1. Spirit Fanfics >
  2. À Flor da Pele >
  3. Pacto

História À Flor da Pele - Capítulo 27


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo meus Killers
Demorando a postar pq tenho 3 testes, 2 trabalhos e bem comecei.. só comecei estudando Português q e o teste de amanhã
Um pai nosso por esse teste
Boa leitura!

Capítulo 27 - Pacto


Ponto de Vista da Rosebella

Estava de rastos. Completamente cansada após esses dias todos. Não sei se iria conseguir manter o pacto com Zalgo, mas teria de o fazer com outro demónio caso quisesse continuar "viva". Estava em Farmington, Missouri. A floresta Mark Twain seria o meu novo lar. Sentei-me encostada a uma árvore e peguei numa pedra pequena e na árvore, fiz uma estrela num círculo.

– Zolgear, demonius tum esse, ego invoco (A: tradução p depois não irem ao tradutor e dar a tradução errada “Zolgear, como demónio é, eu invoco”. De nada)– proferi em latim e passei a minha mão ensanguentada no símbolo. Uma luz avermelhada surgiu e saiu um homem transparente. Sim um homem, ao contrário de Zalgo. Zolgear era um demónio bem poderoso, eu conhecia-o por pesquisas sobre a cultura Japonesa, ele apareceu num anime até e Britanny era viciada em animes. Apesar de ser Japonês, invoquei-o em Latim por ser coisas do outro mundo... Como sei isso? Estudei latim na escola, antes de ir para Ciências. O homem tinha uma grande barba branca, tinhas dois cornos na cabeça e pouco cabelo branco. A sua pele era bem morena e vestia uma espécie de kimono preto e vermelho. – Non latinam! Inglês! – Inglês vinha de um ramo diferente, do ramo germânico. Do Latim provêem Italiano, Francês, Espanhol e Português.

– Eu percebo, não te preocupes com o latim. Já ninguém o fala – ele riu-se e cruzou os braços.

– Boa, é difícil a retroversão... Enfim, eu preciso de ajuda... – até agora consegui o invocar, se ele existe pode me ajude – sei que és um grande demónio, quase um Rei-Demonio, e eu vou enfrentar muitos assassinos e até um demónio... Preciso mesmo da tua ajuda para que eu consiga vencer.

– Tens alma nesse corpo? – assenti e ele mostrou uma cara mais relaxada – Então pronto. Mas consegues me ver?

– Eu tinha um outro pacto mas quero acabar com isso e preciso de si, Zolgear– ele assentiu. Ele veio até mim e, com a sua espada, fez-me um corte na perna, pequeno. Ele colocou a mão no local e eu lentamente perdi a visão. Estava completamente cega, não tinha mais visão, estava dependente da audição. Zalgo deveria estar a roer-se de raiva. Mas não fui eu que quis, foi o que um dos Proxies quis.

– Estas vulnerável agora, tens que estar atenta à audição – a voz dele é robusta e grave. Era atraente. – Mas o que ganho com isso?

– O que quiser... Chefe.

Narradora

– Impossível – proferiu Zalgo, na sua sala. Slender olhou para ele.

– O que foi? – Zalgo dirigiu olhar para ele e então, sorriu.

– Aquela puta terminou pacto comigo... – Zalgo saiu do escritório e andou até ao salão, este estava os proxies. – Tenho um trabalho para vocês...

– Para nós? – perguntou Jeff, o individualista.

– Sim. Jeff, Jane, Eyeless, Masky, Hoddie e... – ele olhou para Toby, pensavanso severamente – Não sei se te incluo.

– Diz o que se passa – disse Eyeless se levantando.

– Quero que vocês matem aquele desgraçada da Rose... – Slender apareceu.

– A Rose já foi... – iniciou Ticci Toby.

– A Isabella – proferiu Slenderman– acabem com ela. Vocês são qualificados e nunca me desiludem, matem-na sem dó.

– Porquê? Ela não é uma de nós? – questionou Hoddie. Zalgo aproximou-se e encarou o rosto dele.

– Não mais – o demônio sorriu – ela agora é cega. Está vunerável, logo não tem razões para falhar. Cada um de vós – apontou para cada um – vai para um dos estados nortes da América e vão procurá-la... Até a acharem! Os outros que não estão presentes vão ser encaminhados – Zalgo começou a caminhar de volta para o seu escritório. Slenderman permaneceu no salão. Sally fitava-o com um olhar de raiva.

– Não podes! – gritou ela. Ticci Toby levantou-se e olhou friamente para a rapariga, colocando os óculos na cara e retirando os machados.

– Pode... Assim como eu próprio o farei – ele saiu. Antes o seu pensamento era de carinha por Bella mas a partir do momento em que ela tem a audácia de falar na sua irmã, tudo muda. Estava definido na cabeça do assassino a morte dela... E ele não descansaria.

Enquanto isso, a vida no Mississippi estava mais calma. Nada de muito alarido. Thomas, Britanny e Emily continuavam juntos, apesar de partilharem os mesmo sentimento de tristeza e ódio por Bella. Britanny tinha medo, Emily ódio ao saber que esta queria matar a sua amiga e Thomas estava notavelmente triste... Ele amava a miúda.

Eles estavam nas suas respectivas casas. Thomas estava com a sua irmã, Sophie (A: chegou a tua hora, Sofia <3), na sala. Sophie era mais nova que ele um ano mas apesar disso tinham grande ligação.

– Mas se sabes que ela não vai voltar, não devias simplesmente cagar na cena? – diz a miúda, sentando-se ao lado do irmão e dando-o um abraço.

– Epa, ela mexeu com as coisas cá dentro...

– Com o coração – corrigiu a miúda, visto que estudava biologia. Thomas suspirou. No momento bateram à porta. Eles encaram-se confusos e então Sophia foi abrir.

– Preciso falar com o Thomas... – a miúda estava aterrorizada com o que via. Não se conseguia mexer. Thomas, vendo a paralisia de Sophie foi até ela e viu o que não esperava – Olá... Thomas.

– Isa... Isabella?

– Sim, Sou eu... – a miúda sorriu ao ouvir a voz dele – essa... Essa voz Thomas, que saudades!

– O teu corpo... O que te aconteceu? – ele olhou a miúda de cima a baixo, assustado.

– É uma história de vida... Preciso que venhas comigo...

– Não! – opôs-se Sophie. Sabia que tentara matar Britanny e não queria que seu irmão fosse mais um alvo. – Ele não sai de casa!

– Isa, Não podes dizer...

– Posso – interrompeu ela o rapaz – mas tem que ser a sós. Thomas, se não fosse sério eu não te procuraria... És o único em que confio agora... Por favor! – o rapaz sorriu e então cedeu.

– Anda...

– Não vejo. – ele, que se tira virado, olhou para ela, confuso.

– O quê?

– Não tenho olhos... Eu cheguei aqui com ajuda. Ajuda-me! – num olhar, Peter mandou a irmã sair e pegou na mão de Bella, a encaminhando e se sentando com ela no sofá.

Rosebella haveria contado tudo. Thomas estava horrorizado e não sabia o que pensar. Rose haveria lhe posto a proposta de ajuda dele. Ela precisava de alguém que ficasse e cuidasse dela. O amor de Thomas por ela era enorme mas ele não o podia fazer; ele não podia alimentar um espírito assassino especialmente um cadáver que já tentara matar a sua melhor amiga.

– Desculpa eu não... – O sorriso de Rosebella foi desaparecendo e ela então acenou com a cabeça.

– Desculpa eu... Thomas, apesar de eu ter desaparecido, quero que saibas que és muito importante para mim... – Thomas deixou cair uma lágrima e beijou a miúda.

– Eu amo-te, rapariga. Não sabes o meu desespero por ti... – ela sorriu e levantou-se, apalpando tudo e indo até a porta. Ela abriu-a e saiu.

– Eu não costumo ter sentimentos quentes Thomas e, infelizmente, eu tenho que acabar com todos os romances da minha vida – ela estendeu a mão, oferecendo uma rosa. – Desculpa, Thomas – a rosa entrelaçou o braço de Thomas e puxou-o para fora. Rosebella pegou numa roseira e envolveu-a no pescoço de Thomas o enforcando.

– Bella... – ele sussurrou tossindo com asfixia – O que tu... Bella, eu te amo!

– Eu também te amei, Thomas. Descansa em paz, meu anjo! – ela saiu andando dali, deixando o corpo se contorcendo ali. No fundo, Bella estava triste mas teria que começar a eliminar todas aquilo que se poderia revoltar contra ela. O amor que sentiu por Thomas foi genuíno, mas tudo o que ela amava teria morrido... Ele seria só mais um. Ela limpou as lágrimas de sangue que lhe caíam pela cara abaixo e andou o mais rápido que pôde até chegar à floresta. – Perdoa-me Thomas – disse ela se sentando junto a uma árvore e recordando dos seus momentos com o rapaz. – Tu próprio eras igual ao meu rival... Não poderia me apaixonar por ti.

Ela deixou-se levar pelas memórias, adormecendo.


Notas Finais


Confesso... Chorei escrevendo este final ;-;
Btw, Zolgear pertence ao anime Shinmai Moua No Testament... É um anime que contém alguns momentos pornográficos.. não assistam se não gostarem ou forem menor de 18.
Au revoirr!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...