História A garota. - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


R.I.P pelo meu fone que acabou de quebrar... ʕ´• ᴥ•̥`ʔ

Boa leitura (。・ω・。)ノ♡

Capítulo 21 - Capítulo 20


...

Subi as escadas, até meu quarto. Maison e o Urso já estavam lá. O que fazer em um final de sexta ?

Tomar banho.

Fui para o banheiro do corredor. Liguei o chuveiro, tirei o vestido e me enfiei no meio da água.

.


.


.


Passado uns 20 minutos, sai e desliguei a água. 

Puta que pariu. 


Cadê. A. Toalha. ?


-Unf

Peguei o vestido e coloquei-o novamente. Ele colou no meu corpo por causa da água, não seria tão agradável encontrar alguém lá fora nesse exato momento, ainda mais pelo fato de que lá fora está mais gelado que aqui dentro e eu tô sem sutiã.

Abri a porta, observando apenas pela fresta, não tinha ninguém. 1, 2 ,3 !

Abri e corri que nem uma louca, quase me enroscando no carpete. No momento em que abri a porta, Castiel pôs a cabeça pra fora de seu quarto e riu, eu entrei no meu.

Sobrevivi, talvez.

Maison me recebeu com lambidas no tornozelo e o urso continuou deitado, como sempre.

Coloquei o pijama limpo e penteei meu cabelo. Ainda eram 19h20. E eu ainda não estava com fome.

Sentei no chão e encostei no Urso, Maison pulou em mim. 

- Você sente falta dos seus pais Maison ? -Ele me olhou, sem entender, provavelmente.

-Sou uma espécie de loba e nem posso falar com você...- Fiquei triste por isso, fiz carinho nele.

Lobos, sangue de demônio, meus pais tinha outra vida que eu nem conhecia. Queria eles aqui comigo. 

Será que eu também tenho sangue de demônio ? Ou seja lá o que for. 

-Hmm, até agora eu não explorei essa casa por completo, né ? Fica aqui Maison, eu volto depois com carne pra vocês.-Disse aos dois e levantei.

Sai do quarto novamente, em silêncio. Andei um pouco até o outro corredor, havia uma porta no final dele. Claro que eu abri para ver o que tinha dentro. Uma biblioteca pessoal, com prateleiras que iam até o teto, uma mesa de leitura com puffs espalhados por um canto, haviam pequenas janelas. Perfeito. Talvez eu possa levar alguns livros para a floresta e ler lá, seria mais aconchegante, eu acho.

Comecei a vasculhar os livros.

.


.


.


Eu tomei um susto quando a porta se abriu com tudo, derrubei os livros que eu estava segurando. 

- Você não precisa arrebentar a porta para poder entrar em algum lugar, Castiel ! - Comecei a pegar os livros, ele se aproximou.

- Só vim trazer um lanchinho, lobinha. -Ele colocou uma bandeja na mesa e se abaixou para pegar um livro que eu tinha esquecido de pegar. Ele limpou e estendeu o mesmo para mim.

Coloquei todos livros na mesa e me virei para pegar o último. Ele me entregou e sorriu.

- Eu "te conheço", Castiel. - Ele não sorri, muito menos pra mim, ele só sabe infernizar a vida dos outros.- O que você quer ?

Ele me encarou e sorriu ladino.

-Eu ? Eu não quero nada, lobinha.- Ele se aproximou em um passo, o apelido já começara a me irritar, eu o encarei. - Só estou aqui, fazendo companhia pra minha amiga, não ?

Ele sorriu novamente, eu me mando seria olhando para a cara dele.

- Obrigada pela comida, já pode sair.- Ele me olhou, fingindo estar chateado. - Não quero companhia, tô ocupada.

Falei, já impaciente. Ele deu mais um passo e sorriu enquanto revirava os olhos.

-Qual é, não confia em mim ? - Ele perguntou, sendo sínico.

- Não. -Fui seca o suficiente para acabar com a paciência dele, que fungou.

- Eu já disse que nós somos amigos agora. -Ele abriu os braços e depois fechou.- Não vou mais ser chato com você.

Ah, se ele fosse apenas chato comigo...eu até agradeceria. Continuei parada entre a mesa e ele, o encarando.

-Eu sei o que você disse. - Eu falei, seu sorriso sumiu. - Confiança não se conquista da noite pro dia, então, não, eu não confio em você.

Eu disse e me virei para arrumar os livros em uma pilha.

-Eu darei motivos para não confiar mesmo. - Ele disse baixo.

 Eu me virei e ele me prensou contra a mesa, colocando uma de suas pernas entre as minhas e fechou o espaço com os braços na mesa.

- Castie/ 

Ele não me deixou terminar, tapou minha boca com uma das mãos e  segurou as minhas com a outra livre dele, me apertou mais contra a mesa. 

- Eu realmente me irrito quando você está por perto. - Ele suspirou. - Mas ainda assim, eu quero sua confiança. 


Ele aproximou se rosto do meu, mas não tirou a mão da minha boca. Eu poderia ter-lo empurrado, mas eu estava tão concentrada em seus olhos cinzas que meu corpo não se movia. Ele encarou meus olhos em silêncio, talvez estivesse esperando que eu fizesse alguma coisa. Ele sorriu.

-Seus olhos são bonitos. - Ele soltou bem baixinho, depois, estudou meu rosto.

Eu apenas fiquei alí, sem nem me mover, apenas observando o modo que ele me observava, quieto e sorrindo. 

Então, ele virou a cabeça e olhou para meu pescoço. Ele se abaixou e roçou o nariz de leve indo do meu maxilar até o ombro, depois voltou para o pescoço. 

Seria errado dizer que eu me arrepiei inteira com isso ?

 E mais errado ainda dizer que eu me arrepiei com mais força quando eu percebi que ele tinha sorrido quando percebeu isso ?

Ele se afastou, eu devo estar vermelha como uma pimenta. Ele me olhou profundamente mais uma vez e sorriu, aliviou meus pulsos, mas eu nem me movi, eu estava paralisada, relaxada, não sei, fora de mim talvez.

Ele tirou a mão do meu rosto e arrumou uma mecha do meu cabelo atrás da minha orelha. Seu olhar foi para baixo, ele sorriu mais uma vez e voltou a me encarar. Eu fiquei muda.

Finalmente, ele aliviou a pressão entre minhas pernas e se afastou, sem dizer nada.

- Eu vou comer, lobinha. - Ele virou e foi para a porta. - Até depois.

Ele saiu.








Continua....








Notas Finais


Oiein hihhhih

Tutu pom com vocês ?
Vamos ver quando eu consigo postar o próximo (◍•ᴗ•◍)❤ vai ficar maior que esse, prometo kkk.
Bjnhos na bunda de vcs (´ε` )
-Moon


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...