1. Spirit Fanfics >
  2. A fórmula do Amor >
  3. Capítulo 9

História A fórmula do Amor - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Olaaaaaa pontinhos de luz!!!!!! Promessa é divida e hoje temos A FORMULA DO AMOR! Sei que vocês pediram muito e estou feliz em postar para vocês! Espero que gostem! Obrigada pelos comentários e favoritos! Boa leitura e perdoem meus erros!
Amo vocês e nos vemos nas notas finais!
Enjoy!
https://www.youtube.com/watch?v=v_yTphvyiPU - Musica do baile!

Capítulo 9 - Capítulo 9


A única coisa que estava na minha cabeça era a fórmula. Ela estava certa?! Eu me recusava a aceitar essa hipótese, mas qual outra coisa justificaria o frio na barriga enquanto olhava para Matteo com as mãos estendidas esperando uma resposta minha para a dança. Seria mal educado dizer não, pensei, mas essa era só uma desculpa para aliviar o peso da minha consciência que queria dizer sim, sem pensar. Engoli seco algumas vezes antes de limpar a garganta.

- Sim. – Disse e estiquei a mão para pegar a sua. Assim que demos as mãos caminhamos juntos, sozinhos até a entrada do Blake.

- Achei que fosse dizer não. – Matteo cochichou.

- Meus pais me deram educação. – Expliquei simplista. – E por que está cochichando?!

- Porque posso sentir a respiração do seu pai na minha nuca. – Ele sussurrou.

- Eles estão atrás da gente?! – Me virei rapidamente, vendo nossos pais nos seguirem de perto. Nossas mães estavam frenéticas com as câmeras nas mãos registrando tudo. – Se acontecer um crime essa noite podem contar com as imagens delas.

- Com toda certeza vão pegar mais coisas do que as câmeras falsas dos corredores. – Matteo riu baixo.

- Como assim?! – Perguntei confusa.

- As câmeras dos corredores são falsas só para assustar. – Ele contou e eu fiquei boquiaberta.

- Como sabe?! – Questionei e ele olhou para o lado.

- Namorei Âmbar durante um tempo, eu sei de algumas coisas. – Matteo comentou sem me olhar.

- Vocês terminaram mal?! – Interroguei curiosa.

- Ninguém termina porque está tudo bem Valente. – Ele disse seco e eu notei que estava sendo intrometida.

- Desculpe, eu não devia ter perguntado. – Apertei os lábios.

- Esquece, não vamos falar disso. – Matteo sacudiu a cabeça. – Afinal temos uma dança. – Ele falou e nós paramos na porta do ginásio, no qual estava montada a estrutura da festa.

E eu jamais poderia imaginar um lugar tão bonito. As decorações do baile exalavam elegância e sofisticação. Tudo estava em branco e prata, havia flores em todos os lugares, rosas brancas, copos de leite e orquídeas. Pendendo sobre as paredes luzes de natal traziam magia ao lugar. No meio do salão a um lustre iluminava a pista de dança onde casais dançavam colados no ritmo da música. Eu me senti em um filme, principalmente quando Matteo apertou minha mão e disse:

- Vamos dançar. – Indicou e eu assenti. À medida que caminhávamos a musica mudou e os primeiros acordes de Just A Kiss do Lady Antebellum começou a soar pelo salão. Paramos no meio da pista e honestamente eu não me preocupei se alguém estava observando e questionando o quão aleatório era Matteo e eu estarmos dançando juntos, estava muito envolvida quando Matteo me girou, pegou minha cintura, e juntos rodopiamos pelo salão. – Vai ver que não é tão ruim assim dançar comigo. Sou um excelente dançarino.

Lyin' here with you so close to me. It's hard to fight these feelings (T: Ficar aqui com você tão perto de mim. É difícil lutar contra esses sentimentos.)

 

- Claro que é. – Revirei os olhos em resposta a sua provocação. – Você é tão bom em tudo...

I've never opened up to anyone. So hard to hold back when I'm holding you in my arms (T: Eu nunca me abri para ninguém. Tão difícil me segurar quando estou com você em meus braços.)

- Eu fiz aulas. – Matteo riu enquanto nos movíamos. – Era um saco...

- Hum. – Murmurei e Matteo aproximou minha cintura do seu corpo. – Não acha que estamos colados demais?

I know that if we give this a little time. It will only bring us closer to the love we wanna find. (T: Eu sei que se dermos tempo ao tempo. Só iremos nos aproximar do amor que queremos encontrar. Nunca foi tão real. Não, nunca me senti tão bem)

 

- Você acha?! – Ele perguntou de volta. – Para mim poderíamos estar mais próximos.

- Você tomou alguma coisa antes de vir para cá?! – Perguntei sem me afastar.

- Não. Mas, você pode ouvir meu coração?! Acho que ele está dizendo uma coisa a nós dois.

- Matteo, eu não sou um brinquedo. – Movi meu rosto e fitei seus olhos. Meu coração acelerou e eu sentia mais borboletas no estomago. Eu nunca que tinha me sentido assim, era amedrontador e ao mesmo tempo era a coisa mais incrível do mundo.

Just a kiss on your lips in the moonlight. Just a touch in the fire burning so bright. And I don't want to mess this thing up. I don't wanna push too far. Just a shot in the dark that you just might. Be the one I've been waiting for my whole life. So baby I'm alright, with just a kiss goodnight. (T: Apenas um beijo em seus lábios ao luar.  Apenas um toque do fogo tão ardente. Eu não quero bagunçar as coisas. Eu não quero forçar a barra. Apenas um tiro no escuro e você poderá ser a que eu vou esperar a minha vida toda. Então, baby, eu estou bem, com apenas um beijo de boa noite).

 

- Eu sei. – Ele disse e se curvou em minha direção.

No I don't wanna say goodnight. I know it's time to leave. But you'll be in my dreams. Tonight. Tonight. Tonight. (T: Não, eu não quero dar boa noite. Eu sei que é hora de partir. Mas você estará nos meus sonhos. Hoje à noite. Hoje à noite. Hoje à noite).

Nossos lábios se roçaram por um breve instante, a mão de Matteo nos colou ainda mais e eu subi minhas mãos até a sua nunca. Era tudo perfeito, mas foi então que me lembrei de quem eu era e de quem Matteo era e tive medo. Medo de que depois disso tudo ele quisesse me esnobar, me humilhar como havia feito incontáveis vezes, por isso eu corri para longe dali sem olhar para trás. Saí do salão e entrei em um dos corredores do Blake, eu sabia que lá era pouco movimentado e que seria um bom lugar para absorver. Contudo, não tive sequer um segundo de paz, porque meu braço foi pego.

- Por que você correu?! – Matteo interrogou ofegante.

- Por que eu corri?! Você viu o que ia acontecer lá dentro?! – Apontei para o ginásio.

- Sim. – Matteo assentiu. – Por que não deixou rolar?!

- Não é evidente?! Isso não pode acontecer. – Indiquei andando de um lado a outro do corredor.

- Por que não?! É pelo Alvarez?! Você gosta dele?! – Matteo questionou e eu paralisei. Por nenhum instante no ginásio eu tinha pensando em Simón e no que éramos, minha decisão não era sobre ele. Na verdade, era mais sobre Matteo do que qualquer outra coisa. – Não consegue responder, não é?! – Matteo deu um passo em minha direção. – A verdade é que você está a fim de mim também.

- Você está completamente errado. – Contrapus nervosamente. – Eu não sinto nada por você.

- Tem certeza?! – Matteo passou a mão por minha cintura e juntou nossos corpos. – Luna, só não mente.

- Eu... – Comecei, mas no fundo eu sabia que não poderia resistir ao que meu coração dizia. Então, nós nos aproximamos mais, porém antes que eu pudesse ao menos sentir a respiração de Matteo ouvi passos. – Tem gente vindo. – Afirmei me afastando.

- O que?! – Matteo interrogou confuso.

- Tem alguém ouvindo para cá. – Falei amedrontada, ao notar que os passos ficaram mais fortes. – Temos que nos esconder!

- Por quê?! – Ele questionou cruzando os braços.

- Se for a senhora Benson ou algum professor podemos levar advertência e eu não quero levar uma. – Disse e puxei os braços dele. – Vem. – Chamei e nós nos abrigamos debaixo de uma escada.

- Sabe que se eles andarem um pouco vão nos ver. – Ele riu baixo.

- Fica quieto. – Pedi nervosa.

- Enfim, sós. – Nós ouvimos uma voz masculina dizer e em seguida um solavanco. Matteo e eu não resistimos e nos movemos um pouco para ver quem era. Meu queixo caiu quando eu vi Gastón, o melhor amigo de Matteo e um dos membros do “panteão” e Nina atracados sugando a cara um do outro em um beijo demorado.

- Eles ficam?! – Matteo perguntou espantado e eu tapei a boca dele. – Hum... humm...hum...- Ele balbuciou nervoso, mas eu não o soltei.

- Te amo, meu lindo. – Nina disse ofegante quando eles se soltaram.

- Que?! – Interroguei com os olhos arregalados e eles se viraram em nossa direção. Então foi a vez de Matteo tapar minha boca.

- Será que tem alguém ali?! – Nina se virou rapidamente assustada, nós prendemos a respiração e só a soltamos quando Gastón virou o rosto dela em direção ao dele.

- Foi o vento, minha linda. – Gastón disse e a beijou novamente. Matteo e eu nos entreolhamos, ainda cobríamos a boca um do outro, mas dizíamos muito com o olhar. Dizer que estávamos chocados era pouco. Nina e Gastón eram próximos a nós no colégio e nós nem desconfiamos. – Eu te amo...

- Eu amo mais. – Nina fez biquinho.

- Não, eu amo mais. – Gastón afagou o rosto dela e Matteo e eu fizemos cara de nojo.

- Amor, estou tão feliz por você ter vindo hoje. – Nina disse sorridente. – Essa noite não seria a mesma sem você.

- Meus pais apertaram, mas liberaram hoje quando souberam que você viria. – Gastón beijou o rosto dela. – Eles disseram que você tem que ir almoçar lá mais vezes e que você tem que estar no aniversário da vovó.

- Eu vou adorar. – Nina colou a testa dos dois e outra vez Matteo e eu nos entreolhamos, incrédulos.

- Eu também, adoro quando você está lá em casa. – Gastón acariciou o rosto dela. – Sem pressões, sem se esconder, sem medo. – Ele falou e a beijou rápido. – Nina, não vejo a hora de contarmos para todo mundo sobre nós.

- Eu também. – Ela apertou os lábios. – Mas, ainda levaremos um tempo para preparar o terreno. Você mesmo disse que seus amigos não vão aceitar bem e vão criar caso.

- Meus amigos não, Matteo. – Gastón se desvencilhou dela um pouco. – Ele vai fazer inferno, e é bem provável que ele diga coisas que machucam.

- Não sei porque você é amigo desse cara. – Nina revirou os olhos. – Ele é tão insuportável. Ainda por cima é péssimo com a Lu.

- O Matteo é meu amigo desde o jardim de infância. Já te falei que ele não é um cara ruim. Tem que melhorar, mas não é ruim. É leal, sempre está comigo em momentos difíceis, é engraçado, me ajuda, ele é um bom amigo.

- Mas, não aceita o nosso relacionamento. – Minha amiga falou incomodada.

- Bem, não podemos afirmar isso com certeza. – Ele deu os ombros. – Principalmente agora.

- E por quê?! – Nina arqueou a sobrancelha.

- Desde que terminou com Âmbar, Matteo está cada vez mais focado no futuro e na faculdade. – Gastón pontuou e eu fiquei embasbacada. – Acho que essa história de panteão não tem muita importância para ele.

- Está dizendo que o comportamento dele era culpa da Âmbar?! – Nina perguntou parecendo incomodada.

- Não, mas acho que ele deixou de achar divertido. – Gastón indicou se aproximando de Nina mais uma vez. – Acho que ele simplesmente não está interessado nisso.

- Bem, seja como for eu ainda preciso de um tempo para contar para minhas amigas. – Nina pediu abraçando-o. – Elas vão estranhar.

- Certo, você tem todo tempo do mundo, mas por favor não vamos fazer isso antes do verão. – Gastón pediu e ela assentiu, então eles se beijaram novamente. – Acho que temos que ir, ou vão notar nossa falta.

- Você está certo. – Nina ajeitou o vestido. – Mas, vamos marcar aqui mais tarde?!

- Com certeza. Depois do anuncio do rei e da rainha?! – Ele arqueou a sobrancelha e ela assentiu. – Marcado.

- Eu te amo. – Nina o beijou rapidamente.

- Eu amo mais. – Gastón disse e os dois saíram.

- Acho que eu estou diabético. – Matteo colocou a língua para fora. – Que açúcar é aquele?! E desde quando os dois ficam?!

- Eu não faço ideia. – Maneei a cabeça. – Nina nunca disse nada. – Prendi a respiração. – E você tem noção que eles não fazem isso por sua causa. Você tá privando os dois.

- Não estou nada. – Ele revirou os olhos. – Se eles quiserem assumem. Independente de mim eles terão consequências, porque todo relacionamento tem consequências.

- Mas, se você se esforçasse mais pelos outros...

- E como eu saberia disso se meu amigo não falou disso. – Indicou nervoso. – Eu não tenho culpa. Essa é uma decisão dos dois.

- Mas, eles falaram de você. – Gesticulei e ele bufou.

- Pois é, mas não falaram comigo. – Matteo apontou para si. – Bem, em todo caso honestamente espero que eles deem certo. – Falou e eu fiquei surpresa. – Gastón é meu amigo e se é isso que ele quer, que seja feliz.

- Você parou mesmo de se importar com o panteão. – Constatei cobrindo a boca.

- Eu nunca me importei Luna. Assim como nunca ninguém se importou em perguntar. – Ele deu os ombros.

- E quanto ao que você fez comigo?! – Arqueei a sobrancelha.

- Eu fui um idiota que queria aparecer para a namorada. Não estou culpando a Âmbs, só quero dizer que eu queria ser algo que pensei que ela iria gostar.

- E ela não gostou?! – Perguntei cínica.

- Não, acho que ela gostaria mais se eu fosse mais gentil, com todos. – Matteo franziu o cenho. – Mas, acho que tanto ela quanto eu fomos imaturos demais para perceber qualquer coisa.

- Você percebe agora?! – Questionei e ele deu um passo em minha direção.

- Percebi porque gosto de você, de verdade. – Ele pegou minha mão e eu engoli seco. Ainda que eu sentisse tudo quando estava perto dele eu não me sentia segura naquilo, então soltei as nossas mãos.

- Preciso ir. – Falei e corri para fora.

Ele gosta de mim. Mas e se for mentira?! E se eu entendi errado?! Porque ele não tem motivos para gostar de mim. Essas perguntas não saíam da minha cabeça mesmo enquanto estava com minhas amigas dançando, tirando fotos e me divertindo. Tudo parecia confuso e isso estava acabando com a minha festa.

- Lu, você parece ter visto um fantasma. – Nina comentou enquanto dançávamos.

- Amiga, o que você faria se “o cara impossível” tivesse falado que está a fim de você?! – Perguntei e ela arregalou os olhos, então eu me dei conta do que tinha perguntado.

- Ai, amiga... – Nina apertou as mãos. – Eu não sei... Por que você está perguntando isso?!

- Nada não. – Decidi ficar quieta. Ela tinha coisas para esconder, mas eu também tinha. – Deixa pra lá. – Dei os ombros. – Adoro essa música.

- Eu também... – Ela disse animada. – Vamos dançar.

Dancei com minhas amigas, então vieram mais fotos. De longe eu via minha mãe sorri para mim orgulhosa, fiquei feliz porque de alguma maneira eu era um orgulho para ela. Também de longe vi Matteo e Gastón conversarem, antes dessa noite isso passaria batido por mim, mas depois eu só conseguia pensar que eles estavam falando de Nina e tudo o que tinha acontecido. Em algum momento da conversa eles se abraçaram e fizeram um toque. Seja o que for estava tudo saindo bem. Em algum momento da festa a senhora Benson subiu ao palco.

- Boa noite a todos. – Ela sorriu o que não combinava com seu rosto duro. – Em primeiro lugar quero agradecer a comissão do Baile desse ano, em especial a aluna Âmbar Smith pelos trabalhos incansáveis para que essa festa acontecesse. – Ela apontou para afilhada e puxou aplausos. – Também quero agradecer a cada pai e mãe que aceitaram ser supervisores essa noite...

- Todo ano a mesma coisa. – Yam suspirou ao lado de Ramiro, seu par. – O mesmo discurso, os mesmos agradecimentos...

- E depois os mesmos ganhadores. – Jim revirou os olhos. – Já posso ouvir os nomes de Âmbar e Matteo.

- Eu odeio isso nos bailes. – Nina resmungou e apenas fiquei calada.

- Bem, meninas acho que não quero ficar aqui. – Yam disse fingindo um bocejo. – Querem entrar na fila do ponche?! Deve estar vazia...

- Eu topo. – Nina foi a primeira a se manifestar.

- Eu também estou dentro. – Jim fez uma dancinha.

- E você Lu?! – Nina perguntou.

- Eu vou também. – Assenti, ainda que parte de mim quisesse ver a coroação.

- Então, vamos. – Jim chamou e eu as acompanhei virando de costas para o palco

- Agora, o momento que todos esperavam! – Ouvi a senhora Benson dizer enquanto caminhava pela multidão. – O rei e a rainha do Baile de Inverno do Blake deste ano. – Anunciou e todos aplaudiram. – Vamos começar pelo rei. Escolhido por vocês, o rei do baile deste ano é... Matteo Balsano. – Anunciou e meu coração vacilou. – Venha aqui Matteo, ser coroado.

- Eu não disse... – Jim falou impaciente.

Não resisti e olhei para o palco e me surpreendi ao encontrar um Matteo mais do que sorridente lá em cima. Eu sabia que ele estava mentindo. Ele adora ser do panteão. Constatei sentindo meus olhos arderem. Meu consolo é que meus instintos estavam certos e eu fiz bem em não o beijar.

- E agora, o grande anuncio! – A senhora Benson exalava animação e quem poderia julgá-la?! Ela coroaria a afilhada. – A rainha do baile esta noite é...

- Âmbar. – Nina fez uma vozinha e eu ri.

- Luna Valente! – A senhora Benson disse e eu congelei.


Notas Finais


E ai?! Me contem?! O que foi essa dança do inicio?! Gostaram da música?! E da conversa?! Quase, quase tivemos um beijo, mas não foi dessa vez. E o corredor?! Gastina foi descoberto, estão surpresos?! Acho que não. O que acharam deles falando sobre o Matteo?! E deles como um casal?! E da conversa Lutteo depois?! Continuamos sem beijo... Agora vamos ao rei e a rainha do Baile.... gostaram da escolha?! O que será que vai acontecer agora?!
Bem por hoje é só, boa semana!
Amo vocês demais e até a próxima!
PS: VOCÊ NÃO ESTÁ ATRASADO OU ADIANTADO, VOCÊ ESTÁ NO SEU TEMPO.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...