1. Spirit Fanfics >
  2. A domadora do meu coração >
  3. Te conhecendo melhor

História A domadora do meu coração - Capítulo 7


Escrita por: gisely2000

Capítulo 7 - Te conhecendo melhor


Fanfic / Fanfiction A domadora do meu coração - Capítulo 7 - Te conhecendo melhor

POV REGINA

Na manhã seguinte fiz questão de acordar bem cedo só para ver Swan chegar e levar o Trovão para o redondel. Ela ficava graciosa enquanto manejava o animal sob os primeiros raios de sol. Meu instinto curioso fixou o olhar para uma região específica do seu corpo. Sim, aquela história de intersex ficou na minha mente. E não tinha como negar ou esconder o volume entre as suas coxas. Quando o dia já tinha amanhecido por completo, coloquei uma roupa mais jeitosa e saí direto sem nem passar pelos demais na cozinha.

- Bom dia, Emma!!! Ela estava de costas e se assustou com a minha chegada repentina.

- O-Oi, Regina, bom dia! Nem te vi chegar.

- Eu notei que está concentrada demais.

- Pois é, hoje o Trovão está bastante estressado e não está respondendo bem aos meus comandos.

- Mas ele estava tão bem ontem.

- Isso acontece às vezes quando ele é muito exigido, mas eu tive uma ideia que pode funcionar. Vou levá-lo para cavalgar um pouco.

- Vai montá-lo com ele deste jeito? É perigoso.

- Mantê-lo aqui vai ser pior.

- Então eu vou com você. Falei.

- Me perdoe, mas não irei deixar você correr o risco dele reagir mal.

- E você vai me impedir como? Posso saber?

- Estou falando sério, Regina.

- E eu estou rindo por acaso? Nós vamos juntas e isso é assunto encerrado. Até porque você não conhece a fazenda e pode se perder por aí.

- Bom dia, senhorita Swan. Minha mãe disse num tom de educação irreconhecível.

- Bom dia, senhora Mills.

- Pode me chamar de dona Cora, minha querida. Olhei pra ela sem entender. Aquela era mesmo a minha mãe? - Algum problema com o nosso animal?

- Ele está arredio hoje. Preciso levá-lo para espairecer. Pensei, agora ela volta ao normal.

- Faça o que julgar necessário. Regina, acompanhe a senhorita Swan num tour pelo rancho. E, Emma, mais tarde venha até a casa principal tomar um café. Ela saiu e eu fiquei atônica com tudo aquilo.

- Por que essa cara de espanto? Emma perguntou.

- Fizeram uma lobotomia nela ou ela está usando drogas. A loira riu. - Está rindo?!?! A minha mãe não trata as pessoas assim, especialmente, as recém chegadas. O cavalo relinchou e deu uns dois coices no ar.

- Vamos lá, amigão, vou te tirar daqui. Com um jeitinho todo calmo, ela conseguiu colocar a sela e preparar o cavalo. Subiu e estendeu a mão para me puxar e assim me acomodar atrás dela. Quando deu o comando, Trovão deu um pequeno solavanco e tive que abraçar firme a sua cintura e ficamos praticamente coladas. Logo veio seu perfume invadir meu nariz e era tão bom. - É só me dizer pra onde ir.

- Tem uma clareira há uns quinhentos metros daqui. É um lugar calmo e acho que fará bem pra ele. É só seguir em frente, na direção dos eucaliptos. Depois daquele primeiro momento, o cavalo andou sem pressa e parecia aproveitar o momento. Assim como eu, que sempre que aparecia a oportunidade, me agarrava mais a Emma. Cerca de vinte minutos depois chegamos ao lugar. Ela desceu primeiro e segurou na minha cintura para me ajudar a descer. E que descida foi aquela. Nossos corpos ficaram praticamente colados e eu pude sentir sua respiração acelerar discretamente.

- E-Eu vou prendê-lo na árvore e já volto. Disse num tom deliciosamente baixo. Da clareira dava pra ver o vale onde o rancho ficava. - É um lugar lindo. Disse ao sentar do meu lado.

- Faz meses que eu não venho aqui. Infelizmente porque nunca me sobrava tempo. Até você chegar.

- Até seu cavalo se machucar, você quer dizer. Brincou. - Eu sei que não é da minha conta, mas por que você deixa sua mãe te controlar assim?

- Eu não sei dizer. Acho que me acostumei com a rotina e ela se aproveitou disso. É por isso que ela não te tolera. Além de não obedecê-la igual todo mundo faz, você ainda trouxe uma rotina diferente pra mim. Nem nos meus melhores sonhos eu poderia imaginar que voltaria aqui a essa altura do campeonato.

- Mas você não sai? Vai a festas ou coisas assim?

- A última festa que fui você me salvou de um ex namorado lunático. Além de tudo ainda tenho que conviver com isso.

- Vocês terminaram há pouco tempo?

- Há alguns meses.

- É por isso que ele ainda quer se impor como tal.

- Daniel já foi tudo pra mim um dia, Emma. O homem dos meus sonhos, mas descobri que ele era o sonho de muitas outras mulheres também e ele costumava realizar os sonhos delas.

- O amor é um treco complicado.

- Sem querer ser intrometida também, mas Ava me contou sobre seu casamento que não aconteceu.

- Eu também sonhei alto com a Roberta, mas ela escolheu um caminho melhor do que aquele que eu tinha para oferecer.

- Não entendo como alguém deixa as coisas chegarem a este ponto. Por que ela não conversou com você antes?

- Eu me pergunto isso até hoje, mas vou morrer sem resposta. Toquei seu braço com carinho.

- Talvez você mereça coisa melhor do que esperar essa resposta. Ficamos num breve silêncio.

- Além de cavalos, do que mais você gosta, Regina? Que tipo de música escuta? Comida favorita? Cor preferida? Swan disparou uma sequência de perguntas.

- Por Deus, Emma, uma pergunta de cada vez. Gargalhei. - Nem lembro mais o que você perguntou primeiro. Ela riu também.

- Desculpa, eu fico nervosa às vezes.

- Está nervosa por quê?

- Já faz muito tempo que eu não converso com uma mulher por mais de dez minutos.

- Bem, então te prepara, pois, pra responder tudo isso, vou gastar quase uma hora. Ela sorriu de canto e aquele jeito meigo estava acabando com meu juízo. - Eu adoro música, especialmente aquelas que a gente pode dançar junto e, sim, eu adoro dançar.

- Eu também gosto muito.

- Não tenho uma cor favorita, mas gosto de preto, roxo, cinza… depende da ocasião.

- Sua comida favorita. Eu gargalhei.

- Essa é fácil. A que estiver no prato. Sou muito boa de garfo. 

- Eu pensava exatamente o contrário.

- Ora, por que?

- Para manter um corpo assim, achei que você vivia comendo salada.

- Engano seu, meu bem. Eu faço corrida para manter a forma, caso contrário, coitada da coluna no Atlas.

- E você, como faz para manter esses braços fortes assim?

- Feno e sacos de ração. Cerca de cinquenta quilos cada um e uns trinta para descarregar todos os dias.

- Cruzes! Fiquei até com dó de você agora. Rimos. - Mas me fala de você também. Que músicas gosta de ouvir?

- Promete que não vai rir? Beijei os dedos cruzados em juramento. - Eu sou muito fã da Beyoncé. Acho que já decorei todas as músicas dela.

- É sério? Você não tem cara de alguém que curte Beyoncé. Achei que escutava sertanejo raiz.

- Só por que me visto como cowgirl e uso chapéu de montaria? Não senhora, isso é só fachada mesmo.

- E qual é a sua música favorita?

- Essa, sim, é uma pergunta complexa, mas vamos lá. Run the World. Ela fechou um dos olhos e disse com vergonha.

- Isso é o que se pode chamar de vangloriar o empoderamento feminino. Essa música deveria ser um hino para as mulheres.

- As mulheres são uma obra prima e deveriam ser melhor cuidadas, mas infelizmente o mundo ainda é machista demais. Acredita que meu pai foi chamado de louco quando disse aos amigos que colocaria nosso patrimônio nas mãos da filha mais nova e não do filho mais velho.

- Você tem um irmão? Perguntei só por perguntar, pois já sabia a resposta.

- Ele mora no Canadá. É advogado e detesta tudo o que se refere ao campo. Foi estudar fora e só volta pra fazer visitas curtas porque tem alergia a picada de insetos. Parece um doido passando repelente o tempo todo. 

- Eu tenho uma prima que também fugiu dessa vida pacata, segundo ela. Seu nome é Zelena. Você vai conhecê-la no final do mês. Ela vem me visitar também. Meu celular começou a tocar e no visor o nome da minha mãe. - Acho que temos que voltar antes que ela mesma venha nos buscar. Emma se levantou e estendeu a mão para me ajudar a levantar. - A propósito, eu não tenho seu número de telefone. Falei sem pensar. 

- Não seja por isso, anota aí. Mais do que depressa fiz o desbloqueio da tela do telefone e registrei os números. Ela subiu no cavalo, mas se colocou um pouco mais para trás. - É sua vez de guiá-lo. Me ajudou a subir e sentar na sua frente. 

- Tem certeza disso?

- Confie nos seus instintos e ele vai confiar em você. Suas mãos ficaram sobre as minhas no início para segurar as rédeas, mas, logo depois, foram parar sutilmente na minha cintura. E assim retornamos em segurança até o estábulo. - Viu só? Disse quando desceu. - Ele sente o seu medo, então, só fique tranquila.

- Fiquei tranquila porque você estava bem atrás de mim. Suas mãos seguraram minha cintura para me ajudar a descer e novamente aquela proximidade aconteceu, mas foi desagradavelmente interrompida.

- Posso saber o que está acontecendo aqui? Daniel disse com raiva. - E por onde você andou o dia todo? Emma logo se afastou e levou consigo o cavalo.

- Onde você se perdeu no fato de que não lhe devo satisfações, Daniel? E abaixe seu tom de voz comigo porque você não está falando com qualquer uma. Ele se aproximou demais.

- Aquela estranha lá é a mesma mulher que me ameaçou naquele dia, não é? A famosa Emma Swan. Falou baixo. - Será que ela está armada agora? Quis partir para onde Emma estava, mas o impedi.

- Você trate de caçar o seu rumo e sumir da minha frente ou terei que contar ao meu pai sobre os seus últimos excessos com a filha dele. Mesmo bufando ele se foi.

- Você vai virar santa se continuar cultivando tanta paciência com as pessoas. Emma disse e eu virei na sua direção. 

- Até o dia em que eu explodir e soltar faíscas em todo mundo. Agora vamos entrar, minha mãe está te esperando e ela não costuma fazer isso com ninguém. Peguei sua mão e fomos assim até a entrada da casa.

- Regina… Senti ela me puxar de leve. - Eu adorei passar a tarde com você e te conhecer um pouco melhor. Dei um passo na sua direção como se meu corpo agisse por conta própria.

- E eu espero que possamos repetir isso muitas vezes. Ficamos nos olhando, uma segurando a mão da outra e ambas sem saber o que fazer na sequência até que a porta foi aberta e o clima foi quebrado.

- Até que enfim voltaram. O café está na mesa, pode entrar, senhorita Swan. Pra variar, minha mãe apareceu estragando o momento.


Notas Finais


Só pra lembrar gente, elas acabaram de se conhecer e saíram de relacionamentos complicados, então, acho conveniente usar alguns capítulos para tornar essa aproximação o mais natural possível. Espero não deixar vocês tão ansiosos quanto eu kkkk. E aí, será que Emma vai dar ouvidos ao seu irmão? Parece que sim né? Vamos ver como Regina vai reagir.
Comentem.
Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...