1. Spirit Fanfics >
  2. A Fim Disso - Moon Taeil >
  3. Porn Video

História A Fim Disso - Moon Taeil - Capítulo 1


Escrita por: e MEDUSAK


Notas do Autor


Roi, adivinhem do que se trata a fanfic? (risos)... Vão apreciar o meu utt sendo um submisso muito bem dotado 😞✊

Fanfic Inspirada na música:
Into It — Chase Atlantic https://youtu.be/TkBi4hZlV8U
(sugiro escutar ela enquanto fazem a leitura)

Boa leitura =

Capítulo 1 - Porn Video


Fanfic / Fanfiction A Fim Disso - Moon Taeil - Capítulo 1 - Porn Video

"Por que a senhora não fala mais comigo? Eu sinto a sua falta.. eu queria você aqui, comigo."

"Não gosto quando você me ignora na faculdade e além de tudo fica com outros garotos na minha frente, parece que faz de propósito, sabia?"

Não pude deixar de sorrir ao notar as mensagens e acima de tudo a necessidade do garoto no outro lado da tela, ele estava tão carente e necessitado, uma pena que não daria atenção para o mesmo por agora, não depois de sempre pagar de macho alfa para todos do campus. Hoje — infelizmente — tinha muitos assuntos pendentes para resolver e uma partida de basquete para torcer bastante. Querendo ou não eu era uma cheerleader como a maioria das meninas dessa universidade também eram, e o pior de tudo era que eu também era a líder de todas elas. Ditava as regras, mostrava os passos, dizia como seria hoje, pedia algumas ajuda nas coreografias e tudo que essas animadoras de torcida faziam durante os jogos. Não era tão ruim assim ser uma líder de torcida, cursar uma faculdade que gosta e acima de tudo trabalhar durante os horários vagos e que restavam pra mim, só que talvez, apenas talvez, eu não estivesse tão feliz assim com tudo isso. Era muita pressão em cima de uma única pessoa, sem contar que não estava dando mais certo fazer mil e uma coisa em um simples corpo, eu precisava abandonar alguma coisa e não seria o meu curso, muito menos o meu trabalho. Infelizmente os meus dias como cheerleader estavam com os dias contatos por mim mesma. Eu só precisava se organizar um pouco mais e sair dessa confusão toda de ser líder de torcida, esse realmente era o meu momento de se aposentar e procurar outro emprego ou apenas ter alguns momentos mais relaxantes — já que era uma coisa que nunca existiu desde que entrei na universalidade —.

Desliguei o aparelho celular quando as minhas amigas sentaram perto de mim, cada uma trazia a sua comida e estavam muito animadas para o dia de hoje, obviamente que também não deixei de sorrir, além do jogo, hoje teríamos uma apresentação especial e eu estava muito animada para isso. Elas sentaram pelos bancos enquanto sorriam, falavam ou davam em cima dos garotos do basquete, para ser mais específica; de Moon Taeil. A verdade era que todas dessa universidade sentiam atração nele, queriam transar e assumir — quem sabe — para todos do campus, ninguém nunca tinha ouvido falar que ele namorava com alguém, apenas que transou com uma e outra menina, não era sempre até porque ele queria manter uma boa reputação — e não era de cafajeste  —. E honestamente falando, eu sempre ria quando ouvia isso, quando ouvia cada uma dizendo que queria ser a próxima dele… Que pouca vergonha, se soubessem como esse sul coreano era certamente não iriam falar coisas desse tipo. Uma pena que meu menino sempre queira pagar de bad boy na frente dos amigos, mas apenas eu conhecia a sua verdadeira essência.

Taeil era coreano de fato, mais acabou se mudando para os Estados Unidos depois de anos, cresceu em terras americanas e hoje em dia ainda vivia aqui, cursava educação física, por isso era um dos jogadores de basquete, as meninas eram loucas por ele. No campus, Taeil gostava de ser um bad boy, sempre rejeitando as garotas ou pegando algumas delas vez e outra, mas a verdade era que só eu o conhecia de verdade e sinceramente; ele era um garoto que implorava quase sempre para me ter. Isso me fazia rir muitas vezes, me fazia rir em imaginar que elas se sentiam atraída só porque tinha um rostinho bonito e não era americano. E eu sinceramente me sentia muito bem sabendo que ele era assim, sabendo que no final de tudo se entregaria pra mim e faria da melhor forma possível, como eu sempre mandava. A boca dele era de ouro, conseguia me levar ao delírio apenas mexendo sua língua, sentar no seu pau também era algo mágico. Mais também existia algumas coisas ao qual me deixavam com raiva de Moon Taeil e uma delas era o seu romantismo em excesso, ele sempre gostava de me entregar presentes, rosas ou poemas… Honestamente falando, isso era bom para quem gosta de homens românticos, mas era um cúmulo na minha vida. Na verdade, rosas você dá para quem está morta, eu que ainda estou viva precisava apenas vê-lo se submetendo a mim, não tinha coisa melhor. Como eu amava isso.

— Garota você escutou o que a gente disse? - depois que uma delas bateu rapidamente na mesa eu consegui acordar e olhei rapidamente.

— Desculpa, eu ainda estou com sono. - soltei uma pequena risada. — Mais do que estavam falando? Eu me perdi.

— Olha para a sua esquerda. - fiz o que elas haviam pedido e não achei nada, infelizmente. Era algum garoto novo ou alguém do time de basquete?

— Não entendi?! 

— O Taeil está te olhando, não vê? - não havia percebido que ele estava ali, mais finalmente o encontro sentado em um dos bancos, olhava atentamente pra mim e suspirou pesado também. Ele estava abatido, talvez porque não tinha respondido a sua mensagem de antes e nem estava no clima, queria mesmo era que pudesse vim até mim e pedir o que queria. Ele conhecia os meus joguinhos e até mesmo gostava deles, sempre entrava no clima, esse era um dos vários motivos pelo qual tinha ele nas minhas mãos, oh céus, Taeil gostava de praticamente tudo que eu fazia com o seu corpo. Meu menino tinha apenas vinte e cinco anos, era mais velho que eu, contudo, também era satisfatório vê-lo implorando para uma garota mais nova. Isso arrancou vários sorrisos meus. — Se perdeu nos olhares dele agora? - voltei a olhar para uma das meninas e ouvia as outras rindo de mim. Estava parecendo uma boba apaixonada para elas, mas que deixem pensar nisso, no final das contas ele era o apaixonado mesmo. — Ele é o mais bonito do campus, deveria chamá-lo para sair ou apenas dá para ele. - soltei uma risada quando ouvi isso, mas eu já comia o meu menino todos os dias e é uma delícia, não posso mentir. — Ele parece que gosta de você.

— Por Deus, ele só me olhou, o que tem nisso? Taeil pode olhar para qualquer um também.

— Não somos burras, a gente percebe que ele também te olha nas partidas de basquete. Sei lá, acho realmente que ele quer algo seu.

— Algo que está bem em baixo. - novamente soltamos uma risada ao ouvir isso e logo neguei para cada uma. Isso que elas se referiam o meu menino ganhava todos os dias - ou nem todos - e ele amava também.

Me retirando um pouco do assunto agora elas voltavam a conversar normalmente, estava no horário da saída, mas como as garotas e os meninos, sempre ficamos para se organizar e ensaiar algumas coisas, deveria ser por isso que estava tudo tão vazio e difícil de se ouvir. Mas felizmente já acabamos por hoje e agora era apenas o jogo de noite, - ainda bem que moravam nos prédios da faculdade -. Soltei um pequeno gemido pela dor que senti no meu pescoço, que provavelmente foi causada pelos ensaios longos, e então resolvi levantar de onde estava. As meninas sabiam que eu sempre voltava cedo para  casa por conta do trabalho, contudo, hoje havia pedido uma folga. Mas queria chegar em casa logo para dormir um pouco e descansar também, não poderia ficar abalada ou cansada no meio da partida.

— Estou indo meninas. - sorri brevemente para cada uma e então percebi o bico formado nos lábios delas. — Cheguem cedo para a arrumação e o último ensaio. Até mais e descansem um pouco também antes de mais nada.

— Até mais, vai dá tudo certo.

Depois que sorri abertamente para uma delas, finalmente peguei minha mochila e segui os passos apressadas para casa, parecia que uma forte chuva estava vindo pela frente, não queria me molhar e os meus livros na bolsa também, cada um custou um coração e precisava cuidar como se fosse meu filho. As ruas estavam calmas e que bom saber disso, poucas pessoas passavam por causa do clima e isso era até mesmo gratificante; não gostava de multidões reunidas, me causava uma certa ansiedade vez ou outra. Antes de chegar no caminho de casa eu ainda sim ouvia e sentia o meu celular vibrando no bolso. Só tinha uma sugestão de quem seja: Moon Taeil, como sempre. Ele estava obcecado por mim mesmo, mas eu também gostava bastante de ver isso, gostava de quando se humilhava para conseguir alguma coisa de mim. A minha casa era bem perto, até porque como disse antes, os prédios são do apartamento e eu acabei ficando com um deles. Tirei uma das chaves do bolso e caminhei lentamente até a entrada principal, para a minha sorte não tinha muitas pessoas andando ou fazendo aquele rebuliço todo. Infelizmente não tinha elevador - já que era um lugar pequeno, apenas cinco andares - então tive que usar as escadas mesmo como de costume. Minha sorte era que o meu andar é o terceiro, se não eu teria que andar um pouco mais por essas escadas giratórias e que sempre me deixavam tonta. Parei em frente a porta e girei as chaves no trinco, empurrei logo em seguida e entrei na mesma, mas logo a fechei e tranquei dessa vez por dentro.

Nunca me senti tão relaxada como agora, sem ouvir nada e sabendo que hoje, apenas hoje, não teria que correr pela casa toda para não se atrasar pro trabalho. Felizmente consegui a folga depois de vários dias cobrindo horas extras. Segui até o sofá e sentei-me nele, tirei o aparelho da bolsa e fiquei lendo as mensagens que tinha, como disse antes era dele mesmo.

"Por que me trata tão mal? Eu só queria atenção, o que tem nisso?."

"Posso ir até sua casa?."

"Chego em vinte minutos."

Soltei uma risada fraca e resolvi seguir até o gelágua para tomar um pouco de água, minha garganta estava seca demais. Taeil realmente não cansava de sempre correr atrás de mim e eu nunca me cansaria de tê-lo aos meus pés quase sempre. Levei minha mochila até o quarto e joguei no chão, logo após isso segui até minha gaveta e peguei a filmadora que tinha comprado a um tempo, hoje seria o dia perfeito para usá-la e acima de tudo, mostrar o que sempre quis para os outros. Mas não faria isso com o meu bebê, ainda mais com a reputação que tinha, sei como ele se sentiria se tivesse as coisas mais íntimas reveladas. Posicionei ela na cômoda que ficava na frente da cama, não era tão perto assim mas conseguia pegar bastante coisa. Aproveitei também para deixar próximo a caixinha de som e conectar com o celular, hoje eu faria do meu jeito e seria ouvindo as músicas do Chase Atlantic. Essa banda sempre deixa um ar mais erótico nas músicas, no vídeo não seria nada diferente.

— Estrelar um filme pornô com o meu menino não seria nada ruim; "comendo o meu namorado bad boy." - ri pra mim mesma quando disse aquilo e pensei no título do vídeo, talvez pudesse ganhar até dinheiro no pornhub com esse tipo de conteúdo. Mais saindo um pouco dos meus pensamento, escutei a campainha de casa tocando uma única vez. Era ele. Suspirei fundo e segui até a porta principal depois desses engraçados pensamentos, abri a porta. E como disse antes, era realmente ele quem estava parado do outro lado, tinha um semblante triste mas ao mesmo tempo vergonhoso.

— Por que nunca responde as minhas mensagens?

— Não estava com vontade de fazer isso. - dei de ombros para o rapaz e logo sai da porta, ele entendeu que isso havia sido o seu convite para entrar e realmente não negou. Escutei a porta batendo com força e ele seguindo os meus passos até o quarto.

— Eu sinto a sua falta, você sabe disso. - olhei diretamente para ele enquanto ouvia as suas reclamações. Honestamente falando eu realmente odiava quando ele apenas sabia reclamar de alguma coisa, não tinha paciência para suas besteiras, se não gostou problema é seu. — Mais você apenas me ignorou nesses dias. Eu fiz alguma coisa? - ri soprado com a sua pergunta e levantei minha cabeça depois disso.

— Por que sempre que pagar de bad boy quando eu sei exatamente como você é?

— Os meninos são assim então eu também queria ser, não é legal você ser o único diferenciado entre tantos. - mordi meus lábios e soltei uma risada em seguida.

— Então é por isso que sempre tenta ser uma coisa ao qual não é? As meninas são loucas para sentar em você, sabia?

— Mas eu não quero elas, eu só quero você sentando em mim, no meu rosto. - Moon aproximou-se lentamente do meu corpo, existia uma pequena frustração no seu rosto pelas mesmas palavras que eu sempre dizia e ele sempre respondia. — Você sabe que eu só gosto assim, só gosto da forma gostosa que você faz. - não pude deixar uma pequena risada escapar pelos meus lábios. Taeil era realmente baixo para ser jogador de basquete, mas ainda sim ele fazia umas cestas maravilhosas. Eu sabia que o que ele queria agora mas talvez se fazer um pouco de difícil não seja nada ruim.

— Sabe o que estava pensando? - me afastei lentamente dele e voltei para perto da câmera, contudo, antes disso coloquei na playlist que apenas tinha as músicas da banda e deixei rolando.

— O que?

— Vamos fazer um filme. Um filme pornô, você será o meu submisso, como sempre foi. - liguei a câmera e olhei para meu menino depois disso.

— Você tá' louca não é? - soltei uma gargalhada e voltei para perto dele novamente. Segurei firmemente a blusa de Taeil o puxei as pressas para mais perto da cama.

— Louca para vê-lo choramingar enquanto implora para pôr apenas a cabecinha. - empurrei seu corpo fortemente para a cama. — Mais agora, quero que tire apenas suas roupas, uma por uma meu bem. - deixando ele ali no quarto segui até o meu guarda-roupas para pegar exatamente o que estava precisando. Talvez Taeil pudesse gostar de ser chicoteado hoje, na verdade ele gosta disso, gosta de bastante de sentir dor. Voltei para onde ele estava e como visto, já tinha terminado de tirar as suas roupas e esperava por mim tranquilamente, não tinha sentado na cama ainda, na verdade estava de pé e mostrando o seu corpo para a câmera, aquilo causou uma certa risada em mim. — Olha só o seu choker favorito. - joguei para ele que rapidamente pegou e já foi logo colocando no seu pescoço. Ele ficava lindo com aquele choker que tinha escrito baby, era realmente a sua cara.

— Agora já está excitado, baby? - mordi os meus lábios e aproximei do mesmo em seguida, joguei ele na cama e subi em cima do seu corpo depois disso. Soltei uma breve risada ao ao vê-lo tão entregue e sem precisar de muita coisa, que coisa mais gostosa.

— Eu fico excitado apenas em você falar, não tem como evitar isso. - beijei suavemente os seus lábios e desci contra o pescoço tão branco e que sempre gostava de marcar. Apertei sua bochecha com força e olhei no fundo dos seus olhos, ele estava silencioso, não precisou de palavras para dizer o quão necessitado ficou. Puxei a minha blusa para cima e tirei do corpo em poucos segundos e senti rapidamente suas mãos subindo, contudo, antes disso eu segurei elas e passei a algema pelos seus pulsos, mas não era a comum e sim uma mais personalizada para práticas de bdsm, ele soltou um sorriso quando viu isso e desejou mais que tudo para começar logo. — Vamos aos poucos tudo bem, baby? - mordi os meus lábios e mostrei para ele o chicote que havia trago. — O seu preferido também. - passei pelo seu abdômen e chicoteei ele que apenas gemeu e sorriu em seguida. Novamente acertei e mais uma vez ele sorriu, esse garoto me tirava do sério mesmo.

— Eu amo apanhar de você. É uma delícia. - fechou os seus olhos e apenas sentia o quanto eu estava o deixando marcado. Não sei ao certo quantas vezes esse chicote o acertou mas fora o suficiente para deixá-lo vermelho. Não queria maltratar tanto assim, isso já bastava.

— Você é uma putinha mesmo, não é? - deixei um tapa no seu rosto com uma certa força e ele mordeu os lábios depois que voltou a me olhar, soltou um sorriso e em seguida assentiu.

— A sua putinha, meu amor! - novamente a minha mão acertou o seu outro rosto. Rapidamente saio de cima dele apenas para tirar o restante de minhas roupas; sutiã, calça jeans e a calcinha. Moon me olhou com um sorriso no rosto e mordendo lentamente os seus lábios. — Senta no meu pau e acaba comigo hoje.

Voltei para cima dele novamente e beijei os seus lábios outra vez, agora com mais desejo e privativo. Sempre fazendo questão de morder e maltratar da forma que sabia. Ouvia os seus gemidos sempre quando possível e também os suspiros fracos, ele estava amando - ou não -.

Lentamente comecei a movimentar minha região íntima do seu pau - apenas por provocação mesmo -, contudo, dessa vez os seus gemidos ficaram mais graves do que antes, talvez pela dor e necessidade que agora tinha. Desci os beijos até o seu pescoço, fiquei naquela de subir e desce a minha língua até sua orelha. Cobrir a sua boca depois disso e não o deixei mais gemer ou dizer alguma coisa, logo iria surgir suas reclamações. Olhei para ele enquanto e levantei uma sobrancelha, ele se remexia bastante e aposto o quanto queria que eu entrasse com tudo nesse pau e pudesse acabar com ele. Mais não agora… Uma provocação vez e outra não seria nada ruim.

— Está gostando bebê? Ou quer algo mais específica? Quer que eu meta esse seu pau dentro de mim, uh? - rapidamente ele confirmou e fechou os seus olhos poucos segundos. Sorri alegremente com a sua resposta e continuei.

Por favor… apenas a cabecinha.

Segurei o seu pau e levei para dentro de mim rapidamente, depois que sentei com força passei a movimentar mais rápido do que antes, até começar a ouvir os seus gemidos graves e mais fortes do que antes. Olhar para ele e saber que estava dessa forma me deixava tão mais animada, mais viva e com certeza melhor do que antes.. ele realmente era tudo que eu precisava, o meu menino.

Taeil realmente sabia como me agradar e ser o meu baby quando queria.


Notas Finais


Coletânea Mommykink (fem!dom):
https://www.spiritfanfiction.com/listas/femdom-mommy-kink-3196525

Ainda estou aprendendo a fazer Mommykink, portanto, peço desculpas se a história não ficou boa o suficiente;
Críticas construtivas são sempre bem-vindas, me ajuda bastante em outras histórias. ❤

Meu Perfil: @sweetback
Perfil Secundário: @neozony


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...