História A garota da capa. - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Arrow, The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Cisco Ramon, Detetive Joe West, Donna Smoak, Dr. Harrison Wells, Dra. Caitlin Snow, Eddie Thawne, Eobard Thawne / Flash Reverso, Felicity Smoak, Iris West, John Diggle, Laurel Lance, Leonard Snart (Capitão Frio), Malcolm Merlyn, Mick Rory (Onda Térmica), Oliver Queen (Arqueiro Verde), Personagens Originais, Quentin Lance, Ray Palmer, Roy Harper (Arsenal), Sara Lance, Thea Queen, Tommy Merlyn
Tags Barry Allen, The Flash
Visualizações 27
Palavras 1.940
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Danton Black parte:02


Estavamos já no laboratorio STAR e a Caitlin tava dando sermão no Barry. 

- você mentiu pra gente - disse ela rodando a sala. 

- por que não disse que tava sentindo tontura? Nós somos os seus medicos, ninguém sabe o que ta acontecendo com seu corpo, suas celulas estão num estado constante de fluxo, e você pode tá numa deficiencia cardio cumunar ou um ataque estremico transitorio. - Barry olha pra Wells confuso. 

- pequeno derrame, provavel que não. - disse Wells. 

- você de todas essas pessoas devia saber que na ciencia compartilhamos, nós não guardamos segredos. - Disse e saiu. 

- cara eu nunca vi ninguém alem do Ronnie deixa a Caitlin tão irritada. - disse Cisco. 

- Ronnie era o noivo da Caitlin? aquele que morreu na explosão? - perguntou Barry. 

- é ela sente, falta. - disse Wells. - agora vamos descobri por que isso esta acontecendo. 

- tá tudo pronto. - disse Cisco. 

- o papelão serve pra que? - pergunto. 

- como proteção, só por precação. - Barry olha pra ele sem saber o que falar. - é. 

Disse Cisco indo para fora da sala e eu segui ele.

 - não, você fica ai. - disse Cisco.

 - por que? - pergunto.

 - por que sim. - falou fechando a porta.

 - agora se posicione na frente dos papelões. - disse Cisco.

 - eu? - falei mesmo sendo obvil.

 - sim - disse Cisco, e eu mim posicionei. 

- tá certo enquanto á isso Cisco? - perguntou Cisco.

 - a maioria das esteiras tem uma velocidade maxima de 20 quilometros por hora, essa dai foi adapitada, confia em mim , ela aguenta sua velocidade. - disse Cisco.

 - tá bom. - falou Barry. 

Ele começou a correr. 

- frequencia cardiaca, preção, condução nervosa estão normais. - disse Cai, eu ainda não tô entendendo o que eu tô fazendo aqui.

 - pro Barry. - disse Wells.

 - a frequencia celebral esta dentro do limite. - disse Cai.

 - Caitlin? - chamou Wells. - olha o nivel de gricose. 

- ai meu, Deus é claro. - disse Cai.

 - foi oque? - perguntou Cisco.

 - era tão obivil. - disse Cai. 

- o nivel de gricose. - disse Cisco.

 - Barry agente acha que sabe por que você esta... - derrepente Barry voa na minha direção, e eu jogo ele pra longe com meu poder de vento. 

- ops. - disse eu olhando pra ele, no chão desmaiado.

 - desmaiando. - completou Wells. 

Levamos ele para maca e ele acordou.

 - eu desmaiei de novo? - perguntou.

 - falencia metabolica total causada por uma epoglici mini aguda. - disse Cai. 

- não tô comendo o suficiente, posso tomar um soro e tudo certo. - disse ele levantando fazendo Cisco rir e apontar pros sacos de soro vazios.

 - foram 40, acho que tava com sede. - disse Wells. 

- vamos elabora uma nova dieta basiada nas suas mudanças metabolicas. - disse Cai.

- agente pode acrescenta comida mexicana. - disse seguindo ela.

- boa ideia. - disse ela.

 - eu fiz alguns calculos, você precisa consumir uma quantidade similar a 850 tacos. - disse Cisco.

 - pode virar uma baleia ou até um elefante. - disse fazendo ele rir pelo jeito que eu falei. 

- ou se for queijo de guaca mole a equação é completamente difrerente. - ele voltou pra mesa. 

- pra mexicana eu recomendo Tito na avenida Buklin, tem o melhor burrito. - disse Joe entrando. 

- detetive West, o que trás ao laboratorio STAR? - perguntou Wells.

 - não te encontrei no laboratorio. - disse apontando pra Barry. - então comecei a fazer uma investigação, descobri que tem relatos de um raio vermelho, e uma garota que controla o vento pela cidade, enpedindo assaltos, salvando pessoas de predios em chamas. 

- vocês, não disseram que estavamos trabalhando juntos? - perguntou Wells. 

- Joe, eu posso explicar. - falou Barry.

 - vocês já tem um emprego no departamento de policia, sujiro que voltem á ele. - disse Joe.

 - huhum. - mumurrou Cai chamando a atenção de Joe. - não olha pra mim não, eu tô do seu lado. 

- detetive, todos queremos o que é melhor para Barry e para Camily. - disse Wells.

 - se vocês quisecem o que é melhor para eles, você ia convece-los a parar com essa loucura, envez de encoragi-los á sair e arriscar as vidas. - disse Joe. 

- Joe, você viu um homem controla o tempo. - disse Barry.

 - ele tem razão Joe, o que você acha que a policia pode fazer com um cara desses? - perguntei. 

- dês da explosão do acelerador, agente acha que tem mais gente como ele. - falou Barry.

 - e vai fazer o que? - perguntou Joe. 

- Teimoso. - disse revirando os olhos . 

- igualmente - disse apontando pra mim - pegar eles? Tão maluco? Acha qu como pode correr rapido, é invensivel? Não vocês não são, você são só, um garoto e uma garota, você Barry é o meu filho, e você Camily prometi para seu pai que ia te proteger. - disse Joe. 

- eu não sou o seu filho. - disse Barry. 

- BARRY - gritei. 

- Joe, e você não é o meu pai. - disse Barry. 

- BARRY. - gritei mais alto ainda.

 - o meu pai tá preso em iron heights, condenado sem motivo, você tava errado quanto á ele, e você tá errado quanto a isso, olha talvez não consiga ajudar ele mais se eu poder salva alguém de um predio em chamas eu vou, e você não pode mim enpedir, então nem tenta. - disse Barry, o que é isso que eu tô sentindo, deve ser decepição. 

- você se acha tão esperto, todo mundo ai, mais não  tentem saber o que não sabem, eu espero que seja espertos o suficiente para saber isso antes que alguém morra. - disse saindo, eu não tô mim segurando preciso falar. 

- sério Barry? Você não é meu pai. - disse com cara de raiva. 

- o que você quer? - gritou ele, mim fazendo abaixar minha cabeça e balança de forma negativa. - desculpe.

 - sempre desculpe. - disse levantando meu rosto, e uma lagrima desceu, por que eu tô chorando? 

- eu só não quero que ele ache que ele é o meu pai. - disse ele.

 - idiota. - peguei meu casaco e sai. 

Fui pra delegacia ocupar um pouco a cabeça, resolvi analizar meu sangue, fui rasga um pouco meu pulso mais acabei rasgando demais.

 - AI. -griei. - droga. 

- tá tudo bem? - perguntou Barry entrando. 

- melhor impossivel. - fui até a istante pra pegar espara dapro só que tava alto. - droga.

 - quer ajuda? - perguntou ele parando do meu lado.

 - não. - falei pulando pra alcançar.  

- tá bom. - disse saindo, eu revirei os olhos. 

- tá, eu aceito sua ajuda. - disse e ele pegou espara drapo. - valeu. - peguei da mão dele e fui desfectar meu ferimento, sorte que ele cura rapido. Eacultei passos.

 - veio berrar comigo denovo? - perguntou Barry.

 - o chefe de segurança de Saimon sterk foi morto ontem á noite o registro tirou amostra de pele, espero que seja do assassino vê se encontra a conbinação. - disse Joe. 

- não deve ser coincidência, a premiação do Sterk ser atacada ontem. - disse Barry. 

- vou falar com Sterk agora. - disse saindo. 

- eu vou com você. - disse Barry.

 - seu trabalho é aqui, fique aqui e faça. - disse Joe, sentei na minha cadeira e coloquei uma musica, passei alguns minutos ali até sentir alguém mim curucando. 

- que foi? - perguntei.

 - o atirador tá nas endustrias stek, e o Joe tá lá, vai se vestir. 

 Mim vestir e fomos.

 Chegamos e tava rolando tiro Barry corre e tira as armas das mãos dos atiradores e eu vou para seu lado.

 - Vai. - ordenou Barry.

 - Vai? - perguntou confuso quando vi ele não tava mais ali só Barry que tava do meu lado. 

- não importa quem é você, se entrega. - disse Barry.

 - desculpe não vamos a lugar nenhum. - disse o do meio.

 - até Saimon Sterk morrer. - disse os três ao mesmo tempo. 

- estamos sendo abrigado, não estamos? - pergunto olhando para Barry.

 - é, estamos. - disse Barry.

 Barry bate nos dois e fica só o do meio que vira três e eu fico confusa. 

- isso é uma vantagem para eles. - Barry bate no resto e fica um que ele da um soco e vira três e eu tô boiando muito. - pera se bater-mos neles apareçen mais? 

- parece que sim. - repondeu Barry.

 - isso é horrivel. - disse. 

- é... - disse ele. Começamos a bater nele lancei um vento nele só que não deu certo, eles começaram a bater na gente eu não tava mais aguentando, eu senti algo estranho descer pela minha boca, e escultei um tiro e logo depois eu e Barry estavamos do lado de fora. 

- você tá bem? - perguntei. 

- não, e você? - perguntou ele. 

- só umas costelas quebradas, mais eu tô bem. - demos risada. - ai. 

Laboratorio Star: 

Tava deitada na maca e Cai tava limpando meus ferimentos.

 - ai Cai. - gritei de dor. 

- deculpa, os machcados de vocês já estão se curando rapidamente. - disse Cai. 

- é, eu acabei apanhei apanhando bastante. - disse Barry.

 - não mais que eu, eu quebrei uma costela. - disse tentando mim levantar.

 - não se esforçe. - disse Cai mim deitando novamente.

 - vocês sujaram as roupas de sangue. - disse Cisco.

 - oi? - levantei rapido soltando um grito. - você tá pensando em roupa numa hora dessas. - falei mim deitando novamente. 

- eu olhei que uma parte dele é ele mesmo e a outra parte meta-humana não é tão amigavel. - disse Barry. 

- Danton Black, ele era um gerenticista especializado em clonagem terapeutica a criação de novos orgãos para substituir os ruins. - disse Wells.

 - parece que o Sterk roubo a pesquisa do Black e demitiu ele. - disse Cai.

 - vimos o Black se dulplicar a partir do seu proprio corpo. - disse Barry.

 - isso é bem ironico, o cara é expecialista em clonagem, e agora concegue fazer copia do seu proprio corpo. - disse Cisco. 

- se ele fazia exoperiençias dele mesmo quando ele foi exposto a onda de materia escura liberada pelo aceletador de particulas. - disse Wells. 

- conheçam o capitão clone. - disse Cisco chamando a minha atenção que só ouvia a conversa.

 - sério? Não tinha nome melhor não Cisco? - falei olhando pro teto já que não dava pra olhar pra cara dele.

 - pode deixar, vou pensar em um nome mais legal. - disse ele. esculto passos indo para porta. 

- aonde você vai? - pergunta Cai. 

- Joe tava certo realmente eu tô exagerando, tá bom eu sou rapido mais eu não sou um guerreiro, nós não conseguimos lutar com um meta-humano, imagina 6. - disse Barry.

 - Barry? Eu entendo que hoje foi um rotrocesso, toda iniciativa grande sofre disso mais naverdade agente só a voar aprende se cair algumas algumas vezes. - disse Wells.

 - isso não foi iniciativa doutor Wells isso foi um erro. - disse e esculto ele sair. 

- agora é só eu? - pergunto. 

- não, agora só samos nós. - disse Cai. 

- se recupera primeiro. - disse Wells.

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...