História A Escolha de Draco - Capítulo 47


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Draco Malfoy Romance Sexo
Visualizações 33
Palavras 1.071
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 47 - Time to fight


   Nesse momento um livro caíra de uma estante, a qual ele não havia derrubado ainda. Draco em passos leves chegou até o livro e o apanhou. Na capa, estava "Colar Emoctions Lembrets todos os poderes".

      Draco sentou-se na cadeira velha de madeira, colocando o livro sobre a mesa. Abriu e começou a ler, o que o fez ter mais conhecimento sobre tal colar. Na página 507-sim, ele leu  tudo isso- estava explicando passo a passo de suas mágias boas.

 

Mágia capaz de reverter feitiços

 

Ao ler isso, fixou seus olhos em tal página,  tentando não deixar nada passar despercebido.

 

O colar Emoction Lembrets, é o único colar o qual pode reverter os efeitos de todos os feitiços bruxos. Mas cuidado, não funciona se não tiver um pedido de amor verdadeiro...

 

Antes que ele terminasse, Draco ouvira um barulho na porta. O mesmo tacara o livro no chão, sacando sua varinha do bolso da calça. A maçaneta girou-se, abrindo a porta, revelando seu pai. Draco mais do que depressa,  chutou o livro o qual foi parar debaixo da mesa. Por sorte, despercebido por teu pai.

—Tem um garoto no salão, não conseguimos o reconhecer pois está com a face toda danificada —Pigarreeou Lucius.

—E o que eu tenho haver com isso? —Dissera Draco sem medo, ele não tinha mais medo. Lucius o olhou com um olhar mortal,portanto, não disse nada a respeito do tom de grossetia que seu filho o fez.

—Você vai nos confirmar se é Harry Potter —falara entre os dentes.

—Ok —falou simplismente, andando em direção a porta esbarrando no ombro do teu pai indo até o salão.

[...]

P.O.V Draco

No salão, estavam: Granger,Weasley e um garoto com o rosto todo danificado, como meu pai havia dito. Olhei para minha mãe, a qual fez um sinal com a cabeça para ir até o menino. Fui em passos lentos, mas cheguei até o menino. Ajoelhei-me de frente para ele, olhando-o. Óbvio que era o Potter, dava para perceber. Eis que ficou a dúvida: conto ou não conto?.

         Começei a pensar, quando meu pai me olhou com o olhar bravo, o que ele dizia "vai logo" com um só olhar. Eu não disse nada, apenas me levantei balançando a cabeça negativamente. Ai vocés me perguntam: 

"Por que você fez isso?"

Bom, eu odeio Harry Potter, mas resolvi arriscar. Por um momento, pensei que tudo poderia ser diferente, por um momento pensei que, se eu não o dedurasse, poderiamos vencer essa guerra. Nunca pensei que eu diria isso, mas eu preciso do Potter! Preciso da ajuda dele!. 

[...] 

Resumindo a história que todos sabemos, Hermione teve seu braço cortado por Bellatrix, a grande guerra de varinhas. 

[...]

Bellatrix, pôs uma faca no pescoço da Granger.

—Soltem as varinhas! —gritou —SOLTEM AS VARINHAS AGORA! —Weasley foi o primeiro a joga-lá no chão, Potter fez logo em seguida. —Draco, pegue as varinhas! —Rapidamente peguei as varinhas que estavam no chão. Estava tudo dando errado, e para piorar, meu pai trouxe Safira lá para onde estávamos. Ele  mantinha a varinha no pescoço dela, enquanto suas mãos estavam presas a um arame afiado. Conclusão? Quem soltou as varinhas fui eu. Eu apenas liguei o foda-se e corri até ela, mas meu pai apontou a varinha para mim.

—Ah, não tão fácil assim Draco —Sorrio maléfico. Por incrível que pareça, Potter pegou todas  as varinhas jogando feitiços em todos, quando ele iria tacar em Lúcius, o grande lustre caíra no chão. Adivinha quem fez essa ação? Exato, Dobby.  Safira correu para os braços do Potter.

—Dobby!—berrou Potter, e até Belatrix parou. —Você! Você fez o lustre cair...

   O pequeno elfo entrou na sala, o dedo trêmulo apontando para sua antiga senhora.

—Não deve ferir Harry Potter— guinchou.

—SEU ELFO IMUNDO! PODERIA TER ME MATADO –Gritara Bella.

—Dobby não queria matar ninguém, Dobby só queria machucar ou ferir gravemente — respondeu o elfo.

—Mate-o, Ciça!—guinchou Bellatrix, mas houve outro forte estalo, e a varinha de Narcisa também voou pelo ar e caiu do lado oposto da sala.

—Seu macaquinho imundo! — vociferou Bellatrix— Como ousa tirar a varinha de uma bruxa, como ousa desafiar os seus senhores?   

—Dobby não tem senhores!— guinchou o elfo.—Dobby é um elfo livre, e Dobby veio salvar Harry Potter e seus amigos!—O elfo estalou os dedos fazendo assim, cair a varinha de minha tia. Dobby e o resto-Safira,Potter,Weasley e Granger-seguraram as mãos, e aparantaram. Mas antes do portal se fechar, Bellatrix tacou sua pequena faca. Mas a Safira estava viva, eu sentia isso!. Meu pai pegara forte em minha nuca, guiando-me até o meu quarto.

[...]

Lúcius o jogou no chão, lançando nele um cruciatus. Enquanto o loiro se retorcia e gritava no chão, Lúcius começava a falar:

—Eu te dei uma chance Draco—dissera com ódio na voz—você não me deu outra escolha, além dessa —falou entre os dentes. 

—Deixe o meu filho em paz—disse Narcisa atráz do homem, com a varinha em sua cabeça. Lúcius deu uma risada irônica, se virando para sua esposa. Lúcius então, segurara firme  a varinha da mulher, apertando-a mais contra sua cabeça.

—O que você vai fazer, querida? Vai me matar?—disse rindo, agora apertando mais a varinha.—você não passa de uma mulher amorosa, que não faria mal a uma mosca —Aquelas palavras atingira a mulher. Seus olhos lacrimejaram. Ele falava a verdade, por mais que sua intennção fosse provocá-la, sabia que aquelas palavras eram verdades. Mas, ao olhar seu filho se contorcendo no chão, não teve outra escolha a não ser...chorar.

—Você é mais fraca do que eu pensei, —Lucíus apertou a boca de Narcisa com suas mãos. As lágrimas, escorriam sobre a mão do marido. 

—Lúcius, ele é nosso filho! —Gritou com dificuldade, já que tinha sua boca sendo apertada.

—Esse garoto fraco,medroso,apaixonado é meu filho? —apontou para Draco, que agora, estava desmaido no chão. —ele não é meu filho. —disse e por fim, saiu. Narcisa pegara seu filho o guiando até a cama, a qual o deitou e o cobriu. Narcisa pôs a mão na testa de Draco a qual estava transpirando. Ciça saiu dali, não iria aguentar mais ver aquilo.

[...]

Draco estava tão sozinho, ferido e assustado, perdido. Mas vocês sabiam que, com o tempo, o medo e a dor se transformam em ódio e coragem? Pois foi exatamente isso que cresceu dentro dele, o queimando por dentro, e agora, pretende fazer tudo diferente.(...)

 

Continuo? 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...