1. Spirit Fanfics >
  2. A gangue (surubangtan - Taehyung Centric) >
  3. Eu odeio vocês!

História A gangue (surubangtan - Taehyung Centric) - Capítulo 12


Escrita por:


Capítulo 12 - Eu odeio vocês!


Os seis membros da gangue estavam reunidos na sala, tentando decidir o que fariam com a nova ameaça que estava a solta por ai. Todos nervosos, com medo e angustiados. Raramente sentiam isso pelas suas vítimas de sequestro, mas eles sabia que Kim Taehyung era diferente.

A áurea inocente que exalava curiosidade, o jeito meio marrento que acabava assim que recebia algum contato com os fios de aeu cabelo e seu rosto angelical, seu corpo que era uma escultura muito bem detalhada, cheia de curvas. Tudo aquilo atraia demais os seis homens, que nunca deixaram de reparar no garoto.

Sim, Taehyung era apenas um garoto perdido e sem rumo ja que seu próprio pai queria mata-lo.

— Então, o que vamps fazer? — Jimin finalmente se pronunciou, quebrando o silêncio.

— Eu não sei... Estou com medo de algo acontecer com o Taehyung. — o mais novo dos seis respondeu.

— Preocupado com ele, Jungkook? — Jin ousou debochar do garoto, fazendo o mesmo revirar os olhos.

— Claro, vocês também estão. Sabem que sem ele não teremos vingança e muito menos dinheiro.

Jungkook jogou as palavras e rapidamente se arrependeu, não era por esse exato motivo que estava preocupado, mas ninguém precisava saber, muito menos Taehyung que agora estava parado atrás deles, apenas escutando tudo isso.

— Vamos embora daqui. — Yoongi tinha sua atenção nos anéis em seus dedos.

— E para onde vamos? — Namjoon que até então estava quieto se pronunciou.

— Estão realmente pensando em fugir? — novamente Jungkook falou. — Vamos só devolver o Taehyung pra rua e desistir dessa ideia, da última vez que fomos ameaçados um de nós quase morreu.

— Ei, ja disse que eu sou forte e não vai ser uma facada no estômago que vai me matar. — Jung reclamou alto, cruzando os braços e resmungando.

— Namjoon. — o mais novo chamou o líder. — Não vale a pena se arriscar assim. O pai dele nem se pronunciou sobre o sequestro e agora esta tentando mata-lo. Vamos desistir disso, Kim Taehyung nem vale toda essa grana quando nossas vidas estão em risco.

Antes que o lider pudesse repreender o mais novo pelas atitudes, ouviram alguém fungar alto e a imagem do garoto aparecer. Estava com a ponta do nariz vermelho e uma mochila pronta nas costas, mesmo que está estivesse meio vazia ja que havia pouca coisa ali dentro.

— Concordo com o Jungkook, é melhor me jogar na rua como se eu fosse um pedaço de pano velho. — levantou o plhar e riu soprado.

— E você é a porra de um pano velho, precisamos de dinheiro, Taehyung, e você não esta servindo para isso no momento. — Jungkook levantou do sofa.

— Jungkook, pare agora! — o mais velho tentou acalmar a situação, mas desistiu ao ver Yoongi levantar e começar a concordar com o maknae.

— Infelizmente, Taehyung... Jungkook tem razao. Você tem que ir embora antes que algo de ruim aconteça com todos nós.

O garoto segurava forte a enorme vontade de chorar. Seu peito ardia e estava tremendo de raiva. Justo Yoongi precisou agir daquele jeito? O homem que mais confiava naquele momento?

— Tudo bem. — concordou e foi se afastando. — Eu vou, mas antes...

Fechou seu punho com força e então girou seu corpo, acertando a boca do mais velho entres os três em pé, fazendo este cair no chão meio assustado com a sua ação.

— Eu odeio vocês.

Foi sua última fala antes de sair daquela casa que o sufocava, que o fazia prender sua respiração e querer gritar até os pulmoes explodirem.

Do lado de fora, olhava para a rua, tentando achar algum caminho para seguir. Estava sem destino então apenas caminhou para qualquer lugar, só queria estar longe daqueles homens, longe daquela casa e principalmente, longe de seu pai.

•••

Os homens jantava em um silêncio desconfortável. Nenhum deles abriu a boca desde que Taehyung saiu pela porta da frente e deixou Yoongi com um corte no lábio inferior. Jimin havia ido ao banheiro chorar e Jin ajudou o outro com o pequeno ferimento, enquanto os outros seguiram até seus respectivos quartos. Logo depois ouviram gritos e alguma coisa quebrando no andar de cima, provavelmente Jungkook descontando suas frustrações em algum jarro. Jin então caminhou com o kit de primeiros socorros até o quarto do moreno, sabendo que o mesmo havia usado o espelho como saco de pancadas.

— Ninguém vai falar nada? É isso? — a voz doce e chorosa de Jimin soou baixo.

O garoto foi o que mais se apegou a Taehyung, considerando este como seu melhor amigo. Aproximou-se pois sabia que o moreno e ele se dariam bem desde de se beijaram no primeiro dia de sequestro.

— O que quer que a gente fale? — a frase de Yoongi soou mais debochada do que preocupada.

— Não acredito que realmente estão agindo como crianças. — não aguentando a situação, Jin levantou da mesa e começou a tirar os pratos sujos. — Vocês deveriam ter vergonha, seus nojentos. Taehyung esta la fora, no frio e provavelmente mal porque os babacas não sabem como resolver algo simples.

— Simples? — Jungkook olhou incrédulo para ele.

— Sim, simples, a solução mais viável disso tudo era apenas mudar de casa para mais um lugar desconhecido, ja fizemos isso varias vezes. Mas não, os idiotas fizeram questão de expulsar o garoto daqui.

Os dois "babacas" abaixaram a cabeça, Jin estava certo. Uma solução simples para um problema enorme. A culpa tomou conta e eles sentiam seu corpo pesado, no fundo sabiam que não queria Taehyung fora dali.

— Vão atrás deles. — Namjoon mandou, curto e grosso.

— A gente? Por que? — Yoongi questionou sonolento. — Ele não tem para onde ir, vai voltar.

— E se não voltar? — rebateu o mais baixo que suspirou. — É uma ordem, uma missão. Voltem com Kim Taehyung ou os dois sofrerão as consequências, farei com que os dois se sintam como um pedaço de pano velho também.

Dito isso, os quatro restantes sairam para a sala, deixando Yoongi e Jungkook se olhando de forma séria e arrependida.

Maldito dia em que resolveram agir como sequestradores de verdade.

•••

Era quase duas horas da manhã e Taehyung estava deitado encolhido no banco de jma praça vazia. Fazia frio, uma tempestade se aproximava e seu corpo ainda não estava 100% forte para enfrentar um resfriado.

Espirrou pela décima vez em menos de três minutos e tossiu, praguejando os YoonKook mentalmente por terem sido idiotas demais ao ponto de o expulsar de casa. Não era sua culpa estar sendo perseguido, não era sua culpa seh pai não se importar com ele, mas os outros dois agiram como se fosse e agora, Taehyung se culpava por tudo que estava acontecendo.

Era óbvio que não iria conseguir dormir naquelas condições, mas só piorou quando ouviu passos nas folhas logo atrás de si. Respiroh fundo e fechou os olhos, torcendo para ser algum esquilo. Quem dera fosse. Sentiu uma mão apertar seu braço e em um pulo só, levantou do banco e passou a gritar desesperado, se debatendo para ser solto.

— ME SOLTA! ME SOLTA AGORA!

— Taehyung. — seu nome foi chamado mas ainda se debatia. — Taehyung olha pra mim.

Seus ombros foram segurados com força, fazendo com que parasse de se mover e de gritar. Aos poucos abriu seus olhos e teve a imagem de Jungkook. Jurou até ser alucinação devido a fome mas não era, realmente o moreno estava ali. Mais aliviado, sorriu pequeno e abraçou o outro em sua frente, sendo retribuido de forma confusa.

— Nunca fiquei tão feliz de ver você e olha que eu te odeio... — murmurou baixinho. Seu coração ainda estava disparado mas já não era mais de medo.

— Esta tudo bem agora... Ninguém vai tocar em você. — o moreno acariciou os fios macios, quase resmungando quando Kim se afastou.

— Nem você vai, seu merda. Não esqueci do que disse pra mim. — voltou com a carranca emburrada e pegou as suas coisas, pronto para ir embora.

— Jungkook achou ele? — ouviu a voz de Yoongi e sentiu a respiração falhar, sabia que com o mais velho seria diferente.

— Ele esta bem aqui. — Jungkook fez questão de segurar no braço de Taehyung, não querendo que ele fugisse.

— O que vocês querem? — a voz do garoto saiu baixa e ríspida.

Não obteve resposta, ja que uma chuva grossa deu início e ele foi puxado para algum lugar coberto, para que não se molhasse. A corrida até uma arvore havia sido em vão, os três estavam encharcados e precisavam urgente tirar as vestes molhadas.

— Yoongi, ali. — o moreno apontou para um motel. — Vamos passar a noite ali.

O mesmo concordou e puxou Taehyung até la. O garoto tinha os olhos arregalados, um motel não era sua ideia para que pudesse xingar os dois homens ao seu lado, que pediam um quarto para um senhor que entregou a eles várias camisinhas.

Ja dentro do quarto, Jungkook correu para o banheiro, na intenção de romar um banho rápido. Não havia vestes ali, então usariam os roupões fornecidos pelo motel enquanto as roupas secavam. Taehyung estava encolhido no canto da cama, esperando os dois tomarem seus banhos para que pudesse fazer o mesmo.

— Vi vocês dois abraçados no parque. — Yoongi muemurou baixo enquanto secava seu cabelo com a toalha, o outro presente murmurou um "quem?" e ele riu. — Você e o Taehyung.

— Qual é, Yoongi? — ele riu baixo e negou. — Eu não gosto do Taehyung, de nenhuma forma possível.

Sua fala não foi tão convincente assim mas nem ele havia percebido aquilo, Jungkook não estava percebendo muita coisa desde então.

— Por que não gosta dele?

— Eu não... — suspirou e se jogou na cama. — Não sei... Eu acho que, sinto muita atração por ele mas, sei que eu seria rejeitado.

— Por que acha isso? — Yoongi se deitou ao seu lado.

— Porque Kim Taehyung é maravilhoso, é inteligente, lindo... E eu sou... Eu. Se eu fosse ele também não me daria uma chance, também me odiaria e também chutaria minha canela.

Os dois riram alto, não dando conta de que Taehyung ja havia terminado seu banho e que estava escutando a conversa por trás da porta.

— Você ja dormiu varias noites com ele né, tipo... Abraçados? — falou meio baixo para Yoongi.

— Sim... Mas não passou disso, tenho medo de vacilar com ele e o machucar, Taehyung é precioso demais para ser machucado.

— Concordo... Mas se ele saísse daquele banheiro, seria difícil segurar a vontade de o beijar, de o tocar...

Nesse momento, a porta do banheiro foi aberta e de la saiu um Taehyung com cabelos úmidos e o lábio inferior sendo mordido, mostrando nervosismo com o que faria. Aproximou-se de Jungkook que agora estava sentado na cama e sentou em seu colo.

— Então não segure essa vontade, Jungkookie.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...