1. Spirit Fanfics >
  2. A Filha da Lua - BTS >
  3. Milagres.

História A Filha da Lua - BTS - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


(Capítulo não revisado)

Boa leitura ♡

Capítulo 4 - Milagres.


Fanfic / Fanfiction A Filha da Lua - BTS - Capítulo 4 - Milagres.


— E depois você vai fazer o quê? — A dupla andava pela praça da cidade e como era domingo, queriam aproveitar ao máximo o dia que precedia o retorno às aulas.

— Eu realmente estou muito curioso para saber como eu me sairia sendo um lobo. — Jimin respondeu concentrado em sua porção de batatas fritas. — Então estava pensando em voltar a Mun Billiji e me encontrar com aquela loba, Ana Gabriela. 

— E pretendia me contar isso quando? — Jeongguk questionou levantando a sobrancelha fazendo o ômega sorrir de forma sapeca enquanto parava a sua frente.

— Bem, eu não te contaria, apenas te levaria comigo mesmo. — Jimin riu fazendo seus olhos sumirem de forma fofa pelo seu rosto antes de olhar animado para o alfa a sua frente. — E então, vamos? 


















— Você realmente voltará a estudar? — Ana Gabriela perguntou a ômega que estava sentada à sua frente. — Não tem medo de que eles descubram?

— Eu não posso continuar a não fazer nada, a apenas deixar que eles controlem minha… Nossa vida como bem entendem. — JunHee explicou — Somos uma mesma espécie, um mesmo povo, não sei porque nos odeiam tanto. 

— Talvez seja devido à profecia dos anciãos. — A albina respondeu olhando para o sol vendo a loira mexer com a cabeça como se desaprovasse. 

— O fato é que eles nunca aceitaram meu amor para com o Taehy, nem o dele para comigo! Somos ambos ômegas e como se não bastasse, ele é o primeiro na linha de sucessão. Nunca poderemos ter filhos e isso é altamente inadmissível. — A Jung explicou com um semblante triste. — Se fosse pela profecia, a castigada seria você. Você é albina, eu ao menos consigo me transformar. — JunHee pegou as mãos da Kim olhando no fundo de seus olhos. — A verdadeira ameaça para eles, é você. 

— Você sabe que eu não acredito nisso. — Ana falou se sentindo desconfortável. — Não é possível que eu seja uma Filha da Lua, eu apenas nasci doente e nada a mais.

— Nós não ficamos doentes, Ana Gabriela, sabe disso. — A loira se levantou passando a caminhar na pequena sala da oca. — Seu pai e você são especiais, acho que o senhor Namjoon sabe disso, você é a única que tenta negar os fatos. É por isso que os Alfas o intimidam e o humilham: Para que não assumam a liderança como é sua de direito.

— Chega! Você está ficando muito com o Hoseok, ele não para de ir nas reuniões dos… — Ana Gabriela suspirou se levantando e segurando a ômega pelos ombros. — Pare de aplicar esperanças na gente. Somos apenas servos, assim como você. Os Filhos da Lua não vivem mais, não possuem mais descendentes diretos, essa tal profecia, essa crença não os levará além de uma falsa esperança.

— Você sabe que Taehyung encontrou seu soulmate, sabe que isso estava nas profecias! — JunHee disse. — Aquele Jeon tem cabelos de fogo!

— Pela Lua, JunHee! Está ouvindo o quê está dizendo? — Ana Gabriela perguntou assustada se afastando da ômega transtornada. — Você está insinuando que Taehyung e Dahyun sejam os filhos de outra lua e o Jeongguk a mesma coisa?! — A ômega albina bagunçou seus cabelos. — JunHee você acaba de insinuar que Kim Seokjin e Kim JunWei não sejam os verdadeiros pais deles! Pela Lua, Hee! Nunca mais diga uma asquerosidade como esta!

— Os cabelos! — A Jung exclamou. — Tem que haver uma explicação para tudo isso estar acontecendo.

— Tudo isso o quê, JunHee? Taehyung conhecer o soulmate dele? Lua! É a vida, é assim que ela funciona! — O tom da albina era forte e a Jung não pôde controlar seus olhos que ficaram marejados. — Isso é fanatismo, é loucura, pare de tentar achar "explicações" para que seu amor impossível possa ser possível! — Ana Gabriela disse de uma vez arregalando os olhos ao terminar a sentença se dando conta do que havia falado.

— Certo… — JunHee riu sem motivo deixando as lágrimas escorrerem por seu rosto se afastando da albina quando a mesma deu um passo em sua direção. — Acho que é melhor eu ir, antes que os Alfas se irritem com minha demora. — disse antes de sair correndo da oca ignorando os chamados da Kim que a olhava arrependida.













— Oh, você está bem? — Jimin questionou preocupado assim que a ômega se trombara consigo. — JunHee, certo? — perguntou vendo a ômega enxugar suas lágrimas os olhando assustada. 

— Está precisando de ajuda? — Jeon se ofereceu um tanto sem graça ao ter o olhar da ômega sobre si por tanto tempo.

— O soulmate do Taehyung. — Ela sussurrou sem tirar os olhos do alfa que intercalava seu olhar entre os dois ômegas que o olhavam.

— E você é a namorada dele. — Jeongguk disse sorridente logo mudando a expressão ao ver uma sombra se apossar do semblante da mulher.

— Quem estão procurando? Se fosse o senhor Taehyung estariam seguindo outro caminho. — JunHee ignorou sua fala tomando uma distância segura dos homens que a olhavam confusos e surpresos.

— Estamos procurando a Ana Gabriela. A loba de pelos brancos. — O Park respondeu vendo os lábios da ômega se curvarem quase imperceptivelmente para baixo.

— Subam a colina. É a única oca da região. — A Jung informou antes de começar a caminhar em direção da aldeia sem deixar que a dupla de amigos pudessem agradecê-la.

— Parece que ela e Ana Gabriela brigaram então. — Jimin comentou enquanto seguiam o caminho indicado pela ômega.

— Verdade, ela estava vindo de lá. — Jeongguk murmurou concordando olhando para trás vendo que a ômega já havia sumido. — Você reparou na tristeza que tomou conta dela quando eu disse que ela namorava o Tae? 

— Deve ser complicado… Eles são ômegas Jeongguk, eu percebi a forma como Taehyung a olha, é como Yoongi olha para a Suran. — Jimin disse cabisbaixo. — E pelo que vimos ontem, as coisas não são muito boas para eles aqui.

— Os pais dele são dois alfas. Deveriam aceitar essa relação. — O Jeon disse parecendo preocupado e indignado fazendo com que Jimin sorrisse em sua direção. 

— Já está preocupado com ele desta forma? — O Park questionou risonho ao ver a oca que procuravam.

— Ele é meu soulmate, Minie. — Foi o que o alfa respondeu antes de olhar em direção à oca, onde Ana Gabriela os observava se aproximar junto a um homem tão branco quanto si.

— Olá! — Ela sorriu se adiantando até os dois. — Não pensei que fosse vê-los tão depressa! Esqueceram o caminho até a Aldeia?

— Na verdade, ontem eu dormi muito pensativo após a conversa com os líderes Kim, sobre os lobos e os filhos. — Jimin explica tentando conter a animação enquanto segurava o braço de Jeon afobadamente. — Então, como eu não me senti muito bem lá, pensei que você poderia nos ajudar a começarmos nossa jornada para transformação e quem sabe nos explicar mais sobre o lado da nossa evolução que não conhecemos? — O Park terminou tímido quase se escondendo completamente atrás do amigo ao ver o alfa não tão desconhecido se aproximar sutilmente de onde estavam.

— Seria incrível, não vejo problemas nisso, podemos ajudá-los, pai? — A ômega questionou ao alfa que agora estava ao seu lado os olhando terno.

— Mas é claro que sim, será uma grande honra! — O albino falou sorrindo mostrando covinhas fofas que quebravam a áurea ameaçadora do mesmo. — Me chamo Kim Namjoon, sou o pai da Ana Gabriela.  É um prazer conhecer mais de seus amigos e é mais prazeroso ainda ajudá-los a conhecer  a fundo sua história.

— Meu nome é Jeon Jeongguk e este é Jimin. — O alfa respondeu sorridente. — Muito obrigado por nos ajudar.

— Certo, filha os prepare chá de camélia para que eles possam se acalmar. — Namjoon pediu enquanto caminhava com eles em direção à uma clareira. — Antes de tudo preciso saber o nível de conhecimento de vocês. — disse assim que pararam no centro da mesma, sentando na grama fofinha.

— Bem, sobre o fim dos Filhos da Lua e das outras Luas. — Jimin disse pensativo. — Meus avós me contavam algumas histórias, mas nunca levei muito a sério, pelo menos não antes de conhecer sua filha, mas admito Sr.Kim. — O ômega sorriu tímido para o alfa que o ouvia calmamente. — Sempre tive esperanças de que pelo menos um por cento das lendas que me contassem pudessem ser reais, como por exemplo a transformação para a forma lupina.

— E você, jovem Jeon? — O alfa questionou para o outro alfa que parecia indeciso.

— Sendo sincero, nunca acreditei nisso, sempre comprei o que os cientistas diziam. — Jeongguk o respondeu. — E mesmo após ver sua filha, ainda não consigo acreditar de fato. Afinal, os pelos dela são brancos e não querendo ser rude, os lobos de pelos brancos como os dela foram extintos até mesmo os selvagens, como os Alfas Kim disseram.

— A linhagem dos Filhos da Lua é muito mais que a cor da pelagem que os cobrem quando estão em suas formas lupinas. — Namjoon disse parecendo nostálgico e orgulhoso. — Ser um Filho da Lua significa estar ligado diretamente à ela. Significa ser puro de alma e coração, ser benevolente e protetor para com os seus, como uma real matilha deve ser. Um Filho da Lua não deseja nada mais que a paz para seu povo independentemente das fases que os originaram.

— Como assim fases? — Jeongguk perguntou sendo acompanhado de um aceno por parte do Park.

— Os Filhos da Lua representam a lua cheia, os outros filhos são da Lua minguante, lua minguante gibosa, lua quarto minguante, lua crescente, lua quarto crescente, lua crescente gibosa,  lua nova, lua azul, lua vermelha, até mesmo o lado escuro da lua. Enfim, percebe-se que são muitos nomes e apenas uma única Lua. — Namjoon explicou vendo os meninos o olharem interessados. —  Ser um Filho da Lua significa proteger os seus. Por isso, algo que poucos lupinos sabem sobres os descendentes diretos do Satélite Natural, nomeado Lua. É que sempre que são corrompidos, manchas escuras começam a pintar sua pelagem. Por isso que muitos não acreditam que os Filhos da Lua estejam realmente mortos.

— Prontinho. — Ana Gabriela exclama assim que chega com dois copos de chá de camélia, logo os entregando para os visitantes.

— Bebam com calma, apreciem o sabor. — Namjoon os instruiu agora de pé ao lado da filha. — Sintam o vento em suas peles, escutem os sons da floresta, seus corações batendo. Conectem-se com os seus interiores.

Pai e filha observavam o ômega e o alfa concentrados no que faziam, mas era evidente que Jeongguk ainda não acreditava que poderia ser real, já o Park estava totalmente relaxado e seu cheiro se tornava cada vez mais forte.

— Gente, estou sentindo algo estranho. — Jimin disse quase com a voz perdida, suas mãos tremiam, assim como seu corpo fazendo com que ambos os albinos de entreolhassem antes do ômega desmaiar nos braços do mais velho que se aproximara já prevendo o acontecimento. 

— Já está bom por hoje. — Namjoon disse sorrindo fechado ajeitando o corpo do Park em seu colo. — O ômega fez um grande avanço. — falou antes de começar a caminhar de volta para a oca com Jimin no colo.

— Jeon? — Ana Gabriela o chamou vendo suas sobrancelhas franzidas ao que o alfa abria os olhos parecendo descontente. 

— Eu não senti nada. — bufou passando a caminhar ao lado da ômega que escondeu um riso ao ver o alfa frustrado. — Nada de diferente a não ser o cheiro mais forte de Jimin.

— Você só terá um avanço quando acreditar. — Ana falou sorrindo terna em sua direção. — Permita-se acreditar. — tocou rápida e carinhosamente em seu ombro antes de voltarem a caminhar em silêncio em direção à oca dos Kim.














— Mamãe, o quê a senhora está fazendo? — Dahyun perguntou confusa ao ver tantos livros espalhados no escritório da alfa.

— Estou pesquisando, ômega. — JunWei respondeu sem tirar os olhos dos arquivos que suas mãos seguravam.

— Sobre o Jeongguk e o Jimin? — questionou confusa ao ver duas fotos dos menos entre os papéis se encolhendo ao ter o olhar indecifrável da alfa sobre si.

— Apenas desejo saber mais sobre o soulmate do meu filho e suas companhias, há algum problema com isso? — A alfa questionou parecendo confusa. — Sou a mãe de vocês e sempre vou querer o melhor para cada um dos meus filhos.

— Entendendo, mas mamãe… — Dahyun chamou sua atenção assim que viu que a alfa voltaria a sua pesquisa.

— Não tenho tempo para conversar agora, minha pequena ômega. — JunWei sorriu calorosamente em direção à filha. — Seja uma boa irmã e cuide de Taehyung, sim? Certifique-se de que ele não está com aquela serviçal. 

— Por que vocês não aceitam esse relacionamento? — A azulada perguntou triste. — A senhora e o papai são o maior exemplo de que eles podem dar certo, vocês nos tiveram quando todos diziam que não poderiam!

— Seu irmão é um ômega, Dahyun, um pequeno e frágil ômega e todo ômega precisa ser protegido. — A alfa disse em tom calmo e carinhoso, olhando com pesar para a filha. — Se JunHee fosse uma beta, nós poderíamos abençoa-los. Mas tente imaginar, dois ômegas juntos… Se algo acontecer que os coloque em perigo, eles não saberão como se proteger, se algum ou alguma alfa má intencionada se aproximar deles, acha que eles conseguiriam se defender? — perguntou vendo a ômega negar com a cabeça e com seus ombros caídos. — Sei que eu e seu pai somos duros mas tente ver pelo nosso lado, somos dois alfas que foram abençoados com dois filhotes ômegas, filhotes frágeis e sensíveis devido às minhas gestações de risco. — JunWei se levantou e abraçou a jovem ômega. — Vocês são nossos milagres. — A alfa deixou um selar demorado nas madeixas da ômega antes de se afastar sorrindo ternamente em sua direção.






Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...