História A Filha da Criação - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Bianca di Angelo, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Chris Rodriguez, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Cronos, Dionísio, Frank Zhang, Gleeson Hedge, Grover Underwood, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Hylla Ramírez-Arellano, Íris, Jason Grace, Júniper, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Octavian, Percy Jackson, Personagens Originais, Piper Mclean, Poseidon, Quíron, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Sally Jackson, Silena Beauregard, Thalia Grace, Travis Stoll, Tyson, Will Solace, Zeus, Zoë Nightshade
Tags A Filha Da Criação, Os Herois Do Olimpo, Percy Jackson
Visualizações 11
Palavras 2.044
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, FemmeSlash, Ficção, Magia, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente, tudo bem com vocês?
Espero que sim.

Aqui estou eu em tempo recorde com um capitulo maravilhoso. Gostei muito de escrever este cap e espero que vocês também gostem de ler.
Aproveitem, até as notas finais.

Capítulo 10 - O início de todos os meus problemas


Vocês devem estar pensando: “Nós já conhecemos essa história, o que tem de tão problemático nela?” Bem meus queridos leitores, é agora que as coisas complicam para o meu lado.

Assim que toda essa confusão acabou alguém apareceu, alguém que eu conhecia muito bem. Era um homem que aparentava ter uns quarenta anos, a pele negra como a noite, cabelo grisalho, sapatos brancos e um terno que parecia ser feito com o universo, milhões de estrelas e galáxias que se mexiam, estava em sua forma “humana”, deveria ter mais ou menos 1,70 e eu sabia muito bem o motivo de sua aparição.

- Um filho do mar – disse Caos com um sorriso. - Poseidon escolheu um momento perfeito para reclamá-lo, mas terei que roubar a cena, pois também tenho que reclamar a minha herdeira.

Todos olhavam perplexos tentando entender quem era aquele cara, alguns começaram a se ajoelhar e os outros seguiram o exemplo um pouco hesitantes, exceto eu. Caos irradiava poder, mas era diferente, mais velho e mais poderoso que qualquer um. Lara, Percy, Marck e Annabeth olharam para mim perplexos como se dissessem “Esse cara é Caos?”, eu assenti e eles voltaram seu olhar para Caos, os três já estavam ajoelhados e eram os únicos que estavam entendendo o que estava acontecendo. Caos se voltou para mim e prendi a respiração, senti que Zeus estava prestes a lançar um raio em mim.

- Não precisam de tudo isso, não sou exigente quanto os Olimpianos. Nunca gostei dessas formalidades. Mas onde está a minha educação. Eu sou Caos, o primordial.

Todos prenderam a respiração e se entreolharam, estavam assustados e perplexos, mesmo assim se levantaram, mas uma pergunta pairava no ar: como o Abismo do Caos havia ganhado consciência? Ninguém sabia a resposta, mas havia alguma coisa na presença dele que exalava poder, todos sabiam que ele não estava mentido. Lara e Marck vieram até mim e ficaram ao meu lado, prontos para me proteger. Agradeci mentalmente por eles estarem comigo

- Durante éons escondi minha existência, mas estou ficando velho e decidi que preciso de um herdeiro, ou nesse caso, uma herdeira. Ana Clara Vidal. – Ele estendeu a mão em minha direção e todos olharam para mim, eu fui até lá e seguirei sua mão, ele me conduziu para a sua direita e fez com que eu virasse para todos (tenho que admitir que me senti em uma cena de filme).

- Ahn... Oi? – disse um pouco hesitante, o acampamento inteiro estava olhando para mim. De repente Dionísio surgiu.

- Então o velho do abismo resolveu aparecer. Não pense que vou me ajoelhar (olha a audácia desse filho da puta). Agora que já é oficial posso pulverizar sua herdeira e evitar muitos problemas. – disse Dionísio.

- Imagino que Hera tenha dito essa mesma frase quando Zeus te assumiu. – disse Caos, isso calou Dionísio. – Entretanto não vou permitir que nenhum Olimpiano faça mal a ela. – um raio surgiu no céu. – Já terminei o que deveria fazer aqui. Nos vemos no Conselho Olimpiano, Dionísio. Até logo Ana Vidal.

Então ele sumiu, simples assim, deixou todos os problemas para mim. Assim que ele desapareceu tive vontade de ir com ele, todos me encaravam e alguns se afastavam, Quíron estava pensativo e Dionísio furioso. Marck e Lara vieram até mim outra vez e me abraçaram, eu queria desaparecer, ou pelo menos desmaiar, mas estava completamente acordada e consciente. A trombeta soou e Quíron disse que todos deveriam ir para seus chalés, Marck e Lara hesitaram muito mas depois que eu disse mais de um milhão de vezes que estava tudo bem eles foram embora. O senhor D. estava vermelho como um pimentão.

- Eu avisei que deveríamos eliminar essa garota assim que descobrimos a ligação dela com Caos! – ele não parava de gritar e brigar com Quíron.

- Senhor D. o senhor já sabia que isso aconteceria cedo ou tarde. Por hora temos que acomodar Ana em uma quarto da Casa Grande... – disse Quíron tentando ajudar, porem o senhor D. arregalou os olhos.

- Essa garota não pisará um dedo fora desta floresta até que Zeus diga o contrário! Caso ela o faça, eu mesmo vou pulverizá-la! Eu juro pelo Rio Estige! – Dionísio desapareceu em um clarão de luz e um raio apareceu no céu, aquela era uma promessa muito séria. Quíron suspirou e se voltou para mim.

- Sinto muito criança, infelizmente você deverá ficar na floresta até Zeus permitir que você volte. Trarei comida e ...

- Não se preocupe, eu cuidarei dela. – Caos surgiu ao meu lado e pôs a mão em meu ombro. – Não quero lhe causar mais problemas. - Quíron foi embora e Caos se voltou para mim. – Onde você quer que eu a construa?

- Construir o que?

- Seu chalé. É claro. Não vou deixar que você durma em uma barraca no meio de uma floresta infestada de monstros por minha causa.

Eu pensei por alguns instantes e escolhi um lugar. Era próximo dos outros chalés, mas um pouco afastado para que eu tivesse privacidade, fomos até lá e com um estalo de dedos Caos fez o chalé começar sua própria construção.

Quando acabou estava perfeito (link da foto nas notas finais). Dentro havia um quarto grande, uma cozinha, uma sala com dois sofás e uma poltrona, e um banheiro com chuveiro e banheira. As prateleiras e os armários da cozinha estavam cheios de comida e pratos, tinha uma geladeira e um fogão, era uma cozinha comum. O quarto era bem grande com uma cama de casal, uma escrivaninha, um guarda roupa (com todas as minhas roupas dentro) e uma janela grande com vista para a floresta. O banheiro tinha um espelho enorme, um chuveiro e uma banheira, a sala não tinha televisão mas eu não me importava. Quando sai outra vez para agradecer Caos, ele havia desaparecido mesmo assim disse um “Muito Obrigada” para o céu.

Resolvi tomar um banho e usar aquela banheira, imaginei que passaria muito tempo ali, eu nunca havia tido uma coisa tão luxuosa em casa. Sai do banho depois de uma meia hora, vesti um pijama bem quentinho e confortável e fui para a cozinha, toda essa confusão havia me dado fome. Comecei a olhar os armários procurando alguma coisa para comer.

- Bem que podia ter arroz, feijão e bife, um pouco de comida brasileira não cairia mal. – murmurei comigo mesma. Sei o que vocês devem estar pensando, por que eu não pedi por uma pizza ou algo do tipo? Bem, eu estava com saudade de uma comida simples e com o gosto do Brasil, até o gosto do arroz é diferente nos EUA. Então aconteceu o que eu menos esperava, os armários se abriram e as panelas e ingredientes saíram de lá e começaram a preparam o que eu pedi.

- Uma cozinha mágica? Gostei.

Em 20 min já estava tudo pronto e quando eu comi tinha o gosto da comida da minha mãe. Terminei de comer, mas infelizmente as louças não voaram para a pia e se lavaram então eu tive que lavar tudo (fazer o que? É a vida). Quando terminei fui direto para a cama e dormi. Mas é claro que eu tinha que ter sonhos estranhos. Em meu sonho eu estava em uma sala do trono, mas não era como a de Caos, essa era um pouco maior, as colunas de mármore sustentavam o teto abobado que era decorado com constelações, havia doze tronos em formato de U como os chalés do acampamento, todos estavam ocupados por seres de cinco ou seis metros de altura, imaginei que aqueles eram os Olimpianos e eu deveria estar no Monte Olimpo. Todos os deuses estavam encarando uma figura que estava a minha frente, Caos. Ele estava vestido exatamente igual a sua aparição no acampamento algumas horas antes, o mesmo terno com o universo e os mesmos sapatos, a única diferença é que ele estava em sua forma gigante, desta vez percebi que no terno haviam pequenas explosões, criações e colisões de galáxias, era como ver o universo inteiro em tempo real.

Imaginei que aquele deveria ser o Conselho Olimpiano. Alguns deuses estavam com um brilho de medo nos olhos, mesmo assim mantinham uma postura de superioridade, por outro lado, Caos parecia calmo e relaxado e Zeus estava furioso (só para variar).

- Como ousa esconder sua existência por tanto tempo? – Zeus gritou. As paredes tremeram, mas Caos não mudou sua postura. – E ainda declarar uma MORTAL como sua herdeira! Nós não permitiremos isso!

- Não estou pedindo sua permissão Zeus. Eu tenho o direito de escolher uma herdeira para todo o meu poder. – disse Caos com uma calma inesperada. Os outros deuses prenderam a respiração e se voltaram para Zeus que estava cada vez mais irado, o ar começou a cheirar a ozônio e ele tentou pegar algo ao lado de seu trono, imaginei que seria o seu raio mestre, mas ele havia sido roubado no solstício de inverno (huehuehue). Ele olhou com raiva para Poseidon e se voltou para Caos outra vez. Os outros deuses estavam tensos e eu estava tentando não ter uma crise de risos.

- Como você ousa me desrespeitar em minha casa?! – berrou Zeus. – Implore por perdão ou...

- Ou vai jogar um raio em mim? – Caos olhou para o lado do trono de Zeus onde o Raio Mestre deveria estar. – Isso parece mais um blefe do que uma ameaça real – o cheiro de ozônio estava cada vez mais forte.

 – Além do mais, um simples raio não causará nenhum problema. – Caos falava com calma sem nenhum tom de provocação na voz, mas tudo que eu conseguia ouvir era: “Vem pro fight cuzão”. – Porém devo admitir que vocês estão no comando e eu respeito isso, desde que vocês respeitem que agora terei uma herdeira e aprendiz.

Caos desapareceu em um clarão de luz e dois segundos depois tudo começou a rodar e quando parou eu estava na sala do trono de Caos.

- Deve estar se perguntando o porquê de eu ter te levado para o Conselho Olimpiano. Quero que você esteja preparada, logo estará no meu lugar, Hermes deve te procurar em alguns dias, enquanto espera aproveite sua nova casa – Caos sorriu e tudo desapareceu, eu acordei e estava no chalé que ele havia construído na noite anterior.

- Queria que isso também fosse um sonho – murmurei comigo mesma. Olhei para o lado e tive uma grande surpresa, meu celular e meu fone estavam encima de um móvel do lado da cama. – Obrigada outra vez, Caos. - Peguei meu celular e vi que estava sem sinal, mas tinha internet. – Você está me zuando? Esse lugar tem até Wi-fi?

A primeira coisa que fiz foi uma vídeo chamada com minha mãe, foi maravilhoso poder falar com ela depois de tudo que havia acontecido. Ela me contou que Caos havia feito uma visita e contado tudo.

- No início eu pensei que ele era um louco querendo brincar com uma mãe preocupada, mas ele usou algum tipo de magia para que eu pudesse te ver – ela não resistiu e começou a chorar. – Eu estava tão preocupada. Dessa vez você se meteu em um problemão.

Contei a ela tudo que havia acontecido desde que saí de casa para a escola, meu encontro com a Fúria e Grover, nossa viajem a pé até Montauk, a luta contra a Fúria e o Minotauro, meus dias no Acampamento Meio Sangue, a noite passada e todas as minhas preocupações. A única coisa que deixei de fora foram os meus sonhos, tive medo de outra pessoa (ou deus) ouvir.

- Não se preocupe querida, vai dar tudo certo, na verdade, já deu tudo certo. – Minha mãe é a pessoa mais otimista que eu conheço, mesmo tendo câncer tantas vezes ela nunca perdeu a fé e a alegria.

- Tem algumas coisas que eu quero te contar pessoalmente. Não sei quando vou voltar para casa, mas eu prometo que vou voltar logo e viva. Eu te amo mamãe.

- Eu também te amo filha.

Desliguei a chamada e desabei, como eu pude fazer uma promessa assim? Mas eu não parei por ali, aquela promessa seria o meu motivo para continuar lutando.

- Eu sempre voltarei viva para casa mãe. Eu juro pelo Rio Estige.


Notas Finais


Um capitulo cheio de emoções e promessas, será que elas serão cumpridas?
Eu espero que vocês tenham gostado desse capitulo tanto quanto eu gostei, vou tentar postar o próximo o mais rápido possível.
Link da foto do chalé: https://goo.gl/images/kna8z9

Beijos, a gente conversa mais nos comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...