História A fantasia de YoonGi - Capítulo 1


Escrita por: e GreySun

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags J-suga, Seokyoon, Sobi, Sope, Sugahope, Yonseok
Visualizações 228
Palavras 5.650
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Sazi unnie falando> Meus amores> Fic repostada com carinho por mim e pela minha diva GreySun. Espero que gostem e que possam se divertir muito conosco.
Capa retirada do Google

Tia Grey aqui, cara eu fico muito feliz em estar respostando esse trabalho maravilhoso que fizemos juntas. Real eu fico muito feliz toda vez que vejo esse plot a forma que foi desenvolvido. A unnie é simplesmente incrível e tudo que ela faz é maravilhoso, espero que gostem e dêem amor a fanfic!

Capítulo 1 - Vestindo uma fantasia para realizar uma fantasia


Fanfic / Fanfiction A fantasia de YoonGi - Capítulo 1 - Vestindo uma fantasia para realizar uma fantasia

Min Yoongi poderia se chamar daqueles de garoto nerd, isso pelo seus irmãos que não entendiam o porquê dele ser assim. Mas não pense que ele era chamado daquela forma por ser um ser que não tivesse muitos amigos ou que tirasse as melhores notas do mundo, que fosse o que ficasse sempre em casa e que não gostasse de farras e cujo pau nunca tivera um buraquinho amigo para se alocar, longe do Min. Se você pensasse que ele era chamado assim por conta desses atributos estava redondamente enganado. Min Yoongi era o contrário do que se podia tarjar. O que era cômico para uns e outros desistiram de entender.

Mas, entretanto, contudo e todavia, havia uma pequena barra grande característica que o definia como um garoto nerd e que ao mesmo tempo lhe fazia passar pelo maior dos paradigmas do mundo. Além de gostar muito de animes e de ter um grande arsenal de action figures, mangás, DVDs de HQ, Tokusatsus e todos os animes que se possa conhecer e comprar, Min YoonGi era tímido, por mais que fosse rodeado de pessoas. E isso o deixava irritado, porque em horas que ele precisava ser o Min que todos amavam, a única coisa que ele conseguia fazer era se encolher e gaguejar.

E esse era um dos fatos que o impedia de se relacionar da forma que queria como seu crush, barra paixonite, Jung HoSeok. Um rapaz um pouco mais novo do que ele, que tinha os mesmos gostos tanto musicais, quanto culturais e que ainda, de quebra, era um dos organizadores de um fórum de Cosplay, no qual ele participava. Sim, Min YoonGi fazia cosplay e ele estava planejando a grande fantasia de sua vida. Ainda mais quando se tratava de um dos animes que mais gostava, Shingeki no Kyojin, e havia um pormenor que o deixava ainda mais nervoso e um assíduo visitante ao troninho de sua casa, ele faria par com o organizador, vulgo Jung HoSeok. Ou seja, sua timidez o atrapalhava a seguir a diante e a se relacionar bem com a sua amada ilusão.

Mas para a sua salvação, ele tinha um famigerado amigo, vulgo Kim NamJoon, que era o melhor amigo do Jung e consequentemente conseguira um encontro entre os dois antes do projeto, isso para que os mesmos pudessem mostrar suas fantasias e prová-las antes do concurso, para que pudessem ajustar os demais detalhes. Esse seria o momento perfeito para que o Min pudesse se declarar. Isso porque ele vez ou outra, apenas a distância, via celular ou chat na página do concurso, conversava com o Jung. E foi assim que ele se apaixonou pelo mais novo e fora assim também que ele viu que estava ferrado por conta da sua timidez vinda de Nárnia, porque não podia, não podia ser o ser mais sociável nas baladinhas e entre as rodas de amizade e quando estava conversando com o mais novo, que estava a quilômetros de distância, não conseguir formar frases completas.

E era por isso que estava de frente ao espelho, se olhando um pouco envergonhado por ter que fazer algo tão idiota quanto. Culpava sua timidez e a toda beleza que Jung Hoseok exalava, não conseguia ficar perto do mais novo sem estar corado ou começar a falar coisas sem nexo algum e até mesmo gaguejar.

— E-eu sou Min Y-Yo-Yoongi, — gaguejou, enquanto tentava se apresentar para si mesmo. — Aigoo, eu odeio isso.

Não poderia mentir, estava tentando, se esforçando ao máximo e pondo em prática as dicas que seu irmão mais velho havia dado. Tentou falar com outras pessoas, conversar sozinho e agora a última tentativa fingir que o Jung estava na sua frente e tentar se apresentar. Porém suas tentativas eram totalmente falhas, se não gaguejasse tinha uma crise de bipolaridade e começava a rir e depois chorava de desespero e raiva, por ter que conversar com alguém que estava apaixonado e que iria ver em alguns dias.Suas mãos suavam e já ficava com os nervos à flor da pele só de lembrar que teria que manter um diálogo longo e pior ainda: ter que conversar pessoalmente sem gaguejar, corar ou tentar correr de volta para casa.

Não era um trabalho nada fácil quando se era tímido o suficiente para ter vergonha de reclamar com os próprios professores.


[...]

 

Estava um tanto quanto ansioso naquele momento. Já estava com uma tremedeira no corpo e sentia que poderia desabar a qualquer momento, uma dor de barriga daquelas estava lhe causando um desconforto. Mas ele sabia que não precisava do número dois e sim de uma coisinha chamada confiança, coisa que não tinha no momento. O que era uma ironia sem tamanho; ele era tão confiante e coeso quando estava entre os seus “amigos”, porque não conseguia ser quando estava perto dele? E sim, seu nervosismo se devia a ideia de aparecer na frente do cara de quem era apaixonado, mas naquele momento isso se intensificou e nem era porque veria o Jung ou algo do gênero, mas sim porque ia buscar sua fantasia. E tudo estava ligado para si. Se o Jung gostasse do que visse, poderia muito bem – em sua mente – se apaixonar de volta e assim eles poderiam fazer o lindo par que, todos os dias, na mente de YoonGi, se casavam e tinham pequenos fãs de Shingeki no Kyojin.

Depois de muito pensar e de ver os preços das fantasias, ele decidiu que se vestiria como Rivaille, ou Levi Ackerman, do famigerado anime que tanto amava. Estava mais tenso ainda quando pensava que aquela fantasia fazia com que espírito da tropa de exploração florescer a ponto de ele sentir como se fosse pegar aquele equipamento e sair por aí dando piruetas pelos ares e derrotar os titãs que apareceriam em seu caminho, em prol da humanidade, sempre. Seu coração era da tropa, assim como era de HoSeok. E só de pensar que o mais novo se vestiria de Eren Jaeger, o “rival” de Levi, mas que em sua mente não passa de um amor reprimido, já que ele lia muitas fanfictions com eles se amando, seu coração parecia querer saltar do peito.

Será que HoSeok via os dois como um par assim como ele via? Esse pensamento lhe deixava vermelhinho como um tomate e ele não via a hora de se esconder em baixo das cobertas, mas não faria isso. Tinha de honrar o DMT que usaria e seguir adiante, como o grande explorador que era e acabar, assim, desbravando o coração de Jung HoSeok e fazendo com que ele o amasse da mesma forma. Min YoonGi não era pervertido, longe disso, sua gala não era sequinha, mas quando ele via as fotos do mais novo, seu pau sumia de forma intensa e ele tinha de bater uma, HoSeok era um perigo para sua mente juvenil.

Estava preparado para buscar sua fantasia quando ouviu o toque do aparelho novinho que ganhara de sua mãe, era o Jung. Suas pernas tremeram e ele estava quase a ponto de ter uma taquicardia. Seu crush era a coisa mais linda do mundo e ficava mais lindo ainda quando seu nome, ao lado da foto sorridente, brilhava no aparelho. Ele pensou que fosse desabar ali no chão quando um coraçãozinho estava ao lado da mensagem mandada pelo mesmo. HoSeok não sabia o quanto lhe abalava.

Seokie <3: Oie, hyung <3. Não se esqueça de buscar sua fantasia, sim? Eu vou pegar a minha hoje também, mas infelizmente é do outro lado da cidade, já que se não fosse, poderíamos nos ver.

 

Min Yoongi deu graças a todos os titãs do mundo por isso estar acontecendo. Não que eles tinham um encontro, mas teriam. O primeiro encontro deles seria no evento, encontro esse que TaeHyung – seu grande amigo – demorara décadas para conseguir. Isso porque o mais velho era lento feito alguns titãs e não conseguia pedir ele mesmo. Ainda bem que o Kim os “shippava” e os queria juntinhos. As coisas funcionavam assim. E YoonGi agradecia muito pelos amigos que tinha, já que se dependesse dele, nunca teria chances com o mais novo e choraria litros vendo Plastic Memories depois de dois potes de sorvete e um potinho de pepero.

Eu: Nossa, Seokie-ah que pena, queria muito poder te ver, mas vamos pensar que o evento está logo ali e vamos ter o nosso primeiro encontro.

A palavra encontro fazia com que as perninhas finas do Min se tremessem todas. Ainda bem que ele havia se sentado, se não cairia lindo e pleno, e isso não estava em seus planos.

Seokie <3: Mas isso não é um problema mesmo hyung. Amanhã nos vemos e eu estou ansioso para te ver, finalmente. Ainda mais porque vamos ter o nosso primeiro encontro juntos e com o cosplay perfeito. *---*
Seokie <3: Vou indo aqui, tenho que correr para a loja antes que feche e, ah, cuidado com o tempo. Parece que vai chover, hyung. Beijinhos e estou ansioso para te encontrar.

 

Aqui jaz um YoonGi morto.

Morto e caído de amores por Hoseok, não sabia descrever tamanha admiração e paixão que tinha pelo mesmo e ao lembrar que o veria pessoalmente, suas pernas já começavam a tremer e suas mãos suavam. Mil e um questionamentos passavam por sua cabeça. E se o moreno não gostasse de si? E se acabasse estragando tudo? E se não conseguisse reagir perto dele?

Eram tantas dúvidas e suposições que sua cabeça começava a doer só de pensar

Desbloqueou o celular e abriu na galeria uma pastinha secreta que tinha, deixava ela bem escondida para que ninguém achasse. Nunca se sabe se alguém poderia hackear o mesmo e expor suas fotos e as fotos do crush na internet.

Por isso era tão cauteloso e colocava bloqueio desde a tela do celular até no despertador. Abriu a galeria e foi até a última pastinha e sorriu ao admirar todas as fotos que tinha de Hoseok, umas que o mesmo mandava e a maioria que salvava quando postava no Instagram. Sorriu abobado e viu também suas montagens que fazia, algumas delas eram feitas por Taehyung que era um tremendo fujoshi/fudanshi e deixava bem claro o quão adorava as interações de Yoongi e Hoseok, tanto que vez ou outra escrevia sobre eles, modificando os nomes para algum couple de algum boy group.

Depois de observar mais algumas fotos e mudar o papel de parede para que Hoseok não ache o Min um tremendo estranho por ter uma foto do mesmo ali, se levantou e pegou suas chaves e a chave que tirava a corrente de sua bicicleta.

Estava confiante que tudo daria certo, afinal, o dia estava até ensolarado.


[...]

 

Se para Yoongi o dia estava ótimo antes de sair de casa, naquele momento estava horrível. A chuva estava esmurrando seu corpo e a corrente da bicicleta havia caído enquanto andava o fazendo cair na rua e bem o resultado era uma perna sangrando e toda cortada, braços vermelhos e arranhados e uma cara nada boa. Queria gritar com o universo e mandar o destino ir se ferrar, porque naquele momento poderia imaginar seu subconsciente rindo enquanto lixava as unhas e dizia que ele estava certo quando disse que o Min deveria ter levado uma sombrinha quando saiu de casa. A sua raiva era tanta que seu azar sentia inveja de como ela agia no corpo e mente do Min, que caminhava molhado e com uma careta enorme, arrastando a bicicleta com a corrente pendurada.

Queria xingar, jogar a bicicleta no chão e voltar para casa, mas tinha que ir buscar as fantasias porque o vendedor já estava aguardando a um tempo e por ter esquecido seu celular — agradecia por ter esquecido, pois se tivesse levado ele estaria lachado e pifado por conta da água —, não poderia ligar e avisar que chegaria um pouco tarde.

Suspirou e quando achou um lugar seco para ficar até que a chuva parasse, por grande ironia do destino, a chuva tinha parado. Yoongi quis de verdade matar qualquer um que aparecesse na sua frente. Riu de desgosto enquanto tentava não degolar seu subconsciente.

— Isso é realmente sério? — perguntou enquanto encarava o céu, azulado e com nuvens branquinhas e limpas como se não tivesse pingado uma mísera gota.

Definitivamente não era seu dia de sorte.

Yoongi bufou e até tentou não se irritar com seu belo dia, mas lá estava ele... Parecendo um pinto molhado com uma cara de poucos amigos e aquela vontadezinha de chorar. Sua maquiagem leve havia derretido e seus fios cuidadosamente penteados estavam despontados para todos os lados possíveis, isso porque ele se irritou com aquela situação e bagunçou os fios pretos como a noite. Ele estava um caco de pessoa e tudo o que queria naquele momento era se deitar em uma superfície estável e chorar como se não houvesse amanhã ou se tocar pensando no Jung. Isso porque o Min tinha uma mania estranha, ele gostava de bater uma quando estava irritado.

Aquilo poderia ser algo visto como pervertido por uns, mas para o Min era apenas uma forma de desopilar e naquele instante ele estava precisando e muito disso. Até pensou em ir a um bequinho e colocar o seu amiguinho grosso para ver o mundo e brincar de cinco contra um. Mas ao invés disso ele sabia que tinha de buscar sua fantasia, queria ficar lindo e poder arrancar um sorriso animado e orgulhoso do Jung, assim como queria passar em uma floricultura e comprar um belo buquê para se declarar. Estava em dúvida que se rosquinhas seriam melhor. Sua mãe dizia que a melhor forma de laçar um homem ou é pelo pau ou pelo estômago. E como ele não queria dar a rosca ainda, rosquinhas comestíveis serviam.

Por isso, tratou de deixar sua bicicleta na vaga para tal veículo e se encaminhou até a loja onde sua tão famigerada fantasia o esperava. Queria surpreender o mais novo de todos os jeitos e nada melhor do que sendo o personagem mais bem trajado daquele evento. Já estava se imaginando em baixo de uma escada aos beijos com o mais novo enquanto deixava que ele lhe dedasse ou se deixasse ser dedado, assim só de leve, já preparando para o gostoso do namoro. Só de pensar, nisso seu pau parecia querer dançar a Macarena de tão contente que estava. Claro que Min YoonGi não era apenas sexo, ele gostava de verdade do mais novo, mas não podia evitar pensar na parte gostosa que vinha com as palavras relacionamento sério. Estava pronto para saltitar feito uma gazela feliz só de imaginar os seus sábados e domingos regados a Netflix, muita porcaria e sexo gostoso. Deu até uns coiso.

— Bom dia. — o Min cumprimentou o dono do local, que lhe sorriu simplista. – Vim pegar a minha fantasia. — o sorriso gengival do Min era radiante e o dono do local não se conteve em manear a cabeça em tom positivo e achar aquilo adorável.

— Qual seu nome por favor? — o senhorzinho dizia um tanto alto, isso por conta dos seus problemas auditivos, sempre acreditava que não estavam lhe escutando.

— Min YoonGi. — respondeu o moreninho animado enquanto olhava para os lados e tentava se secar um pouco ao se mexer feito louco.

— Min YoonJi? — retrucou o senhorzinho.

— YoonGi. Gi. — o mais novo estava tão animado que sua paciência ainda estava firme e forte naquele momento. Nada estragaria o seu dia.

— Ah, Min YoonJi. Sim, sim. — o Min deixou de lado, aliás quem mais seria Min e Yoon ali? Um J a mais não seria problema, pensou.

E assim o senhor foi até o estoque aonde estavam as fantasias prontas e deu uma conferida no nome. E lá estava a dita cuja sacola com a fantasia bem pronta. Haviam duas ali, uma de Min YoonGi, um garoto e Min YoonJi, uma colegial. Aquele singelo detalhe havia passado despercebido pelo dono do local, que não se ligou ao trocar as fantasias. Aliás, elas – coincidentemente – eram parecidas, a diferença era que uma continha calça e a outra uma calcinha e cinta liga. Isso mesmo, era um traje erótico com a temática de Shingeki no Kyojin e era – até – para uma festinha de despedida de solteiro, onde a mocinha com o nome parecido do nosso azarado Min, iria se casar em alguns dias. Enfim, encurtando a história , o dono do local entregou, todo alegre e satisfeito, a fantasia errada, para a pessoa errada. E mal sabia ele que isso não terminaria nada, nada bem.


 

                                                            [...]

 

Yoongi olhava perplexo para a roupa em sua cama, sentia vontade de gritar bater no senhorzinho da loja e fazer alguma tortura medieval no gato da vizinha que estava na janela do seu quarto. Sentia vontade de chorar também, e simplesmente ria. Ria de desespero, porque havia acontecido algo que para si era inacreditável.

Havia pego a fantasia errada.

Talvez o destino estivesse rindo da sua cara agora, enquanto estava só de box ajoelhado de frente para a fantasia erótica ridícula na sua frente.

— Por que, Zeus? Eu matei alguém na minha vida passada foi? Pode falar que atrocidade eu fiz na outra encarnação para merecer isso — gritou enquanto encarava o teto e escutava o miado — que parecia mais uma risada — do gato velho da vizinha — Seu gato idiota, não ri, não.

Estava com tanto ódio, que nem se tocou que além de estar com a fantasia errada estava atrasado. Definitivamente a vida, o destino, o universo, a chuva, absolutamente tudo odiava Min Yoongi e principalmente, o senhorzinho da loja de encomendas.

Com os cacos da dignidade que tinha, guardou a roupa dentro do pacotinho que ela veio e procurou no amontoado de roupas limpas e sujas que tinha no guarda-roupa alguma camisa bonitinha para poder usar, porque sem ou com fantasia, Yoongi veria e teria um encontro com Jung Hoseok. Iria ver ele mesmo que fosse de cueca.

Pois nada, nem a fantasia escrota, nem a chuva, nem o gato da vizinha atrapalharia seu encontro.



                                                      [...]

 

Por sorte, algo que naquele dia infelizmente não estava tendo, a fila para entrar no evento não estava cheia. Havia chegado na hora certa, tinha apenas cinco pessoas na porta e aos poucos iam entrando e deixando a fila menor. Yoongi coçava os cabelos negros e suspirava mordendo os lábios.

Estava ansioso, mas também estava triste. Não queria ter ido com a camisa do Harry Potter mesmo sendo sua saga favorita de livros e filmes, mas estava num evento de cosplay de animes era um tanto vergonhoso ser o único que não usava fantasia.

Entregou o ingresso para uma garota vestida de maid e atravessou o portão, dando de cara com vários cosplays. Com certeza pararia alguns para tirar fotos, mas primeiro teria que encontrar Hoseok e falar sobre o que aconteceu com sua fantasia.

Caminhou meio atrapalhado, esbarrando em algumas pessoas até poder encontrar Hoseok. Ele estava lindo, a fantasia havia ficado perfeita no mesmo.

Tentou disfarçar sua tristeza e o medo de levar um fora, já estava até preparado emocionalmente para o que viria.

— Hoseokie, precisamos conversar, — falou baixo vendo o Jung olhar estranho para si. — Hoje deu tudo errado, e acabaram trocando minha fantasia com o de uma menina e eu não consegui trocar a tempo, porque demoraria muito e, aigoo, eu não queria te desapontar, e acabou chovendo a minha bicicleta quebrou, e aquele gato maldito riu de mim, e o senhorzinho é um safado cego que não olhou direito a fantasia e, aish, eu estou com muita raiva e espero que você entenda.

— Aish Min, não fique assim tudo bem? Vem aqui comigo, eu tenho uma fantasia sobrando.

Yoongi estava com o coração na mão, queria se socar e até socar aquele velhinho pela merda de pato que ele havia feito em sua vidinha. Vidinha essa — que ao seu ver — estava mais do que estragada assim que aquele ser vindo do tártaro lhe trocou a fantasia. Ele queria chorar, deitar no chão em posição fetal e esbravejar até não conseguir mais. Detestava quando as coisas iam mal, mas o que ele podia fazer? Era um puto de um azarado mesmo e não tinha conserto. Estava até pensando em se banhar com sal grosso e passar pasta de alho no corpo, como se fosse um sabonete, para que, assim, aquela má sorte saísse de sua pelinha branca e brilhante, já que ele suava feito um sedentário correndo uma maratona. Estava com muita, mas muita vergonha, tanto que nem se ligou que o Jung segurava a sua mão e o arrastava para um quartinho bem suspeito. Ele não ligou, coitado, estava tão atolado em constrangimento.

— Hyung. — HoSeok chamou baixinho. Estavam em um quartinho escuro e o Jung só se preocupou em acender apenas um pequeno abajur que já sabia onde estava.

— Desculpa, Seokie, eu não quis aparecer assim sem fantasia. Eu… — YoonGi foi interrompido por dois dedinhos atrevidos que se postaram em cima dos seus lábios. O cheio do mais novo entrou mais forte em suas narinas e ele quis desmaiar de tesão. Que homem era aquele?

— Tudo bem hyung, não se preocupe. Na realidade é muito, mais muito bom te ver. Não sabe o quanto eu esperei por esse momento. — a voz do mais novo estava mais baixa e provocante, e o pau do Min deu aquela puladinha em cima da cueca dos bananas de pijamas.

— Queria, era? — YoonGi não sabia o que estava acontecendo e seu medo de ser trolado pelo mais novo estava começando a despontar. Isso porque, ele nem ao menos acreditava que o outro pudesse fazer tal coisa, mas era Min Yoongi, e Min Yoongi tem dessas coisas. – Eu…

Hoseok estava se sentindo corajoso, tanto que puxou o mais velho pelo pulso até que estivessem em uma distância menor ainda, e ali atacou-lhe os lábios perfeitos do outro, que sentiu uma onda de prazer lhe invadir assim que se sentiu prensado contra a parede fina do daquele local, seu corpo estava entrando em combustão. YoonGi achou que havia morrido e um dos titãs haviam ido lhe buscar. Mas não, não era um sonho, o Jung estava ali lhe comendo com os lábios e, puta merda, era uma delícia.

As mãos ágeis do mais velho foram de imediato para as coxas alheias, queria sentir aquela parte que tanto lhe chamava atenção, desde que passou a secar o outro com o olhar. Apalpou e apertou aquela parte, enquanto sua língua brigava por espaço dentro da boca quentinha do outro. Os dedos finos de Hoseok exploravam os cabelos presentes na nuca do Min e vez ou outra puxava ali. Não precisava ser delicado e sabia que o outro também não estaria esperando por isso. Confessou a si mesmo que estava amando aquele ósculo quente. Seu baixo ventre estava dando sinais de que estava acordando, ainda mais porque o outro agora, bem atrevido, estava apertando suas nádegas cheinhas, enquanto deixava que sua língua fosse chupada por si. Hoseok decidiu que também queria brincar e desceu uma de suas mãos e ousando tocou o membro coberto do outro, por cima do jeans colado. Fazendo com que o mesmo soltasse um gemido contido, já que diferente da ereção de Hoseok, que ainda estava despontando, a sua estava mais do que pronta.

YoonGi se excitava rápido demais, sentiu vergonha disso, mas não se preocupou, já que o Jung estava durinho, durinho. O que fez com que o mais novo ali sorrisse entre o beijo. Estava gostando de ser um tanto abusado e ter aquele hyung rendido aos seus encantos. Era diferente sentir que despertava isso naquele hyung, a quem tanto queria. Isso porque, o que o Min não sabia, era que o Jung o desejava tão ou mais do que o Min. E quando vira que o mais velho estava na sua, não evitou em colocar em prática o que tanto queria, dar amor e coisinhas mais ao Min.

E por isso mesmo apertou o pênis alheio, nesse momento a sua boca se descolou da do outro, que trocou olhares consigo. O rapaz era bem mais baixo do que si, provavelmente uns dois a três centímetros e isso não lhe incomodava. Ainda mais quando podia sentir aqueles olhos tão presos, tão entregues e provar daquela boca. Boca essa que tornou a estar em contato com a sua, só que dessa vez com mais expertise, mais força, mais vontade. Assim como as mãos do outro que agora estavam em seu quadril, puxando para si, buscando mais contato. Roçando as ereções que latejavam igualmente. Hoseok não queria fazer sexo ali, mas confessou que o Min o estava despertando um instinto quase animal. E o cheiro do corpo alheio o estava deixando louco. Completamente. Não sabia se o Min era ativo ou passivo, mas naquele momento sua maior vontade era de foder aquele mais velho.

E por isso mesmo ele tratou de erguer uma perna, que foi apertada e acolhida pelo mais velho, a fim de roçar ainda mais aqueles pedaços de pecado, cobertos, mas que causavam mais do que atrito, causavam uma corrente de prazer e gemidos nada castos, já que o mais novo não poupava o outro da sua voz, o que causava o efeito necessário.

Os corpos já estavam suados, as blusas já estavam no chão daquela salinha, assim como a sanidade já tinha abandonado aqueles corpos. O Min estava completamente descabelado e marcado, já que o mais novo pareceu ter gostado de seu pescoço e clavícula, deixando assim muito de si. Eram mordidas nada contidas e chupões indiscretos. Mas quem disse que ele ligava? Estava adorando e mesmo que houvesse ali um receio de marcar aquele rapaz mais novo, era surreal para si. Nunca que em sua vidinha poderia imaginar que algo assim aconteceria. Ele beijou mesmo, chupou mesmo a pele alheia e pedia, sim, ele pedia, para que o Jung gemesse mais no seu ouvido.

O tom melodioso da voz alheia o estava levando a loucura. Ele não conseguia se sentir melhor do que isso e parecia que ninguém o estava lhe dando tanto ou mais prazer do que o Jung. Já que agora, ele fazia questão de chamar pelo nome do outro, com uma voz fodidamente sensual e um jeito nada casto de falar. Ainda mais quando enchia os ouvidos alheios de pura sacanagem, assim como tinha seu pênis e nádegas apalpados sem pudor. Mesmo que a calça jeans e a cueca estivessem ali, os dois ainda se tocavam por dentro daqueles tecidos incômodos. Queriam se provar e fazer sexo. Isso era o que passava pela mente do mais novo, já que o Min queria muito sentir o mais novo dentro de si, ou estar dentro dele. Mas aquele pensamento não durou, já que os dedos finos do Jung lhe abriram a calça, puxando o membro teso para fora da boxer e o masturbando em um ritmo nada controlado.

Ele estava excitado e não demorou muito. Logo estava se desmanchando nas mãos do mais novo, que sorriu ladino e ainda chupou os dedinhos, tão erótico e completamente sem pudor, o que o fez perder ainda mais sua sanidade. E sem que o outro esperasse, ele fez o mesmo, abrindo as calças alheias, mas diferente do que o mais novo pensava ele não iria o masturbar.

Ao invés disso ele se abaixou e em um movimento rápido acolheu todo o membro melado de pré gozo do mais novo na sua boca. Não poupando o esforço de chupar e fazer com que Hoseok fosse a loucura. O outro não era gentil e nem de longe ele esperava por isso, sendo assim, ele lhe sugava com uma vontade, como se estivesse saboreando um doce muito gostoso. E ainda o deixava ditar os movimentos. Já que o Min tinha suas mãos nos fios sedosos, ditando e comandando o ato. Estava tão gostoso e ele não era acostumado a receber aquele trato.

Tanto que, em pouco tempo, ele gozou, sem aviso, na boca alheia. E o seu parceiro engoliu tudo, sem nem ao menos pestanejar. E o que restou foi o cansaço e o êxtase sexual. Dois corpos suados de um amasso bem dado e de beijos quentes demais. Hoseok queria se aprofundar, assim rapidamente se ajeitou e tirou as calças que compunham a fantasia. Tendo o outro imitando seus atos. Sua respiração ainda estava completamente desregulada e sua mente estava pensando em sexo.

— Então hyung… — o Jung estava todo suado e não sabia o que fazer, queria tanto sentir aquele hyung, dentro dele ou em si.

— Me come, me come, me come com vontade. — o Jung se surpreendeu com a fala do seu hyung e até suspirou com aquilo. E assim que seria. Ele foderia aquele hyung de jeito.

HoSeok sentiu receio de machucar o mais novo, mas esse retirou toda a roupa e se deitou naquele chão, em cima de algumas peças macias, que julgou ser as famigeradas fantasias e arrastou o Jung junto, este que se deitou por cima de si. E aos poucos eles se beijaram mais ainda e se tocaram em cantos certos. YoonGi tomou o pau do mais novo a fim de lhe masturbar do jeito certo, com uma coragem que ele não sabia de onde tinha vindo. Yoongi achou que aquela posição não estava boa e mudou de lugar, dando atenção ao mais novo, e vez ou outra usando um pouco de saliva para melhorar a situação.

— Hyung, isso é tão bom...— disse entre sussurros, aquilo era uma sensação que ele não esperava que fosse tão boa. Sua timidez ia aos poucos para o espaço enquanto o mais velho deixava aquele momento mais excitante para os dois. Cuidaria de dar prazer ao mais novo daquela maneira em outros momento. Sorriu pequeno quando abandonou o falo do outro, estava preparado mentalmente para o que vinha a seguir e nem ao menos deixou que o outro recuperasse sua respiração, se posicionou no colo alheio, rebolando contra a extensão tesa. — Deixa eu te preparar direito hyung, não quero que se machuque.

— Não se preocupe, eu não vou me machucar. — dito isso o mais velho encaixou a glande em sua entrada pulsante, relaxou bem o seu corpo e aos pouco deixou-se invadir pelo outro. YoonGi queria sentir assim, meio duro e a seco, por mais que houvesse se preparado para o mais velho, sim, ele sempre se preparava enquanto se banhava. Imaginando como seria quando fizessem sexo, por isso sua entradinha estava mais do que preparada.

Hoseok gemeu rouco tendo seu membro acolhido pelo outro, que mordia seus lábios inferior e apertava os braços do moreno, que estavam em sua cintura, tentando dissipar um pouco a dor que estava sentindo. O Min tinha consciência de que doeria, mas estava com uma pessoa que confiava e logo sabia que a dor iria embora. Ele tinha ciência disso.

Yoongi subia e descia no colo alheio, tendo seus olhos semi cerrados e sua boca entreaberta, estava respirando com certa dificuldade e tinha seu corpo tomado por um prazer que nunca havia sentido. Entendia que se fosse ruim, os caras com quem dormia, não seriam passivos seus. Pois os via sentir prazer, só que o mesmo não conhecia o porquê. E agora, sendo ele o passivo da relação, podia sentir na pele o quanto aquilo era inebriante. Ainda mais quando seu ponto sensível era atingido o fazendo gemer com mais vontade ainda. O moreno abaixo de si estava mais preocupado em machucar seu hyung do que no prazer que estava sentindo e por isso mesmo mantinha o outro ali no comando das ações, com receio de machucá-lo.

Só que os gemidos do outro o estavam tirando esse receio aos poucos, ainda mais quando o mais velho o puxou para que colassem seus troncos suados, misturando as respirações e os sussurros, afagos e mostrando o quanto aquilo estava sendo prazeroso para os dois. Hoseok se surpreendeu quando o mais velho quis trocar as suas posições. O moreno puxou o outro para que o mesmo ficasse por cima. Aproveitando que ainda estava com o outro dentro de si. Yoongi gemeu ainda mais por ter seu membro prensado ao abdome do membro alheio.

O Jung soube que estava fazendo a coisa certa e apenas se acomodou melhor ali entre as pernas do moreno, que por sua vez, rodeou a cintura alheia com as mesmas. Esperaram apenas um pouco e logo o mais novo estava investindo, forte, fundo. Acertando sem pudor a próstata alheia, o Min apenas se entregava ao prazer que estava sentindo. Era único, especial, não era apenas mais uma foda qualquer com um desconhecido. Era um momento mágico e que marcaria muito a sua mente. Assim como o Jung tinha ciência de que nunca fora tocado e provocado desse jeito. Se sentiu especial, como nunca antes.

E quando o orgasmo chegou para os dois, Yoongi se sentia satisfeito e feliz de uma maneira que nunca havia sentido. Havia sido mais que uma simples foda, tinha sido especial para ele. Não era um lugar apropriado, mas o que importava era que estava com Hoseok, que tinha sido com Hoseok.

Era simplesmente o cara mais amável que tinha conhecido, Hoseok era especial para si e percebeu isso quando ficaram deitados esperando o calor abaixar e o mesmo fez um carinho — sem segundas intenções — na sua pele, que estava corada e dedilhou as costas do Min, contando os sinais do mesmo e sorrindo enquanto olhava para o moreno.

Yoongi poderia dizer que tinha sido o pior dia de sua vida, pois havia perdido sua fantasia, sua bicicleta e ainda perdeu o evento de cosplay, mas estava feliz por ter tido um dos passos mais importantes de sua vida com Jung Hoseok.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado meus amores.
MUITO OBRIGADA POR LEREM.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...