1. Spirit Fanfics >
  2. A Filha Do Comandante Da CIA - Camren adaptada >
  3. Capítulo: 53

História A Filha Do Comandante Da CIA - Camren adaptada - Capítulo 53


Escrita por:


Capítulo 53 - Capítulo: 53


                  LAUREN POV


-- Mais que porra é essa Lázaro?__perguntei ao ter várias armas apontadas na minha direção.

-- Foi mal Lauren, mas não é nada pessoal__disse e em seguida senti algo no meu braço não dando tempo de mais nada, apenas apaguei.

••••

Acordei em um lugar diferente do anterior, e mesmo não tendo muita certeza e um pouco de dificuldade pra tentar fazer um breve reconhecimento ,notei que o local não era muito estranho, estava com a sensação de que já havia estado aqui antes.

-- Espero que esteja confortável__a mulher do local anterior apareceu dizendo.

-- Com certeza estou, muito obrigada__ironizei, já que estava amarrada a uma cadeira__ Gentileza sua se preocupar.

-- O tempo passa e certas coisas permanecem as mesmas, não estou certa?__perguntou se abaixando a minha frente na minha altura.

-- Por que eu tenho a breve impressão de que conheço você?__sem poder manter a boca fechada, perguntei e ela sorriu largo.

-- Porque conhece__disse sem deixar seu olhar desviar do meu__ Só estou surpresa por você estar tão bem__ok, isso tá ficando muito esquisito. Quem é essa maluca e por que aquele filho da puta armou pra mim?

-- Que merda eu fiz pra você parecer me querer abaixo de sete palmos de terra?__soltei me relaxando, não estava com medo, apenas curiosa com toda essa situação__ Mesmo que você diga que nos conhecemos, duvido que eu tenha ferrado contigo de alguma forma, até porque eu nunca fiz nada pra ninguém que não mereça.

-- Diferente do seu pai__disse e eu senti uma pontada muito forte na cabeça, estava tendo flashs involuntários e por consequência a dor veio de brinde__ Vejo que você não está tão bem assim__disse sorrindo ao ver o meu estado__ Deixa eu me apresentar formalmente.. Eu me chamo Marcela Blayck Ramos__o nome não me dizia nada, a não ser o Ramos, que explica o porque do puto tá envolvido nisso tudo, eles devem ser parentes de algum jeito__ Imagino que a essa altura você já saiba porque eu tentei e fracassei em te matar__a cada palavra que ela dizia, mais a dor aumentava, me levando para o sequestro nos meus dezoito anos. Agora sei de onde a conheço, mas eu tinha quase certeza que papai havia eliminado todos os que estavam presentes naquela noite, ao menos foi isso o que ele deu a entender quando me contou tudo.

-- O que você achou do que descobriu quando fez a pesquisa que te pedi, Lauren?__ Lázaro se juntou a gente com seus guardas costas ao seu lado__ Eu sei que se você não fez uma cópia pra si, no mínimo leu tudo com muita atenção__eu até tentei comentar algo,mais não deu, a chuva de flashs de lembranças estavam acabando comigo, a dor já estava atingindo um limite quase que insuportável__ Vamos Lauren, responde o que eu perguntei, faz alguma piada.

-- Ela não pode__com muita dificuldade pra manter um entendimento a altura, ouvi Marcela dizer e Lázaro a olhar sem entender__ Os efeitos causados pelo chip é melhor do que eu podia imaginar__disse me soltando e em um reflexo absurdo me levantei levando as mãos ao pescoço dela__ Isso não é uma boa idéia.

-- Você...ahh__estava doendo pra caralho, a intensidade só piorava a cada segundo__ Você devia estar morta__falei baixo a pressionando contra a parede enquanto armas eram apontadas pra mim__ Eu nunca tive nada haver com os negócios do meu pai, principalmente naquela época__apertei mais as mãos tirando aos poucos o ar que ela possuía__ Não tinha porque ter feito isso comigo__uma pontada ainda mais forte me atingiu me levando de joelhos ao chão com ambas as mãos na cabeça, preciso controlar essas lembranças ou não irei ter como tentar qualquer coisa que seja, não nesse estado. Vamos Lauren, se concentra e manda essas memórias pra puta que pariu, você consegue fazer isso.

-- Como eu falei aquele dia__se abaixou em minha frente__ Não há melhor maneira de fazê-lo pagar, a não ser na mesma moeda...ele me tirou a minha filha, tudo o que eu mais amava nesse mundo, então também iria, talvez ainda vá, fazer o mesmo favor pra ele, vê-lo sentir a minha dor__riu alto e eu me encolhi caindo de vez__ Como ele sente sabendo que você só esta assim por causa dele?

Ignorando por um momento tudo o que era dito a mim, fechei os olhos e busquei me acalmar, organizar todas as informações e lembranças antes que acabasse desmaiando, não podia me dar a esse luxo no momento. Precisava me recompor e logo, tinha que bolar um plano pra sair daqui, quanto antes melhor.

Como é que essa desgraça ainda pode estar viva? Papai nunca se descuidou ao executar um trabalho, por que justo nesse ele tinha que vacilar assim?

-- Sabe os documentos que você me pediu?__ Lázaro perguntou se sentando a minha frente ao posicionar a cadeira.

Estava sentada no chão mesmo e escorada na parede. Já estava bem melhor, a intensidade das dores tinham diminuído considerávelmente apesar de não ter cessado por completo, mas já era um grande avanço.

-- Não encontrei nada demais neles__disse me surpreendendo__ Mas depois de passar horas assistindo filmagens e áudios grampeados dos dois, descobri o que rolou pra tanta rivalidade entre eles.

-- Claro que descobriu__falei olhando Marcela mais atrás, a filha da puta não tirava os olhos da gente__ Do contrário eu estaria de boa em casa, planejando qual o meu próximo passo pra enfrentar o meu velho.

-- Pois é, mas não está, e tudo porque o grande Keanu Reeves decidiu executar a minha prima e ainda teve a coragem de entregar o corpo como sinal de condolências__disse rude com um ódio indescritível nos olhos.

-- Como você disse, foi ele quem fez__sustentei o olhar dele a todo momento__ Não tenho nada haver com isso..se soubesse com certeza nem teria te pedido porra nenhuma__sorri__ Não devia ter confiado em você.

-- Tem razão__disse ficando de pé e pegando sua arma__ Não devia__apenas alarguei ainda mais o meu sorriso, o que o deixou irritado pra caralho, meu medo por ele era tão grande quanto o cumprimento de um vírus celular.

-- O que pensa que está fazendo?__ Marcela perguntou abaixando a arma dele.

-- Não foi você quem disse que ele deveria pagar na mesma moeda?__se irritou com ela__ Só quero acelerar o processo__isso tudo por algo que eu só fiquei sabendo a pouco tempo e nem tô envolvida no meio.

-- Não se precipite sobrinho, eu tenho planos maiores__disse e ele não entendeu muito, só pode ser burro__ Não dou até o meio do dia pra ele aparecer aqui e eliminar todos os seus homens__sorri sabendo que ela estava certa__ Não vou cometer o mesmo erro da última vez__olhou pra mim que simplesmente dei de ombros, não estava me importando com nada do que estava acontecendo__ Precisamos dela viva.

-- Agora entendi porque o seu pai precisou ser preso pra você ocupar o posto dele__falei sorrindo e em seguida já estava sendo prensada contra a parede com a mão dele na gola da minha camisa__ Vai fazer o quê? Me matar já sabe que não pode__sorri e fui ao chão depois de receber um forte soco no estômago__ Quais são as porcentagens deles atirarem em mim,caso eu revide?__perguntei depois de recuperar todo o meu ar.

-- Grandes__ele disse sorrindo.

-- Nenhuma__ Marcela contra disse e sem esperar o acertei com uma sequência de cruzados precisa o derrubando no chão__ Mas isso não quer dizer que vão ficar parados__fez sinal e dois caras se posicionaram ao lado de Lázaro logo depois de o ajudar a se reerguer__ Eu disse que preciso de você viva..não ilesa__sorriu e eu me vi fudida.

A desvantagem era enorme, mas levar uma surra sem fazer nada não era uma opção,ao menos não pra mim, então me posicionei pronta pra destribuir alguns golpes. Enquanto eles estavam revezando entre si, eu estava indo bem, não tinha levado muitos golpes, ao contrário deles que estavam com alguns hematomas bem evidentes. Mas não posso dizer o mesmo quando decidiram enfim trabalhar juntos. Tentando evitar o cruzado de direita de um dos seguranças, o outro me acertou em cheio com um soco preciso na altura das costelas do lado esquerdo, perdi o senso de direção na hora, sendo atingida com tudo com um gancho de esquerda efetuado pelo idiota que eu estava bloqueando, fui direto ao chão, e sem sequer ter a chance de me levantar, os dois juntos se revezaram desferindo alguns chutes em minha barriga e costelas, se não tiver quebrado nenhuma é muita sorte a minha. Lázaro se aproximou os empurrando pro lado e abaixou ficando enjoelhado sobre mim com um joelho de cada lado, minhas forças já tinham ido pra puta que pariu.

-- Fala alguma coisa agora__disse me erguendo alguns centímetros do chão ao me puxar pela camisa.

-- Covarde, só está nessa posição porque não é homem o suficiente pra me enfrentar sozinho__falei sendo atingida com tudo no rosto__ Você é um homem morto Lázaro__disse sorrindo e recebi outro soco.

-- Mortos não fazem nada Lauren__disse me acertando outra vez, já estava começando a perder a consciência__ E por causa dele, essa vai ser a sua condição__finalizou ficando de pé e por si mesmo me acertou mais alguns chutes.

-- Chega disso__foi a última coisa que ouvi antes de apagar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...