História A Festa de Sangue - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Festa, Misterios, Suspence, Terror
Visualizações 0
Palavras 2.911
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Uma morte vai impactar as pessoas mais próximas da vítima. E para que sua festa continue, Adryelle, vai tomar uma medida drástica em relação ao fim trágico de uma de suas amigas.

Capítulo 5 - Capítulo 5: Morte acidental


*Capítulo 5: Morte acidental*

- Estou sentindo um pouco de medo- Confessou Costa a Farias

- A história não é verdadeira, se acalme- Disse Farias

Elas estavam caminhando até o hotel, já estava anoitecendo e elas precisavam se arrumar para a festa que já devia estar começando.

Chegaram ao hotel e cada uma foi até seu próprio quarto, Farias abriu o guarda-roupas e retirou o que ia vestir: Um vestido vermelho com bojo embutido e sapatos plataforma também vermelhos, pegou o telefone e ligou para os pais, ia contar como estavam as coisas.

Costa entrou no quarto e colocou a banheira para encher de água quente, colocou o secador e a prancha na tomada e começou a arrumar o cabelo, quando a banheira encheu ela desligou a torneira, colocou uma toca na cabeça, retirou suas roupas e entrou na banheira para tomar banho.

Ao desligar o telefone, alguém bateu na porta. O serviço de quarto devia ter chegado com a outra mala de Farias. Portanto, ela a abriu e se deparou com um rapaz alto, que possuía olhos azuis e cabelo marrom. Estava no corredor segurando a mochila verde.

- Essa mochila é a que falta?- Perguntou o rapaz- Meu nome é Harry e pode contar comigo para qualquer coisa que precisar.

- Certo, sério que eu posso contar sempre?- Perguntou Farias pegando a mochila das mãos do rapaz- você pode sair comigo amanhã depois da caçada?- ela fez um barulho com a boca e voltou a falar- É que eu me sinto tão sozinha.

- Eu saio do serviço as seis horas e te pego aqui no quarto. Até amanhã então...

- Vou estar esperando você me pegar!

Quando ele saiu, Farias pegou o telefone para ligar e avisar a costa que estava conseguindo fisgar o bagageiro. Mas, só caia na caixa postal. Resolveu ir até o quarto da amiga, quando bateu na porta ela abriu sozinha como quem já estava aberta. E logo após isso ela acabou sentindo um cheiro de queimado, a luz do banheiro estava acesa e tinha fumaça saindo do cômodo.

Ela empurrou relutante a porta e se assombrou com o que viu. Começou a gritar chamando a atenção de todos.

Abby estava passando no corredor com Harry, eles estavam discutindo sobre a separação e escutaram os gritos desesperadores que vinham de um dos quartos nos corredores. Entraram correndo no quarto e puderam ver o corpo de Letícia Costa boiando na banheira de água eletrocutada com o que parecia ser um secador dentro da enorme concentração de água.

- Abby, ligue para o xerife agora- Ordenou Harry pegando Farias pelos braços e a tirando de dentro do banheiro que estava totalmente molhado- Calma, eu vou te levar até o saguão e vamos esperar o xerife chegar- Disse Harry a Farias- Tudo vai ficar bem.

- Ela está morta?- Perguntou Farias sem conseguir conter as lágrimas- a minha amiga está morta?- Falou enquanto gaguejava.

- Eu não sei.

Harry levou a garota até a recepção do hotel, depois de alguns instantes de espera, Adry chegou e foi informada do que tinha acontecido. O xerife passou com uma escolta policial possuindo o necessário para se pegar um corpo.

O xerife se apresentou a Farias e avisou que falaria com ela no dia seguinte, já que era muito sem noção fazer o interrogatório no mesmo dia do acontecido, com o que já se sabia não seria necessário investigar a fundo o caso, já que estava comprovado que a morte foi um acidente.

Andrey estava chegando no hotel com Mayara e deu de cara com o xerife o reconhecendo:

- Tio Sam?- Perguntou Andrey ao Xerife

- Andrey? Como você cresceu- Falou Sam enquanto abraçava o sobrinho- depois do que aconteceu eu tive que me mudar e acabei vindo para cá e acabei arrumando um ótimo emprego e tenho uma vida boa, não esperava que fosse te ver novamente.

- Nem eu. E o que está fazendo aqui... “Xerife”? – Falou Andrey fazendo aspas com as mãos

- Vim investigar um caso mas, ele já está resolvido- Uma maca passou pelos dois com duas pessoas que mais pareciam médicos e nela tinha um corpo totalmente coberto por um lençol azul bem claro, indo em direção ao carro.

- Eu conheço? A pessoa é alguém da festa?

- Todos aqui são da festa. Adryelle tem muito dinheiro, ela é rica o bastante para alugar esse hotel todo e fazer uma festa nele. Eu não sei detalhes da pessoa mas, seus amigos que estão ali, bem chocados devem saber- Andrey virou para trás e viu Farias com Adry e May- te vejo depois e foi bom reencontrar meu sobrinho, não quer passar lá na minha casa algum dia desses e ver os álbuns de fotografias?

- Vou estar aqui até o fim da semana. A gente marca algum dia- Eles se deram mais um abraço e Andrey foi ao encontro das suas amigas que estavam ao redor uma da outra mas, alguém o puxou pelo braço segurando seu cotovelo, era Lindinêz.

- Antes que vá procurar saber aquilo que eu já sei... Quero te contar antes para que não se desespere muito- Disse Lindinêz

- O que aconteceu de tão sério? Além de é claro.... Aquela pessoa que passou na maca agora...

- Foi Letícia Costa- Contou Linda observando enquanto as lágrimas desciam pelo rosto do garoto.

Ele saiu do hotel correndo sem querer saber de mais nada. Adry se sentou no sofá do saguão com Letícia Farias e começou a chorar junto com ela. Um de seus convidados estava morto, uma de suas responsabilidades se foi, e ela não sabia o que fazer. Era a sua responsabilidade mas, não conseguiu arcar com a tal.

João chegou e ela deitou a cabeça no colo dele, estava totalmente contrariada com o que tinha acontecido, pensou em tudo no aniversário, tudo menos que eles podiam morrer, menos que eram irresponsáveis e que tudo que acontecesse iria recair nas costas do inocente.

Levantou do sofá com o namorado e foi até o salão de festas do hotel dar um aviso ao organizador da festa da noite, onde ela ia fazer testes de microfone.

- Tivemos alguns imprevistos mas, a festa continua.

Virou as costas, agarrou a mão de João e foi até o quarto para se arrumar, não sabia se esse ato iria contentar os outros quando descobrissem a mentira, quando estava no sofá com Farias ela pediu para que não comentasse com ninguém e que inventasse alguma história em troca de 2 milhões de dólares que seriam depositados depois que a festa acabasse, e ela assentiu relutante. A festa continuaria mesmo sem um dos convidados.

*

Estava escurecendo e Andrey estava dando voltas ao redor do hotel para esfriar a cabeça. Chegando ao parque infantil sentou no balanço e fechou os olhos deixando o peso na consciência cair de vez. Estava com muita raiva de Adryelle por não ter cuidado direito de seus convidados.

Alguém estava se aproximando, segurando várias caixas de papelão, provavelmente era um dos funcionários do hotel, a tal pessoa colocou o que segurava no chão e sentou no balanço ao lado.

- O que você quer?- Perguntou Andrey- seu nome é Grant não é?

- É, o que aconteceu com você? Quando chegou estava rindo a toa de tudo e de todos.

- Uma amiga morreu hoje e a festa vai ser cancelada, Adryelle deve estar mais triste que eu.

Grant olhou atentamente enquanto as lágrimas do garoto ao lado desciam e ele as enxugou com um dos dedos. Olhando para a frente, o garoto segurou uma das cordas do balanço e começou a se mexer no brinquedo levemente. Parou quando escutou uma música alta vinda do hotel, e se levantou.

- Que música é essa?

- A festa de hoje a noite, não queria contar nada mas, Adryelle não pois fim na festa ela vai continuar. Você devia ir conversar com sua amiga, talvez ela não saiba de nada, podia procurar saber o que aconteceu direito. Eu não fiquei sabendo de nada em relação a algum cancelamento de festa em memória de alguém.

- A pessoa morreu dentro do hotel. Adry estava vendo o corpo ser levado pelos médicos e mais alguns convidados estavam na recepção comigo quando ele passou.

- Não fiquei sabendo de nada em relação a alguém ter morrido no hotel hoje. Ninguém nunca nem ralou um joelho aí dentro.

- É egoísmo- Andrey se virou e ficou de frente a Grant- uma amiga dela acabou de morrer e a festa está sendo mais importante que o que acabou de acontecer?

- As pessoas são assim, cada um decide o que vai ser mais importante. A festa de 15 anos dela com certeza é. Você realmente tem certeza que a garota está morta?

Andrey virou as costas para Grant e saiu caminhando em direção ao hotel. Estava passando pela estrada de pedra atrás do hotel. Parou no meio do caminho ao ver que luz da casa de gás e gerador estava acesa com barulhos muito grandes que vinham lá de dentro. Já anoiteceu, o céu está completamente escuro e ninguém estava passando por aquele local.

Ao abrir o portão viu mais um barulho muito grande e resolveu entrar, mas, nada havia ali, era um pequeno quarto que cumpria com sua finalidade, logo ele observou que o barulho vinha de baixo e raciocinando saiu em direção ao hotel convencido de que era a tubulação de esgoto.

*

Adry estava quase arrumada no saguão, recebeu uma ligação da recepção sendo avisada que mais 6 convidados haviam chegado e ela não esperava por isso. Um garoto correu até ela é a abraçou, assustada olhou para as pessoas a sua frente e perguntou:

- Porque estão aqui depois do tempo e porque trouxeram o meu irmão?

Na sua frente estavam Daniele e Renata que estudavam com ela na época da escola e tinham a mesma idade que ela. Gaby e Carol que também estudaram antes e saíram da escola ao acabar o fundamental, estavam namorando já tinham dois meses. Thayse era uma garota da série de amigas mais velhas, tinha acabado o médio mas, não estudava faculdade, estava ao lado de seu namorado Paulo que Adry não conhecia. Nos pés da debutante estava seu único irmão, Kelvin de 9 anos. Sara estava vindo em direção a Thayse e viu o garoto.

- Aí meu deus que coisinha mais fofa- Gritou Sara apertando as bochechas do garoto.

- Cuida dele- Mandou Adry- peguem as chaves na recepção, a boate vai funcionar daqui a pouco, se instalem e desçam para a programação e Sara por favor tome conta dele que agora eu não tenho possibilidade nenhuma e minha mãe despachou legal.

- Não se preocupe que nós vamos nos divertir muito- Falou Sara olhando para Kelvin

Cada um foi para um lado fazer o que deviam fazer. Andrey estava entrando no hotel e logo viu Renata e Dani que lhe deram um aceno. Sara se aproximou de seu amigo com a face preocupada por seus olhos inchados e respiração ofegante, chegou e deu-lhe um abraço de apenas um braço pois o outro segurava a mão do irmão de Adry.

- O que foi que aconteceu com você?- Perguntou Sara, usando a mão desocupada para enxugar uma lágrima desobediente que saiu do olho direito de Andrey- Pode contar comigo sempre.

- Eu sei- Ele soltou uma risada- O que o irmão de Adry tá fazendo aqui e porque está com você?

- Não mude o assunto senhorzinho. Não precisa me contar mas, vou estar aqui quando quiser conversar.

- O.k. amor, eu vou conversar com Letícia sobre o assunto polêmico de hoje.

- Certo miguxo.

Eles se separaram e Andrey foi diretamente para o quarto de Farias, precisava tirar umas dúvidas sobre o assunto que os assombravam, ou que devia os assombrar.

*

Matheus estava arrumado e Anny ainda estava no banheiro com um teste de gravidez positivo na mão. Estava decidida a contar o que tinha acontecido e pedir ajuda sobre Guilherme que Faria de tudo para que o bebê não nascesse, e desculpar-se pela traição, se o seu namorado fosse querer conversar. Colocou o teste em cima da pia e abriu a porta decidida a acabar com esse peso.

Mas, quando abriu a porta e entrou no quarto, ele estava de pé e uma lata com champanhe e gelo estava em cima da cômoda, uma caixa pequena na mão de Matheus e duas taças cheias também em cima do móvel. Surpresa, a garota não conseguiu dizer nada, até porque sabia o que estava por vim.

- Não fale nada, só respire- mandou Matheus abrindo a caixa e mostrando um lindo anel de diamantes- eu sei que é o aniversário da sua melhor amiga e que ainda é muito cedo para esse tipo de coisa, mas, eu te amo. Dentre tantos términos e discursões que tivemos... Continuamos juntos e eu quero que seja eterno, então... Você aceita se casar comigo?

Ela começou a chorar imediatamente, porque não podia aceitar. Um simples “sim” dito sem que ele soubesse a verdade causaria uma catástrofe depois. Colocou a mão no rosto e respirou bem fundo, estava pensando bem se devia contar e acabar de vez com o garoto apaixonado que segurava um anel e já estava bem desanimado.

- Isso é um não?- perguntou Matheus ainda com a caixa aberta olhando no fundo dos olhos dela, esperou enquanto ia até o banheiro e voltava com algo nas mãos.

- Antes de você escutar a minha resposta, precisa saber de uma coisa- avisou Anny, olhando friamente para o aparelho em suas mãos- Eu estou grávida.

- E porque essa infelicidade toda? Vamos criar nosso bebezinho e vamos nos casar e...- Ele a olhou com um ar de dúvida novamente- não é meu?

- Isso aqui diz que eu o tenho a oito semanas, mas, a esse tempo você estava viajando de férias com a sua mãe e eu te trai, não tinha certeza se era um filho seu ou dele mas, precisei pois ele está me ameaçando. Disse que seu eu não abortar ele vai me matar.

- Quem é?

- Guilherme

-Uau!!!! Aí eu vejo que estou na merda mesmo, eu não tenho valor nenhum. Foda-se com esse seu problema, eu não ligo e eu vou embora para nunca mais você me procurar. Vá se lamentar com a sua amiga e quando você voltar eu não vou estar mais aqui.

- Matheus... Eu te amo... Me perdoe e...

- Se você me amasse, não iria procurar outras diversões...

- E aquelas coisas que você me disse agora? Aquele sentimento morreu assim tão rápido?

- Pode ter certeza disso.

*

Alguém estava batendo na porta, Farias se levantou e a abriu, Harry estava segurando um buquê de rosas e uma caixa de chocolate, não vestia a farda do hotel e sim uma roupa social, a garota o mandou entrar.

- Pensei que fossemos sair amanhã- Confessou Farias com seu sorriso forçado no rosto- adiantou porque eu sou uma idiota?

- Como assim uma idiota?

- Eu aceitei o suborno de Adry para dizer a todos que perguntassem que a minha amiga estava no hospital se recuperando, eu sou uma pessoa horrível.

Eles se entreolharam por um breve instante até que um outro alguém bateu na porta, com uma mão mais forte, era Andrey com lágrimas espontâneas nos olhos e mãos sujas de terra.

- O que aconteceu com você?- Perguntou Harry se afastando da porta- essa coisa nas suas mãos é terra das plantas lá fora?

- Eu posso conversar com a minha amiga ou você vai continuar com sua cara de tacho e sendo muito, muito inconveniente?

- Andrey- Farias surgiu na frente de Barry- que foi que aconteceu com você? Parece estar acabado...

- O que aconteceu com a Letícia Costa? Eu a vi sair daqui sem que seu corpo nem se mexesse e agora eu vejo que a festa vai continuar e que talvez ela esteja viva.

- Ela está bem, foi mandada para um hospital em Seattle, ela está com queimaduras de terceiro grau e não quis mostrar o rosto, por isso passou com o lençol no corpo todo.

- Isso é verdade?

- Por que eu iria mentir para você?

Andrey os deixou saindo pelo corredor e entrando no seu próprio quarto. Farias trancou a porta e deixou as lágrimas descerem quentes e desgastantes. Harry se aproximou dela e a abraçou, abafando o choro e confortando a dor.

Ela se levantou e entrou no banheiro. Retirou as roupas e se atirou no chuveiro, deixou a água escorrer pelas suas costas, Harry bateu na porta do banheiro e ela pediu que ele entrasse, deu beijo na boca do rapaz e o puxou para dentro do box. Levando a camisa até a cabeça e a calça até os pés.

Ele a prendeu na parede e começou a beijar com chama a boca de Letícia Farias. Com uma das mãos pressionou forte o sexo da garota que gemeu sentindo uma combustão espontânea por todo o corpo.

Ela puxou a última camada de roupa de Harry, se ajoelhou diante da grossa ereção que ele possuía e se deliciou sentindo cada centímetro com sua língua, colocando cada parte de seu membro dentro da boca enquanto ele estava gemendo de satisfação.

  Ela se levantou e voltou a beija-lo e logo após disso os dois conseguiram chegar no clímax.


Notas Finais


No próximo capítulo: mais uma festa para que os convidados se divirtam... Mas, essa quer que todos esqueçam que alguém se "machucou" no hotel.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...