1. Spirit Fanfics >
  2. A Flor da Guerra >
  3. Sentimentos- Obito

História A Flor da Guerra - Capítulo 38


Escrita por:


Capítulo 38 - Sentimentos- Obito


Fanfic / Fanfiction A Flor da Guerra - Capítulo 38 - Sentimentos- Obito

Notas: Galera!!! Isso é um aviso muito importante! Talvez vocês já estejam cansados de ouvirem isso e até verem sobre o coronavírus! Lavem as mãos, usem álcool em gel, evitem trocar objetos pessoais com as outras pessoas, limpem seus celulares depois de usarem, usem suas máscaras descartáveis, evitem pegar trem, ônibus, metrô e lugares aglomerados. 

Cada cuidado é pouco! Mesmo a maioria dos leitores sendo mais jovens, evitem de qualquer maneira. Isso é sério! 

Espero que vocês fiquem todos seguros e bem! Agora... Boa leitura!

 

 

 

 

 

Dia 27/02

 

17:40

 

Finalmente a equipe já havia conseguido encontrar o riacho novamente. E com muita sorte continuava não tendo nenhum outro time no local.

Todos estavam ressabiados, não conseguiam acreditar que de tantas equipes apenas eles conseguiram achar o lugar onde todos tinham o objetivo de encontrar.

Hinata já havia saído das costas de Itachi para que pudesse ir beber um pouco de água enquanto os rapazes tentavam montavam as duas barracas em algumas árvore para trás do riacho. 

Ao ver a Hyuuga se distanciar de todos, Obito resolveu segui-la enquanto ainda carregava Senko em seu colo.

Toda vez que o homem pensava nela, sua peito parecia se contrair, era um aperto que não tinha fim ao saber que ela o tratava apenas como um amigo. Toda maldita vez que a via conversando com os outros rapazes, corando por conta de coisas que eles lhe diziam, doía.

 

Obito: Hina!– a chamou. Logo a perolada virou para trás fazendo sinais para que o mesmo fizesse silêncio.

Hinata: N-Não fale muito alto, Obito-kun! É muito arriscado já que estamos aqui.– disse assim que ela chegou perto.

Obito: Onde você está indo?– disse preocupado– Não ande sozinha desse jeito! Isso sim é arriscado.

 

Hinata o olhou por alguns segundos e acabou tendo que conter o riso. O mesmo segurava a raposa como um urso de pelúcia enquanto mantinha o cenho franzido, como se fosse uma criança mandona.

 

Obito: O que foi?– perguntou tentando entender o motivo dela estar com uma expressão tão engraçada.

Hinata: N-Não é nada!– virou-se de costas– Estou indo beber água, você vem?

Obito: Estou indo.– disse enquanto ajeitava Senko em seu colo e seguia ao lado da morena.

Hinata: Já está escurecendo, então... É melhor irmos rápido já que não temos nenhuma lanterna ou algo do tipo.

Obito: As lanternas estão com Deidara. Ele trouxe duas ou três.– cada passos que davam adiante, Obito tentava se aproximar mais dela, não sabia o motivo direito de querer ficar tão perto.

Hinata: Vocês trouxeram coisas que nem eram permitidas para o treinamento. Se Kakashi descobrisse isso...– balançou a cabeça para os lados.

Obito: Mas estamos sendo justos de qualquer maneira, não trouxemos alimentos!– disse assim que parou na margem riacho e se ajoelhou para que pudesse beber um pouco de água também.

 

O mesmo colocou a raposa deitada de lado e se inclinou com as duas mãos para a frente para que pudesse se apoiar, mas pelo visto o riacho não havia partes rasas em suas laterais, então ele acabou se desequilibrando e caindo na água.

 

Hinata: O-Obito-kun!– na tentativa de segurar no braço mesmo, a garota acabou caindo junto com ele.

 

Hinata não sabia nadar, então ela não pensou em nada além de se agarrar no braço do homem. 

 

Obito: Não se apavore, isso vai piorar. Não é tão fundo, mas a força da água está forte– ela abriu os olhos e viu que ele estava de pé. Logo ele soltou uma risada ao ver que ela não queria soltá-lo.

Hinata: E-Eu estou com medo.– havia uma pequena correnteza que fazia com que Obito não conseguisse ficar parado no mesmo local. 

Obito: Assim que eu alcançar a margem...– disse ao esticar o outro braço para tentar fazer com que saíssem dali.

 

Senko, a raposa, estava inquieta ao ver os dois dentro d'água. Era como se quisesse os ajudar, mas não tinha forças o suficiente.

A água estava fria, tão fria ao ponto de doer, mas por conta da agitação e de toda aquela adrenalina, ambos nem sentiam tudo aquilo.

Ao ver o desespero da jovem que apertava cada vez mais seu braço, Obito tentou reunir toda a sua força para poder se agarrar na margem com um só braço. E por um triz, ele conseguiu.

 

Obito: Hime.– disse baixo– Abra os olhos.

Hinata: Não consigo.– a força da água ainda estava muito forte. Aquilo a deixava muito mais apavorada do que da vez que havia se afogado no lago de um dos treinamentos passados.

Obito: Você precisa se soltar de mim para que possa subir. Já estamos na margem.– aos poucos ela abriu os olhos.

Hinata: Suba primeiro.– disse enquanto com uma das mãos agarrava em uma rocha que estava fora d'água.

Obito: Certo.– assentiu. Rapidamente o Uchiha conseguiu sair de dentro d'agua.

 

Quando ele virou-se para estender a mão e a jovem esticou um dos braços para que pudesse agarrar-se novamente a ele. O braço que estava segurando a rocha acabou deslizando por conta do limbo.

Como Obito era rápido, tudo o que fez foi agarrar o pulso dela com certa força e puxar em sua direção. 

 

Obito: Conseguimos!– disse vitorioso enquanto encostava a cabeça no chão.

 

Por conta do puxão, a perolada acabou caindo em cima do homem, sua cabeça estava encostada no peito do mesmo enquanto sua respiração parecia não querer acalmar.

Assim que o Uchiha se deu conta daquela aproximação, acabou tendo que se controlar. Primeiro tinha que saber como ela estava.

 

Obito: Como você está?– disse ao delicadamente levar sua mão até o pulso dela e fazer uma breve massagem. Sabia que havia a puxado fortemente, mas era por uma boa causa. Com o seu outro braço, ele a abraçou.

Hinata: P-Por favor... Não me solte.– sua voz estava trêmula por conta do frio. Mas o maior pôde perceber que a doce voz estava embargada.

Obito: Hina. Mesmo não sabendo nadar, por que tentou me ajudar?– perguntou baixo enquanto acariciava os cabelos molhados da mesma– Você tinha tempo de se equilibrar novamente, mas mesmo assim resolveu cair comigo.

Hinata: E-Eu não sei o que me deu na cabeça, mas eu quis te ajudar. Sei que acabei sendo um peso, mas...– respirou fundo– Eu não sei o que faria caso acontecesse algo ruim com você por conta da correnteza. Então preferi ir contigo, mesmo se algo acontecesse com nós dois. 

Obito: Hina...– ele estava sem palavras. Não sabia o que dizer depois de ouvir aquilo.

Hinata: Depois que você levou aquela facada, pude perceber o quão forte era, e também percebi o quão preocupada eu fico quando acontece alguma coisa ruim com meus amigos.

 

Ele engoliu seco, ali estava a coisa que mais lhe machucava. Ser comparado aos "amigos" dela. Obito não gostava daquilo, não queria ser apenas mais um de seus amigos. 

 

Obito: No fundo eu não queria ser mais um amigo seu.– ela franziu o cenho. Queria entender o que ele havia acabado de falar.

Hinata: Do que está falando?

Obito: Eu queria ser especial para você, assim como você é para mim.

Hinata: Mas você é especial para mim!– disse um pouco mais alto.

Obito: Não nesse sentido, Hina!– disse ao mesmo tom– Eu sinto algo por você que provavelmente nunca será recíproco. Já faz tempos que estou sentindo isso toda vez que te olho. É algo inexplicável! 

Hinata: Obito-kun... Eu...– foi interrompida.

Obito: Quer saber... Deixa pra lá.– virou a cabeça para o lado.

Hinata: É melhor voltarmos...– disse com a voz baixa. Sua timidez estava acabando com tudo.

 

Quando a perolada seguiu seu olhar para o lado. Percebeu algo que mudou completamente sua feição para um sorriso que mal cabia no rosto.

Mesmo mancando, Senko andava em sua direção. Logo tudo pareceu ter melhorado em sua volta. Aquilo não havia preço algum.

 

Obito: Parece que ela se preocupou o bastante para vir até você.– disse ao ver a Hyuuga se ajoelhando e acariciando a cabeça da raposa. 

Hinata: Eu não consigo acreditar que ela está conseguindo andar...– disse segurando o choro.

 

O Uchiha deu um sorriso mínimo. Sua felicidade era ver Hinata sorrindo independente da ocasião, mesmo ela o vendo como algo que ele não queria.

Aos poucos tentaria conquista-la com pequenas coisas, não queria se precipitar em nada.

Depois de Hinata ter dado todo o carinho possível para Senko, ambos resolveram voltar para o acampamento.

Hinata estava tremendo por conta do frio. Todas as suas roupas estavam encharcadas, não tinha como se aquecer no meio do caminho. Não via a hora de voltar logo até o resto do time onde provavelmente já haviam feito uma fogueira.

 

Obito: Está muito frio, se importa se eu tirar a camiseta? Está molhada.– ela demorou pra responder por conta da vergonha, mas negou com a cabeça.

 

Lentamente ele retirou a camiseta, e como um imã, os olhos de Hinata miraram o corpo do mesmo.

Estava certa de que já havia o visto daquele jeito, a mesma se lembrou de quando havia o visitado no hospital na época em que ele levou uma facada. 

Talvez aquele era um dos corpos mais lindos que já havia visto, era como se não conseguisse desgrudar o olhar, ao mesmo tempo sentia que era um tanto errado observá-lo daquela forma.

O Uchiha sentia que ela o olhava, logo deu um pequeno sorriso disfarçadamente. 

 

Obito: Estão perto. Já consigo ver a luz da fogueira.– assim que ele se virou para poder olhá-la. Ela desviou o olhar e segurou mais firme a raposa em seus braços– Aconteceu alguma coisa?

Hinata: N-Não é nada!– ele se inclinou mais para o lado e viu o rosto dela em chamas.

Obito: Desse jeito vai acabar queimando Senko!– soltou uma risada– Não precisa ficar com vergonha, Hime.

Hinata: Eu não estou com vergonha! Eu só...– foi interrompida.

Obito: Antes de nos encontrarmos com o resto do pessoal...– Segurou no antebraço dela–... Quero te dizer que não esqueça o que eu te disse no riacho, certo? Isso importa muito para mim.– Logo ele a puxou para um abraço.

 

Ali foi o momento em que ela corava o mais forte possível. Como Senko estava no meio dos dois, Hinata acabou não encostando muito no homem. 

Os braços fortes lhe envolvendo a fazia sentir segura, mas ao mesmo tempo ficava com um sentimento confuso em mente.

 

Obito: Vamos lá.– beijou a testa da mesma e ambos adentraram o acampamento.

 

...

 

Hora do extra!

 

—Onde vocês levariam a pessoa que gosta para viajar?

 

Konan: Um lugar romântico... Talvez Paris!!

Indra: Noruega. Com certeza é um lugar perfeito para ficar com a pessoa que gosto, é calmo e o tem o clima perfeito.

Pain: Grécia é o melhor lugar para ficar-se olhando as paisagens e todas aquelas construções.

Sasori: Veneza. Adoraria andar em um dos barcos com ela enquanto escutamos alguma música romântica.

Itachi: Luxemburgo no inverno seria a coisa mais aconchegante possível.

Obito: Na Suécia iríamos apreciar a aurora boreal.

Kakashi: Ficar sentados na frente da lareira enquanto tomamos um chocolate quente seria perfeito, então poderia ser na Groenlândia.

Deidara: Para aproveitar a viagem, seria ótimo Maldivas. Diversão tem que fazer parte do passeio.

Madara: Amsterdã. Sei que ela gosta de um dos melhores artistas, Van Gogh. Lá existe o museu do mesmo, seria a melhor surpresa para se fazer.

Shisui: Japão. A tecnologia iria não só me surpreender quanto a ela também.

Neji: Toscana, na Itália. Existem vários tipos de campos de flores, passaríamos horas olhando para toda aquela imensidão de cores que ela ama.

Sasuke: Islândia é o melhor lugar, é calmo onde podemos observar as cachoeiras. Lá existe uma das lagoas mais bonitas do mundo.

Kiba: Em qualquer lugar. O importante é que eu me divirta.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...