino, da sua pele irradiando calor, da sua boca pequena e vermelha, meu deus!

— O que você quer falar comigo? – sua voz saiu baixa porque caramba Sakura nem sabia como ainda conseguia se sustentar nas próprias pernas e com Ino cada vez mais próxima de si tornava tudo mais difícil.

— Você não sabe mesmo Sakura?

Ino passeou o nariz pelo pescoço de Sakura com calma, ela não tinha pressa nenhuma em sentir o cheiro de Sakura e a pele macia tão próxima de sua boca.

— Não tem nenhuma ideia?

Ino caminhou com Sakura até o tronco de uma árvore e a encurralou ali, era tão bom ter Sakura tão próxima novamente. Ino encarou Sakura nos olhos satisfeita por ver que Sakura estava tão abalada quanto ela, que sua respiração estava entrecortada, que seu coração estava acelerado e que seus lindos olhos verdes não conseguiam esconder o que sentia.

Ino aproximou seu rosto lentamente do de Sakura até que pudesse sentir os lábios da amiga no seu, ela os manteve colados por um tempo apenas sentindo o arrepio gostoso se espalhando por seu corpo. Afastou-se de Sakura para olhar em seus olhos novamente e depois a beijou.

Seu braço direito agarrou a cintura de Sakura e a sua mão esquerda prendeu os cabelos rosados. Ino queria muito mais do que apenas um beijo, queria sentir o calor de Sakura de novo, queria ouvi-la gemendo novamente.

Sua mão agarrou um seio de Sakura num aperto gostoso, enquanto a sua boca trabalhava em lamber e beijar o pescoço da rosada. A mão de Ino saiu do seio de Sakura para a coxa, da coxa para a virilha e da virilha para...

Sakura arfou quando sentiu os dedos de Ino no seu clitóris e não conseguiu controlar o próprio corpo que se movimentava nos dedos de Ino, Sakura agarrou o cabelo longo de Ino e tentou trazê-la para mais perto, o desejo já havia tomado conta do seu corpo, ela fechou os olhos, jogou a cabeça para trás e gemeu e diante da nuvem de desejo que a rondava lembrou-se de Sasuke.

— Para! – ela empurrou Ino e se afastou cambaleando, suas pernas estavam tão fracas que ela mal conseguia andar. Caramba! Sua calcinha está tão molhada.  — Não podemos fazer isso. – ela ainda respirava com dificuldade mesmo agora que Ino estava longe.

— Por que não? – ela não conseguia entender a resistência de Sakura já que é tão óbvio que Sakura também gostava dela.

— Eu tenho namorado!

— O Sasuke? Você nem gosta dele!

— Gosto sim. – a voz dela saiu fraca ela se encostou a uma árvore ainda sentindo os efeitos de Ino lhe tocando.

— Se você gosta então por que me beijou? Por que deixou que eu te beijasse?

Ino segurou o rosto de Sakura com as duas mãos e a olhou no fundo dos olhos, era impossível que Sakura não sentisse o mesmo que ela.

— Eu gosto de você Sakura, gosto muito. Estou apaixonada por você.

Sakura sentiu o coração acelerar e seu corpo estremecer e uma lágrima solitária deslizar pelo seu rosto.

— Também gosto de você Ino.

Sakura deixou que Ino a abraçasse por que queria sentir o calor do seu corpo uma última vez.

— Mas não podemos ficar juntas.

Céus! Ino só pode ter escutado errado por que diabos duas pessoas que se gostam não poderiam ficar juntas? Ouvir que Sakura também gosta dela foi a melhor coisa que lhe aconteceu, mas agora ela simplesmente não sabia o que fazer.

— O quê? Por quê?

— Como você acha que as pessoas reagiriam?

— E o que ela tem haver com a nossa vida? – Sakura riu sem humor e limpou o rosto.

— As pessoas podem ser muito cruéis Ino e eu não quero ser alvo disso.

Ino piscou com força enquanto andava de um lado para o outro, céus ela estava com tanta raiva! Todo mundo tem o direito de ser feliz porque seria diferente com elas?

— Você está com medo do que as pessoas vão dizer e por isso vai desistir da sua felicidade é isso? – a voz de Ino saiu raivosa e alta, talvez se ela gritasse bem alto Sakura a entenderia de uma vez e desistiria dessa ideia ridícula.

— Quero viver sem ser julgada, sem receber olhar feio, quero ter uma vida normal Ino.

Era isso, Sakura estava disposta a abrir mão da sua felicidade para se enquadrar aos padrões. Sakura podia ser covarde e dar as costas para o que sente, mas Ino não teria vergonha de seus desejos e muito menos esconderia quem era de verdade.

— Eu sinto muito por você Sakura, espero que mude de ideia antes que seja tarde demais.

Ino limpou as lágrimas e deu as costas á Sakura, fingir que estava tudo bem não estava nos seus planos até porque a dor era intensa demais para isso, mas pelo menos agora ela tinha certeza do que era e estava feliz com isso, estava disposta a viver uma nova vida com ou sem Sakura.

Quando voltou para onde as pessoas estavam bebendo e dançando caminhou rapidamente até a mesa onde as bebidas estavam e encheu um copo com o liquido alcoólico, ela precisava de álcool nas veias.

— Eu estava te procurando.

— Então pode comemorar. – ela podia sentir o ruivo ao seu lado sorrindo e a encarando com aqueles olhos verde musgo, o que ele queria estava tão nítido que era até engraçado principalmente agora que ela tinha certeza que não gostava de meninos.

— Eu já estou bebendo a única coisa que falta é... – ele conseguiu dar um selinho em Ino, mas assim que ela o sentiu na sua boca o afastou.

— Não podemos ficar juntos. – ela bebeu o restante do liquido e colocou o copo sobre a mesa.

— E por que não?

Ino encarou o garoto a sua frente com um pequeno sorriso no rosto, não sabia o que ele faria com essa informação e nem como reagiria, mas ela não queria esconder isso de ninguém. Ela estava pouco se fodendo para o que ele e todos os outros iriam dizer.

— Por que eu sou lésbica.

 O ruivo continuou parado com a boca aberta como se o tivesse congelado, Ino deu de ombros e foi embora aquela festa já havia acabado para ela.

 

Konan caminhou rapidamente até a mesa onde estavam as bebidas, ela e Itachi estavam dançando e ele pediu para que ela buscasse uma bebida para ele, os dois estavam bem e ela muito feliz por que Itachi a fazia feliz.

Ela equilibrava os copos na mão enquanto tentava não se chocar contra as pessoas, seria um saco ter que voltar para pegar novas bebidas. Quando chegou onde estava com Itachi não o encontrou em lugar nenhum, ele sabia que ela iria voltar inferno!

Seus olhos varreram o local a procura de um homem alto, de cabelos longo e gostoso, muito gostoso. Ela sentiu a irritação tomar conta do seu corpo e engoliu de uma só vez a bebida de um dos copos, mas que droga!

— O seu namorado foi naquela direção.

O bafo de bebida do garoto atingiu seu rosto, mas ela ignorou e agradeceu precisava encontrar Itachi. Caminhar em um bosque assustador não estava em seus planos, mas também não estava em seus planos deixar Itachi sozinho em uma festa cheia de piranha. Pelo menos ela ainda tinha um copo de bebida como companhia.

Seus pés estavam doendo e ela já estava desistindo de encontrar Itachi quando ouviu gemidos próximo de onde estava dando pulinhos e tentando não cair de cara no chão ela correu em direção aos gemidos. Por deus que não seja Itachi!

De longe ela conseguiu enxergar a cabeleira ruiva de Karin e a preta de Sasuke. Ela sorriu escondida atrás de uma árvore, Karin é mesmo uma vadia e estava certa quando disse que conseguiria Sasuke de volta.

Ela esqueceu os dois e voltou a caminhar e depois de um tempo entre quase fraturar o tornozelo e ficar afundando o salto no chão úmido decidiu que seria melhor esquecer o desgraçado do Itachi e voltar para onde as pessoas estavam. Esse bosque é um saco!

Novos gemidos ecoaram pelas árvores e Konan deu um sorriso malicioso, se Itachi não tivesse desaparecido ela também estaria gemendo atrás de uma alguma dessas árvores.

— Ah Itachi!

Konan parou no lugar com o coração acelerado será que ela ouviu mesmo alguma vadia gemendo o nome do seu Itachi?  Não, ela só poderia está ficando louca! Ela tinha bebido demais, é isso. Tem que ser isso.

— Você é muito gostosa.

Konan poderia ter cometido um erro quanto à voz da garota, mas ela nunca cometeria esse erro com Itachi, ela conhecia muito bem a voz dele. Suas pernas se movimentaram e ela nem se importou com o salto do sapato afundando ela só queria ter certeza de que não era Itachi. Não podia ser o Itachi.

Seus olhos se arregalaram do mesmo jeito que a sua boca se abriu, as calças de Itachi estavam abaixadas e as pernas da menina entrelaçadas na sua cintura, da onde estava Konan podia ver Itachi se movimentando dentro da garota que gemia loucamente. Ela não podia acreditar no que estava vendo, deus não podia ser verdade.

Ela caminhou até os dois sem ter muita certeza do que estava fazendo e esperou até que a sua voz saísse. Céus ela podia jurar que seu peito está rasgando.

— Itachi!

Itachi se movimenta dentro da garota com força, ouvi-la gemer e chamar seu nome o deixava ainda mais excitado. Ele apertou as coxas da garota e estocou com mais força e velocidade, faltava bem pouco para ele gozar.

— Tem alguém te chamando. – a garota diz entre gemidos.

— O quê? – a garota aponta para alguém atrás dele, e ele olha para trás sem parar as estocadas.

— Ah é só a Konan. – a garota sorri e o encara.

— Ela quer participar? – Itachi sorri com a proposta e olha para Konan.

— Quer participar Konan?

Dor. Era isso que Konan estava sentindo, uma dor que nasce no peito e irradia por todo corpo, uma dor que estava a deixando sem ar. Ela não podia continuar ali não conseguia mais assistir Itachi transando com outra garota, retirou os sapatos e correu. Ela só queria ficar longe de Itachi.

Correu sem conseguir enxergar direito o que estava a sua frente por conta das lágrimas, suas pernas estavam pesadas e sua força já estava no fim, ela não aguentava mais.

 

Sakura ainda estava no mesmo lugar onde Ino a deixou chorando como há muito tempo não fazia, ela fungou pela décima vez e tentou livrar o rosto do rastro de lágrimas. Ela não podia ficar ali chorando para sempre, Sasuke com certeza já está louco atrás dela.

Ela saiu de trás da árvore e caminhou alguns passos antes de ouvir soluços, pelo jeito não era só ela que estava tendo uma noite de cão nessa droga de bosque. O choro vinha de perto e ela caminhou até ele.

— Konan! O que aconteceu? – Sakura se abaixou para ficar na altura de Konan que estava sentada no chão, e não fez nada quando Konan a abraçou.

— Me tira daqui eu só quero ir embora. – bem, Sakura queria a mesma coisa essa festa já deu o que tinha que dar.

Sakura caminhou com Konan apoiada em seus braços e em silêncio seja o que for que tenha acontecido ela não queria falar sobre isso. As duas ficaram paradas enquanto Sakura procurava o Sasuke no meio daquelas pessoas, depois de tudo o que aconteceu ela queria ir embora tanto quanto a Konan que chorava baixinho ao seu lado.

— Sakura onde você estava?

— Ah Sasuke eu estava te procurando e encontrei a Konan ela não está se sentindo bem e quer ir embora, na verdade eu também quero.

— Ah certo, vamos embora então.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...