História A Fada Madrinha ( Imagine Roseanne Park - BLACKPINK) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Blackpink
Personagens Personagens Originais, Rosé
Tags Blackpink, Colegial, Sweety
Visualizações 51
Palavras 1.323
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E aí? Tudo bem com vocês leitoras? Eu finalmente retornei, dessa vez com uma fanfic antiga, mas que não tinha nada haver com essa versão. Na antiga, a _______ era a fada madrinha de verdade. Ksksksksks

SwEeT_Y tava doidona quando decidiu fazer a fanfic antiga, rsrsrsrsrs eu mandei fazer a capa antes mesmo de escrever o primeiro capítulo. Eu sei, bem maluca e sem noção. Mas agora eu tenho noção do que realmente é escrever e criar uma fanfic.

Bom, não vou mais atrapalhar, vocês podem ler o capítulo!

Capítulo 1 - Suspensão


Fanfic / Fanfiction A Fada Madrinha ( Imagine Roseanne Park - BLACKPINK) - Capítulo 1 - Suspensão

 

Em meio a várias apostilas, livros e folhas de papel, _______ dormia profundamente. A mesma estava sonhando com sua namorada, Roseanne Park, a qual estava muito ocupada com a faculdade de juizado para ver a Kim. No maravilhoso sonho, as duas estavam em uma ilha paradisíaca, seminuas. Isso mesmo SEMINUAS! Rosé estava por cima de _______, que se encontrava deitada na areia. Em questão de segundos, os lábios da Park capturaram os da loira, as duas começam um beijo intenso, mas quando Rosé parecia tirar a única peça de roupa que _______ vestira, a mesma acordou assustada.

 

– Kim _______, ACORADA AGORA! – O grito foi tão alto, que parecia ter feito parte de seu sonho.

 

– Ai que susto! O que foi mãe? – A Kim estava em um péssimo estado, seus cabelos estavam completamente embaraçados, e seu rosto estava babado.

– Você está atrasada, já são sete e trinta e cinco, a aula começa exatamente às oito da manhã! Não te acordei logo porque pensei que você já havia acordado.

 

_______ estava enrascada, o porteiro da escola era mais mandão e rígido do que o próprio diretor da escola. E se ela chegasse um minuto a cima do horário permitido ele não a deixaria entrar.

 

Essa notícia foi como um balde de água fria. _______ arregalou os olhos e levantou da cadeira as pressas. Por causa da correria, ela acabou por tropeçar nos próprios pés, resultado: ela caiu de cara no piso gelado.

 

– Vamos Kim _______! Faça isso pela Rosé, ela iria odiar se você reprovasse no último ano. – Proferiu em voz alta para si mesma.

 

Não deu tempo nem de lavar o cabelo, ______ saiu do banheiro com o uniforme todo amassado e a gravata colocada errada. Ela penteou o cabelo ligeiro e pegou a mochila em cima da escrivaninha. A Kim jogou todos os livros na mochila e pegou uma maçã na cozinha.

 

– Até mais mãe, te vejo quando voltar da escola. – Despediu-se, e saiu em alta velocidade até o ponto de ônibus. Após uns três minutos de corrida, quando _______ fez a curva, ela avistou o ônibus indo embora.

 

– Não!! VOLTA AQUI MOTORISTA, PARE ESSE ÔNIBUS! É UMA ORDEM DIRETA DA FILHA DO CHEFE DO DEPARTEMENTO DE POLÍCIA DE SEUL, O SENHOR KIM DONG-RYUL. – Ordenou.

 

Aquela gritaria toda não serviu de nada, pois _______ estava muito longe para o motorista escutar.

 

– E agora o que eu faço? Não tem outro jeito a não ser correr. – ______ respirou fundo, e começou a correr novamente.

 

Depois de correr sem parar durante treze minutos, ela finalmente chegou na escola. A loira parou na fachada do lugar, e apoiou as mãos nos joelhos. Quando colocou os pés perto do portão, o senhor Kwon apareceu que nem um fantasma.

 

– Senhorita Kim _______, você está cinco minutos atrasada, infelizmente não posso deixar você entrar. Sinto muito. – Disse o mais velho com indiferença.

 

– Você só deve estar tirando onda com a minha cara! Eu não vim, correndo da minha casa para ser barrada aqui na escola. – Reclamou com o tom de voz elevada.

 

– Mais respeito senhorita Kim, você vem se atrasando mais de trinta e cinco vezes durante esses dois meses de tempo integral aqui no colégio. E está claro que este é o sexto dia do segundo mês, ou seja, você se atrasou todos os dias, e eu por gentileza, venho permitindo a sua entrada. – Desabafou o porteiro em voz alta e com o rosto extremamente vermelho.

 

Era desejo de ______ rebater, mas não tinha uma boa resposta, pois o que o porteiro havia dito era verdade, mesmo não querendo admitir.

 

– Olha, eu sugiro que me deixe passar, eu posso muito bem contatar o diretor, e este é muito amigo do papai. Tenho certeza que ele estará disposto a ouvir todos dos os motivos dos meus atrasos. – A Kim estava torcendo para que o senhor Kwon cedesse.

 

– Olha, eu vou deixar, mas que fique claro que esta é a última fez que faço isso. Porém, não será tão fácil assim, você vai entregar essa advertência para seus pais. E nem pense em rasgar o papel e jogar no lixeiro do corredor número dois. – Ele assinou a advertência, e entregou para _______, que estava pouco se lixando.

 

– Todo esse teatrinho para nada, tudo isso foi uma grande perda de tempo.– Sussurrou para se mesma.

 

Sem estar a fim de perder mais tempo, ela colocou o papel dentro do bolso da mochila, e foi até a sua sala, torcendo para que o professor Park Dong-sun, não lhe desse mais uma advertência. A mesma deu algumas batidas na porta, e o mais velho lhe atendeu.

 

– Está muito atrasada Kim, qual a sua desculpa esfarrapada? – Perguntou.

 

– Senhor, eu fiquei até tarde da noite estudando e fazendo tarefas escolares. Por causa disso acabei por acordar tarde... quando fui até o ponto de ônibus, ele já tinha partido e eu tive que meter “sebo nas canelas” para poder chegar aqui.

 

A maioria das coisas que _______ havia dito era verdade, ela só não podia dizer que há alguns dias atrás ela estava tendo sonhos eróticos com a sua querida namoradinha.

 

– Eu vou deixar você entrar dessa vez, mas fique sabendo não isto não sairá impune. – Dong-sun tirou algo do bolso e mostrou para _______. Era mais uma advertência.

 

– Como preparou uma advertência se nem sabia que eu viria? – A Kim estava perplexa, será que seu pior professor era vidente? Se ele é mesmo vidente, ela com certeza iria se consultar com o mesmo para saber se Roseanne estaria colocando chifres nela.

 

– Eu te conheço muito bem Kim _______, e se não quiser mais uma advertência, é melhor sentar logo.

 

A loira não queria ouvir o nome advertência pelo resto de sua tediosa vida. Por isso foi até uma carteira o mais rápido que pode. Ela arrumou todos os seus materiais, e claro, não deixou de pedir uma caneta a um colega que estava do seu lado. Mal sabia ele que sua caneta nunca mais voltaria para seu estojo. _______ já estava acostumada com a sua vida de azar, mas este dia estava se superando. Além de toda essa confusão, ela teria três aulas do senhor Bong-sun.

 

Duas aulas haviam passado lentamente, o tédio reinava na classe, a maioria dos alunos colocaram o livro em sua mesa e deitaram para tirar um cochilo. Para não morrer de sono, _______ pegou um chiclete de menta que tinha na sua mochila, e começou a mascar. Quando o sabor do chiclete havia acabado, ela colou o chiclete mascado em baixo da mesa. Era nojento? Era sim, mas ela não seria a primeira e nem a última a fazer isso.

 

– Ah... que soninho. – Murmurou ao mesmo tempo que colava o chiclete em baixo da mesa. O senhor Dong-sun que até então explicava algo relacionado a achar o valor de X, elevou o tom da sua voz para falar algo.

 

– Vocês jovens de hoje em dia deveriam vir para minha aula estudar matemática, E NÃO PARA COLAR CHICLETE MASCADO EM BAIXO DA MESA, SENHORITA KIM _______.

 

Surpresos todos os alunos fitaram _______ que mostrava estar assustada. Alguns riam discretamente enquanto outros davam a entender que eram parentes de hienas.

 

– Que merda! Aquele velho rabugento mesmo de costas me enxergou colando o chiclete? – Proferiu baixo, mas ainda sim audível para o professor Dong-sun.

 

– JÁ BASTA! ______ SE RETIRE DA MINHA SALA DE AULA IMEDIATAMENTE. FIQUE CIENTE QUE VOCÊ SERÁ SUSPENSA POR UMA SEMANA, PELOS MOTIVOS DE DESRESPEITO AO PROFESSOR, E EXCESSO DE ADVERTÊNCIAS. VOCÊ SÓ VAI ENTRAR NA MINHA AULA COM A PRESENÇA DOS SEUS PAIS. – Vociferou o mais alto que conseguia.

 

Os estudantes ficaram muito assustados, alguns até se encolheram. Ninguém nunca tinha visto o Park tão bravo daquela maneira, _______ tinha extrapolado os limites.

 

 “Sus... pensa?” era a palavra que era proferida de instantes em instantes na mente de _______. Ela estava completamente fodida. Porém, o que ela não sabia, era que sua fada madrinha, iria agir no momento certo.


Notas Finais


Estou aqui novamente. Como já falei nas notas iniciais, eu tinha uma fanfic antiga também chamada de "A Fada Madrinha", mas eu a excluí há um tempo atrás. Como eu não queria deixar na "geladeira" essa capa maravilhosa feita pela @Park_Dih7 eu tive a ideia de fazer esse imagine apenas com dois capítulos.

Espero mesmo que tenham gostado, e também não esqueçam de favoritar e comentar!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...