História The Queen's Daughter - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Henry Mills, Lacey (Belle), Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Tinker Bell, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Visualizações 65
Palavras 5.801
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Capitulo 3


-Zelena eu espero que você já esteja pronta, não va chegar atrasada… - Regina invandiu o quarto da ruiva e não a encontrou, foi até o banheiro e nada de irmã. Foi no quarto da sobrinha e a pequena dormia tranquilamente porém sem sinais da mãe. - Cadê essa mulher?

 

Regina desceu até a cozinha e tinha um bilhete junto com o café da manhã.

 

Bom, como você percebeu eu não estou em casa, já fui para o tal estudio. Não se preocupe pois peguei seu celular para chamar o tal Uber, chegarei alguns minutos mais cedo para evitar problemas. Tem café para você e uma salada frutas para Robin, não a deixe dormir até tarde. Boa sorte cuidando da sua sobrinha sozinha.

 

A morena se impressionou com a caligrafia da irmã. Era impecável igual a sua. Regina sorriu ao ver que Zelena tinha se preocupado em fazer o café para ela.

 

-Até que a minha irmãzinha sabe ser uma boa irmã. - a morena olhou a hora, ainda era cedo, deixaria a sobrinha dormindo mais um pouco, ela subiu e tomou um relaxante banho de banheira, tinha que resolver muita coisa ainda. Tinha que ir na firma para resolver seus horários de trabalho, contratar uma boa babá para Robin, comprar dois carros, isso seria mais uma cortesia de Rumple independente de sua vontade, e cuidar da matrícula de Henry.

Quando o relógio marcou 8h30min, a morena foi até o quarto da sobrinha e ficou a encarando. Começou a se lembrar de quando Henry tinha sua idade e ficava puxando seus cabelos, jogando os brinquedos para os cantos, foi com certeza a melhor época da sua vida.

-Minha lindinha, tá na hora de acordar. - a morena acariciava o rosto da sobrinha delicadamente, não gostava de ter que acordar a pequena mas sabia que Zelena tentava educar a filha da maneira mais correta possível, e não seria ela que iria atrapalhar na educação da sobrinha. - Mas dizem que às tias servem para estragar os sobrinhos não é mesmo? Mas você já é tão levadinha sem a ajuda da titia pra que piorar pro meu lado não é mesmo? Anda Robin acorda, eu tô com fome.

 

Aos poucos a menina foi acordando muito mal humorada.

 

-Não adianta me olhar de cara feia não, são ordens da sua mãe. - Regina tirou a menina do berço e encheu a banheira para lhe dar banho. - Vamos fazer um acordo, você não me molha e eu te dou pedaço de chocolate depois do café da manhã. Tá?

-Tá… - aquela era a primeira palavra que Robin pronunciava com clareza ou parecia que era, o morena se surpreendeu e resolveu gravar um vídeo para enviar para Zelena.

-Fala de novo meu amorzinho, sua mãe vai ficar tão feliz. - Regina focou na sobrinha e ficou esperando. - Se você falar de novo eu dobro a recompensa naquele nosso acordo, tá?

-Tá...tá, tá, tá. - a pequena se empolgou e começou a bater com os bracinhos na água.

-Não Robin, você descumpriu nosso acordo. - Regina parou de gravar e enviou o vídeo para a irmã. - Olha só, agora eu vou ter que trocar de roupa de novo.

-Tá. - a menina olhou a tia sorrindo, não estava entendendo nada e achava que tudo era uma brincadeira.

-Meu Deus, vai ficar igual a uma metralhadora agora. - Regina terminou o banho da sobrinha e a enxugou no banheiro mesmo, a menininha não tinha forças nas pernas para se sustentar por isso Regina se sentou na borda e colocou Robin no colo. - Agora você está cheirosinha.

 

A morena levou a pequena até o quarto e a vestiu com um conjuntinho que já estava na cama separado.

 

-Agora podemos comer. - às duas foram até a cozinha e Regina colocou a menina na cadeirinha. - Bom você tem a opção de salada de frutas ou frutas cortadinhas, o que vai querer?

-… - a pequena olhou para a tia com um sorrisinho banquela, olhava para todo canto em busca da mãe.

-Ótima escolha. - a morena pegou a vasilha e foi dando uma fruta de cada vez. - Como assim você não come maçã Robin? Você é uma Mills, tem que gostar de maçã, tradição familiar. - a menina se negou a comer a fruta, em parte por não ter dentinhos para mastigar, comeu apenas às frutas macias: banana, mamão, melancia e todas que não machucavam sua gengiva.

 

Depois de alimentar a pequena, Regina alimentou a si mesma, não era habituada a comer muito pela manhã só o básico, mas se sentiu na obrigação de comer por Zelena. A ruiva tinha feito tudo com tanto carinho.

 

-Que tal irmos conhecer a vizinhança? Não temos nada pra fazer aqui mesmo. - Regina pegou o carrinho e colocou a pequena dentro. Não tinha a menor ideia de como seria a adaptação da sobrinha em um novo país. Conhecendo pessoas novas.

Regina mandou uma mensagem para Zelena avisando que estava saindo para dar uma volta na vizinha, a ruiva respondeu dizendo que não iria demorar pois não teria nada para fazer naquele dia apenas ler e assinar o contrato.

Regina rodou a vizinhança toda e conheceu alguns dos moradores mais próximos.

 

-Olá. - uma mulher que aparentava ter uns 30 anos se aproximou com um menininho nos braços.

-Oi. - a morena sorriu por educação e olhou para o menino.

-Prazer eu sou a Eva, sou sua vizinha de frente. - a mulher estendeu a mão que Regina prontamente apertou.

-Eu sou a Regina e essa é a minha sobrinha Robin. - a moça olhou para a pequena e sorriu.

-Esse aqui é o Tomás. Meu filho. - o menino se mantinha bem tímido agarrado na mãe. - Ele é um pouco tímido.

-Queria poder dizer a mesma coisa mas minha sobrinha não tem essa personalidade. - Robin sorria toda fofa e ficava procurando a tia que não via desde o momento que saiu de casa;

-Você não me parece inglesa? - Eva era uma mulher bastante perspicaz e conseguia identificar às pessoas com facilidade.

-Somos novas no país. Me mudei a alguns dias com a minha irmã. Somos… americanas. - Regina sentiu o celular vibrar e o pegou. - Minha irmã já chegou, acho que está na hora de passar a tocha.

-Foi um prazer conhecê-lá Regina, qualquer coisa que precisar você pode aparecer. - a mulher se despediu de Robin e foi para sua casa, como ela tinha dito realmente morava de frente para a morena.

-Amorzinho, mamãe chegou e está na hora de você enlouquecer ela. - às duas voltaram para casa e encontraram Zelena na cozinha. - Hello Zel.

-Olá, vi você conversando com uma mulher quando cheguei. Fazendo amizades? - a ruiva estava comendo uma maçã enquanto escolhia os ingredientes para preparar o almoço.

-Sim, conheci algumas pessoas que moram por aqui. Todos me lembraram a Snow. - Zelena começou a rir e a filha gritou querendo chamar a sua atenção.

-Oi meu amor, estava com saudades da mamãe? - a ruiva pegou a filha e a abraçou. - Vi o vídeo que me mandou, de que acordo estávamos falando?

-Ah, prometi levá-lá para passear caso não me molhasse. - Regina foi até a geladeira e pegou a garrafa de água. - O que vai fazer para o almoço?

-Salada de frango grelhado com molho de manga. E você?

-Eu o que? - Regina arqueou a sobrancelha. - Nem vem, se você vai fazer pra você vai fazer pra mim também.

-Você se contenta comendo apenas isso? Ou quer algo a mais? Sabe, você deve estar morrendo de fome. - Zelena colocou a fica no bebê conforto epegou um brinquedinho para ela se distrair.

-Você tá ficando bastante atenciosa não é mesmo? Que orgulho. - a morena riu sarcástica.

-Olha eu posso te deixar fazer sua comida se você quiser eu não ligo não. - Zelena bufou e começou a fazer o molho.

-Não, eu estou adorando você assim. - Regina se sentou ao lado da sobrinha. - Como foi no estúdio?

-Foi ótimo, irão fazer um filme de comédia e eu seria a atriz principal. - a ruiva estava concentrada cortando os legumes. - Eu irei começar a trabalhar semana que vem então teremos três dias para poder criar um cronograma para nós e Robin. Você já sabe onde vai trabalhar?

-Rumple me mandou um e-mail com todas às informações mas ainda não tive tempo de me concentrar nos detalhes. Temos tanta coisa pra fazer em tão pouco tempo Zelena. Acho que deveríamos ter nos preparado mais.

-Ei, já passamos por coisa muito mais difícil, daremos conta de tudo com os olhos fechados.

-Assim espero. - Regina pegou o celular e mandou uma mensagem para o filho. - Sabia que sua filha não come maçã?

-Claro que come. Eu amasso todo dia para ela. - a ruiva olhou para a irmã como se ela estivesse louca.

-Você amassa? - Regina olhou para a sobrinha e viu uma luz brilhando como se acabasse de perceber que tinha esquecido de uma coisa muito óbvia.

-Regina, eu amasso tudo para ela, ela não tem dente pra comer nada sólido. - Zelena se virou para Regina meio desacreditada. - Você deu pedaços inteiros para Robin? Regina você criou Henry como?

-Não me julgue okay? Eu batia tudo pra ele. Não tinha que me preocupar com isso de amassar. - a morena apontou para o liquidificador.

-Deveria ser nojento salada de frutas batidas. - a ruiva fez cara de novo e pegou uma jarra pra fazer suco.

-Meu filho gostava tá.

-Tudo bem o super mãe. Logo você terá sua chance de se redimir.

-O que você quer dizer com isso? - Regina já tinha esquecido da história da gravidez mas esse assunto ainda martelava na cabeça da ruiva.

-Nada demais. Por que você não leva Robin para assistir alguma coisa? Um desenho, sei lá.

-Tudo bem. - a morena levou a sobrinha para a sala e ligou a TV, colocou um desenho para ela assistir e ficou mexendo no celular. - Espero que sua mãe agilize a vida eu tô morrendo de fome.

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

-Zelena, essa foi a quinta candidata… Qual o problema dessa? - Regina estava sentada no sofá encarando a irmã, estavam a quase três horas sentadas recebendo candidatas para serem babás de Robin e nenhuma tinha sido ao menos considerada para a vaga.

-Você viu o modo que ela se vestia? Minha filha não vai conviver com uma pessoa sem senso de moda.

-Você tá de palhaçada com a minha cara né? - Regina se levantou e foi andando até a irmã. - Eu tô aqui a horas te ajudando e você dispensou a moça por que ela não se veste de acordo com os seus padrões?

-Regina, a mulher tá usando listras com xadrez. Deveria ser crime fazer isso. - a ruiva pegou o celular e checou a próxima entrevistada. - Olha a próxima já está pra chegar, Elizabeth W. Grant. Pela foto ela se veste como uma pessoa normal.

-Pela foto da pra ver se ela sabe cuidar de uma criança também? - a morena revirou os olhos, estava cansada e com fome. - Zelena eu começo a trabalhar na segunda, você tem às gravações pro seu filme lá, Robin precisa de uma babá.

-Regina, você dispensou a primeira candidata por que ela tinha mechas coloridas no cabelo. Então não reclama pois só estamos aqui por sua culpa já que por mim a primeira candidata teria sido uma perfeita escolha.

-Minha culpa um caralho… - a morena se levantou exaltada e parou quando percebeu o que tinha dito.

-Regina! Olha a boca. Caso não saiba sua sobrinha se espelha em você pra falar às coisas. - Zelena tapou os ouvidos da menina.

-Essa vai ser a última que eu vou te ajudar a entrevistar. Se não for ela você vai ter que levar Robin com você.

-Ata bom. - a campainha tocou e a morena se levantou para abrir.

-Boa tarde senhorita Grant. - Regina abriu a porta e se afastou para que a mulher entrasse.

-Boa tarde. - a moça pediu licença e entrou. Não era a primeira vez que trabalhava como babá, tinha ótimas referências e tinha disponibilidade de horário.

-Olá Senhorita Grant. - Zelena se levantou e foi cumprimentar a mulher. - Eu sou a Zelena, aquela é a minha irmã Regina e essa é a minha filha Robin.

-É um prazer conhecê-las. - Elizabeth olhou para a bebê que se jogou em seus braços. - Olá pequena.

-Sabe Regina, eu achava que o problema era você mas acabei de perceber que a minha filha se joga nos braços de qualquer pessoa. - Regina quase riu da cara de desgosto da irmã.

-Isso porque ela não gosta de ficar no seu colo. - Regina se aproximou da moça e pegou o envelope que estava na sua mão. - Vejo que tem um ótimo currículo senhorita Grant.

-Se não se importam prefiro que me chamem se Lana. - a moça não olhou para Regina, estava focada em segurar Robin em segurança e impedir que ela puxasse seu cabelo.

-Lana? Mas seu nome não é Elizabeth? - a ruiva pegou o currículo para ter certeza.

-Elizabeth é meu nome batismo, era o nome da minha avó e bom, quando me chamam de Elizabeth eu me lembro dela. - a expressão da moça mudou mas ela logo se prontificou de disfarçar.

-Tudo bem, a chamaremos como achar melhor. - Regina respondeu simpática e começou a fazer a entrevista, não confiava em Zelena para julgar alguém.

-Então Eli… Lana, seu último trabalho foi a seis meses e você pediu demissão, por que?

-Assédio. Meu antigo patrão não sabia respeitar os limites. Então eu pedi demissão. - a moça fez uma careta ao se lembrar do ocorrido.

-Você terminou a faculdade? - Zelena fez uma careta para irmã, Regina sempre  arrumava umas perguntas esquisitas para fazer. O que a formação da moça iria alterar em sua vida?

-Sim, me formei em filosofia. Porém eu tenho melhor desempenho fazendo outras coisas.

-E você não tem planos de trabalhar com outra coisa?

-Não. Eu gosto de cuidar de crianças, já fui voluntária várias vezes em escolas e eu também tenho que ajudar a cuidar de uma empresa, aí não tenho como pensar em começar outras coisas agora.

-Você tem que fazer o que? - Zelena que estava prestando o mínimo de atenção na conversa pensou ter escutado errado.

-Meus pais são donos de uma empresa e eles exigem que pelo menos uma vez por semana eu e meus irmão vamos a empresa aprender como administrar. Ser babá para mim é mais como um hobbie, eu adoro crianças e gosto de ajudar. E comandar uma empresa exige especificações que não me cabem e bom eu também não me interesso por ela.

-E você não quer a empresa. - Regina concluiu.

-Não, eu tenho dois irmãos que não ligam em administrar a empresa sem mim mas… meus pais não entendem isso, eles querem nós três trabalhando juntos. Eu aceitei ir aos poucos desde que eles não interfiram nas minhas escolhas.

-Bom, você tem um currículo excelente, tem horários flexíveis, boas recomendações, e conseguiu conquistar minha sobrinha…

-Isso não é lá muito difícil né Regina, mais dada do que essa menina só você.

-ZELENA.

-Bom Lana, o que minha irmã quer dizer é que está contratada, e pode começar na segunda feira às 8:00hrs. - Zelena pegou a filha e sorriu gentilmente para a moça. - Você é uma moça bem estranha, por isso é perfeita para trabalhar conosco.

-Zelena, você não deve falar para às pessoas que elas são estranhas. - Regina negou com a cabeça, a irmã estava mais fora da casinha do que o habitual.

-Não se preocupe senhorita Mills, ela não está errada. - Lana sorriu e se virou para ir embora. Regina fez questão de levar a mulher até a porta.

-Me desculpe pela minha irmã, ela tem umas manias estranhas e uma personalidade mais estranha ainda, não a leve a sério.

-A senhorita realmente não precisa se preocupar. Eu me identifico bastante com a personalidade dela. - a moça foi andando até um carro prata que estava estacionado de frente a casa.

-LANAAA… - um menininho de aparentemente 2 anos de idade gritou do outro lado da rua, a moça sabia bem de quem era aquela voz. Lana encarou a mulher que estava segurando o menino, a meses não via nenhum dos dois.

-Você os conhece? - Regina olhou para frente e viu Eva tentando conter o filho.

-Sim, eu fui babá do Tomás. - Lana se virou para Regina. - E a mãe dele não gosta muito de mim. Mas isso é história para outro dia. Foi um prazer conhecê-las.

 

Lana entrou no carro e foi embora, Regina acenou para Eva e voltou pra casa.

 

-Zelena, você poderia fazer alguma coisa pra gente comer não é? Eu fiquei praticamente a tarde toda fazendo às entrevistas por você.

-Você usou a boca pra fazer às entrevistas não a mão. - a ruiva tentava sentar a filha no sofá que não parava quieta.

-Nossa, cadê aquele amor todo que você estava direcionando para mim a alguns dias atrás. - Regina se aproximou e se sentou ao lado da irmã.

-Regina, isso foi a dois dias. Você acreditou mesmo que iria durar? - Zelena olhou a irmã nos olhos, estava brincando porém não perdia às oportunidades que a vida lhe dava de irritar Regina.

-Não foi pra isso que eu te trouxe para Londres não tá querida. - Robin não parava de se mexe e já estava irritando Zelena.

-Eu vou fazer algo pra você comer e você cuida da atrevida da sua sobrinha. - a ruiva se levantou e foi para a cozinha, tinha que ter muita paciência pra aguentar a filha que nem falava e já estava rebelde e a irmã que parecia ter desaprendido como cozinhar.

 

-Tá aqui seu lanche. - Zelena levou em uma bandeja uma salada de frutas para a irmã e para a filha. - Robin, acho que já está na hora de aprender a comer sozinha né filha?

-Zelena, Robin ainda vai fazer 8 meses, não sabe nem do que você tá falando. - Regina pegou sua salada e sentiu que estava faltando alguma coisa. - Zel?

-Que foi? - a ruiva estava fazendo caretas para que a filha comesse sem se sujar.

-Você sabe se eu comprei ketchup? Ou algum molho? - Zelena arqueou a sobrancelha e olhou para a irmã.

-Pra que você quer ketchup? Acabei de fazer uma salada de frutas para você.

-Eu sei, mas já pensou em como pode ser gostoso misturar a salada de frutas com o ketchup? - a morena se levantou e foi até a cozinha, revirou todos os armários até encontrar o ketchup. Não tinha noção de onde aquele pensamento tinha surgido mas queria provar do mesmo jeito.

-Regina, você vai passar mal comendo isso, para de graça. - Zelena negou com a cabeça e fez cara de nojo ao ver a irmã comendo salada de frutas com ketchup. - Pelo visto eu não tenho mais só uma filha né, eu tenho duas.

-Para a sua informação ficou uma delicia ta bom. - a morena fez uma careta ao sentir que a comida não queria parar no seu estômago. - Mas você tinha razão quando ao me fazer mal.

 

Regina se levantou correndo e foi para o banheiro, colocou para fora tudo que tinha comido e não comido também. Zelena que já estava cansada da teimosia da irmã pegou o celular e procurou a farmacia mais proxima, pegou o número e ligou.

 

-Regina? Cadê seu cartão de crédito? - a ruiva gritou da sala, podia procurar mas estava com preguiça.

-Está na minha bolsa, por que? - Regina saiu do banheiro um pouco abatida e foi se sentar no sofá.

-Eu to comprando um treco aqui e preciso saber o número do cartão.. - Zelena respondeu do escritorio onde sabia que a bolsa da irmã estaria.

-Vai comprar que treco Zelena? Não se esqueça que Gold vai receber todas às faturas deste mês até termos uma estabilidade financeira. - Robin que estava sentadinha no chão com seus brinquedos foi engatinhando até a tia. - Você sabe o que sua mãe quer comprar?

-Já comprei. - Zelena apareceu na sala com um sorriso nos lábios, Regina logo percebeu que a irmã tinha aprontado alguma coisa.

-O que você comprou?

-Um presente para você…

-Que presente? Eu não gosto de presentes.

-Surpresa.

-Eu não gosto de surpresas.

-Não ligo, vai receber e ficar surpresa. - Zelena pegou o celular e mandou uma mensagem para Henry.

 

Z: Tá ai?

H: Agr eu to. Tá tudo bem por ai? - Henry tinha acabado de sair da escola e estava indo para casa, desde que a mãe tinha indo embora ele só fazia estudar para ter notas impecáveis e conseguir se inscrever na universidade que estava de olho.

Z: Acho que sua mãe está grávida… Não conta pra ela que eu disse isso. - a ruiva olhou para a irmã que estava quietinha abraçada com Robin. - E também acho que ela está tentando roubar minha filha de mim.

H: O que? Como assim grávida? De quem? - o menino parou de andar na hora e viu o avô olhando para ele com um sorrisinho do outro lado da rua. Era no mínimo estranho já que Rumple não era muito ligado ao neto.

Z: Como assim de quem o pirralho? Do Robin não é… de quem mais seria? - às vezes Zelena se esquecia que Henry era filho de Emma e por isso tinha tendências a ser mais lerdinho.

H: Meu deus tia, e agr? E ela não sabe? Pq vc acha isso?

Z: Você lembra que eu disse que sua mãe passou mal?

H: S…

Z: O médico disse que ela estava grávida, mas a teimosa da sua mãe disse que ele estava enganado e que não podia ter filhos, desde então eu tenho prestado mais atenção e bom, eu acredito que o médico está certo, sua mãe acabou de comer salada de frutas com ketchup.

H: Ela detesta ketchup… Acho que pode estar certa. Será que temos mais uma Mills-Hood a caminho?

Z: Eu tbm quero saber, por isso eu comprei 7 testes de gravidez para ela, um de cada marca, vai chegar daqui a pouco, vou obrigar ela a fazer e bom, se for verdade ela vai te contar. Se der negativo eu te conto.

H: Vai ficar meio óbvio se vc não me mandar mensagem né tia?

Z: Mas não vai ser culpa minha e sim da sua inteligência. - a campainha tocou e Zelena se levantou para atender. - Os testes chegaram fica atento aí.

 

Zelena agradeceu ao entregador e foi até a sala, Regina estava olhando para o nada e Robin dormia tranquilamente no colo da tia.

 

-Regina, eu comprei isso para você. - Zelena pegou a filha e entregou a sacola para a irmã. - Só faça okay? Sem discussão ou birra. - a morena olhou confusa para a irmã e pensou em fazer birra sim, mas devido a acontecimentos recentes também estava com algumas dúvidas.

-Tá. Assim você para com essa palhaçada de gravidez. - Regina pegou três testes e deixou o resto no sofá.

-Não é palhaçada Regina, você está tentando tapar o sol com a peneira mas saiba que não vai adiantar. - a ruiva subiu para o quarto da filha e a deitou cuidadosamente no berço. - Você está cada diz mais esperta não é minha bebê. Espero que sua tia perceba logo que ela terá mais responsabilidade do que imaginara.

 

Zelena deixou a filha no quarto e foi para o seu próprio, estava cansada e tinha que terminar de arrumar suas coisas, pegou a última mala de roupa que faltava e foi para o closet. Sorriu ao ver que tinha algumas roupas da filha.

-Zel? Você tá aqui? - a ruiva ouviu a voz da irmã e colocou a cabeça para fora do espaço.

-Estou aqui. - a ruiva se deitou no chão e ficou olhando para a irmã. - E então o que deu?

-Deu positivo. - Regina se sentou na cama e respirou fundo. Não poderia nunca esperar por uma notícia como aquela. - Não sei o que fazer Zelena.

-Como assim? - Zelena saiu de dentro do closet e foi se sentar ao lado da irmã. - Não tem o que fazer, apenas esperar por mais alguns meses até essa criança nascer. Obviamente teremos que ir até a obstetra.

-Zelena, eu não sei se eu quero ter uma criança. Não agora. Não recomeçando com tudo agora, nossas vidas…

-Você tá se ouvindo? Regina você sempre quis ser mãe e agora você terá uma segunda chance.

-Eu já sou mãe Zelena, eu tenho Henry. Ele é meu filho e eu já criei ele. - a morena se levantou e foi até a janela.

-Você não quer essa criança?

-Eu não sei, é uma vida que está se formando. Esse mundo ainda é desconhecido até para mim Zelena, como eu vou cuidar de uma criança se ainda não tenho certeza se eu posso cuidar de mim?

-Isso é por causa do mundo ou por que é um filho do Robin? - a ruiva se levantou e se pôs frente a frente com a irmã.

-Robin não tem nada haver com isso.

-Robin tem tudo haver com isso. Você saiu da sua cidade por causa de quem você poderia se tornar pela perda dele, e agora você vai ter um pedaço dele com você pelo resto da sua vida.

-Se isso fosse a Robin não estaria aqui agora. E ela é filha dele também, então não tente culpar ele sobre a forma que me sinto.

-Não estou culpando ele, não há culpados aqui Regina, eu só estou te dizendo o que você tem medo de admitir pra si mesma. O fato de você estar grávida em um mundo sem magia não te incomoda, nem um pouco. O que te incomoda é o fato de que Robin sempre vai estar presente em você. Minha filha não poderia alterar isso, afinal é minha filha e tem a mim, mas a seu filho depende de você e é disso que tem medo. Você não acha que vai ser o suficiente, você não acredita que vai conseguir. Mas você está esquecendo de detalhes que mudam tudo.

-Qual seria esse detalhe? - a morena se aproximou da irmã e ficaram se encarando, era como se uma desafiasse a outra a falar o que ambas já sabiam.

-Você não vai estar sozinha, eu não vou te abandonar. - Zelena segurou Regina pelos ombros e sorriu. - E você já é uma ótima mãe, nada nunca te impediu de cuidar de Henry da melhor maneira possível e seu filho é incrível, o que pode estar diferente agora?

-Agora eu estou com medo. - Zelena puxou a irmã para um abraço e percebeu que sua irmã chorava. A única vez em que sua irmã chorou na sua frente foi quando Robin morreu.

-Você não precisa ter medo, eu estou aqui e não vou te abandonar. - a ruiva conduziu a irmã até sua cama e a fez se deitar em seu colo. - Você não estraga a sua sobrinha? Agora eu vou poder me vingar.

-Meu filho nem nasceu e você já quer estragar a criança. - Regina sorriu e passou a considerar de ter um filho.

-Irei marcar uma consulta com a obstetra para você. - Zelena começou a fazer carinho nos cabelos da irmã. - Teremos que contar para o Henry, teremos que redecorar o quarto de hóspedes para um quarto de criança. E você tem seu emprego. Em qual mês você já deve estar? Nem barriga você tem direito. Eu vou ficar puta se você não engordar.

-Bom, eu não queria acreditar mas minhas roupas já estavam ficando um pouco apertadas. - a morena fez uma careta de desgosto, suas roupas maravilhosas não iria lhe servir mais.

-Isso me alegra um pouco. - a ruiva sorriu e pegou seu celular. - Levanta.

-Pra que? - a morena olhou para a irmã e suspirou ao ver a cara travessa da ruiva. - Não to gostando da sua cara.

-Levanta Regina. - Regina bufou e fez o que a irmã pediu. - Agora fica ali perto da janela. Isso mesmo.

-Você vai fazer o quê? - a ruiva pegou o celular e tirou uma foto da irmã. - Vamos descobrir. Vem, me ajude a terminar de arrumar minhas roupas.

-Você ainda não fez isso? O que você fez ontem o dia inteiro? - às duas entraram no closet e começaram a arrumar, com Regina por perto Zelena não tinha muitas opções, ou arrumava ou arrumava. - Zelena, eu estou vendo você molengar, quer terminar isso hoje ou não? Você nem tem tanta roupa assim.

-Eu sei, é que eu gosto de tudo muito bem arrumadinho, ai separo por cor, por peça, por ocasião.

-Entendi. Enquanto você faz isso eu vou acordar a Robin, ou ela não vai dormir a noite. - a morena se levantou e foi até o quarto da sobrinha. - Robin, sua mãe mandou eu vir te acordar.

-Não mente pra minha filha. - Regina olhou para trás e revirou os olhos.

-Você deveria estar arrumando suas roupas não me espiando pela babá eletrônica. - a morena pegou a sobrinha ainda adormecida e a levou até o quarto da ruiva. - Eu tenho pena, acorda ela você.

-Que coração mole meu deus. - Zelena pegou a filha e com jeitinho acordou a filha.

-Ela se parece com você quando acorda, olha só que olhar maldoso.

-Não fala assim, ela não tem um olhar maldoso. - a ruiva apertou a filha nos braços e beijou sua cabeça. - Você tem que ligar pro Henry.

-Pra que? - a morena pegou o celular sem entender e viu que tinha uma mensagem do filho. - Zelena? Por que Henry me mandou uma parabéns com vários corações.

-Mandou? - “menino fofoqueiro, não sabe nem esperar” - você vai ter que perguntar pra ele.

-Uhum. Eu vou ligar pra ele. - a morena discou o numero do filho e ele prontamente atendeu.

 

*Mom, tudo bem? - Henry não conseguia esconder a euforia na voz, mas não podia tocar no assunto por causa da tia.

*Tudo sim meu príncipe. - a morena sorriu e olhou desconfiada para irmã. - Henry, por que você está me dando os parabéns.

*Por estar se adaptando tão bem em uma nova cidade, eu estava falando com a minha tia e descobri que já está fazendo amizades. - o garoto já tinha aquela resposta ensaiada em sua cabeça.

*Você e sua tia me parecem estar cada vez mais amigos, devo me preocupar com essa nova dupla ao meu redor? - Zelena mostrou o dedo do meio para a irmã e sorriu. - Ainda mais vendo a educação que sua tia tem.

*Ela me mantém informada sobre você, então sim, se preocupe pois se mentir pra mim ela contará a verdade.

*Bom saber, assim eu minto pra ela também.

-Você não consegue mentir pra mim. - Zelena colocou a filha sentadinha no chão e voltou arrumar suas roupas.

*Nem pra mim sendo sincero. - Henry ouviu a voz da tia e resolveu provocar. - Agora me conte às novidades, como está Robin? O emprego.

*Pergunta pra sua tia. - a morena saiu do closet se sentou na cama. Sabia que o filho e a irmã estavam lhe escondendo algo.

*Dona Regina Mills fazendo birra? O que tem na água de Londres? - o menino começou a rir do outro lado da linha.

*Como estão às coisas ai?

*Nada bem pra falar a verdade. Emma descobriu que está grávida e ela não me parece muito contente. - o menino suspirou descontente e Regina arregalou os olhos.

*Você disse grávida?

*Sim. Parece que agora é uma ótima hora para se ter irmãos. - Emma chamou por Henry, eles iriam juntos até a biblioteca.

*Irmãos? São gêmeos?

*O que? Não. - o menino começou a rir. - Vamos com calma.

*Mas você…

*Mom, eu tenho que ir. Te amo. - o menino desligou e Regina ficou encarando o celular.

 

-Quem engravidou? - a ruiva guardou a última peça de roupa e pegou a filha.

-Swan. - Regina se jogou na cama. - Você acha que isso afeta a decisão de Henry de vir para Londres?

-Claro que não. Ele já tem quase 18 anos e quer fazer faculdade, não acho que isso mude por causa de um irmão que não vai se lembrar dos 4 primeiros anos de vida. - a ruiva foi para o quarto e se sentou no chão e sentando a filha no colo.

-Eu não tenho certeza.

-Que tal a gente ver um filme? Ou sair? Ou fazer alguma coisa interessante onde você não fique pensando em coisas negativas?

-Filme. Faz pipoca? - a morena se levantou e pegou a sobrinha.

-Eu fiz salada pra você não tem nem 2 horas.

-Mas eu vomitei lembra? Preciso comer de novo. - a ruiva revirou os olhos e foi fazer a pipoca.

-Eu vou pro céu.


 

Xxxxxxx

 

Regina acordou cedo na segunda feira, seria seu primeiro dia no trabalho e ela estava ansiosa.

 

-Olha só quem já está de pé. - Regina saiu do banheiro enrolada no roupão e se assustou ao Zelena deitada em sua cama. - Desculpa. Te assustei?

-Imagina. - a morena pegou suas roupas e a vestiu. - O que faz aqui?

-Eu já estou indo pro estúdio e vim desejar boa sorte no trabalho hoje. - a ruiva sentou. - Não mate ninguém.

-Palhaça. - Regina pegou seus saltos e calçou. - Cadê a Robin?

-Dormindo, ainda está cedo pra ela. - Zelena conferiu às horas. - Lana chegou, está na sala.

-Você deixou ela sozinha? - Regina estava passando seu batom e encarou a irmã. - Deu instruções?

-Regina, eu acho que ela sabe como trabalhar.

-Você é sempre tão relaxada assim?

-Meu Uber chegou. - Zelena apontou pro celular e saiu.

-Eu ainda te pego Zelena. - Regina gritou e negou com a cabeça. Arrumou sua bolsa e desceu. Lana estava sentada no sofá concentrada em seu celular. - Bom dia Lana.

-Bom dia Srta. Mills. - a mulher sorriu simpática e voltou a mexer no celular.

Regina arqueou a sobrancelha e foi para a cozinha, Zelena tinha feito salada de frutas com calda de chocolate e deixado para ela.

A morena comeu e saiu, teria um longo dia pela frente.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...