1. Spirit Fanfics >
  2. A domadora do meu coração >
  3. As primeiras sensações

História A domadora do meu coração - Capítulo 6


Escrita por: gisely2000

Capítulo 6 - As primeiras sensações


Fanfic / Fanfiction A domadora do meu coração - Capítulo 6 - As primeiras sensações

POV EMMA

- Está entregue. Falei quando paramos na casa de Ava. Ela me olhou com um sorriso suspeito. - O que foi?

- Não vai me contar sobre o que conversaram enquanto eu dei aquela fugida proposital?

- Pela sua cara, eu sabia que estava aprontando alguma coisa.

- Anda, fala logo.

- Não falamos nada demais. Ela estreitou os olhos. - É sério. Falamos sobre amarmos morar no campo.

- Só isso? Quanta criatividade… Credo. 

- Acabei de me lembrar de uma coisa. Seu olhar ficou curioso. - Eu esqueci minha jaqueta com ela.

- Ai, sim. Agora eu ouvi alguma coisa interessante.

- Ela só estava com frio e eu quis ser gentil. Pare de romantizar tudo, Ava. Regina deve ter uma fila de homens atrás dela.

- É claro que tem. E como não teria? Uma mulher linda como aquela não fica na pista por muito tempo.

- Então por que está insistindo tanto nisso?

- Porque a minha amiga não está atrás de qualquer pessoa. Regina também foi muito magoada pelo antigo namorado e acabou se fechando para todo o resto.

- E você acha que ela se interessaria por alguém como eu?

- Como assim, como eu? Você é uma pessoa normal, Emma e não ouse dizer o contrário. Regina teria sorte se tivesse você.

- Esquece essa história, tá legal? Eu não sei se quero arriscar me apaixonando de novo. A solidão também tem seus benefícios.

- Você só pode estar doida. Pode tirar essa nuvem escura da sua cabeça porque eu não vou deixar minha amiga pensar desse jeito. E independente da Regina, você merece e vai encontrar alguém que te dará o valor que merece. Me deu um beijo no rosto. - Nos vemos amanhã. Beijos. Tomei o caminho de casa.

- Oi meu amor, nós acabamos de jantar. Achei que chegaria mais tarde. Minha mãe me abordou logo na entrada. 

- Não tem problema. Eu me viro na cozinha.

- Ei, filha, como foi lá hoje? Meu pai beijou o topo da minha cabeça.

- Ainda é cedo pra dizer, pai. Amanhã é um novo dia. Eu vou subir para tomar um banho.

- Faça isso, amor. Vou preparar um pratinho e levo lá em cima pra você.

- Obrigada, mãe. Entrei no quarto e já fui direto pra debaixo do chuveiro. A água morna ajudou a relaxar a tensão que estava espalhada pelo corpo. E essa tensão tinha um motivo e não era o cavalo. Ava tinha razão, Regina estava mexendo comigo de um jeito perigoso e eu estava com medo do que isso poderia se tornar. Ser abandonada no altar pela mulher que jurou te amar para sempre não é uma tarefa fácil de superar. Se é que isso seja possível, enfim, Roberta destruiu meus sonhos em menos de cinco minutos e deixou sequelas infinitas no meu coração.

- E qual é o problema de investir nela, minha irmã? Você não disse que ela é solteira? Killian e eu nos falávamos quase todos os dias por vídeo chamada.

- A questão é mais complexa, meu irmão. Eu nem sei se ela curte mulher, ainda mais alguém tão incomum.

- Emma, vai a merda!!! Você é linda, inteligente, independente, interessante, divertida… qual é?! Qualquer mulher adora isso. 

- Mas ela não é qualquer mulher, Killian. Ela deve viver sendo cortejada e eu não estou disposta a disputar nada com ninguém.

- Então me diga que ela não vale o esforço. Desafiou e eu não tive resposta. - Bingo!!! Você já está envolvida, irmãzinha.

- Eu nem sei como chegar nela.

- Começa pelo básico. Chama pra jantar fora.

- Muito trivial, não acha?

- Comigo sempre funciona.

- Claro, no final da noite você sempre foge e nem liga no outro dia.

- Eu sou uma alma livre, meu docinho. Ninguém me amarra nesse mundo.

- Queria ser assim também, traria menos sofrimento.

- Pode até ser, mas você não é, então, voltemos a falar da senhorita Mills. Me conta mais sobre ela.

- Eu sei muito pouco dela. Quase não nos falamos direito.

- Seja criativa e cave um tempo para vocês conversarem. De preferência outros assuntos que não sejam cavalos.

- Eu vou pensar em alguma coisa.

- Confio no seu taco, irmãzinha. Agora eu já vou porque tenho um compromisso daqui a meia hora. Manda um beijo para os nossos pais.

- Pode deixar. E vê se aparece mais vezes. Você sabe como nossa mãe fica.

- Deixa comigo. Beijos. Te amo. Encerramos a ligação e logo em seguida minha mãe chegou com um pratinho que ela tinha feito pra mim.

- Falando com seu irmão? Assenti. - Estou com muitas saudades do meu menino.

- Ele disse que vem assim que der. Ela ficou me olhando. - O que foi?

- Não sei ainda, mas tem algo diferente com você.

- Comigo? Não, mãe, estou na mesma. Seu olhar ficou desconfiado e eu fiquei sem jeito. - A senhora me conhece mesmo, não é?!

- Mas é claro, você saiu de dentro de mim. O que está acontecendo?

- Eu conheci uma pessoa e estou começando a acreditar que ela está mexendo comigo. Minha mãe bateu palmas.

- Graças aos céus!!! Já passava da hora. Eu estava quase colocando Santo Antônio de cabeça para baixo.

- Estava fazendo promessas para o santo casamenteiro?

- Claro. Desde que aquela mulher deixou você arrasada naquele altar eu te vi desistir do amor, minha filha, e isso é o pior castigo que a gente pode impor a si mesmo.

- Mãe, você é inacreditável mesmo.

- Me conta um pouco sobre ela.

- Ela é filha da família Mills. Pra quem estou fazendo a doma do cavalo.

- Eu sei quem eles são. O pai dela, Henry, eu acho, vive tentando fazer negócios com seu pai para compra dos cavalos deles.

- Sério? Por que o papai não fechou negócio?

- Ora, porque você é a gestora do haras. Qualquer assunto precisa passar por você primeiro e, às vezes, nem dá tempo de lhe deixar a par de tudo. Além disso, temos cavalos suficientes, não acha? Mas eu quero saber dela. Como ela é?

- Numa palavra; estonteante. Mas, infelizmente, é só o que sei até o momento. 

- Seus olhos estão dizendo que querem um pouco mais do que só admirar a beleza dessa moça.

- A mãe dela é linha dura e a coitada passa um dobrado. Expliquei para minha mãe a história da competição.

- Jesus, que mulher maluca. Como uma mãe pode colocar tanto peso sobre os ombros da única filha?

- Eu não sei como a Regina está aguentando isso por tanto tempo.

- Filha, que tal você chamá-la para conhecer nossas instalações? Pelo menos nesse aspecto vocês têm muito em comum.

- Será que ela aceitaria?

- O não a gente sempre tem, meu amor. Me deu um beijo na testa e se foi. Fiquei com aquilo na cabeça. Seria uma possibilidade de nos aproximarmos mais e, talvez, eu poderia tirar minhas conclusões. 

- Coragem, Emma, amanhã sua vida pode mudar para sempre ou continuar na mesma, mas, desta vez, vamos pagar pra ver.


Notas Finais


O que será que essa loira vai aprontar para ter um momento a sós com a Regininha?
Comentem.
Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...