1. Spirit Fanfics >
  2. A Filha Do Comandante Da CIA - Camren adaptada >
  3. Capítulo: 50

História A Filha Do Comandante Da CIA - Camren adaptada - Capítulo 50


Escrita por:


Capítulo 50 - Capítulo: 50


-- E terminamos__disse entrando no carro e dando a partida.

-- O que você fez ali dentro?__perguntei olhando o horizonte pela janela.

-- Nada demais, só estava desviando as atenções de cima de mim__sorriu__ Usei o acesso de um dos funcionários pra fazer uma rápida pesquisa sobre o juíz, pegando endereço e últimos trabalhos, fiz um levantamento gráfico onde mostra diversas irregularidades. Dessa forma o primeiro alvo das investigações pessoal que ele mandará ser feita e chefiada pelo seu pai, não tenho dúvidas, irá cair diretamente sobre o dono dessas credenciais.

-- Entendi, o seu plano nunca foi tentar uma segunda jogada caso a primeira não desse certo...sempre foi criar um alvo, uma maneira de darem um rápido fim as investigações__constatei e ela assentiu__ Não vai mesmo me dizer de quem eram? Porque dúvido que elas ainda estejam com você.

-- E não estão, as deixei entre os pertences pessoais dele__a olhei e nossos olhares se cruzaram,ela abriu um enorme sorriso__ Aquele idiota que está sempre te enchendo o saco..Troy, acho que é isso que a Ally disse.

-- Vocês são duas escrotas, mas amei saber que estão ferrando com ele__lhe dei um selinho e voltei ao meu lugar mantendo silêncio até o destino final, nosso apartamento.

Já eram mais de meia noite, o que facilitou a entrada despercebida dela na agência, sem papai ou o próprio babaca para monitorar o passo de cada agente ali dentro, as coisas ficam mais fáceis, puxa saco do caralho.

Já no prédio, ela estacionou o carro na vaga de sempre e subimos para o nosso apê. Se a folga era pra que eu descansasse, não deu muito certo, acho que Lauren precisa entender melhor o conceito da palavra descansar.

-- Sério, a gente rodou a cidade inteira e você não me falou nada a não ser sobre como proceder para te ajudar com a queda do filho da puta do Sanches__falei me jogando sobre a cama.

-- Porque o dia de hoje estava reservado somente pra isso__disse caminhando em minha direção e se posicionou sobre mim, sem me deixar alguma saída__ Amanhã irei te mostrar algo que pode te agradar ou te fazer querer me matar, prometo isso__completou tomando meus lábios para si em um beijo quente e cheio de desejo, parando apenas para recompor o ar__ Hoje você é minha__sussurrou no meu ouvido deixando todas as minhas células do corpo em alerta__ Só minha.

Voltou a me beijar intensamente, deixando a minha boca e percorrendo pela extensão do meu pescoço, me olhou sorrindo ao sessar os beijos, se sentou e me puxou para fazer o mesmo, levou as mãos a barra de minha blusa e a retirou lentamente. Ela só podia está querendo me provocar. Me puxou mais para si fazendo com que eu ficasse sobre seu colo e mais uma vez tomou meus lábios em um beijo forte e arrebatador sendo seguido por leves apertos em minha bunda e cintura, enquanto eu deixava leves arranhões em sua nuca e costas, uma vez que minha mão se encontrava por debaixo de sua regata.

....

Acordei e ainda de olhos fechados levei a mão ao meu lado na cama e pela primeira vez em dias ela não estava, então me levantei e fui tomar um banho bem demorado, estava precisando muito disso. Sai do banheiro enrolada na toalha e fui pegar algo para vestir. Estava terminando de prender meu cabelo quando ela entrou no quarto com uma bandeja em mãos. Sorriu e deixou o objeto sobre o criado mudo vindo até mim e me prendendo por trás pela cintura deixando um beijo meu pescoço.

-- Não sabia que você era assim toda romântica__brinquei me referindo ao café da manhã na cama.

-- E não sou, mas você apagou sem comer nada ontem__sorriu__ Eu decidi fazer um agrado.

-- E por que será que eu apaguei hein?__joguei a indireta e ela sorriu ainda mais__ Idiota.

-- Eu sei__concordou pegando sua jaqueta e ao que parece procurando suas chaves__ Agora come porque precisamos sair.

-- Não vou nem perguntar pra onde__falei esquecendo dela por um tempo e focando apenas no meu café, que por sinal estava muito bom, me recuso a acreditar que foi ela quem fez.

Minutos depois já estava deixando o elevador do prédio e entrando no carro, e como minha motorista particular ela deu a partida logo em seguida. Como eu disse, não perguntei pra onde iríamos, porque seria uma perca de tempo, ela não iria me dizer, da mesma forma que fez ontem quando fomos de encontro com o amigo dela, o Denis, só fiquei sabendo quando chegamos.

-- O que você acha de uma visita ao Brasil?__perguntou do nada me surpreendendo.

-- Por que a pergunta?

-- Já faz um tempo que não falo com o pessoal de lá, e meio que decidi fazer uma visita, mas quero que venha comigo__parou em um sinal vermelho então me olhou__ Não é muito, talvez quinze dias no máximo, o que me diz?

Voltar ao Brasil depois de semanas, até mesmo meses? Depois de tudo o que rolou com o JP? Não sei não viu. Se bem que seria a oportunidade perfeita para tentar me acertar com todos eles, tentar recuperar os amigo que perdi. No fim das contas pode ser uma boa.

-- Pode ser legal__respondi depois de alguns minutos em silêncio__ Mas quando seria a viagem? Sei que já tem tudo preparado.

-- Claro que sabe__sorriu__ No fim do mês, assim que eu rever uma coisa__disse tomando uma feição séria.

-- E o que seria?__perguntei temendo a resposta.

-- Eu pedi pro Lázaro fazer uma pesquisa interna, pra descobri o que rolou entre os nossos pais pra eles terem se tornanado inimigos__disse estacionando em frente a fachada de um prédio abandonado__ Mas depois do que eu vi em um arquivo que ele me pediu e o que papai me disse aquele dia, não tô com uma sensação muito boa.

-- Onde estamos?__ela estava muito tensa então tentei mudar de assunto.

-- Não é nada demais, só vim checar algo pra alguém que eu ando devendo um favor__disse abrindo a porta__ Se quiser, pode esperar aqui.

-- Estou legal__digo a seguindo__ Apenas curiosa em relação a tudo o que você estava "trabalhando"__fiz aspas com os dedos__ Nesses últimos dias.

-- Você tem uma sorte muito grande sabia?__sorri dando de ombros e ela negou também sorrindo.

Sem dizer mais nada, seguimos até uma sala bem afastada e um tanto escura. Eu já estava pra perguntar onde ficava a merda da luz quando a otária que eu chamo de namorada fez um barulho estranho e a sala se iluminou.

-- Pensei que esse lugar fosse abandonado__comentei enquanto ela abria um armário.

-- De certo modo ele é__pegou uma pasta seguida de uma arma__ Mas a pessoa que utiliza essa sala, gosta de tudo muito bem organizado__fechou tudo e caminhou até a saída comigo em sua cola__ Pega o notebook aí atrás pra mim?__pediu assim que entramos no carro e ela abriu a pasta retirando um pendrive.

-- Pensei que isso fosse pro seu tal amigo__comentei entregando o notebook.

-- Tudo, menos o pendrive__sorriu__ Ele é um pedido meu.

-- E o que tem nele?

-- Tudo o que eu preciso saber sobre os negócios do Lázaro e de todos que vieram antes dele__disse digitando a senha que me deixou um pouco confusa, o que será que os amigos dela tem contra uma senha normal de oito dígitos ou menos?__ Ele tá muito estranho e eu não confio muito em quem muda sua ação comigo de uma hora pra outra sem me dar uma explicação aceitável.

Fiquei em silêncio absoluto observando tudo o que passava na tela junto dela, e confesso que não fiquei surpresa com nada, nunca fui muito com a cara dele. Mas um arquivo em especial me chamou muito a atenção, eu conhecia aquele caso, ele ficou bem famoso pela brutalidade com que os assassinatos foram cometidos, mas nunca descobriram quem foram os responsáveis, apesar de papai ter certeza de que foi o Keanu.

-- De novo isso?__perguntou mais pra si mesma do que pra mim__ Mas que merda.

-- Está falando do que Lauren?__perguntei olhando a imagem que ela congelou.

-- Essa mulher, eu a conheço, sei disso__levou as mãos a cabeça, e isso não é algo bom__ Só não consigo me lembrar de onde, e sinto que ela é parte importante no porque do Lázaro está tão diferente__fechou o notebook e o colocou sobre o painel do carro__ Mas que merda!

-- Ei! Olha pra mim?__pedi segurando as mãos dela e assim foi feito__ Lembra que não pode forçar suas memórias__falei e ela sorriu fraco__ Você vai descobrir o que precisa sem ter que se prejudicar por causa disso.

-- Assim eu espero__falou e me beijou__ O que acha de irmos pra casa? To precisando esfriar a mente.

-- Tudo bem__concordei__ Troca de lugar comigo, eu dirijo...


Notas Finais


Mistérios e mas mistérios....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...