1. Spirit Fanfics >
  2. A Filha da Dor >
  3. Vilã ou aliada?

História A Filha da Dor - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Sabe, minha vontade era de escrever uma fanfic DabiOC, mas a ideia ainda não está madura na minha cabeça. Não que eu tenha essa história completa também. (^▽^;) Mas já venho pensado nela faz vários meses e acredito que possa fazer um trabalho adequado com os capítulos que ainda não preenchi na minha cabeça.

Os personagens principais serão o All Might e a criança encontrada, então o romance com a terceira principal só acontecerá em flashbacks por um tempo e o conteúdo será em maior parte fofo apenas. A classificação de idade está em 18 por causa de capítulos mais próximos ao final da fanfic (ou metade, sei lá, às vezes escrevo mais do que imaginava).

E com relação a cronologia: a história se passa em um intervalo logo após o All Might perder seus poderes e da luta contra Overhaul. Também não planejo envolver a Liga aqui (me desculpem meus grandes amores Dabi, Tomura e Toga ಥ_ಥ)

Por fim, a personagem da capa da história é a Nana e eu que a desenhei, então está bem fiel ao que eu gostaria de passar aqui.

Capítulo 1 - Vilã ou aliada?


- Meu sonho é ser um herói! Eu quero ser o herói que vai salvar todos e fazer com que todas as pessoas sejam felizes! - disse uma criança loira de olhos azuis enquanto balançava bem alto.

A outra, uma ruiva de olhos verdes, que estava sentada ao seu lado, mas sem balançar, respondeu:

- Então eu vou ser uma heroína que vai te ajudar a alcançar seu sonho!

O garoto sorriu, radiante como sempre, e lhe disse:

- Nós vamos ser imbatíveis!

- Sim! Imbatíveis!

***

 

Estavam no meio de uma batalha. Gran Torino e Midoriya faziam patrulha quando ouviram um refém gritando de um beco e foram atrás, mas logo que o encontraram, o homem foi solto e correu desesperadamente para a rua, demonstrando que ele fora apenas usado para atrair heróis até aquela área. Os vilões eram pessoas que eles nunca tinham visto e sequer ouvido falar. Um deles, loiro, olhos azuis e cabelo comprido em um rabo de cavalo, controlava qualquer tipo de matéria sólida e inorgânica que pusesse as mãos ou que um material de seu controle tocasse. A outra era uma garota loira de olhos verdes um pouco mais nova que Midoriya e que criava pedras flamejantes e podia jogá-las ou correr sobre elas, tendo praticamente a capacidade. Quanto aos últimos, uma mulher de cabelos verde-escuros longos e olhos pretos e um homem com máscara preta, sobretudo preto e cabelos grisalhos, não havia indícios do tipo de poder possuíam.

O pior deles era o loiro que controlava os materiais inorgânicos, pois era forte e claramente muito mais experiente do que uma simples garotinha, que lutava incrivelmente bem para a idade dela. O que os surpreendeu, porém, foi que não parecia que ela realmente queria atingi-los, diferente do homem, e ela usava seus poderes para ganhar proximidade deles a todo custo, o que era difícil dado os poderes de Midoriya e Gran Torino, porém quando ela e o idoso finalmente cruzaram seus caminhos, ela lhe sussurrou uma única palavra que fez com que seu mundo despencasse.

- Que tipo de piada doentia é esta? - perguntou o idoso, irado.

O vilão mascarado, que assistia tudo, também pareceu estar por fora do que acontecia e perguntou:

- O que você está fazendo, Shooting Star?

A garota engoliu em seco ao olhar para o homem mascarado, que ela parecia temer, e então olhou para o herói idoso e disse:

- Meu nome revela muito sobre mim, você não acha?

Gran Torino parou por um momento, tentando processar aquelas palavras, e só voltou a se movimentar quando o loiro quase o atingiu. Seu nome... A palavra que ela lhe dissera fora Nana... O nome de heroína fora Shooting Star... Claramente tinha algo errado ali. Algo muito errado.

Midoriya voou na direção dela, mas a garota deu um salto da pedra onde estava flutuando e parou em cima de uma outra que criou no ar em seguida.

- Se você me pedir, eu vou ficar do seu lado - disse ela a Gran Torino, que estava mais próximo dela agora.

- Então me prove que está dizendo a verdade - disse o mais velho e a garota simplesmente assentiu, criando centenas de rochas flamejantes de um tamanho pequeno, mas em grande quantidade, as quais ela arremessou em direção ao vilão do centro, que logo foi protegido pelo loiro através de uma barreira.

- Você é sempre um covarde, não é, Mind Master? Usa as pessoas para te proteger.

O homem simplesmente riu do outro lado e, apesar de não verem sua expressão, sabiam que era aterrorizadora.

- Ora, ora. Você sabe que não é nada disso - respondeu o homem. - E é melhor voltar, caso não queira que sua mãe morra, garotinha. Achei que sua fase rebelde já tinha passado.

- Tai me ensinou direitinho como ser uma boa vilã para te conquistar - gritou a garota, com raiva. - E não fique me ameaçando com promessas vazias! Só faz com que eu tenha menos medo de você!

- Hm. Acha que eu não mataria sua mãe? - riu ele.

- Claro que não - respondeu a garota, corajosamente. - Ela é forte demais. Sem ela você não é nada além de um pedaço de lixo com uma individualidade interessante - gritou a menina.

- Tudo bem. Já que é assim - disso o homem, e a barreira desapareceu, permitindo que todos vissem o seu sorriso e a falta de expressão dos outros dois que estavam ao seu lado. - É uma guerra entre nós dois, hm? Vamos ver quem vai vencer. Nenhum herói além de All Might poderia me parar.

- Isso é o que vamos ver - disse ela, cheia de fúria enquanto o encarava.

Naquele instante a mulher de cabelos verdes abriu um buraco preto na parede e os três entraram por ele. Midoriya até tentou fazer algo, mas antes que chegasse, o buraco fechou, como a garota previra. Sua missão não seria assim tão fácil.

No momento em que se viram sozinhos, Gran Torino, ainda com a guarda levantada, perguntou:

- O que o poder daquela mulher faz?

- Pode mandar qualquer um que o atravesse há uma parede escolhida por ela em 1km². Avisem os outros heróis, mas eles vão pular de prédio em prédio até cair na base ou perto dela. É esse o grande problema e motivo pelo qual nem eu sei onde é a base.

A menina finalmente desativou os poderes e se deixou pousar no chão. Continuou a olhar para eles com seus grandes olhos verdes e intensos, mas sem se mover, como se para provar que não era uma ameaça.

- O que você quis dizer quanto ao seu nome? - perguntou Gran Torino.

A menina sorriu, triste.

- Que meu nome é Nana, assim como sua amiga e mestra do All Might, e meu nome de “vilã” é Shooting Star, similar ao de minha mãe Flaming Star.

- Flaming Star está morta - disse Gran Torino, sério. - Eu mesmo vi o corpo.

- O corpo foi forjado por All for One para destruir All Might. Depois ele permitiu que um associado dele da época, Mind Master, ficasse com ela porque melhor do que usar o poder dela contra All Might, seria usar ela própria contra ele.

- Então você está me dizendo que Flaming Star está viva? - perguntou Gran Torino, em choque.

- Sim. Minha mãe está viva e é uma das marionetes mentais daquele homem. Quanto mais tempo ele as mantém, maior é o poder dele sobre elas, o que significa que libertá-la vai ser muito difícil, mas é o que eu quero e quando eu vi que era você, Gran Torino, o mestre dela, eu percebi que seria possível te fazer acreditar em mim, diferente de qualquer outro herói que assumiria que sou uma vilã e sequer me daria voz para falar.

- E quem eram aqueles outros dois? - perguntou Gran Torino, enquanto Midoriya somente assistia calado devido a seriedade da conversa.

- A moça dos túneis é Tachibana Hime e o homem dos materiais é Ikazawa Taichi. Os dois eram vilões na época em que minha mãe foi capturada e acabaram mudando de lado. Por este motivo também estão sob controle mental. Eu considero ambos como parte da minha família.

Gran Torino soltou um suspiro.

- Olhe, essa história é muito interessante, mas você sabe que é difícil de acreditar, não sabe?

- É claro que eu sei - respondeu ela. - Por isso vocês podem me capturar agora como uma vilã e me levar para a polícia, onde vão me interrogar e eu vou contar tudo a alguém que vai saber dizer se estou mentindo ou não. Fora isso, façam um exame de DNA e comparem com o que vocês tem na base como o de Flaming Star e, se possível, com quaisquer homens que eram próximos a ela e vilões ativos na época que ela foi capturada.

Naquele momento, Gran Torino ficou ainda mais horrorizado com o que estava acontecendo. Se tudo o que ela dizia era verdade e aquela garota queria um exame para saber quem era seu pai... Coisas horríveis haviam acontecido.

- Quer dizer que você não sabe quem é seu pai? - perguntou.

- Nas poucas vezes em que tive contato com minha mãe, pensei achar que ela sabia, mas eu era nova e... - respondeu, triste. - Hoje sei que o mundo é um lugar bem sombrio.

Gran Torino, apesar de achar toda a história muito absurda, acabou concordando com o que ela queria e a prendeu, incapacitando-a da mesma forma que teria feito com Flaming Star, pois, querendo ou não, os poderes eram idênticos e ela só podia ser parente da mulher ou alguém que All for One criara com o poder de sua aprendiz.

- Okay. Em breve teremos suas respostas, garota - disse ele, enquanto a escoltava com a ajuda de Midoriya.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do primeiro capítulo. (´∀`) Continuarei com o padrão de flashbacks e espero que tenham sentido algum tipo de curiosidade pelo que vem a seguir. Haha. (〃▽〃)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...