História A filha da rainha - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Henry Mills, Lacey (Belle), Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Tinker Bell, Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Visualizações 41
Palavras 2.262
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - A noticia e a negação


Regina acordou no quarto do hospital, não se lembrava muito bem do que tinha acontecido e sentia um pouco de dor de cabeça.

 

-Até que enfim você acordou. - Zelena estava sentada na poltrona ninando a filha, já se passava das três da manhã e a pequena estava muito agitada.

-O que eu estou fazendo aqui? - a morena tentou se levantar entretanto estava recebendo soro e não poderia mexer o braço de qualquer jeito. - O que aconteceu?

-Você desmaiou, a menina do loja chamou a emergência e aqui estamos nós. - Robin tentou se levantar assim que ouviu a voz da tia. Como estava com o mínimo de paciência possível a ruiva se levantou e chegou perto da cama para a filha sossegar. - E a sua sobrinha como sempre não sossega.

-Ela tá ficando mais agitada que o normal. - a morena acarinhou a sobrinha com o braço livre. - Eu quero ir embora.

-Eu também quero, vou chamar o médico. Seus exames já devem estar prontos. - a ruiva pegou um pequeno controle e aperto o único botão que nele continha. - Esse parece ser mais eficiente do que o Whale.

Em menos de 5 minutos o médico chegou. Estava com uma ficha em mãos e um resultado em outra.

-Olá srta. Mills, como está se sentindo? - o médico fez algumas checagens rápidas e decidiu que a morena poderia ir para casa.

-No momento desconfortável por ter uma agulha no meu braço.

-Deixa eu tirar então. - o médico se aproximou novamente e tirou a agulha do braço da morena. - Prontinho. Antes que eu a libere teremos que completar sua ficha. Sua amiga não sabia algumas coisas que são essenciais para fazer sua ficha.

-Claro, o que falta? - a morena olhou feio para a irmã. Como ela não conseguiu completar sua ficha?

-Bom, nome do seu pai, sua data de nascimento, local de nascimento. Pouca coisa. - o doutor sorriu simpático.

-Você não sabe a minha data de nascimento? - Regina olhou para a irmã. - Que tipo de irmã você é?

-Você nunca me disse sua data de aniversário, eu não sou adivinha. - a ruiva se sentia um pouco mal, mas não era culpa dela.

-Eu sei a sua e você também nunca me disse. - a morena pegou a ficha com o médico e começou a preencher tudo que faltava.

-Vocês são irmãs? - o homem ficou surpreso pois ambas são bastante diferentes.

-Se acredita no que o DNA diz. - Regina disse com raiva. - Aqui está. Posso ir embora agora?

-Claro, mas recomendo que já marque sua consulta com a obstetra. Quanto mais cedo começar a cuidar de sua gravidez melhor para vocês. - às irmãs se encararam confusas.

-Gravidez? Que gravidez? - a morena arqueou a sobrancelha, obviamente o médico se confundiu entre ela e outra paciente.

-Me desculpe. - o médico olhou para a paciente meio confuso, não sabia que a gravidez era um mistério para a morena. - A senhorita está quase completando o terceiro mês de gestação. Como é nova no país imaginei que tinha vindo pra cá ciente de sua situação.

-Tudo bem, o senhor pode nos dar licença. - a ruiva abriu a porta e foi empurrando o homem com delicadeza.

-Você ouviu o que ele disse? Grávida. Ainda acha que ele é mais eficiente do que o Whale? - a morena riu sarcástica. - Diagnóstico mais falho que esse só eu acreditando que você é uma boa irmã.

-Pelo amor de Deus Regina, como diabos eu poderia saber a data do seu nascimento? Eu sou sua irmã não autora da sua biografia. - a ruiva revirou os olhos, sua irmã estava mais dramática do que o normal.

-Vamos embora logo, onde estão minhas roupas? - a morena se levantou impaciente.

-Regina, você pode focar em mim agora? Você tem noção do que o médico disse? Você está grávida Regina. G-R-Á-V-I-D-A.

-Você está tão fantasiosa quanto o médico. - Regina pegou suas roupas que estavam dentro da bolsa de Robin e foi para o pequeno banheiro se vestir. - Eu não posso engravidar Zel, então esse médico está muito do equivocado.

-Tá bem Regina, só não esquece que magias podem ser quebradas. Até a da poção da infertilidade. - a ruiva arrumou às coisas da filha e saiu do quarto. Estava cansada daquele quarto, já não tinha bateria no próprio celular. Estava com fome, cansada e toda dolorida.

-Podemos ir? - Regina saiu do quarto já vestida e com seus exames em mãos.

-Claro, mas a gente tem um pequeno problema. - a ruiva olhou receosa para a irmã.

-Que problema Zelena?

-Com o seu desmaio eu tive que cancelar a entrega dos móveis na nossa casa e agora nós só teremos uma cama amanhã. - a ruiva sabia que a irmã ficaria puta, mas para toda ação se tem uma reação.

-Tudo bem, não precisamos dormir e o bebê conforto de Robin servirá para ela por uma noite. - Regina pegou o celular para chamar um carro e viu 19 chamadas não atendidas do filho. - Você é incapaz de atender um telefone?

-O telefone é meu ou seu? E não se preocupe, eu falei com Henry, quando ele ligou eu estava trocando minha filha. - Zelena saiu andando na frente.

-Você não contou para ele que eu desmaiei não é verdade?

-Não, eu sabia que às chances de você voar no meu pescoço eram grandes, e eu não quero que se machuque novamente.

 

O carro chegou e em cerca de 20 minutos às irmãs chegaram na casa. Robin que já dormia foi colocada confortavelmente em seu bebê conforto.

 

-Regina eu estou com fome. - Zelena se sentou no chão ao lado da filha e conectou o celular no carregador.

-Eu vou pedir algo para comermos. - Regina se sentou ao lado da irmã e deitou a cabeça no ombro da irmã.

 

Regina procurou algum estabelecimento que estivesse aberto naquele momento e só encontrou redes de fast food.

 

-Teremos que comer esses lanches gordurosos de que Henry tanto gosta. - Regina pediu dois lanches do McDonald’s completos, também estava com fome e apenas Robin tinha se alimentando durante o dia.

-Sério? Você comendo hamburguer? Que avanço. - a ruiva ligou o celular e mandou uma mensagem para o sobrinho avisando que já tinham chegado em casa e implorando para que ele não contasse que sabia do desmaio da morena.

 

A comida chegou meia hora depois, já eram quase 4h30min. às duas não estavam com sono mas estavam bastante cansadas, entediadas e necessitavam de um banho urgente.

 

-Que horas nossas coisas irão chegar amanhã? - Regina estava devorando seu sanduíche enquanto Zelena apenas observava. - O que foi?

-Sua boca está toda suja de molho, você manchou sua blusa e está igual a mulher que você tanto julgava.

-Eu não julgo ninguém… Não sem motivos.

-Nossas coisas chegam amanhã também conhecida como hoje, às 7h30min. - Zelena estava comendo suas batatas e encarando sua irmã. Ela realmente desconfiava que a irmã poderia estar grávida, isso explicaria o fato dela ter variações de humor tão constantes.

-Tudo bem. Eu vou… meu deus eu vou vomitar. - a ruiva balançou a cabeça negativamente vendo Regina correndo até o banheiro.

-Filha, parece que você vai ganhar uma priminha para brincar com você.

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

-Não, essa cama é naquele quarto e essa é a do meu quarto. - Zelena estava cuidando da arrumação do andar de cima enquanto Regina dava ordens no andar de baixo. A morena tinha feito o máximo para a decoração ser a mesma de sua casa em Storybrooke, mesmo que negasse isso para a irmã.

Zelena pediu que os quartos recebessem os papeis de parede primeiro deixando que a montagem fosse deixada para última opção.

O quarto de Robin ganharia a cor rosa com pequenas flechas decorando, mesmo sem o pai presente ela sempre faria de tudo para Robin ter algo que o lembrasse por perto. O quarto de Henry seria azul, e como o menino era um príncipe Zelena achou que agradaria ter espadas enfeitando a parede. Claro que tinha perguntado antes se ele não se importaria e como ele demorou para responder foi do jeito que ela escolheu mesmo, afinal quem cala consente.

Para Regina, Zelena teve que pensar bastante, sua irmã era uma pessoa bem difícil de agradar e tudo lhe desagradava a ruiva foi pelo mais básico. Às cores da parede seriam completamente pretas com uma única coroa grande decorando a parede onde ficaria a cama da morena. Já o seu quarto teria a tonalidade verde bem clarinha sem decoração adicional, nada na loja lhe agradava.

O restante dos móveis eram brancos, menos os de Regina que eram todos nas cores pretas.

A casa ficou pronta por volta às oito horas da noite. Regina ficou orgulhosa do seu trabalho com o andar de baixo e estava ansiosa para ver como Zelena tinha montado o andar de cima.

 

-Regina, pode subir. - às escadas já estavam com os protetores para que a Robin não se aventurasse além dos limites de sua capacidade. Mesmo curiosa de como estaria seu quarto a morena foi primeiro ao quarto da sobrinha. Ficou surpresa com um quarto rosa e não verde. - Pensei que primeiro iria espionar o que eu fiz no seu quarto.

-Não sei se estou preparada para isso. - Regina se sentou na poltrona que tinha no quarto e ficou olhando a irma trocando a bebê. - Você fez um bom trabalho aqui, parece que você também tem um bom talento para decorações.

-Mas é claro que tenho. Venha vamos ver o restante dos quartos. - Zelena mostrou o quarto de Henry e em seguida o seu deixando o de Regina por último. A morena percebeu que todos os quartos tinha carpete forrando o chão.

-Você sabe como é difícil limpar carpete?

-Não e nem me interessa. - a ruiva abriu a porta do quarto da rainha e sorriu ao ver seu bom trabalho, seria impossível Regina colocar defeito em qualquer coisa.

-Meu deus Zel, ficou incrível. - Regina andou todo o cômodo e parou para observar a coroa que tinha na parede.

-Agora venha, está na hora de você ver o meu bom trabalho. - Às duas desceram às escadas e Zelena debochou do fato de Regina ter imitado quase que perfeitamente a sala e a cozinha da mansão da prefeita. - Quando não se sabe elogiar é bom ficar de boca fechada. Agora você fica por ai debochando que eu vou ao mercado.

-Tudo bem, eu vou tomar um banho e arrumar minhas roupas e às roupas de Robin.

-E antes que eu me esqueça amanhã você vai para o estúdio. Separe uma roupa decente. - a morena saiu de casa e aproveitou para ligar para o filho, estava morrendo de saudades. O telefone chamou 3 vezes antes do menino atender.

 

_Hey mom, até que enfim. Pensei até que já tivesse se esquecido que tem filho.

_Eu jamais me esqueceria de você. - a morena sorriu, mal podia esperar para ter o filho nos braços novamente. - Como estão às coisas por ai.

-A barra tá pesando bastante para a minha mãe. Desde que você e a tia Zel saíram alguns vilões estão começando a dar trabalho e a população cobra bastante da salvadora. Só está lhe restando pedir ajuda para o meu avô.

_O que pode estar acontecendo de tão ruim que todos estão recorrendo ao Rumple? - o mercado não era longe por isso Regina pegou um táxi, seria mais rápido do que esperar um uber.

_ Bom, todos estão com medo e o vovô é o único que detém poder suficiente para resolver as coisas.

_Faz sentindo.

_E como estão às coisas por ai? Não estou ouvindo nenhum chorinho, Robin está dormindo?

_Esta, mas eu não estou em casa. Estou indo ao mercado. Preciso fazer comprar ou sua tia vai me matar.

_Ela me parece mais feliz agora, fico feliz em ver vocês unidas dessa maneira.

_Eu também meu filho. Zelena aqui comigo está fazendo uma grande diferença.

_Mom, eu combinei de me encontrar com uns amigos agora, se importa se eu desligar?

_Não, divirta-se.

_Obrigado, te amo.

_Eu tambem te amo.

 

A morena desligou e logo chegou ao mercado. Regina comprou comida o suficiente para um ou dois meses, fora a comida de Robin que era diferente da sua. Antes de ir pagar ficou com vontade de comer algo doce, por isso foi na sessão de guloseimas e pegou todos os chocolates e balas que lhe agradavam. Também comprou sorvete chocolate para si e pistache para a irmã.

Era tanta coisa que teve que pedir para entregarem, não era muito comum esse tipo de pedido mas não tinha condições da morena levar aquilo tudo, ainda mais que ainda não tinha um carro.

Quando chegou em casa Zelena já estava guardando tudo nos armários.

 

-Que prestativa você. - a morena se sentou na ilha e ficou apenas olhando.

-Você demorou. - a ruiva estava prestes a pegar a sacola de doces quando Regina a deteve. - Você já fez demais, pode deixar que eu guardo o resto. Vou aproveitar e fazer algo leve para comermos.

-Okay, pensei que estava tentando esconder sua sacola especial de mim, mas já que você vai fazer o jantar não irei me opor. - a ruiva saiu e foi para seu quarto, ainda tinha que terminar de arrumar suas coisas. E implicar com a irmã aquela hora da noite estava fora de cogitação.

 


Notas Finais


O médico está doido ou Regina confiou muito em uma poção falha?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...