História A família Zoldyck - Capítulo 24


Escrita por: e Megadeath_

Postado
Categorias Hunter x Hunter
Personagens Alluka Zoldyck, Gon Freecss, Illumi Zoldyck, Kalluto Zoldyck, Killua Zoldyck, Kurapika, Leorio Paradinight, Personagens Originais
Tags Alluka, Gon, Hunter X Hunter, Killua, Nanika
Visualizações 30
Palavras 2.606
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Beleza pessoal, demorou mas o capítulo tá aí! Tentaremos não demorar da próxima 😂 ocorreram alguns imprevistos e tivemos de dar um tempo do Spirit.

Mas agr está td bem, como vai chegar as minhas provas (e eu não estudo pq se eu abrir o caderno eu durmo) e eu vou sair cedo... (Talvez né o novo diretor tá metendo o louco) TEREI MIS TEMPO PRA ESCREVER OS CAPÍTULOS!!!

YEEAAHHHHH!!!!! 🎊🌈 UHUUUUUU
Tá bom Laryssa chega 😂

Era só isso mesmo, bom capítulo. Espero que gostem ♥️

Capítulo 24 - Um novo tormento.


Fanfic / Fanfiction A família Zoldyck - Capítulo 24 - Um novo tormento.

Dois dias depois

P.O.V Narradora on

Killua: Nanika! - O garoto gritou a procura de sua irmã pela vigésima vez no Jardim da mansão.

Incrível que a garota tenha se escondido tão bem que até mesmo Killua não tenha conseguido acha-la. A noite estava nublada e os primeiros sinais de chuva começará a aparecer. O Albino estava começando a desanimar, se não fosse o barulho no lago do jardim teria dado meia volta e entrado em seu quarto para jogar video game. O garoto fora aproximando-se em passos incrivelmente silênciosos e determinado, ao ver uns fios de cabelo branco aparecer atrás da estátua do lago o garoto pulou como um gato preste a atacar sua presa. A garota fora jogada no chão, tendo seu irmão segurando seus pulsos ao lado do rosto em cima de sí.

Nanika: Parece que me achou antes do dia amanhecer. - A Zoldyck estava desanimada.

Havia se escondido a metade da noite de seu irmão. Indo a lugares estratégicos e estranhos, simplesmente para não ter que dar chocolates para o Albino. Sabia que ele iria exagerar, ele sempre exagera quando se trata disso. O mais velho se levantou e esticou sua mão para ajudar sua irmã a levantar, mas a garota tropeçou em um bordado de seu vestido azul escuro cheio de brilho e babado. Killua dizia que achava o estilo da irmã muito infantil, mas a verdade, a verdade ele adorava.

Killua: Você devia usar outro tipo de roupa, e deveria emagrecer você tá muito gorda - Disse se fingindo ofegante tentando tirar a irmã de cima de sí.

Nanika: Se você parar de me empurrar eu te agradeço! - A albina levantou e começou a tirar a sujeira de seu vestido, olhou para o garoto que ainda no chão esticava sua mão, pedindo ajuda pra levantar.

Nanika deu de ombros e andou até a mansão escutando os xingamentos de seu irmão e rindo deles. A garota parou em frente a porta da mansão e esperou seu irmão para entrarem juntos. Foram em passos silênciosos até a porta de seus respectivos quartos, aonde deram um simples abraço e um "boa noite". O dia havia sido cansativo e teriam de fazer duas missões amanhã, teriam que descansar se quisessem fazê-lo com perfeição.

Quebra de tempo

P.O.V Killua on

Chegamos ao começo de uma floresta ao lado direito dela havia uma mansão pequena em cima de um lago. Mamãe havia me mandado para a primeira missão da Nami pois eu sou o mais próximo a ela e também para eu ajuda-la, o que acho que não será necessário.

Nami: Tem certeza que é aqui? - Perguntou pegando o papel com o endereço da minha mão.

Eu: Tenho certeza, mas sério, eu pensei que um cara que frauda cartões e furta carros fosse ao menos morar em uma casa americana com uma garagem moderna no subsolo. Só para despistar. - Digo com a mão no queixo e Nanika me puxa a frente da casa - Vamos entrar pela frente?

Nami: Tá com medo Kill? O que você acha que alguém que frauda e furta pode fazer? - Ela disse rindo e quando encostou na porta foi jogada longe.

Eu: Eu não sei, que tal uma barreira em volta da casa? - Digo irônico. - Como vamos passar por isso?

Nami: Não vamos, temos que atraí-lo para cá...

Eu: Se ele já não tiver percebido sua maneira de entrar até podemos. - Digo olhando para a janela. Escuto um barulho vindo do lado esquerdo e vejo Nanika quebrar o vidro de um carro entrar e gesticular as mãos me chamando. - O que você tá fazendo sua louca?!

Nami: Vem logo mano! - Gritou para mim e logo vemos uma movimentação dentro da casa, eu sorri e corri para dentro do carro. Logo consigo ver um homem que aparenta ter uns 46 anos, loiro de olhos pretos. Ele saí da casa com um Pitibull de pelagem Merle... Ferrou, a raça desse Pitibull é proibida por serem mais propensos a problemas neurológicos do que os outros Pitibulls. O cachorro corre até o carro mas para ao vê-lo em movimento. Nanika começou a andar com o carro desgovernado até que o mesmo bate no vidro da mansão. Somos jogados a uma árvore, e eu já estou pedindo demissão desse emprego, mal começou a primeira missão da albina e ela quase me mata.

??: O que vocês querem? - O Homem perguntou dando carinho no cão. - Como me encontraram? - Ele não parecia preocupado nem com medo, ele estava, com certeza segurando a risada.

Eu: Eu vou cortar sua garganta! - Afirmo mostrando as minhas garras, ele me olha curioso e logo retira uma arma da cintura e aponta para mim e Nanika.

Nami: Vai lá monstrão! Mostra que você é o cara, arranca a garganta dele vai. - Ela mais caçoava de mim do que ajudava.

??: Não tenho intenção de lutar contra amadores. - Eu e Nami olhamos para ele e seguramos o riso - Gosto de uma boa luta, e está claro que crianças como vocês não podem me dar.

Nami: Ah claro! Desculpa excelência - Riu e caminhou até o loiro, pulando para o galho de uma árvore quando sentiu o quão perto o cão estava, mas não sem antes dar lhe um chute na barriga, que fez com que o mesmo fosse jogado para dentro da casa. - Que nota eu mereço?

Eu: Você tá muito zueira hoje Nami, o que aconteceu? - Pergunto correndo até a mansão, aproveitando que a barreira parecia estar desfeita e que o Pitibull estava ocupado tentando alcançar a Albina.

Entro na casa, e vou a procura do homem. Ao andar pela sala vejo alguns quadros de desenhos animados em preto e branco, sigo os mesmos e acabo dando de cara com uma lareira moderna e nela havia outro quadro, era o cara em sua versão anime, em baixo do desenho havia uma assinatura "Manija". E em sua frente a lareira havia poltronas pretas e uma mesa de centro de vidro, "Chique" pensei. Sinto alguém se aproximar e logo sou puxado para atrás de uma coluna da casa.

Nami: Shh sou eu! - Sussurrou olhando para atrás da coluna

Eu: Como você entrou? E cadê o Pitibull? - Ela sorri e mostra suas mãos cheias de sangue. - Você...

Nami: Relaxa, um cara apareceu e eu joguei ele em cima do cão. O sangue é do homem - Ela limpa as mãos na minha roupa.

Eu: Hey! Limpa na sua! - Sem perceber acabo gritando e logo a coluna e destruída.

Corro até o centro do corredor aonde o loiro se encontrava, uso minha Good Speed e meu ioiô para prende-lo contra uma estrutura da mansão, o mesmo a quebrou e veio em minha direção mas fora jogado para trás por uma grande quantidade de gelo, e foi prensado contra a parede por três estacas de gelo, duas em cada lado acima de seu braço e uma embaixo de sua perna direita, o que dificultou a sair. Olho para a esquerda, na parede havia um papel dentro de um vidro, agora eu entendi. Nanika e eu estávamos lutando contra Manija, um ex Hunter que agora usava suas habilidades para fraudar cartões e furtar carros, o que particularmente eu acho um desperdício de nen. Ele estava com mais dificuldade do que deveria ao tentar sair das estacas.

Nanika: Essas estacas não só possuem gelo como possuem uma quantidade favorável de magia. - A albina parou ao meu lado e passou a mão em seus cabelos e sorriu. - Não tem como sair daí, a não ser que eu queira.

Quebra de tempo

Voltamos para a mansão parando no hall da mansão por Illumi.

Illumi: Como foi o sua primeira missão Nanika? - Perguntou descruzando os braços, fingido.

Nanika: Me diga você, estava nos observando, como eu fui? - Perguntou tombando a cabeça um pouco para o lado com um olhar curioso. Ela também percebeu a presença dele.

Illumi: Mamãe está os esperando no jardim. - Disse mudando de assunto e virando-se para entrar na sala.

Estávamos de frente para minha mãe, a mesma olhava para Nami com um olhar severo, vai começar.

Kikyo: Olá Killua! Nanika. – Ela fala secamente o nome da Nami, e toma seu chá.

Eu: Oi mãe, o que você quer? – Falo do mesmo jeito com ela.

Kikyo: Não seja assim Killua! Eu sou sua mãe. – Dramatica como sempre. – Eu chamei vocês para falarmos sobre sua missão, Nanika.

Nami: Sim? – Ela pergunta se sentando em uma cadeira eu faço o mesmo.

Kikyo: Eu vi o jeito que você agia Nanika.

Nami: Como você- Minha mãe a interrompe.

Kikyo: Eu tenho olhos por toda parte. – Fala batendo com o dedo no seu visor. – E por favor não me interrompa, como eu disse antes, estava observando e notei que você foi muito imprudente e não levou a sério a missão. Isso é imperdoável para a família Zoldyck! - Essa não, a Nami devia mesmo ter levado mais a sério, ela estava muito brincalhona, mas eu também fui idiota por não ter falado algo para ela! Ela está cabisbaixa. – Me acompanhe Nanika, para receber sua punição.

Eu: Mãe não seja tão dura com ela! Foi sua primeira mis- Eu fui interrompido por Nami.

Nami: Tudo bem Killua, eu errei, mereço ser punida, sei o que me espera. Então, licença. – Ela fala fazendo reverencia e sai caminha com a minha mãe, que droga! Ela vai ser torturada! E parece que não está nem aí! Eu só vou poder ver ela amanhã talvez, não á nada que eu possa fazer.

P.O.V Narradora on

Kikyo andava na frente de Nanika, a albina se lembrava do jeito brincalhão que agiu na missão e se sentia uma idiota por ter agido daquela maneira. “Eu me esqueci completamente de como agir em uma missão ou o que? Acorda Nanika! Pelo menos nas missões você tem que agir do mesmo jeito que agia no orfanato, claro que que aqui não seria um mar de rosas. Todos sabem disso.” Pensou cabisbaixa, quando olho para cima já estava no terceiro andar da mansão em frente a uma das portas de metal.

Kikyo: Entre querida. – A mais velha abre a porta e dá passagem para a albina passar. – Você ficara aqui, MITSUKI! – Kikyo grita fazendo Nanika dar um sobressalto, logo aparece o filho de dentro do cômodo escuro com um chicote sorrindo.

Mitsuki: Oi mama, olá Nanika finalmente você vai ser punida? Que ótimo! – O mesmo abriu um sorriso enorme para a albina que fez cara de nojo e mostrou a língua. – Cuidado garota! Que eu posso cortar essa sua língua e te deixar muda!

Kikyo: Cala boca Mitsuki! Se eu ver alguma marca no rosto dela você vai se ver comigo garoto!! Agora, Nanika vai se vestir. – A garota assentiu e antes de sair deu um sorriso vitorioso para Mitsuki o que deixa o mesmo com uma veia na testa.

Nanika vestiu a roupa que Kikyo a deu, era uma blusa e um short branco, a mesma não estava preocupada em ser torturada, ate por que esperava por isso. Ela saiu do quarto e foi para o outro, Kikyo não estava mais lá, apenas Mitsuki. Ela suspira e vai ate as algemas, o moreno colocou as algemas e apertou um botão para que Nanika fique pendurada.

Nanika: Eu te mato se fizer algo além de me torturar! – Ela fala com ódio e Mitsuki ri dela.

Mitsuki: Ate parece que eu iria fazer isso, se bem que você ate que é bonitinha... – Fala chegando perto do rosto da albina, ela aproveita e bate sua testa na dele, o que faz ele quase cair. – Você vai se arrepender, desgraçada!

Só o que se ouvia no cômodo era as chicoteadas nas costas da albina, eram tão fortes que a fazia balançar, suas costas já estavam cheias de sangue, assim com suas pernas, Nanika não fazia nem um som ou expressão, o que irritava ainda mais Mitsuki. O garoto percebeu que as feridas já estavam bem abertas então resolveu parar com o chicote para despejar em seus machucados uma substancia acida, finalmente Nanika fez uma expressão, de agonia e dor o que deixou Mitsuki feliz com o resultado, mas ficaria mais satisfeito se a garota grita-se de agonia. Mas ela não daria esse gostinho para o mesmo.

O castigo continuava, Nanika já estava toda acabada, tinha partes queimadas, cortadas e suas roupas estavam rasgadas, mas nada fez ela gritar. O que deixou o “porco” mais irritado. “Já estou aqui há horas e essa menina não faz nada além de fazer caretas e gemer de dor!”, pensou Mitsuki. Então ele teve mais uma ideia.

Mitsuki: Vamos ver se você vai conseguir não gritar depois disso! – Ele fala sem folego já que estava cansado de não ter resultados.

Nanika: Vai pro inferno, porco imundo! - Ela fala e cospe no chão. Ele iria bater em seu rosto mas lembrou do que sua mãe havia dito quando Nanika foi se vestir.

“Eu não quero ver um arranhão no seu rosto e nas suas partes intimas Mitsuki! Se isso acontecer eu mesma irei punir você! E se lembre Eu. Vejo. Tudo.”

Ele pegou um capacete que tampava os olhos e colocou em Nanika, a albina estranhou, aquilo não se parecia com nada que já tinha visto, incluindo eletrochoque.

Nanika: O que é isso porco? – Ela pergunta curiosa então dentro do capacete começa a brilhar.

Mitsuki: Se eu contar vai perder a graça, não é? – Então ele apertou o botão de ligar. “Vou correr riscos, mais pelo menos vou finalmente a ver em desespero total!”, pensava Mitsuki enquanto via a mágica acontecer.

O capacete começou a brilhar mas forte, por fora faíscas pequenas saiam dele, fazendo a albina ter uma espece de tic nervoso, ela não aguentava mais segurar e gritou com todas as suas forças a dor era surreal, sentia como se cada parte do seu corpo fosse perfurada, baleada, rasgada, queimada. Sua cabeça recebia um eletrochoque, mas o resto era totalmente novo. Lembranças, traumas, seus mais profundos medos passarão com um filme macabro em sua cabeça. Tudo o que sentia era dor, o que passava na sua cabeça também. Uma lagrima escorreu no seu delicado rosto, entanto seu nariz sangrava. E finalmente não aguentou mais e desmaiou.

Mitsuki: Vou ser castigado, vou mais que valeu a pena não posso descordar. – Fala batendo a mão na outra com um sorriso enorme no rosto. Ele liga para um mordomo tirar a garota do cômodo e para cuidar de seus ferimentos, que ele tem o orgulho de falar que não são poucos.

Enquanto isso Killua está treinando com Alluka enquanto Kikyo observa tudo com sua mesma expressão, séria. Killua contou a família sobre a habilidades de Alluka, desde então a pequena treina arduamente para aprimorar suas habilidades. Killua tentava se manter distraído para não se lembrar da albina, mas era quase impossível.

Kikiyo: MITSUKI EU TE PROIBE DE USAR ESSA MAQUINA! POR QUE VOCÊ NÃO ME OBEDECE! – Kikyo gritava enquanto falava através do seu visor com Mitsuki, a mesma já sabia de todo ocorrido e estava um fera com seu filho. Killua e Alluka olhavam para ela sem saber o que estava acontecendo então o albino juntou as peças. Mitsuki havia usado uma maquina que ele tinha inventado para tortura mais Kikyo não gostou nada e o proibiu de usar em qualquer pessoa da família. “Ele usou essa maquina nela! Ele já uso em mim e eu posso afirmar que ela é extremamente perigosa”

Killua: Mãe, onde ele está? – Ele perguntou para sua mãe com puro ódio, o que a deixou surpresa. – Onde ele esta?! – Ele pergunta de novo sem paciência.

Kikyo: No corredor 5. Kill, o que você vai fazer? – Pergunta esperançosa.

Killua: Só vou dar um lição nele, mãe só isso... – Suas palavras saíram de forma fria e saiu andando do local deixando Kikyo orgulhosa e Alluka preocupada.

MAMDEM PERGUNTAS!!! PARA O ESPECIAL


Notas Finais


Gostaram do capítulo?
Espero que sim.

Demoramos um pouco para escrever o capítulo por estarmos sem tempo e problemas familiares. Mas, vamos compensar vocês com um especial!
Ss, um especial! Ao chegarmos a 💯 favoritos... Estão ansiosos? Eu também!
Alguma sugestão para o especial, deixe nos comentários. Caralho tô parecendo aqueles Youtubers tá ligado?

Bom é isso.
Kiss de Nutella ♥️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...