História A Escolha de Draco - Capítulo 48


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Draco Malfoy Romance Sexo
Visualizações 41
Palavras 958
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OI? EU VOLTEI? SERÁ IMAGINAÇÃO?
NÃO, VOLTEI MESMO MEUS CAROS LEITORES DEPOIS DE UM ANO
FINALMENTE VOLTEI COM 53 FAVORITOS!!! OBRIGADAAAAA
AMO MUITO
VAMOS AO CAPÍTULO

Capítulo 48 - Reencontro


Fanfic / Fanfiction A Escolha de Draco - Capítulo 48 - Reencontro

No outro dia:


P.O.V Draco


Sai de minha cama indo até a janela, vendo toda aquela guerra lá fora. Só de imaginar que minha amada está lá fora, me da um grande aperto no peito. Eu não poderia deixa-lá morrer, eu não poderia...deixa-lá eu a amo. Rápidamente peguei minha varinha, eu precisava ir a Hogwarts tive um pressentimento que era lá que ela estaria.

       Desci as escadas correndo, mas sendo parado por minha mãe.

—Onde você pensa que vai Draco? —perguntou mamãe me olhando assustada.

—Eu vou lá fora —falei tentando passar por ela, mas ela nã me permitiu passar.

—Você vai morrer lá fora Draco! pensa um pouco!! lord das trevas já está muito irritado com você, ele mesmo te matará se quiser! —falou ela com seus olhos já marejando.

—Não mãe, Safira está lá fora e não posso deixa-lá morrer assim —supliquei.

—Draco, ela não se lembra mais de você por favor, use obliviate e a esqueça também —aquelas palavras passaram meu peito como se fossem lâminas afiadas me multilando por dentro.

—Não mãe —sorri triste e continuei —por mais que ela não se lembre de mim, sei que ela me ama —falei com os olhos cheios de esperança. —obliviate pode apagar tudo, menos o amor que sentimos um ao outro —pausei e logo ela continuou.

—filho, o amor que você sente não a trará devolta...ela se esqueceu meu filho —eu sorri mais ainda e falei:

—Não mãe, ela é minha sempre foi minha, mesmo que ela não se lembre —minha esperança estava tão grande que eu podia jurar que a guerra já havia acabado. Mamãe suspirou tristemente, vindo até mim dando-me um beijo no rosto e segurando o mesmo.

—Entåo vá atrás dela Draco —sorri dando um beijo em sua cabeça, logo correndo para fora até hogwarts. 

      Demorei um pouco mas quando cheguei peguei Crabbe e Blaíse por suas blusas, levando-os ao lado oposto já que estavam correndo com os outros.

—Onde está Harry? —perguntei, mas eles se entreolhavam assustados, sem me dar a resposta. —RESPONDE CACETE! —Falei um pouco mais alto, mas nada adiantou. Saquei minha varinha e quando fui lançar um feitiço neles, a di-lua chega totalmente tranquila.

—Safira Potter está na sala precisa Draco —disse dando um sorrisinho, o que me fez soltar a varinha.

—Ela está bem? —perguntei desesperadamente.

—Está com Harry Potter —falou em um tom sonhador. —está bem —falou dando aquele sorriso. Di-lua ela era louca, nessa guerra toda e ela tranquila, mas não importa.

—obrigada Lovegood! —falei sorrindo para ela, logo virando-me para os idiotas atrás de mim. —O que estão esperando? vamos até a sala precisa! —Os puxei pela gola de suas blusas os levando até a sala precisa.


P.O.V Safira

finalmente pegamos o Diadema de Ravenclaw, agora apenas precisavámos destruí-lo. Porém, fomos interrompidos por aquele loiro que mandou Harry soltar o Diadema.

—Solta isso Potter, e ninguém se machuca —falou apontando sua varinha para Harry. Quando meus olhos cruzou-se com os seus, eu acabei meio que reconhecendo aqueles olhoa vindo outro flashe em minha cabeça. 

—Nunca, Malfoy! —Um incêndio começou a surgir naquela sala, e o loiro se assustou vendo o fogo se aumentar. Eu nem percebi, apenas o olhava tentando.lembrar-me dele. Harry puxa-me pelo braço me tirando dali, pois o incêndio me atingiria se não fosse por ele. 

       Mione começou a jogar alguns móveis para que Malfoy e seus amigos não conseguissem chegar perto de nós. Sim, lembrei seu nome! Draco Malfoy. Sentia que quando Draco corria até nós, ele corria...para mim ou talvez fosse apenas impressão.

—Olhe —falou Rony apontando para quatro vassouras que lá estavam. —vamos! rápido! —subimos naquelas vassouras e voamos, eu até sairia dali, mas vi Draco em cima de alguns móveis fugindo do fogo que queria o alcançar, vi que o mesmo perdera os seus amigos no imcêncio. Ao vê-lo com aquele rosto de assustado, me veio flashe blacks em.minha mente, e nisso meu medalhão brilhara tão forte que eu ficaria cega se meus olhos não estivessem fechados.

        Lembrei-me dele, lembrei-me do primeiro beijo, de Narcisa, no banheiro, ele... comensal ds morte...lembrei-me de tudo.

—Draco... —sussurrei para mim mesma com lágrimas nos olhos. Aquele sussurro, Harry tinha ouvido!.

—Rony e Hermione levem Safira para fora —disse virando sua vassoura para uma direção oposta.

—Você não vem? —perguntou Rony surpreso.

—Malfoy não merece esse final —sorri ao ouvi-lo dizer isso.

—SE MORRERMOS POR CAUSA DELE A CULPA É SUA —gritou Ronald. Seguimos para fora dali, caindo no chão duro. Eu estava em lágrimas, ele estava demorando. 

       Finalmente Harry cai de cara no chão junto com Draco que caiu do outro lado. Enquanto o trio se abraçava, eu fui apenas para quem me importava.

—DRACO —Falei o olhando com lágrimas nos olhos. Draco me olhou assustado.

—Safir... —Não o deixei terminar. O agarrei beijando seus lábios frios, que ele correspondeu meio que segurando fortemente o meu rosto. Draco não queria me soltar, e nem eu o soltaria.


P.O.V Draco


Eu a beijava com necessidade. Eu a beijava tão rápido, que ela não conseguia me acompanhar muito, mas logo entrou no rítimo. Como senti falta disso. O ar faltou, mas mesmo assim respirávamos para o beijo não cessar, me mundo parou e por um momento, eu tive esperanças de que tudo ficaria bem. Parei o beijo segurando seu rosto perto do meu, e mais uma lágrima escorrera em meu rosto, mas esta era diferente...esta era de felicidade. 

—Achei que tinha te perdido —falei fechando os olhos, torcendo para que quando eu abrisse ela ainda estivesse lá, que não fosse apenas um sonho. Ao sentir deu toque leve em meu rosto abri meus olhos, olhando-a no fundo dos seus olhos. Safira sorriu e me disse:

—Mas não perdeu amor —só então me lembrei que eu disse isso para ela quando fui atacado pelos dementadores. Sorri e a beijei novamente agora um pouco mais lento, e mais carinhoso. Finalmente eu a tinha devolta para mim...(...)


continua




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...