História A filha da guerra - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias The Seven Deadly Sins (Nanatsu no Taizai)
Visualizações 20
Palavras 1.327
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, FemmeSlash, Ficção Científica, Fluffy, Harem, Hentai, Literatura Feminina, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Orange, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


eu ñ morri, só q ficou mais difícil postar por causa dos meus estudos q estão intensivos de+ eu ñ to conseguindo consilhar os dois. Bom é isso! espero que gostem!

Capítulo 1 - Prólogo: o anjo amaldiçoado


A criança de cabelo liso e platinado até a metade das costas, com franjão dois dedos abaixo da boca, seus olhos eram héterocromaticos; o esquerdo era azulado com símbolo das deusas, herdado de seu mãe;  o direito era âmbar terminado em verde esmeralda. Esse era o charme da garotinha. Seu rosto redondo e pálido, com bochechas coradas e gordinhas, tinha lábios finos e rosados. Tinha o fisio tipo gordinho, a garota platinada realmente era fofinha. E tinha uma doce personalidade, amava ajudar e brincar com as crianças de seu vilarejo. 

 

Ela usava um vestido branco bordado com acabamento em renda. Sentada sobre o chão de madeira do laboratório de Merlin, ela tentava destruir o braço de um demônio vermelho com sua arca.  

 

A mulher, muito bem vestida, de cabelo negros e lisos na altura do ombro dividido de lado, observava a garotinha. Realmente, ela tinha potencial, porém ainda era muito fraca. Vendo essa situação, a filha de Belial resolveu tomar medidas drásticas para liberar o potencial da garota. Andando em direção a mesma, que estava ao lado da mesa de porções da maga. 

 

—Mel, você vai sair com a titia pra um lugar chamado reino dos druidas.

 

 

 

(& $ &) _ (& $ &)

 

 

 

A menina, olhava de um lado para outro, ela conhecia aquele lugar, não lembrava de onde, mas conhecia. A mulher conversava com duas moças muito parecidas, a única diferença entre elas era a cor do cabelo — Uma loira e a outra morena—. 

 

A morena pegou na mão da pequena platinada, e foi andando até um caverna com ela. Apesar de ter apenas 7 anos, ela teria que despertar a força seus poderes, ela conseguia curar e ressuscitar apenas com um leve toque, porém, não foi criada na guerra. Suas habilidades defensivas era quase zero, Merlin queria saber o que seria da 4° herdeira do rei demônio, a filha de seu primogênito, Melanie, e também quinto arcarjo com poder mágico o suficiente para erradicar todo o clã demônio com um golpe. 

 

A garota, inocente, entrou na caverna, e logo foi abandonada pela mulher ali dentro. Ela seria forçada à demonstrar todo o poder do anjo amaldiçoado.

 

A pequenina foi andando pela caverna escura, até que se vi de frente para uma mulher alta com quatro asas, um longo cabelo liso e platinado com um franjinha na altura da sombrancelha, seus olhos eram héterocromaticos. Ela era exatamente igual à pequena platinada. A garota ficou encantada com as asas da mulher.

 

—Moça, qual é seu nome?—A garota foi andando até a mulher. E teve um grande silêncio vindo da mesma.  

 

Melanie tentou tocá-la, e num passe de mágica ela sumiu. A garota também se sentiu mais alta, e a virar para trás viu aquelas linda asas angelicais em suas costas. Ao virar para frente novamente, ela estava voando em um lugar totalmente desconhecido para ela, e na sua frente estava uma mulher de cabelos bagunçados de cor azul marinho, curtos na altura da nuca, seus olhos eram azuis celeste, e elas andavam pela floresta.

 

A garota estava imóvel, seu coração acelerado. Havia várias outros demônios em volta. Todos vaiavam a platinada.

 

—Então? O gato comeu sua língua?—Falou a ruiva, arqueando a sombrancelha.—Fala Melanie: Nós ou eles? Você vai uma escória como Meliodas? Ou vai ter a honra do clã dos demônios?

 

A garota respirou fundo e fechou os olhos. Novamente estava na caverna, e como criança. As lágrimas escorriam de seus olhos deseperadamente. 

 

A garota loira correu para dentro da caverna com todas suas forças, Merlin protegeu todos nas terra druidas com seu cubo perfeito. Enquanto envolta de todas a Britânia se formou uma arca da deusas, que foi desintegrando toda a Britânia.

 

A loira segurou na mão da platinada e a tirou da caverna correndo.

 

—Tia, o que aconteceu? Por que aquela mulher falou mal do meu pai?—A platinada perguntou inocente. 

 

Seu coração estava acelerado, sua respiração ofegante. Ela segurava a mão da druida, enquanto isso, Merlin levitou até as duas. E suspirou profundamente, e tocou a cabeça da menina, que caiu em sono profundo. 

 

—Jeane, acho melhor selar o poder dela. E agora toda Britânia está destruída por uma experiência minha. O medo dela destruiu Britânia superficialmente, apesar de superficial depois preciso saber o número de mortos.

— Colando seus pés ao chão, Merlin suspirou e passando a mão sobre o cabelo.— Cuide bem dela! Meliodas à confiou à mim, e estou confiando em você!

 

 

(& $ &) _ (& $ &)

 

—Gowther, eu sei que você sentiu esse poder mágico, e é de uma deusa. Acho que é a mais forte que já senti.—Falou demônio roxo, que possuiu um corpo de um homem jovem.

 

—Acho que é a filha de Elizabeth. Desde que Meliodas a deixou com Merlin, eu senti um forte poder mágico, mas não de ataque. E como é apenas uma criança, devemos mata-la antes que seja uma ameaça. — Falou o rosado virando um copo de cerveja. Ele colocou sua mão sobre a mesa, e pensou numa estratégia para se livrar da garota.

 

—Ela também é filha daquele traídor, ela pode ter algum poder ou maldição dada pelo rei.—Fraudin também virou um copo.—E matar ela também pode ser uma traição ao clã, ela é a 4° na linha da sucessão os trono. 

 

—Mas apenas o demônios que não foram selados na guerra sabe sobre a existência dela. Acho que consigo apagar qualquer rastro dela.—O rosado se levantou.—Se eu apagar a memória de Meliodas, acho que a maga dá falta, com isso não tem o que fazer. Então ela está protegida pela filha de Belial. — Ele saiu da taberna de um país ao lado de Britânia.—Mas se ela não for morta, ela facilmente superará o rei demônio. 

 

 

 

(& $ &) _ (& $ &)

 

 

Jeane ensaboava a pequena deusa, que se encontrava em uma pequena banheira de porcelana branca. Seu longo cabelo estava colado suas costas, entre suas pequenas asas. 

 

—Por que tinha uma mulher muito parecida comigo? Até às 4 asas eram iguais? Quem era ela?— Perguntou a jovem platinada, se virando para a loira.

 

—Eu não sei se é você, ou sua mãe. Além dessa mulher tinha mais alguém?

 

—Tinha sim, uma ruiva.

 

—Como ela era? 

 

—Tinha cabelo espetado e não usava roupas.

 

—Meu amor, o nome dela é Deriere. Ela falou alguma coisa?—Jeane colocou a mão no rosto da platinada. 

 

—Ela disse… — O cheiro de sangue se espalhou pelo banheiro dos druidas, o tronco da criança foi lançado parar o outro lado do banheiro. As pernas ainda permanecia na banheira que ficou carmesim.

 

O mandamento do altruísmo havia matado a garota, a pequena deusa. E seguida decapitou a druida à sangue frio. A cor da pele da loira em contraste com o vermelho daquele líquido viscoso e metálico, aquilo foi o suficiente para aquela marionete perder seu coração.

 

Meliodas sentiu um forte aperto no peito, as lágrimas escorriam pelos seus olhos. A velha sensação de fracasso, a ira tomou seu coração.

O loiro se levantou da mesa, respirou fundo. Saindo da estabelecimento que estava ele gritou, e gritou tão alto que o que sobrou da Britânia e todos os países vizinhos ouviram. Perdido em Ira, seu antigo eu, voltou a tona. A escuridão tomou seu coração, a única coisa que ele mais queria proteger se foi... Mesmo longe ele sentiu. A escuridão tomou forma de enorme asas em suas costas. E foi voando até o reino do druidas. Nunca voou tão rápido mesmo sua vida.

 

Ele estava descontrolado, só pensava em matar o assassino de sua filha. Ao chegar no reino dos druidas, encontrou um cenário desconsolador. O corpo de sua filha dividido em dois sangue por todo o banheiro, ao lado de suas pernas a cabeça da druidas. Ele foi andando até o tronco de sua filha, se sentou ao lado dela. A pegou no colo, e lágrimas escorriam desesperadamente de seus olhos. Novamente a mesma coisa. 

 

 

 

 


Notas Finais


bom, foi isso uma nova história pra quem tmb curte nanatsu no taizai. and goodbye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...