História A flor da pele - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bottom!hoseok, Broken!namseok, Hopev, Menção Hopekook, Menção Jihope, Seoktae, Taeseok, Top!taehyung, Vhope
Visualizações 253
Palavras 2.016
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


HoSeok aqui nessa fic vai dar para o BTS inteiro.

Capítulo 8 - Não se desculpe por causa de seus desejos


Fanfic / Fanfiction A flor da pele - Capítulo 8 - Não se desculpe por causa de seus desejos

– Ah...hyung. Assim… vai, fundo hyung… fundo. – a voz parecia como um tecido macio ou aveludado que escorria pela pele bonita e suada do mais velho ali. Suas mão seguravam firme a cintura um pouco fina demais para um homem quando não estavam escorregando pela coxa definida e pecaminosa. Aqueles gemidos lhe levavam para outro mundo a medida que seu nome saia da boquinha avermelhada com tanta volúpia. – Jin hyunguie… – fazia tempo que não sentia-se daquele jeito e ele adorava. Estava enlouquecendo de um jeito bom.

Seu parceiro estava com seus olhos fechados, olhos estes que por vez ou outra se abriam apenas para encontrar sua própria imagem refletida no espelho que ficava acima da cama, em uma posição que lhe permitia ver sua bunda arrebitada com aquele pau enterrado em si. Cama essa que tinha lençóis bagunçados, travesseiros espalhados pelo chão, suor sobre si e marcar de gozo recente, não apenas um, mas três a quatro. SeokJin era cedendo daquela sensação. Mas sua tara não era para que, de seu pau escorresse o gozo quente, mas sim para que seu parceiro atingisse um ápice atrás do outro e só assim ele gozava, só assim se realizava. E ainda tinha um outro detalhe. Tão gostoso quanto o rabo empinado e marcado de dentes e tapas que tinha a frente.

– Assim nenêm? – sem aviso ele tirou o pau grosso e depois empurrou com tudo para dentro da entradinha. Um grito de êxtase, um arquear de costas, um aperto no único tecido que estava sobre a cama o da sua blusa que, por milagre, ainda estava ali, palavras que queriam sair, mas que não passava de tentativas. HoSeok estava delirando com a sensação quente que lhe invadia, aquele formigamento em seu baixo-ventre, a sensação gostosa de estar perto do orgasmo de novo. Já era a terceira vez, visto que seu hyung apenas gozara duas, uma naquela cama e outra na sua boca. – E se eu fizer assim?

O mais velho remexia seu pau dentro daquela entrada procurando por um ponto mais delicado e doce para seu parceiro. Ele queria que o Jung ficasse flutuando naquele mar de prazer e nada era mais gostoso do que isso. Aliás era. E ele estava tendo essas duas coisas ao mesmo tempo, ali em sua cama. Era prazer demais para uma noite que fora bem paga. Mas muito, muito bem paga.

– Mais rápido hyung. – choramingou o ruivo que não aguentava mais aquela tortura. Estava ali a quase três horas sendo que a primeira fora repleta de beijos e pré eliminares, a segunda lotada de fetiches estranhos e esse caminhar para a terceira eram apenas de estocadas firmes e muito sêmen escorrendo daqueles membros duros. SeokJin era cheio de vontades e HoSeok estava ali para satisfazer a cada uma delas. – Empurra esse pau gostoso com mais força, hyung. Eu quero mais, mais… – o Jung sabia o que dizer aos seus clientes e quando dizer. Mas aquilo não estava sendo um simples jogo de palavras para aumentar a excitação do parceiro. Ele realmente queria, Jin só se preocupava com seu prazer e de longe, era um dos melhores clientes.

– Tudo que o meu bebê quiser. – tomado pelo desejo e pelos gemidos e pedidos manhosos do Jung, o Kim usou uma mão para apertar ainda mais forte a cintura do mais novo e a outra para segurar com força os fios da nuca do mesmo, enchendo a mão com aqueles tufos ruivos impulsionando a cabeça do mesmo contra o colchão macio. HoSeok as vezes gostava de um pouco de brutalidade e mesmo que Jin o tratasse com todo o cuidado do mundo, ele ainda assim abria certas exceções.

Bem posicionado e com o pau atolado até o talo da bunda macia o Kim acelerou suas estocadas, indo e vindo com vontade e veracidade, empurrando a cabeça alheia com tudo sufocando os gemidos tão gostosos de ouvir. Sua pelve ia com tudo e voltava rapidamente para ir de novo, um vai e vem gostoso para ambos que estava deixando as mentes ali completamente enuviadas de prazer. O cheiro do sexo e o barulho dos corpos era delicioso para quem assistia. Os ovos do mais velho batiam com tudo na pele bonita, suada e marcada a medida que os do Jung tinham um balançado conforme sua entrada era fodida com gosto.

– Porra de homem gostoso do caralho. – mais xingamentos eram desferidos como forma de elogio a medida que toda a musculatura trabalhava naquele ato. As coxas estavam tensas e as costas largas do mais velho estavam molhadas de suor. Os fios grudados na fronte enquanto a cabeça estava jogada para trás, olhos fechados, mente concentrada em sentir seu pau prestes a explodir de tanto tesão. Era coisa de outro mundo.

A bunda do Jung estava vermelha pelo impacto constante do quadril do mais velho, sua próstata estava sendo surrado sem qualquer piedade e ele mesmo enterrava mais ainda a cabeça naquela superfície macia. Estava para gozar de novo, seu corpo não estava aguentando mais. Suas coxas estavam dormentes e doloridas pela posição, seus ante braços apoiados no colchão também não estavam diferentes, a boca aberta, a garganta seca e dolorida de tanto gemer, o suor em contato com o frio do ar-condicionado, de seu pau escorria o líquido pre seminal e ele não precisava se tocar para sentir tudo queimar e lhe dar prazer. Kim SeokJin era o próprio fogo. E ele estava se queimando.

– Hyung eu vou gozar. HYUNG! – Jin entendia e queria tomar do leitinho daquele menino. Por isso, sem delicadeza dessa vez, ele virou o Jung na cama, se deparando com aquela imagem fodidamente sensual do corpo suado, o tórax subindo e descendo ofegando pelo ato, os fios espalhados para todo lado e aquela testa bonita a mostra, além do pau teso e gotejante e as pernas bem abertas exibindo uma entrada piscando e pronta para mais.

– Eu vou tomar seu leitinho. – e sem aviso o Kim se abaixou e chupou com vontade o pau do parceiro. Não precisou mais do que duas tragadas fortes e o outro se derramou em sua boca. Jin sugou tudo e ainda deu lambidas nada castas na cabecinha daquele pau sensível. HoSeok gemia, choramingava e ofegava, queria fazer algo ou até mesmo dar a mesma atenção a Jin, mas estava sem forças.Não se arrependeu daquele seu cansaço no momento em que YoonGi saira de onde estava e se encaminhara ao marido o puxando pelos ombros e incentivando a virar para si. Os dois se beijaram com vontade e desejo mostrando o amor que sentiam um pelo outro e depois o Min se abaixou para chupar Jin que não demorou a gozar em sua boca da mesma forma que o Jung gozara na sua. YoonGi havia assistido a tudo e assim como os dois ali gozara gostoso com o que tinha presenciado por quase três horas.

[…]

– Muito obrigado por me banharem e agora alimentarem. – o ruivo dizia enquanto se acomodava em cima da cama do casal dono da casa. Cama essa que estava devidamente trocada e com tecidos limpos e confortáveis tento Jin de um lado e YoonGi do outro e um pouco mais a frente duas caixas de pizza e um copo de refrigerante, tudo isso em suportes próprios para que o tecido daqueles lençóis não fossem sujos de comida.

– Que anfitriões seríamos se não lhe dessemos tudo isso? – Jin dizia animado enquanto colocava a pizza em pratos para o marido e o Jung. – Da próxima vez você tem de participar Yoon. Eu fico com mais tesão quando me assiste, mas gosto quando você participa.

– Pode deixar que eu vou participar sim. – YoonGi riu gengival e passou a comer ao lado dos dois Seok. Era adorável o quanto eles comiam bem, aquilo aquecia o coração do Min. Mas aquela não era a questão. Algo pesando em sua mente. Algo que ele sempre quis fazer sempre que via HoSeok, por mais que o outro dissesse que não precisava, realmente eles não tinham culpa.

– Seok. – os dois olharam e o Min riu. – HoSeok-ah. – Jin se voltou para seu segundo pedaço de pizza, dessa vez de mussarela.

– Sim hyung. – o Jung disse baixinho por estar com um pedaço em processo de mastigação.

– Nos perdoe. – nesse momento Jin parou de comer e encarou o Jung. – Realmente não sabíamos o que estávamos fazendo naquela época. Éramos duas pessoas inconsequentes que não tinham noção do mal que fazíamos as pessoas. Não queríamos ter os separado só para depois os atolar nesse mundo complicado. – YoonGi respirou fundo e assim como o ar soltou a notícia ruim de que tinha conhecimento. – Eu sei sobre Park Jimin e eu sinto muito. Quero ajudar no que eu puder. Sabemos que ele não é uma pessoa centrada, nunca foi. E ainda é um tanto doentio, o que nos preocupa muito.

HoSeok terminou de mastigar o seu pedaço de pizza e olhou para os dois, já que Jin havia engatinhado com cuidado na cama para ficar ao lado do marido, ele tinha o mesmo ar pesado no olhar e HoSeok sentia que ele podia chorar a qualquer momento, não era o que queria. Haviam tido um momento tão bom ali, seus bolsos estavam cheios e ele ainda havia ganhado uma pizza para comer em casa com NamJoon, então porque entrarem em assuntos assim? Ele quis rir, mas ao invés disso apenas tomou uma golada de refrigerante para poder se pronunciar.

– Vocês deviam esquecer isso. É passado. Não precisam mais se afixar em sentimentos desse naipe. NamJoon e eu também erramos e a culpa não é de ninguém. Fiquem de almas lavadas hyungs. Nós sabemos de toda ajuda que sempre nos deram esses anos assim como quero que entendam que eu sou um cara que acredita naquele lance de destino. Que cada coisa está no seu lugar correto e que acontece quando é para acontecer. Só parem com isso, tudo bem? – HoSeok voltou a comer enquanto sorria pequeno ao observar os dois mais aliviados. Ria por dentro. Sempre que ai trabalhar ou para SeokJin ou para YoonGi sempre ouvia a mesma coisa e dizia palavras semelhantes.

Eles nunca se perdoariam e felizmente, aquilo não era sua culpa. Nunca seria e ele mais do que ninguém sabia disso e entendia que NamJoon pensava como o casal YoonGi e SeokJin.

[…]

– Nam, eu trouxe pizza e a sua predileta seu puto. Está me devendo uma também. Sabe que eu detesto Portuguesa. – HoSeok chegou animado, tirou a bolsa transversal e a jogou em cima do sofá, deixou a caixa de pizza em cima do criado-mudo e deixou os sapatos ao pé da porta andando somente de meia pela casa. – NamJoonie aonde você está nenem? Nada de sustos dessa vez, sabe que eu não sou tão másculo nesses momentos. – Nada de resposta. – Anda amor eu estou sem paciência. Ainda temos de jantar e depois que quero que me dê banho, Jin hyung acabou comigo e eu acho que vou ficar todo assado a semana toda. – sua voz ecoava pelo apartamento e ele não entendia porque o outro não respondia.

Sabia que o Kim não sairia sem avisar para aonde ia. Assim como ele sempre avisava quando ia para algum lugar e com quem ia. NamJoon até riu quando ele comentara que estava indo fazer programa para os dois hyung tão conhecidos por eles. Então, porque mesmo ele não estava ali o esperando? HoSeok era um pouco negativo as vezes e seu coração começou a acelerar consideravelmente enquanto chamava pelo outro e não o escutava. Tirou o celular do bolso traseiro e ligou para o Kim o aparelho do mesmo começou a tocar, estava em cima da bancada da cozinha americana. HoSeok se desesperou ainda mais. Tentou respirar fundo e não focar sua mente no pior, mas era quase impossível quando sabia o que o outro tinha. Uma recaída era sempre perigosa e inesperada.

– Aonde você está seu idiota? Se tiver saído sem me avisar eu corto os seus ovos. – bradou enquanto procurava o menor pelo apartamento, que não era grande e infelizmente não era. HoSeok não precisou procurar muito para achar Namjoon desmaiado no corredor. 


Notas Finais


Triste final.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...