História A Filha do Pastor - Reescrevendo - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys(bts), Hentai, Hot, Jeongguk, Jungkook, Kook
Visualizações 424
Palavras 1.410
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meus amore! Tudo bem?
Eu espero que sim!!!
É isso, espero que gostem do capítulo.

Capítulo 10 - Chapter 10


Fanfic / Fanfiction A Filha do Pastor - Reescrevendo - Capítulo 10 - Chapter 10

[Baek Lia on]

Evitar Jungkook durante as duas semanas que se passaram depois daquela nossa “conversa” desastrosa, foi a coisa mais difícil, já que ele parecia estar em todos os cantos, e além disso eramos uma dupla, então eu falava apenas o necessário com ele, mesmo se ele tentasse puxar algum assunto.

Era um sábado, e eu estava enlouquecendo.

Apesar de agradecer o silêncio em que a casa se encontrava, pois, meus pais e Yuna tinham saído, eu estava completamente entediada.

Decidindo fazer algumas tarefas, saí pela calçada, carregando um saco de lixo. 

Quando eu joguei na lata de lixo da rua, um carro de elite irreconhecível estava estacionado do outro lado da rua.

Eu olhei mais forte, tentando visualizar quem estava no banco do motorista. Devido às janelas escuras, acabei de ver uma figura negra que continuava a olhar para mim.

Eu engoli em seco, esperando que não fosse Jungkook.

Andando de volta para minha casa, tranquei todas as portas e janelas. Escondendo-me atrás das persianas, esperei que o carro ligasse e saísse.

Acabei tomando banho por uma longa hora. Depois, cozinhei alguns esparguete e almôndegas que ficaram deliciosos.

Fui para o meu quintal e coloquei um tapete de ioga no gramado. Meditar foi um alívio, deixando-me em completa paz, cercada de grama. Tenho certeza de que meditei por quase uma hora. Voltei para casa quando o sol desceu e fui para o meu quarto.

Quando cheguei mais perto da porta, notei que a porta do meu quarto estava ligeiramente aberta. Antes de sair de casa, tinha certeza de que a fechei. Ou eu estava apenas imaginando coisas?

Aproximando-me do quarto, senti os pés frios em cada passo dado. Meu quarto escuro estava bem a minha frente. A única luz que atravessava o meu quarto era a luz do corredor. Eu respirei fundo e me dirigi para o interruptor. Assim que entrei, a porta se fechou e uma mão forte me empurrou violentamente contra a parede. Estava escuro e eu não vi nada além da silhueta que me jogou agressivamente.

Fiquei quieta e incapaz de me mexer.

Ele deu um passo em direção ao meu corpo, que não parava de tremer, e provavelmente ouviu meu coração batendo alto contra meu peito.

– Você tem me evitado.

Imediatamente reconheci quem estava falando.

– Jungkook. – Eu me ouvi murmurar. – Como você chegou aqui?

– Segredo. – Murmurou. Ele acendeu as luzes e cerrou os dentes.

– Vá embora! – Exijo.

– Não.

Ofeguei levemente, percebendo que eu era presa do tigre a minha frente. Uma sensação estranha estava apertando meu peito, tornou-se difícil respirar.

– Nós precisamos conversar.

– Nós não temos nada para falar. – Digo. – Vá embora, Jungkook.

– Eu já disse que não. – Esbravejou. – Não sem antes eu resolver tudo isso.

– Você está me assustando. – Dei alguns passos para trás até estar contra a parede.

– Eu não estaria, se você não estive tornando tudo isso tão difícil. – Ele grunhiu por entre os dentes.

– Eu não sou a única tornando as coisas difíceis aqui.

– Mas é a única que não está me deixando concertar.

– Concertar como Jungkook? Ressuscitando Kyong e o delegado?

– Eu gostaria de ter esse poder… só para não te ver assim.

Fecho os olhos ao me lembrar de Kyong e pensar até quando ele gostaria de viver. Em um futuro que ele poderia ter e principalmente nas conquistas que poderia receber. A vida dele era banhada a álcool, mas ele não passava de um adolescente. Há sempre uma segunda chance e Jungkook tirou essa segunda chance dele.

“– E só por isso achou necessário tirar a vida de alguém? – Há dias que nem motivos eu tenho.”

Aquela frase martelava minha cabeça constantemente até mesmo em meus sonhos. Observo Jungkook por alguns segundos.

– Você já matou outras pessoas? Além de deles? - Questiono baixinho.

– Algumas... Mais do que posso contar. – Responde, com aquele velho olhar que não demonstrava nenhum remorso.

– Então, por que me salvou? Podia ter mais um nome na sua enorme lista de mortes... – Sussurro.

– Podia... Mas essa é uma pergunta que nunca conseguirei te responder. – Mas por algum motivo, eu ainda sinto a inevitabilidade de colocar sua vida antes da minha. Estranho, não é? – Engulo em seco.

– Jungkook, eu já fui voluntária em hospitais e já tirei animais que viviam na rua levando-os para lugares seguros. E eu me sinto bem salvando a vida de alguém... eu me sinto bem em ver o sorriso no rosto das pessoas... não quero ficar com um cara mau. – Digo deixando algumas lágrimas caírem. Kyong e Min-Seok seriam uns fantasmas que eu teria que carregar nas costas por toda a minha vida.

 – Eu não preciso ser mau… pelo menos, não para você.

– Eu…

Antes mesmo que eu possa reagir, Jungkook toma minha boca para si em um beijo enlouquecedor. Ele parece incapaz de ficar longe por muito tempo, assim como eu.

– Jungkook… - Suspirei quando senti os seus braços enlaçarem a minha cintura.

– Só feche os olhos e aproveite! – Diz enquanto me puxava para si e grudava o seu corpo ao meu.

As mãos de Jungkook não se contentaram em ficar apenas em minha cintura, elas foram descendo até chegarem em minha bunda, a onde apalpou.

– Jungkook… - Eu queria ter o repreendido, mas o seu nome saiu por entre os meus lábios em forma de um gemido.

Morde o meu lábio, passando a língua por onde havia mordido, gemo baixinho e essa é a sua deixa para aprofundar o beijo, esfregando sensualmente a sua língua na minha.

Sua mão aperta mais forte ainda o meu bumbum, o que faz com que o meu quadril choque com o seu e eu possa sentir um certo volume que me deixa com os olhos arregalados e com a respiração descompassada.

Se eu pudesse, jurava de dedinho que eu tentei não olhar para baixo, mas a curiosidade foi bem mais forte que eu.

Deus, perdoa que a carne é fraca!

Jungkook ao perceber o meu espanto da uma gargalhada extremamente alta.

Seus olhos me encaram fixamente, e logo são dirigidos até a minha boca entreaberta. Beija a linha da minha mandíbula. Sua mão sobe, erguendo o meu vestido indecentemente. Seu olhar se dirige a calcinha preta de renda e solta um gemido satisfeito. Agarra a minha bunda e me ergue, me possibilitando assim sentir a sua ereção.

– Você tem uma bunda gostosa! – Diz com a sua voz abafada devido aos beijos que ele passou a distribuir por meu pescoço.

Não… eu não posso fazer isso.

Ainda mais aqui. Meus pais poderiam chegar a qualquer momento.

De repente o alarme de perigo começou a soar cada vez mais alto.

– Para… - Peço.

Shiu… você pensa de mais. – Ele diz e volta a beijar e mordiscar o meu pescoço.

– Meus pais podem chegar a qualquer momento! – Tento argumentar, mas ele realmente não parecia nem um pouco afetado por isso.

– Eu já disse o quanto você é linda? – Indagou dando beijinhos em meu rosto.

– Não… - Respondi timidamente, colocando as minhas mãos sobres os ombros largos de Jungkook. Os olhos dele pareciam sorrir junto de seus lábios, me fazendo sentir um calorzinho gostoso dentro de mim.

– Você é linda, Lia... – O elogio foi sussurrado contra os meus lábios, que deviam já estar inchados dos beijos que trocamos agora a pouco. – Incrivelmente linda! – Afirmou olhando fixamente em meus olhos, me derretendo toda.

Não dava mais para negar…. Eu o queria e queria agora!

Love is a bitch

I'm flyin'
I'm flyin' high like a bird
But my fluttering wings can't keep you from pullin' me down
Your mama
Your mama says I'm a fool
And yeah, maybe that's true 'cause I can't stop thinkin' 'bout you

I'm tryin'
I'm tryin' not to forget my words
'Cause when I'm around you, I tend to keep changin' my mind
I promise
I promise myself not to slip back into old habit
'Cause heartbreak is savvy and love is a bitch

O Amor é uma vadia

“Estou voando
Estou voando alto como um pássaro
Mas minhas asas agitadas não podem evitar que você me ponha para baixo
Sua mamãe
Sua mãe diz que eu sou um tolo
E sim, talvez isso seja verdade porque eu não consigo parar de pensar em você

Estou tentando
Estou tentando não esquecer minhas palavras
Porque quando estou ao seu redor, eu costumo continuar mudando de ideia
Eu prometo
Eu prometo a mim mesmo não voltar aos velhos hábitos
Porque a deceção amorosa está clara e o amor é uma vadia."

 

[Baek Lia off]


Notas Finais


E aí minhas lindas, gostaram? O que será que irá acontecer no próximo capítulo?
Bem eu não sei... sei sim (LOL)
Eu peço muitas, mas muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiitas desculpas mesmo por não ter postado ontem. É que ontem o meu dia foi uma correria (uma correria divertida) passei o domingo fora com a minha família, Saímos de casa as 8 e só voltamos as 00:10.
Eu bem que podia postar pelo telefone/celular, mas isso significaria a minha morte ´, porque se a minha mãe me visse mexendo no telefone no dia em que deveria ser só nosso, aí eu estaria morta e não teria mais capítulo para ninguém. LOL.
Então beijos e até...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...