História A Fulana - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens , Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Jiraiya, Kiba Inuzuka, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame
Tags Fuino, Gaafu, Inofu, Kibafu, Kibahina, Naruhina, Sasusaku
Visualizações 102
Palavras 2.833
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Poesias, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite, eu não postei ontem por pura preguiça mesmo, mas devo confessar que fico muito mal quando não posto, parece que tô enganando vcs, slá kkkkkkkkkk
Enfim, gente, depois leiam as notas finais é importante
No mais, boa leitura!

Capítulo 15 - Capítulo 15


 

 

Naruto e Sasuke deitavam cuidadosamente Hinata em sua cama. O Uchiha já havia ligado para a namorada, o que fez com que a rosada saísse correndo no meio da aula para ajuda-los. Mesmo assim, Naruto não conseguia se sentir mais tranquilo.

Não demorou muito para que Sakura adentrasse o quarto da morena, o suor escorrendo pelo seu rosto indicava que correra para chegar ali. Seus olhos esmeraldinos transmitiam uma inquietação tamanha.

-O que houve? – Perguntou, agachando-se ao lado da cama.

Naruto não conseguia olhar para a amiga. Então, apenas encarava o chão. Sua garganta se fechava, não podia ter soltado aquela bomba em Hinata. De certa forma ele se sentia culpado.

-Não sabemos – Sasuke respondeu, ao ver que o loiro não diria nada – Ela apenas desmaiou.

-Os batimentos estão descompassados – Ela falou, sua cabeça estava perto do peito da outra – E a pele está pegajosa, ela comeu alguma coisa hoje?

-Acho que não – Sasuke tornou a falar.

-A pressão dela caiu – A Haruno anunciou. Sakura rapidamente se levantou, e elevou as pernas da Hyuga – Isso vai facilitar a circulação da corrente sanguínea dela.

-E o que a gente faz? – Sasuke indagou.

-O melhor seria dar um suco de laranja ou um café, mas como ela está desacordada pode acabar engasgando, o jeito vai ser colocar sal em baixo da língua.

-Deixa que eu pego – O moreno se propôs, e logo saiu do quarto.

Naruto ficou parado, ali na mesma posição. Seus olhos tristes passeavam pelo corpo de Hinata. Não se perdoaria se algo acontecesse a ela.

-Sakura-chan – Naruto a chamou, a rosada ergueu o olhar pra ele, e viu seus olhos azuis, agora preocupados – Ela vai ficar bem?

Sakura deu um curto suspiro e percebeu o que estava acontecendo ali.

-Vai sim – Retrucou – Pode não parecer, mas a Hinata é uma garota muito forte – A rosada olhou de volta pra o rosto da amiga, e exibiu um terno sorriso, apesar de tudo estava feliz por poder vê-la novamente – Ela só precisa saber disso – Sussurrou para que somente ela escutasse.

-Aqui está – Sasuke chegou correndo, trazia em sua mãos um saleiro de vidro.

A Haruno deitou novamente as pernas da amiga, e tomou o objeto das mãos do namorado, aplicando um pitada em baixo da língua da garota.

-Pronto, vai demorar um pouco mas a pressão dela vai normalizar.

-Obrigado, Sakura-chan – O Uzumaki agradeceu.

-Não precisa me agradecer, Naruto – Eles trocaram olhares afetuosos – Agora precisamos ir, amor, temos que voltar pra aula – Ela se virou para Sasuke.

-Vocês não vão esperar ela acordar? – Naruto quis saber.

-Acho melhor não, ela pode não gostar de me ver aqui – Sakura disse, era notável a desolação na voz da rosada.

-Ok – O loiro preferia não se intrometer nessa briga das duas – Quando ela acordar eu digo que vocês vieram, então.

-Não, Naruto, por favor, prefiro que ela não saiba.

-Tem certeza?

-É melhor assim – Respondeu, ainda meio receosa – Vamos? – O Uchiha acenou.

-Até mais, teme – Naruto se despediu, enquanto Sakura saía do quarto – E... boa sorte.

-Naruto – O Uchiha se virou ao amigo – Desculpe, pelo o quê eu falei mais cedo, talvez eu tenha me expressado mal, e...

-Não precisa se desculpar – O loiro cortou o amigo.

Apesar de serem o oposto um do outro, bastavam apenas algumas poucas palavras para que pudessem se entender.

O casal saiu do quarto deixando somente Hinata, adormecida, e Naruto. Ele se sentou ao lado dela na cama, observava atentamente a cada detalhe na Hyuga, mas logo seus olhos foram pesando e o loiro acabou adormecendo.

+

Hinata abriu os olhos em um susto. Ela olhava ao redor e via uma bonita paisagem. Era um jardim calmo, com centenas de borboletas, das mais diversas cores, várias sakuras floridas que davam um delicadeza ao local. O barulho de um fino e raso riacho lhe acalmava, mas onde poderia estar?

Ela continuava caminhando, sem rumo, queria saber que lugar maravilhoso era aquela. Hinata deu uma suave rodopiada, e pôde ver a figura de uma mulher, que cantarolava uma canção aleatória. A estranha mulher vestia apenas um vestido branco e fino, ela assentava sobre algumas rochas na beirada do pequeno corrego.

-Olá! – Ela chamou, se aproximando mais – V-você sabe que lugar é esse? – A Hyuga hesitou um pouco quando a mulher parou de cantarolar.

-Filha?  – Ouviu a doce voz de sua mãe.

Seus olhos perolados se arregalaram ao ver perfeitamente a figura de sua mãe. Ela tinha a pele clara, longos cabelos negros e os olhos castanhos.

-Mãe? – Respondeu incrédula – Mamãe! – Ela correu animadamente em direção a mais velha.

Hinata não se conteve e acabou se jogando nos braços da outra, que prontamente os abriu. E em seguida afagou os cabelos azulados da filha.

-Eu senti tanto a sua falta, mãe – Hinata disse, com a voz embargada de emoção.

-Eu também senti a sua falta, minha filha.

-Espera! – Ela se soltou de repente do abraço de sua genitora – Se a senhora está aqui, quer dizer que eu morri? – Assustou-se.

A mais velha soltou uma deliciosa gargalhada com a pergunta da filha, ela ainda era aquela criança que se lembrava.

-Não, fique sossegada – Ela voltou a envolver a filha – Os espíritos que já se foram tem a chance de visitar alguém que ama.

-É tão bom ver a senhora de novo – A mais nova se aconchegou. Ignorando totalmente o que a mais velha dissera.

-É muito bom ver você também, minha filha, agora, me escute – Ela tirou a menina de seu ninho, e agora segurava firme em seus ombros, ao mesmo tempo em que olhava fundo nos olhos – Eu vou precisar que você seja forte.

-P-por que está me dizendo isso? – A jovem estranhou.

-Porque eu sei que você é uma menina doce, sensível e um pouco ingênua – Hinata riu.

-E-eu não estou entendendo, mamãe.

-Fique tranquila, você vai entender, eu só quero que me prometa que irá cuidar de sua irmã.

-Eu prometo – A Hyuga mais nova jurou, em um sussurro.

-Agora, quero que você me conte as novidades, como está todo mundo?

Hinata logo se animou, e começou a contar sobre tudo o que acontecia em sua vida. A verdade era que sua mãe queria apenas aproveitar mais o tempo que passariam juntas.

-Mãe, por que a senhora se foi? – A mais velha se assustou com a pergunta repentina – Por que não lutou pela gente? – Os olhos de Hinata se enchiam de lágrimas.

Ela, então, soltou um longo e profundo suspiro. Temia ter que responder essa pergunta algum dia.

-Nossa família ainda tem muitos segredos, minha filha, segredos esses que não vai demorar para vir a público, e por isso que eu preciso que você seja o mais forte possível, preciso saber que você ficará bem - Falou, enquanto acariciava o topo da cabeça da menor.

A filha, no entanto não respondeu nada. Em sua mente passava outra pergunta.

-Mamãe? – A mais nova chamou.

-Hum

-Eu vou te ver mais vezes, não vou? – Sua voz falhava mais do que deveria.

A Hyuga mais velha engoliu em seco, sabia que o pior seria ter que se despedir novamente.

-Sinto muito, mas as pessoas que já morreram podem fazer apenas uma visita.

-Então isso é um adeus? – Hinata perguntou, temerosa.

-Temo que sim – A mais nova abaixou o olhar, mas logo foi levantado pela mãe – Ei, não precisa ficar triste, saiba que eu sempre estarei com você e sua irmã, sempre! – Pontuou.

E por mais que tudo aquilo fosse surreal, Hinata sentia verdade naquelas palavras, sabia que sua mãe sempre estaria com ela, e isso era motivo suficiente.

+

O sol daquele dia já se punha, as pessoas voltavam exaustas de mais um dia de trabalho. Porém Ino ainda estava na floricultura, Havia combinado com Gaara de irem jantar, então ela arrumava todas as coisas antes de partirem.

-Amanhã eu tenho um seminário da aula do Asuma para apresentar – O ruivo informou.

-Se quiser a gente pode marcar de sair outro dia – Ino respondeu.

-Tá maluca? – Ele fingiu espanto – E perder a chance de sair com a namorada mais bonita do mundo?

-Hum, quer dizer que você tem outras? – A Yamanaka provocou, risonha.

-Talvez sim, talvez não – Gaara continuou.

Os dois se envolveram dando um longo, porém profundo, beijo.

-Agora preciso ir ao banheiro, se importa de esperar um pouco? - O ruivo perguntou.

-Claro que não, vai lá – Ino viu seu namorado se distanciar mas logo voltou aos seus afazeres finais.

A loira terminava de mudar alguns vasos de plantas de lugar, segundo ela seria mais atrativo.

-Precisa de ajuda? – Ela esbugalhou os olhos ao ouvir a voz de uma certa azulada.

-Fū? – Ela se virou assustada – O que está fazendo aqui, não devia estar em casa?

-Calma, eu só esqueci as chaves, de novo – Brincou, mas estranhou quando a outra exibiu um sorriso assutador – Algum problema?

-Problema? Não, problema nenhum, por que teria problema? – O nervosismo era óbvio.

-Você está agindo estranha.

-I-i-isso é coisa da sua cabeça – Ela se voltou para tentar pegar novamente o pesado vaso.

-Tem certeza que não quer ajuda? – A azulada se inclinou para ver melhor o esforço que a loira fazia.

-C-claro que tenho, pode ir embora agora – Ela falou entre dentes.

-Está acontecendo alguma coisa? - Insistiu.

-Tá legal, eu vou contar – Ino se rendeu, soltando um pesado suspiro, como se preparasse para contar o maior segredo de sua vida – Meu namorado está aí – Ela apontou na direção do banheiro.

-Só isso? – Fū deu várias piscadelas, descrentes – Bem que eu vi um carro parado aí na porta – Fez um bico pensativa.

-Você precisa ir embora.

-Pirou? eu quero conhecer ele.

A Yamanaka podia sentir sua alma sair de seu corpo, seu rosto ficou completamente branco.

-Você está bem? – Fū perguntou curiosa – Seu rosto está branco – Disse analisando o rosto da loira.

-Fū eu preciso que vá embora agora, por favor – Implorou.

-Tudo bem, tudo bem, mas você fica me devendo essa.

-Tudo o que você quiser.

No entanto, antes que Fū pudesse se virar para ir embora as duas escutaram quando Gaara destrancava a porta do banheiro. Sem pensar muito, Ino empurrou a amiga para fora da floricultura que rapidamente virou a esquina.

-Tinha alguém aqui? – Gaara perguntou.

-A-alguém? – A loira suava frio – N-não, por que? – Ela fingiu naturalidade.

-Eu ouvi vozes.

-Ah, eu estava falando com a Sakura no telefone.

-Ah, sim, então, pronta?

-S-sim, vamos.

O casal seguiu para fora do estabelecimento. Aos poucos sua respiração se normalizava. ela trancou a o lugar e seguiram para o carro.

Os olhares de Fū e Ino se cruzaram no caminho. A azulada poderia jurar que já tinha visto aquele carro, só não sabia exatamente onde. Mas, não deu muita importância ao fato, já que não existia apenas um modelo do automóvel no mundo.

Girando as chaves, de onde morava, nas mãos, Fū seguia para casa. Pensou em talvez ligar para Gaara, mas logo deu um sorrisinho, desistindo, não daria esse gostinho a ele.

=

Hinata abria lentamente os olhos, a claridade de seu quarto lhe incomodava um pouco, mas logo se acostumou. Tentou-se lembrar de como fora parar ali, mas sua cabeça doía um pouco. Uma refrescante brisa atravessava a janela e se chocava contra o seu corpo. Ela olhou em direção a gigantesca porta, de vidro que dava acesso a pequena varanda, a mesma estava aberta, e um homem se encontrava apoiado sobre o parapeito, seu olhar estava perdido sobre a lua.

Não demorou muito para que a garota percebesse que era Naruto, e como em um flash se lembrou de tudo, a ligação de seu pai, Shikamaru e a declaração do outro, mas estava decidida, não iria correr mais.

Na ponta de seus pés ela se aproximou de Naruto, o mesmo sequer percebeu.

-Ela é muito bonita vista daqui, não é? – Ela se posicionou ao lado do loiro.

-Verdade, é como se pudéssemos toca-la – A morena sorriu – Hinata? V-você está bem? – Ele se assustou.

-Estou, não se preocupe.

-T-tem certeza, acho melhor irmos ao hospital, pra fazermos um check up e...

-Naruto, calma, eu já disse que estou bem.

-Tá bom, desculpe – Falou após um longo suspiro.

Os dois voltaram a admirar a lua, com nada mais que o som de alguns grilos que cricrilavam, não sabiam exatamente como tocar naquele assunto.

-Hinata

-Naruto – Os dois disseram simultâneamente.

-Desculpe, você primeiro.

-Obrigada, sobre hoje mais cedo... – A Hyuga começou meio nervosa - ... eu queria agradecer por ter sido totalmente sincero comigo...

-Mas... – Ele disse para que ela continuasse.

-Mas, eu sinto que não estou preparada para entrar em outro relacionamento por agora – Ela tentava encarar os olhos azuis do loiro – Não quero que você me entenda mal, é só que... eu preciso de um tempo pra me reconhecer de volta, me entender, e eu preciso fazer isso sozinha.

Ela ansiava pela resposta que outro daria. Não queria perder a amizade de Naruto, mas aceitaria o que ele decidisse.

O Uzumaki ficou pensativo sobre aquilo. As palavras de Hinata o pegaram desprevenido, mas era melhor do que o que ele estava esperando.

-Acabou os surtos? – Ele perguntou.

-Acabou os surtos – Afirmou, exibindo um lindo e sapeca sorriso, o bastante para deixar Naruto completamente maluco.

-Então, por mim tudo bem – Ele levou a palma ao encontro da mão da garota que estava sobre o parapeito.

-Eu queria te pedir mais um favor.

-Pode falar

A jovem ponderou sobre o que estava prestes a pedir, aquilo com certeza era loucura.

-Não desiste de mim não – Pediu, e Naruto deu um mínusculo sorriso.

-Eu nunca desistiria de você – Disse, antes de puxa-la para um abraço.

Hinata ficou com a cabeça na altura do ombro de Naruto, se sentia mais tranquila por saber que ele continuaria ao lado dela, apesar de tudo.

-Hinata? – Ele a chamou, quebrando o abraço – Agora eu quero te pedir uma coisa.

-Diga

-E-eu queria... hum, se você deixar, claro – Naruto suspirou fundo tomando coragem para falar – eu posso te dar um beijo? – Pediu por fim, sabia que podia colocar tudo a perder.

Hinata se espantou um pouco com o pedido. Mas, tinha que admitir, gostava de ver Naruto esfregando as mãos atrás da cabeça, e dando um sorriso torto, claramente em um ato de puro nervosismo. O loiro tentava a todo custo evitar olhar para a jovem, mantinha os olhos fixos no chão. A Hyuga deu um sorriso aberto, mordeu o lábio inferior e resolveu responder.

-Claro – Retrucou, para a surpresa do Uzumaki, que imediatamente virou a cabeça para olha-la, afim de saber se isso não era uma brincadeira.

Naruto, então, levou as mãos ao delicado rosto da moça. Hinata podia sentir o calor de seu toque. Ele se aproximou um pouco mais, e a morena enlaçou o pescoço do mesmo. Ele foi aproximando seu rosto do dela lentamente, para não assusta-la. Os olhos de ambos foram se fechando, conforme a distância diminuía. E enfim, Naruto selou seus lábios aos de Hinata, em um beijo lento. No entanto, a língua de ambos não chegaram a se encontrar, já que antes disso ouviram a voz de Hanabi, que brigava com alguém no andar de baixo.

-Hanabi? – Hinata se assustou. Ela se desvencilhou do rapaz e seguiu para o andar inferior, se lembrando imediatamente do que sua mãe havia pedido.

-O que essa baixinha está aprontando agora? – O loiro se perguntou.

-Que droga, Neji, eu já disse que ela está dormindo – Hanabi gritou ao primo de volta.

-Então, acho melhor ela acordar! –O Hyuga mais velho parecia bravo.

-Neji? – Hinata chamou, ainda no segundo andar, era possível ver a cena da irmã com os braços abertos, tentando impedir a passagem do primo – Algum problema?

-Seu pai me ligou, queria saber se está tudo bem – O jovem se acalmava, mas não conseguiu esconder muito bem o incômodo que sentiu ao ver o tal Naruto parar ao lado da prima.

-E por que não estaria?

-Ele disse que você não está indo as aulas – Neji olhava pelo canto de olho para ver a reação de Hanabi, ela também parecia um pouco surpresa.

-Ah, é verdade, eu tive uma indisposição nos últimos dias, mas nada para se preocupar, amanhã mesmo estou voltando – Ela exibia um grande sorriso vitorioso.

-Foi o que eu tentei falar pra ele, mas esse idiota não quis me escutar – Foi a vez de Hanabi se pronunciar.

-Com você eu converso depois – Neji apontou o dedo pra menor, seu tom de voz ameaçador fez com que todos os pelos do corpo dela se arrepiassem – Fico feliz que esteja tudo bem - Ele se voltou para a prima mais velha.

-Claro – Hinata respondeu.

-E esse, quem é? – Ele se referiu ao Uzumaki, que até então não havia dito nada.

-E-esse aqui é o Naruto, meu amigo – Ela se virou ao loiro, e deu um singelo sorriso – Meu melhor amigo.

O Hyuga não estava gostando nem um pouco daquela intimidade. E Hinata estava muito sorridente, não devia estar assim, alguma coisa deve ter acontecido e aqueles três não iriam contar, mas isso não importava, ele descobriria sozinho.

 

 


Notas Finais


Finalmente o sofrimento da nossa princesa chegou ao fim, mas o que a mãe dela estava querendo dizer?????
Quaaaaaase que nosso triângulo amoroso se descobre, hein hahahahaha
Gente, o recado é que a fanfic vai dar uma pausa, de no máximo uma semana, por motivos de revisão, andei lendo e vi que algumas coisas não tinham ficado muito boas, eu vou TENTAR arrumar, mas não se preocupem que não vou mudar o sentido de nada, ou acrescentar algum fato importante, é só alguns diálogos mesmo que não me agradaram muito.
Por enquanto é isso, aos leitores novos, favoritem e comentem pq é bom pra caralhooo e incentiva muito tbm, aos fantasmas, comentem pq eu não mordo não kkkkkkkkkkkkkk
Enfim, é isto, espero que tenham gostado e até a próxima, beijoss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...