1. Spirit Fanfics >
  2. A Fã Inglesa >
  3. O Começo

História A Fã Inglesa - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


💚 Boa noite Baby Cakes ❤️

Meus docinhoooos, VOLTEIIII...
Gente, voltei com algo bem diferente, como todos sabem, eu shippo Bexana Friends, mas resolvi fazer uma fic curta e experimental com elas como Lovers, como me foi sugerido por algumas leitoras, eu espero de verdade que apaixone e encante à todos. O capítulo de hoje é curto, só para vim com aquele gostinho de quero mais mesmo...kkkk...espero do fundo do meu coração que gostem! Me deixem mensagens e comentários, quero muito saber a opinião de vcs.


❤️ Boa leitura, espero que gostem... 💚

Capítulo 1 - O Começo


Fanfic / Fanfiction A Fã Inglesa - Capítulo 1 - O Começo

Cambridge – Inglaterra.

Pov Rebecca On.

Acordei meio sonolenta ainda, mas o despertador me obrigava a levantar, maldito trabalho, eu só tinha 19 anos, a pouco tempo completado, e comecei a escola um ano atrasada do que todos aqui, eu ainda esperava para entrar na faculdade  e enquanto o resultado não saia eu trabalhava em uma lanchonete na minha incrível cidade, ou não tão incrível, Cambridge, na Inglaterra. Desliguei aquele maldito som e levantei, tomei o banho, escovei meus dentes e enquanto fitava minha cara amassada no espelho embaçado do banheiro escuto batidas na porta.

— Bex, olha a hora querida! – Grita a minha mãe quase me assustando, mas ela não conseguia, afinal, era rotina.

— JÁ DESÇO MÃE! – Grito para ela me escutar, afinal, ela já estava descendo as escadas, pela zoada que ouvir.

Finalmente termino de escovar os dentes e logo coloco meu cabelo num rabo de cavalo prendendo firme meus cachos rebeldes. Passo rímel e um batom cor de Ruby woo, da Mac. Vou até meu minicloset, que era só um miniburaco no meu quarto no qual eu pendurava minhas roupas. Pego uma das minhas cinco e únicas calças jeans, elas já sabiam o caminho de tanto que eu usava. Coloquei uma camisa verde musco de manga curta e peguei meu casaco preto, tão grande que chegava no começo das minhas coxas e por fim coloquei meus óculos de grau.

— Bom dia mamãe, bom dia papai. – Digo ao sentar na mesa.

 

Papai lia seu jornal como de costume e mamãe lutava com seu mamão, enquanto eu coloco meu suco.

 

— Rebecca, por que demorou tanto? – Pergunta meu pai sem nem mesmo me fitar.

— Ué, e-eu estava só me arrumando, fiquei com preguiça hoje! Você já vai sair? – Eu sempre pegava carona com meu pai todos os dias.

— Eu te espero comer minha ruivinha! – Ele alisa meu braço.

— Ei, nem adianta enrolar, come tudo Rebecca. – Ordena minha mãe.

— Mãe, fala sério! – Estava cansada da minha mãe supervisionando todas as minhas comidas.

— Come Rebecca! – Ordena sem me dá escolha.

— Ok! Estou comendo, olha...hum, que delícia! – Brinco com a comida.

— Rebecca!

— Desculpa pai, sem brincadeiras com a comida, já sei! – Paro e como uma pessoa normal. — Já acabei, vou pegar minha mochila, esqueci!

 

Subo e pego meu celular e minha mochila e desço correndo.

 

— Vamos papai! – Chamo e vejo ele mexendo nas chaves do carro que estava na mesinha das chaves.

— Estou indo querida.

— Amor, não esquece de comprar o que eu te pedi! – Ela direciona seu olhar ao meu pai e depois me olha. —  Estou muito animada com a chegada da sua irmã!

— É eu também... – Digo quase animada.

Eu amava a Rachel, mas a mamãe amava mais ela, e isso me deixa com muito ciúmes, fiquei muito feliz dela estar na faculdade e não precisava dividir nem o papai e nem a mamãe com ela. Ela sempre foi muito mais mimada por eles e sempre era melhor do que eu em tudo, mesmo tendo quase as mesmas medalhas, cargos na escola ou até mesmo notas na escola, mas nunca o meu era o bastante e desde que a Rachel avisou a mamãe que viria para o dia do trabalhador, há uma semana, ela só fala nisso, e nem mesmo meu pai aguenta mais. Para minha “sorte” o feriado caia numa sexta e a Rachel passaria o fim de semana todo em casa.

— Não se preocupa, eu estou lembrado, não vou esquecer.

— Não acredito que vamos pegá-la hoje à noite! – Minha mãe se referia a ida até o aeroporto para pegar a minha irmãzinha querida.

— Que saco... – Reclamo batendo a porta. — PAI, VOU ME ATRASAR... – Grito irritada.

 

Meu pai finamente saiu e eu já estava dentro do carro e ele logo entrou.

 

— Está fugindo da sua mãe, não é?

— Pai, a uma semana vocês só falam na Rachel, mas que saco hein, agora vamos estou mesmo atrasada.

— Está bem ruivinha! Vamos logo! – Meu pai logo dá partida e alguns minutos eu já estou no trabalho.

...

Entrei na lanchonete e logo recebo um grande abraço da minha melhor e única amiga, Emilie di Ravin, aquela loirinha fazia mesmo meu dia mais feliz, éramos amigas desde o jardim de infância. O sorriso dela tornava aquela prévia do inferno ficar bem melhor e seus olhos azuis e doces eram mesmo um porto seguro para mim.

— Tá atrasada dez minutos, corre vai botar seu uniforme que eu te cubro. – Disse ela largando o abraço.

— Obrigada! – Corro até o vestiário.

 

Assim que volto para o salão principal vejo Emi na porta me esperando.

 

— O que foi?

— As babacas estão na sua mesa. – Disse ela. — Quer trocar comigo?

— Já começar o dia com uma troca? Não valeu, eu me viro com isso! – Toco o ombro dela e sigo até a mesa.

Ali estava a Alisson Montez e sua gangue de meninas, eram no total de quatro e adoravam me perturbar desde do 1° ano quando ela se mudou para cá. E não posso deixar de agradecer a minha genética por ser o motivo de tanta zoação.

— Não consigo acreditar que sempre que venho aqui ficamos nas suas mesas ferrugem. – Me provoca Alisson.

...

Vancouver – Canadá.

Pov Lana On.

 

—  QUE MERDA! ATRASADA E AGORA ISSO! – Grito comigo mesma, ao perceber que assim que desci do carro sujei minha bota na lama.

— Problemas aí nanica? – Sean Maguire se aproxima como sempre muito gentil.

— Odeio a minha vaga! – Reclamo fitando-o.

— Você estaciona aí a cinco anos e ainda não se acostumou? – Sean gargalhar.

— Sim, e você chegou um dia desses e tem uma vaga melhor que a minha.

— Reclamona, não sou eu quem distribuo as vagas! – Ele sorri e eu entro na onda.

— Tá agora precisamos ir, pelo visto, você também está atrasado, não é?

— Estou e muito... – Sorrimos e entramos no estúdio.

 

Caminhamos e vemos o Josh Dallas e o Colin O’Donoghue se aproximarem e eu nem dou espaço para que eles falem.

 

— Nem comecem, eu estou de tpm, atrasada e odiando essa maldita tempestade, por que chove tanto nesse país? – Os homens se espantam e sorriem. — Do que estão rindo?

— Naninca, relaxa, ninguém tá conseguindo gravar. – Disse Josh.

— Por que? – Questiona Sean.

— Os aquecedores quebraram e todos estão nos seus trailers enquanto consertam. – Afirma Colin.

— Nossa, que maravilha! - Respiro aliviada e todos riem.

— Estamos no trailer da JMo, o que acham? – Sugere Josh.

— Claro, eu estou dentro! – Disse Sean. —  Nanica?

— De-Desculpe, mas eu mal dormir essa noite, e são cinco e meia da manhã, eu preciso mesmo dormir mais um pouco e terminar de gravar minha fala, preciso ir para o meu trailer. – Quase sou sincera, não estava muito afim de reuniões e sem questionar eles seguem.

Fazia cerca de três meses que eu havia me divorciado e eu estava muito mal ainda, não aguentava mais as pessoas olhando minha cara de choro e me perguntando se eu estava bem e eu como uma idiota tinha que acenar e dizer que sim, isso me machucava ainda mais, cansei de tudo isso, por isso, estava mesmo preferindo apenas eu, um chocolate quente e meu trailer silencioso. Acabei pegando no sono e escuto batidas no meu trailer que me acordam. Abro a porta e sou surpreendida com a Sarah uma de nossas maquiadoras.

— Oi minha melhor atriz, minha Evil Queen favorita! Vamos fazer a make? Arrumaram os aquecedores e a sua cena com o Sean é daqui a duas horas.

— Você vai ter o maior trabalho com essa cara de sono que estou... – Reclamo.

— Você sabe que eu sempre te deixo linda, agora vem... – Ela me arrasta sem me dá direito a mais nada.

...

Cambridge – Inglaterra.

Pov Rebecca On.

 

— Bem-vinda ao Cambridge Lanches, no que posso ser útil? – Digo com a minha cara de poucos amigos e tento ignorar o quanto a Alisson é uma idiota.

— Oh desbotada, eu quero uma salada verde. – Disse a Polly Pocket, quem aquela idiota é para me chamar de desbotada, ela tem o nome de uma boneca, idiota!

 

Tinha que guardar tudo aquilo para mim, afinal, eu precisava da grana e não poderia ser demitida por tentativa de homicídio de umas vacas.

 

— DESBOTADA! – Grita a Alisson e me traz de volta dos meus pensamentos. — Você além de ruiva, é surda também? Dizem que vocês são meio cegos neh? – Disse fitando meus óculos e sorrindo alto.

— Desculpa senhorita, pode repetir o pedido? – Ignoro a última frase e escutamos o riso da Emi que estava no caixa e isso irrita a Alisson.

—  Presta atenção colorau, não vou repetir de novo. Quero salada de vegetais. – Eu não sei como ela se mantinha de pé comendo tanta folha. — E um suco verde. — É ela vai desmaiar.

— Anotado. E as demais? – Anoto todos os pedidos e saio do local para minha sorte.

 

Coloco o pedido na janela e sinto o hálito da Emi atrás de mim.

 

— Não acredito que enfrentou a Alisson Montez.

— Eu não enfrentei ninguém Emi, ela é só uma idiota.

— Que te batia na escola e isso foi a uns meses atrás.

— E-eu sei, mas não estou nem aí! Ela não pode me machucar aqui!

— É não mesmo, eu defendo você.

— Você sempre apanhava comigo Emi. – Rimos como loucas. —  Agora me deixa ir tenho os Jones para atender e ali é gorjeta garantida. – Pisco para ela.

 

Atendo a outra mesa e quando chego quase no balcão eu escuto o sino, a comida das babacas está pronta. Coloco os pratos sobre a mesa e o último é o da Alisson e ela derruba de proposito o canudo do seu suco e quando me baixo para pegar sinto algo gelado escorrer pelo meu cabelo e só consigo livrar meus óculos de toda a sujeira.

 

— Olhem uma cenoura em perigo! – Ela gargalha bem alto e as outras babacas ajudam.

— Ai meu deus, espera, eu limpo! – Disse Emi, passando um guardanapo no meu cabelo.

— Bex, o que aconteceu? – Pergunta o Jack nosso supervisor.

— Me desculpe senhor Cameron, a culpa é toda minha, pobre Bex! – A vaca da Alisson finge arrependimento.

— Tudo bem, Bex, vem comigo, Emi, termina essa mesa, por favor! – Pede Jack me levando dali.

...

Vancouver – Canadá.

Pov Lana On.

 

— CORTA! MARAVILHOSO, FAVOR VÃO SE TROCAR PARA A CENA DO FLASHBACK NA FLORESTA ENCANTADA! – Nos orienta o diretor.

 

Eu caminho quando meu celular apita, era uma mensagem.

 

Mensagem on.

“Vai mesmo nos pegar no aeroporto? Chegamos as 20:00 hrs.”  - Deena.

“Claro, não se preocupa, estarei aí boba, Mas agora preciso trabalhar.”  - Lana.

“Tá bom, se cuida, até a noite...te amo.”  - Deena.

“Eu também te amo.” – Lana.

Mensagem Off.

 

Despois de responder a minha irmã sigo com os outros para mudar a maquiagem e a roupa. Me sento na cadeira ao lado da Ginnifer Goodwin e logo me arrependo.

 

— Está me devendo uma saída, vamos sair para beber hoje, vamos, por favor! – Propõe ela.

— Ginny, isso não é uma desculpa, eu vou passar esse fim de semana de folga para ficar com a minha mãe e minha irmã. Vou buscar elas no aeroporto assim que eu largar, podemos remarcar?

— Mais uma vez, ok, mas tá mesmo me devendo hein...

— É eu sei que estou, prometo que vou pagar, eu juro.

— Tá, porque já me deixou na mão três vezes e tem que sair dessa fossa, eu aposto que ele já está com outra.

— Fala sério Ginny! – Me irrito e para minha sorte minha maquiagem estava pronta e levanto. — Tchau Ginnifer.

— DESCULPA, MAS É VERDADE. – Grita ela e eu bato a porta.

...

Cambridge – Inglaterra.

Pov Rebecca On.

 

Eu chorava muito enquanto Jack me ajudava a limpar meu cabelo.

 

—  Sinto muito querida, não sei por que ela te odeia tanto?!

— Po-porque sou ruiva, é ridículo, eu sei, mas é a verdade. – Digo chorando.

— Não diga isso. – Ele ergue minha cabeça e eu o fito. —  Acho que é a sua beleza, ela lhe inveja por isso.

— Jack, pela milésima vez, eu não vou sair com você, obrigada, mas eu preciso atender as mesas, acho que elas já foram. – Levanto, coloco meus óculos e sigo para o salão de volta.

 

As vacas tinham mesmo ido embora e o dia correu, com algumas gorjetas boas, risadas com Emi, me fez superar um pouco, mas ainda não estava totalmente recuperada e ainda estava fedendo a suco verde. E finalmente escuto meus pais buzinando.

 

— Espera vieram os dois? – Pergunto ao entra na parte de trás do carro.

— O voo da sua irmã se antecipou e vamos pegar ela agora. Mas que fedor é esse Bex? – Pergunta minha mãe.

— Suco verde!

— Alisson Montez de novo? – Pergunta minha mãe.

— É, ela me ama muito. – Digo cheia de ironia.

— Temos que falar com os pais dela. – Disse meu pai.

— Ne-nem pensar, não sou criança, eu resolvo!

— Como resolveu das últimas cinco vezes esse mês?

— Mãe, vamos esquecer isso por agora tá. Preciso de um banho, não vou assim...

— Sinto muito filha estamos mesmo atrasados! – Disse meu pai e eu fico bufando.

 

Pego meu fone de ouvido e começo a ouvir algo na esperança de me acalmar um pouco, que dia e eu ainda aguentaria minha mãe babando a Rachel. Eu conseguir dormir um pouco no caminho, mas sem demoras chegamos.

 

— Filha, vamos? – Meu pai me acorda, afinal, minha mãe já havia descido do carro.

— E-eu vou ficar no carro, posso? – Peço manhosa.

— Tá, mas trava o carro e fica quietinha aí a trás e qualquer coisa liga para o papai, ok? – Meu pai era fofo, e ainda me tratava como criança.

— Pai, você é meu número de emergência e acesso rápido lembra? Relaxa, eu vou ficar bem... – Ele beija minha testa e segue seu caminho.

Eu passei um tempo no twitter e depois vendo o instagram quando vi a hora percebo que meus pais ainda não tinha chegado e havia se passado quase duas horas. Decido ligar para meu pai quando escuto batidas no vidro. Eram eles e eu levei um susto enorme. Meu pai coloca uma mala da minha irmã no porta malas enquanto todos entram e minha irmã me cumprimenta me abraçando e quase quebrando meus óculos.

— Oi fofinha! Ixi, você está fedendo um pouco hein... – Reclama ela.

— Eu emagreci, não percebeu? E derrubaram suco verde em mim, por isso que estou fedendo.

— Ah é emagreceu... Ah meu deus, ainda te fazem de idiota?

— Rachel, pega leve com a sua irmã! – Pede o papai.

Sem mais fomos para casa, eu finalmente tomei um banho e o jantar especial da Rachel foi um saco como imaginei e eu não conseguir si quer dizer uma palavra, tudo era a Rachel e ninguém queria saber se eu estava mesmo bem. Assim que acabou o jantar inventei uma grande dor de cabeça e fui dormir.

...

Na manhã seguinte eu conseguir uma folga, então eram 8:00 hrs da manhã, e nada de despertador, mas algo melhor me acordou. Ouvir mais de 40 toques do whatsapp, eram mensagens da Emi, e eu mal pude acreditar no que eu lia.


Notas Finais


❤️ E aí meus docinhos o que acharam??? ❤️

💚 Não esqueçam: Favoritem, comentem e curta. 💚

OBS: GENTE, EU TO POSTANDO TAMBÉM NO WATTPAD, QUEM TIVER E QUISER ACOMPANHAR POR LÁ(SE ACAR MELHOR), É SÓ CLICAR NO LINK ABAIXO E ME SEGUIR POR LÁ TAMBÉM.

Wattpad >> https://www.wattpad.com/user/MayParrilla


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...