História A filha da empregada - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Felipe Neto
Personagens Felipe Neto
Tags Brufe, Brulipe, Bruna, Brunagomes, Febru, Felipe, Felipeneto
Visualizações 138
Palavras 1.528
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Este capítulo vai ser narrado pela Bruna

Capítulo 15 - Descobri um segredo


Fanfic / Fanfiction A filha da empregada - Capítulo 15 - Descobri um segredo

Levantei da cama do Felipe e saí do seu quarto sem fazer barulho porque não o queria acordar.
Entrei no meu quarto e fiquei relembrando a noite de ontem foi mesmo uma noite incrível a melhor que eu já tive eu amei esta noite.
[...]
Estava tomando o meu café quando o Felipe entra na sala de refeições e eu fico observando ele durante longos minutos ele está muito lindo hoje e eu sinto tanta vontade de falar para ele que o quero só para mim...
-Bom dia!-ele fala e me cumprimenta com um beijinho no rosto.
-Porque não me acordou?
-Ah, eu não quis te atrapalhar!-respondo.
-Atrapalhar?
-Sim, ia ser chato eu te acordar apenas para dizer que ia voltar para o meu quarto!
-Ata.-ele faz uma pausa e depois fala.-Eu não vou ao colégio hoje você vai ter que arranjar outra pessoa para te levar.-ele avisa.
Eu fico um pouco triste pensei que ia passar o dia com ele e ia ser bom mesmo estando no colégio ia ser legal.
-Porque é que não vai?
-Eu vou visitar o meu pai ao hospital!
-Eu posso ir com você?
-Eu não acho boa ideia, desculpa eu prefiro estar com ele a sós é que já não o vejo há muito tempo e depois vou precisar dos apontamentos da matéria, espero que entenda.
-Claro, eu te entendo mas agora tenho de ir andando porque se você não vai significa que não tenho quem me leve no colégio logo vou ter de andar 5km e ver se passa um ônibus...-eu digo meio que mandando uma indireta para ele sobre ele me ter zoado no meu primeiro dia de colégio.
Eu vou até a cozinha para dar tchau à minha mãe e depois saio.
-Xau, Felipe!-eu me despeço dele.
-Xau, Bruna depois eu te busco no colégio!-eu sorrio.
Eu fico muito feliz por saber que me vai buscar.
[...]
Entro no ônibus que está praticamente lotado de gente e como não acho nenhum lugar acabo por ficar em pé e enquanto observo o caminho que eu nunca vi já que nunca andei de ônibus por aqui vou relembrando a minha noite e os momentos que passei com Felipe até agora.
Não foram momentos bons porque eles estão preenchidos por picardias, brigas e discussões mas eu quero muito que as coisas mudem e acho que ele também pensa o mesmo que eu.
-Desculpe, você sabe qual é a paragem do colégio?-pergunto para a senhora que está em pé do meu lado.
-Claro que sei, é a próxima paragem querida!-agradeço com um sorriso.
[...]
O ônibus pára e eu desço as escadas para sair.
Caminho a pé até ao colégio que não fica muito longe daqui e quando entro lá percebo que já estou atrasada para a aula então sou obrigada a correr nos corredores uma coisa que é proibida mas tem que ser...
Entro na minha sala e me sento no lugar do costume, eu levanto a mão para avisar a professora que o Felipe está faltando e após isso ela começa a reclamar do fraco desempenho que ele tem vindo a ter nas aulas e pior ainda me culpou disso porque segundo ela antes de eu aparecer aqui ele não era assim, aff é preciso ter lata!
Eu ignoro as suas palavras e ela prossegue a aula.
[...]
Termino as aulas e recebo uma mensagem de Felipe falando que está no lugar onde ele sempre estaciona o seu carro à minha espera e eu respondo que estou saindo da sala.
[...]
-Oi, Feh!-eu entro no carro.
-Oi, como foi a aula?
-Nem me fale, a professora ficou perguntando um monte de coisa sobre você e falando que você não estuda e que este ano não se está esforçando nada e pior ainda falou que a culpa é minha!-eu resmungo.
-Pois, a culpa é sua mesmo é você que me distrai!-eu fico sem saber o que falar para ele.
-Então, e o seu pai como está?-pergunto.
-Ele está bem dentro dos possíveis, ele estava dormindo quando cheguei mas acabou por acordar ele até falou que quer conhecer você.
Anh? Mas como é que ele sabe de mim? eu penso para mim mesma e resolvo perguntar para ele.
-Mas como é que ele sabe da minha existência?
-Eu falei para ele de você!
-Imagino você deve ter falado que me odeia e que eu sou uma garota insuportável e muito chata...-eu afirmo coisas que ele próprio me chegou a dizer.
-Não, nada disso! -ele me interrompe.
-Então, mas não é isso que você pensa de mim?
-Não, agora não e para ser sincero nunca foi eu sempre gostei de você!-fico surpreendida eu achei que ele me odiava.
-Eu estou a ver que você tem muita coisa para me falar...
-Pois tenho, mas eu te falo depois talvez quando chegarmos no restaurante.
-A gente vai almoçar no restaurante?
-Vai, sim!-eu continuo conversando com ele durante o caminho.
-Mas eu não tenho dinheiro para pagar o restaurante...-fico nervosa em lhe dizer isso porque se não tenho dinheiro ele não vai querer almoçar comigo.
-Isso não é um problema eu pago o seu almoço também!
Ele está a ser fofo mas depois vou devolver o dinheiro todo para ele!
[...]
Ele abre a porta do carro para mim e pega na minha mão. Eu junto a minha mão à mão dele e caminhamos de mãos dadas até chegar na porta do restaurante.
Ele escolhe uma mesa para dois e eu o sigo até à nossa mesa. Ele puxa uma cadeira e aponta para ela para que eu me sente.
Eu me sento e nós ficamos conversando enquanto o garçom não vem anotar nossos pedidos.
[...]
A minha tarde até foi tranquila fomos até ao hospital ver o pai do Felipe mas ele me falou umas coisas estranhas.
Nós entramos lá e estivemos os dois com ele mas depois ele quis falar comigo a sós e me disse:
-Bruna, o Felipe me falou de você eu fiquei muito feliz por saber que ele tem alguém que se importa com ele verdadeiramente e não as mesmas garotas de sempre que só o querem porque a família tem dinheiro eu percebi que ele gosta de você de verdade!
-Gosta de mim? Você deve estar enganado ele não gosta de mim ele sempre me tratou mal só ontem é que ele começou a ser simpático comigo!
-Eu sei disso e também sei que isso era um jeito dele para se defender e não admitir que estava a começar a gostar de você. Acredita em mim, eu sei do que falo não percam tempo não deixem avançar o tempo para depois ser tarde de mais!
-Defender mas defender do quê?
-Eu não devia estar falando o que eu vou dizer agora mas eu acho que você tem de ficar a saber...-ele faz uma pausa para respirar.-Uns tempos antes de você vir para cá faz mais ou menos um ano e meio o Felipe se apaixonou por uma menina ela também veio com a mãe para cá e a mãe dela era a empregada lá da casa igual a você-eu aceno com a cabeça começando a entender uma parte da história.-Ele gostava muito dela parecia até que eles tinham sido feitos um para o outro toda a gente elogiava esse namoro até a mãe dele e o padrasto apoiavam.
-Sim e o que é que aconteceu para eles terminarem?-pergunto curiosa.
-Então, a menina contou ao Felipe que a avó dela estava doente e que precisava de dinheiro para o tratamento e ele claro como estava apaixonado e confiava nela foi pedir dinheiro para a sua mãe e a mãe que também gostava muito dela deu o dinheiro para a menina, no dia seguinte de manhã descobriram o quarto dela e o da mãe completamente vazios. O meu filho passou dias e dias chorando e trancado no quarto a ligar para ela até que um dia ela atendeu e falou para ele que tinha fugido com o dinheiro dele e ainda lhe contou que o tinha traído com um outro garoto mais velho do que ela e que tinha fugido com ele faz hoje um ano que ela se foi embora.
-Nossa, coitado do Felipe ele não merecia uma coisa dessas pelo que você falou ele amava tanto essa garota!
-Pois é, ele amava mas já não ama mais ele agora só pensa em você!
-Eu tenho uma pergunta para você!
-Fala, menina!
-Isso tudo que você falou é a razão para o Felipe ser tão fechado comigo e andar por aí pegando geral?
-Não posso afirmar nada porque nunca conversei diretamente com ele sobre isso mas eu acho que sim.
-Eu gosto muito do seu filho mas ele é que não mostrava interesse por mim e eu acabei desistindo...
-Mas você já o esqueceu?
-Não, claro que não eu até tentei mas não consegui ainda!
-Então, não tente mais esquecer e fala para ele que gosta dele ele sente o mesmo e com toda a certeza vocês vão ficar juntos.-ele sorri para mim.-Boa sorte para vocês!
-Obrigada!-eu saio do quarto porque a hora da visita acabou e vou embora com Felipe.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...